Sala escura

Uma sala escura é parte de um centro de telecomunicações (por exemplo, uma agência postal) usada por funcionários do Estado para realizar intercepção clandestina e vigilância das comunicações.[1][2] Normalmente todas as cartas ou comunicações teriam de passar pela sala escura, antes de ser encaminhado para o destinatário. Essa prática esteve em voga desde a criação das agências postais, e era frequentemente usada na França, pelos ministros de Luís XIII e seus seguidores como cabinet noir (francês para "sala escura").

Em modernos centros de operações de rede, divisores ópticos desviam uma percentagem de luz laser de todos os cabos de fibra ótica, de entrada e saída, para a sala secreta.[3] Um exemplo é a Sala 641A no edifício da SBC Communications, em San Francisco.[3]

ReferênciasEditar

  1. Black Chamber at espionageinfo
  2. Kahn, David (13 de janeiro de 2006). «Back When Spies Played by the Rules». New York Times. Consultado em 21 de maio de 2010. London's was in Abchurch Lane, near St. Paul's. Black chambers resembled laboratories. 
  3. a b Mark Klein (31 de dezembro de 2005). «AT&T's Implementation of NSA Spying on American Citizens» (PDF). Wired. Cópia arquivada (PDF) em 3 de junho de 2006