Abrir menu principal
Sala Minas Gerais
Interior da Sala Minas Gerais.
Tipo Sala de concerto
Fim da construção 17 de fevereiro de 2015 (4 anos)
Proprietário atual Governo do estado de Minas Gerais

A Sala Minas Gerais é uma sala de concertos em Belo Horizonte, Minas Gerais. Inaugurada em 2015, foi projetada e construída especialmente para servir como sede da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Com 32.464m² e capacidade para 1477 espectadores[1], orquestra e coro, a sala dispõe de recursos de acústica variável - como paredes difusoras em forma de vela, difusores de teto e cadeiras absorsoras - e foi projetada pelo arquiteto José Augusto Nepomuceno[2].

Desde fevereiro de 2015, a Sala Minas Gerais tem recebido os concertos das séries regulares da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais[3].

HistóricoEditar

Em 2008, quando foi criada a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais (então ainda com o nome de Orquestra Sinfônica do Estado de Minas Gerais), estava prevista a criação de uma sala de concertos para a orquestra, em local que ainda seria definido. Em agosto de 2011, foi anunciado o projeto que seria executado, com a definição do local, um terreno público no Barro Preto, região central de Belo Horizonte. Em 2013 foi dado início à construção da sala.[4] No mesmo terreno serão construídas as sedes da Rádio Inconfidência e da Rede Minas, formando um grande complexo cultural[3], com área total de mais de 41 mil m².[5]

A inauguração da Sala Minas Gerais se deu mesmo sem a liberação de alvará de vistoria por parte do Corpo de Bombeiros, mas com um alvará de funcionamento provisório e brigada de incêndio que permitiam o funcionamento regular. Como informado pelo corpo de bombeiros, não há restrição neste caso por ser um prédio público.[6]

ArquiteturaEditar

O projeto arquitetônico e acústico da Sala Minas Gerais reuniu conceitos de diversas salas consagradas, como a Berliner Philharmonie (da Orquestra Filarmônica de Berlim) ou a Sala São Paulo, mas sem se ater a um modelo pré-estabelecido[4]. O desenho das poltronas da Sala Minas Gerais foi concebido exclusivamente para o espaço, uma vez que elas participam do resultado acústico da sala, sendo responsáveis pela absorção acústica fixa do ambiente. Sua distribuição em torno do ao palco, à frente e em terraços ao seu redor, favorece a fruição tanto em aspectos visuais, quanto auditivos[7]. Outros elementos acústicos da sala são os difusores de teto, que podem variar de altura e de angulação de acordo com o repertório a ser executado, bem como as paredes em forma de vela[8].

Além da sala principal, onde ocorrem as apresentações e ensaios da orquestra, o prédio abriga a área administrativa da orquestra (Instituto Cultural Filarmônica), bem como salas para ensaios de naipes e espaços para arquivo e exposições.[9] O público conta ainda com amplos saguões com banheiro e café nos três andares. A essa estrutura deverão se integrar ainda mais dois edifícios, sedes da Rádio Inconfidência e da Rede Minas[3], além de um casarão restaurado com serviços de alimentação e uma grande praça pública[5].

Referências