Abrir menu principal

Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega

(Redirecionado de Saara (Rio de Janeiro))
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Saara, veja Saara.
Mapa da Saara
Rua da Saara
Casario histórico na Saara

A Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega é uma associação formada pelos comerciantes que atuam nas proximidades da Rua da Alfândega, no Centro da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. O termo "Saara", por extensão, é utilizado para se referir à região abrangida por essa associação, região essa que é famosa por abrigar lojas especializadas em artigos populares.

HistóriaEditar

A região atualmente abrangida pela Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega foi ocupada, no início do século XX, por imigrantes muçulmanos, judeus e cristãos maronitas provenientes do Império Turco-Otomano, que estava em processo de desintegração. Por esse motivo, uma das principais ruas da região, a Rua da Alfândega, recebeu o apelido de "Rua dos Turcos".

Em 1962, diante das ameaças de demolição das casas da região por conta de projetos urbanísticos, os comerciantes da área formaram a Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega, com o objetivo de defender a manutenção das características urbanísticas da região.[1]

Com o tempo, a sigla da sociedade, "SAARA", passou a ser utilizada pela população para se referir à região por ela abrangida, que passou a ser um ponto de referência em comércio popular na cidade.

CaracterísticasEditar

Entre as ruas da região, destacam-se a Uruguaiana, a da Alfândega, a Buenos Aires e a República do Líbano.

Na região, se localiza o Real Gabinete Português de Leitura e o campus do MACKENZIE-RIO.

Na Rua Uruguaiana, se localiza o Mercado Popular da Rua Uruguaiana, que foi inaugurado em 1994 pelo prefeito César Maia para dar melhores condições de trabalho aos vendedores informais que já ocupavam a área.[2]

A administração da Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega se encontra no número 983 da Avenida Presidente Vargas.[3]

Referências