Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Sasano (desambiguação).
Sasano
Nacionalidade Império Parta
Ocupação Nobre

Sasano (em persa médio: s's'n; transl.: Sāsān; em parta: s'sn; transl.: Sāsān; em grego: Σασαν(ες); transl.: Sasan(es); em árabe: ساسان; transl.: Sasan) foi um persa do final do século II, o fundador epônimo da dinastia sassânida. Era pai de Pabaco e avô de Artaxes I (r. 224–242), primeiro do Império Sassânida

Dracma de Artaxes I (r. 224–242)
Dracma de Sapor I (r. 240–270)

VidaEditar

Para Tabari, era pai de Pabaco e avô de Artaxes I (r. 224–242), primeiro do Império Sassânida; duas genealogias são dadas pelo autor: numa era filho de Pabaco, filho de Sasano, filho de Pabaco, filho de M.h.r.m.s, filho de Sasano, filho de Bamanes, filho de Isfandiar, filho de Bistasbes, filho de Lurasbes, filho de Caiuaji, filho de Caimanuxes; noutra era filho de Pabaco, filho de Zarar, filho de Biafrides, filho de Sasano, filho de Bamanes, filho de Isfandiar, filho de Bistasbes, filho de Lurasbes. As genealogias citam Zarar e Biafrides, que são ligados não-historicamente aos arsácidas, e alguns dos lendários caianidas.[1] Tabari ainda afirma que Sasano era um guerreiro poderoso e corajoso cuja coragem e poder eram tamanhos que lutou sozinho com 80 dos homens mais fortes e valentes de Estachar e colocou-os a fugir, bem como era guardião do templo de fogo de Estachar chamado Anadide e devoto da perseguição e de atividades equestres. Ele casou-se com a bela e perfeita Rambeiste, oriunda da família real Bazranji de Fars.[2]

Apesar dessas genealogias, outras fontes não apresentam material substancial que permita conclusões definitivas.[3] A inscrição de Sapor I (r. 240–270), por exemplo, não cita Sasano como pai de Pabaco.[4] Noutra narrativa, contida no Livro dos Feitos de Artaxes, Filho de Pabaco e a Épica dos Reis de Ferdusi e que parece ser a base da adaptação grega registrada por Agátias, Sasano casou-se com a filha do príncipe local Pabaco após ele saber que Sasano tinha sangue real aquemênida e da união nasce Artaxes.[5] Os autores modernos tem se questionado se Sasano era avô de Artaxes, um ancestral remoto ou se, de fato, esteve ligado à linhagem de Pabaco. R. N. Frye sugeriu que Sasano era pai natural de Artaxes, mas por falecer antes da maioridade de seu filho, segundo a tradição zoroastrista, Pabaco adotou-o como seu filho, talvez após a morte de seu próprio filho Sapor.[5]

Vesta Sarkhosh Curtis sugeriu que Artaxes enalteceu o papel de Pabaco à ascensão dos sassânidas ao poder em detrimento de Sasano por questões propagandísticas. Embora filho do último, negou tal parentesco ao associar-se com Pabaco por receio de que a aristocracia da Pérsia o consideraria como estrangeiro, a julgar pela possível origem no Sacastão de seu ancestral e sua relação com os gondofáridas do extinto Reino Indo-Parta.[6] Se tal relação estiver correta, Artaxes não inaugurou uma nova dinastia, sendo ao menos do lado paterno um arsácida.[7] Para Touraj Daryaee, as fontes sassânidas não podem ser confiadas pois eram dos arquivos reais persas, que foram feitos pela corte, nas palavras de Daryaee, "para enquadrar a visão geral do mundo sassânida tardio". Daryaee e vários outros estudiosos afirma que Sasano tinha seu nome de uma deidade que foi conhecida em muitas partes da Ásia mas não em Fars, a terra natal dos sassânidas, o que significa que Sasano era um estrangeiro iraniano do Oeste ou do Leste que se assentou em Fars, cujos habitantes não sabiam sobre a deidade que acreditava. O Criação Original, que para Daryaee foi feito livremente e não pela corte persa, diz que Sasano era filho de Ueafrides e que sua filha de nome incerto mais tarde casou-se com Pabaco com quem teve Artaxes.[8]

Referências

  1. Tabari 1999, p. 2-3.
  2. Tabari 1999, p. 4.
  3. Farrokh 2007, p. 178.
  4. Frye 1985, p. 116.
  5. a b Frye 1985, p. 117.
  6. Curtis 2016, p. 30-31.
  7. Curtis 2016, p. 32.
  8. Daryaee 2010.

BibliografiaEditar

  • Curtis, Vesta Sarkhosh; Alram, Michael; Daryaee, Touraj; Pendleton, Elizabeth (2016). The Parthian and Early Sasanian Empires: adaptation and expansion. Oxônia e Filadélfia: Oxbow Books 
  • Farrokh, Kaveh (2007). Shadows in the Desert: Ancient Persia at War. Oxford: Osprey Publishing. ISBN 1-846-03108-7 
  • Frye, R. N. (1985). «The Political History of Iran Under the Sasanians». In: Yarshater, Ehsan. The Cambridge History of Iran Vol. 3(I) - The Seleucid, Parthian and Sasanian Periods. Cambridge: Cambridge University Press 
  • Tabari (1999). Bosworth, C.E., ed. The History of al-Tabari Vol. V - The Sasanids, The Byzantines, the Lakhmids and Yemen. Nova Iorque: State University of New York Press