Samuel Azavey Torres de Carvalho

Samuel Azavey Torres de Carvalho (Lisboa, 31 de janeiro de 1924 — Lisboa, 21 de fevereiro de 1993[1]), também conhecido por SAM, foi um cartunista português célebre pelo personagem o "Guarda Ricardo".

Samuel Azavey Torres de Carvalho
Pseudónimo(s) Sam
Nascimento 31 de janeiro de 1924
Lisboa
Morte 21 de fevereiro de 1993 (69 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação cartunista
Principais trabalhos Homenagem ao caracol e outras cerimónias (1981)

Nasceu em Lisboa, filho de pai português e mãe hebraico-italiana. Teve 3 filhos: Laura, Samuel, e Cristina, e 9 netos.

Durante a sua carreira colaborou com perto de 25 publicações, entre elas, o Expresso, Diário de Notícias, A Capital, Público e Jornal Novo, desenvolvendo diversas personagens — o Guarda Ricardo, a Heloísa, o Ulisses, “The Queen”…

Vários cartoons da sua autoria foram censurados pelo regime do Estado Novo[2][3] e podem ser vistos no sítio do Jornal Expresso.[4]

A sua personagem Guarda Ricardo nasce a 27 de maio de 1971 no Notícias da Amadora.[5]

Em 1986 realizou para a RTP os Filmezinhos do Sam, uma série de pequenos filmes mudos protagonizados por Mário Viegas.

Deixou um espólio de seis mil cartoons e mil outros objetos artísticos.[6]

A 9 de junho de 1993, foi agraciado, a título póstumo, com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.[7]

Em 2008 foi realizada uma exposição do espólio do artista, no Festival Optimus Alive.[8] Todo o espólio tridimensional do artista foi vendido à Câmara Municipal de Serpa pelos seus herdeiros, por forma a ser preservada e divulgada a obra do artista como um todo.

ObrasEditar

 
Infância (fonte escultórica de Sam, no Jardim do Campo Grande, em Lisboa)
  • O guarda Ricardo (1973);
  • De noite todos os Viriatos são pardos (1973);
  • O golfista (1973);
  • Contestasam - 74 (1974);
  • O guarda Ricardo - 1 (1975);
  • O guarda Ricardo - 2 (1976);
  • O guarda Ricardo - III (1976);
  • RevoluSam (1976);
  • Ai, Jesus! [Visual gráfico] (1977);
  • Ricardo à vista - 1 (1979);
  • Homenagem ao caracol e outras cerimónias (1981);
  • Bom dia, Ricardo! (1983);
  • Querida Heloísa (1983);
  • Médicos especialistas (1986);
  • A ratoeira : exposição - intervenção (1986);
  • A torneira = Le robinet = The tap = El grifo (1987);
  • Infância (escultura, Jardim do Campo Grande, em Lisboa);

Referências

  1. Morte de Samuel Torres de Carvalho, RTP 21.2.1993
  2. Cinco 'cartoons' de Sam sobre as eleições[ligação inativa], Expresso, Dossiê “O que a censura cortou”, 5 de setembro de 2008
  3. Inquérito sobre filme de António-Pedro Vasconcelos - Mais dois cartoons de Sam, José Pedro Castanheira, Expresso, Dossie "O que a censura cortou", 2 de maio de 2008
  4. [1][ligação inativa]
  5. Guarda Ricardo no Optimus Alive!08[ligação inativa], Blitz, Terça, 29 de abril de 2008
  6. Espólio de Sam vai a leilão 15 anos após a sua morte Arquivado em 7 de janeiro de 2014, no Wayback Machine., João Moço, Diário de Notícias, 29 de agosto de 2008
  7. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Samuel Torres de Carvalho". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 18 de julho de 2019 
  8. Optimus Alive!08 expõe obras completas de Sam, Luís Filipe Rodrigues, Diário de Notícias, 10 julho 2008
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Samuel Azavey Torres de Carvalho

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.