Abrir menu principal
Gotlândia - Landsat

A Saga dos Gutas ou Saga da Gotlândia – em sueco Gutasagan – é um texto do século XIII que conta a história da ilha da Gotlândia, com ênfase para as relações com o rei da Suécia e o bispo de Linköping. [1][2][3]

Foi redigida em gútnico antigo, em oito páginas no final do manuscrito da Lei da GotlândiaGutalagen. O nome Gutasagan foi-lhe atribuído no século XIX. O único exemplar preservado está datado para c. 1350, e guardado na Biblioteca Nacional da Suécia. [4][2][5]

A saga conta, entre outras coisas, a história de uma migração dos Gutas, devido à falta de alimentos para uma população em crescimento. Em cada 3 homens, 1 teria tido que abandonar a ilha, levando todos os seus haveres menos a sua terra. Depois de terem passado pela ilha de Fårö, teriam chegado à ilha de Dagö, na Estónia. E uma vez na terra firme, teriam continuado remando e subindo o rio Daugava, através da Rússia, até terem chegado à Grécia. Graças à generosodade do rei local, teriam podido lá ficar para sempre, e teriam sido muito felizes. [6]

Referências

  1. Thomas Lindkvist e Maria Sjöberg (2006). «Centrum och periferi (Centro e periferia)». Det svenska samhället 800-1720 (em sueco). Lund: Studentlitteratur. p. 148. 476 páginas. ISBN 91-44-01181-4 
  2. a b «Gutasagan» (em sueco). Nationalencyklopedin (Enciclopédia Nacional Sueca). Consultado em 8 de março de 2014 
  3. «Gutasagan - gutarnas krönika» (em sueco). Guteninfo.com. Consultado em 8 de março de 2014 
  4. «Gutasagan - gutarnas krönika» (em sueco). Projekt Runeberg. Consultado em 8 de março de 2014 
  5. Christine Peel (ed.). «Guta Saga - The History of the Gotlanders» (PDF) (em inglês). Viking Society for Northern Research. Consultado em 8 de março de 2014 
  6. Stig Welinder (2009). «Goternas utvandring (A emigração dos Godos)». Sveriges historia. 13000 a.C-600 d.C (em sueco). Estocolmo: Norstedts. p. 445-446. 502 páginas. ISBN 978-91-1-302376-2 

FontesEditar