Abrir menu principal
Como ler uma infocaixa de taxonomiaSerpulidae
Protula tubularia, espécie de Serpulidae presente em Portugal.
Protula tubularia, espécie de Serpulidae presente em Portugal.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Annelida
Classe: Polychaeta
Ordem: Canalipalpata
Subordem: Sabellida
Família: Serpulidae
Johnston

Serpulidae é uma família de vermes aquáticos da classe Polychaeta, pertencentes ao filo Annelida[1][2]. Produzem tubos de carbonato de cálcio e são animais sedentários filtradores, com maioria das espécies marinhas[1].

São conhecidos (assim como espécies de outras famílias de Polychaeta), com o nome popular de vermes-tubo, além de vermes-leque, vermes-espanador-de-pó e vermes-árvore-de-natal[1], devido ao aspecto de sua coroa branquial, um orgão respiratório e filtrador típico deste grupo de animais[2].

CaracterísticasEditar

Tubos de carbonato de cálcioEditar

As espécies desta família são capazes de produzir tubos calcificados de carbonato de cálcio[2], que podem ser longos e espiralados[1]. Estes tubos calcificados são produzidos por duas glândulas na região anterior do corpo[2].

Suas colônias de tubos calcificados são capazes de formar aglomerados, que costumam incrustar o casco de embarcações e demais estruturas submersas[1], como pilares de trapiches, corais, rochas e conchas.

Além dos Serpulidae, somente alguns outros poliquetas conseguem produzir tubos de carbonato de cálcio, como os da família Spirorbidae (as vezes considerada apenas uma subfamilia dentro de Serpulidae)[2] e a espécie Glomerula piloseta, da família Sabellidae.

Coroa branquialEditar

 
Coroa branquial, orgão típico de Serpulidae e algumas outras famílias de poliquetas filtradores.

Como outras famílias de Polychaeta filtradores, os Serpulidae apresentam um orgão típico bastante vistoso, chamado de coroa branquial, responsável tanto pela respiração (trocas gasosas), quanto pela alimentação do tipo filtradora (captura de sedimentos minúsculos na água)[2]. Este orgão pode ser bastante colorido e muito ramificado, se assemelhando à penas, ou uma "árvore-de-natal", motivo da origem de alguns dos nomes populares destes tipos de poliqueta: vermes-leque, vermes-espanador-de-pó e vermes-árvore-de-natal[2].

A coroa branquial é composta por numerosas projeções, chamadas radíolos, que se originam da região da boca do animal[2], sendo que em Serpulidae, um (ou alguns) radíolos são modificados para fazer o papel de "tampa" do tubo, chamada também de opérculo.

AlimentaçãoEditar

Os serpulídeos são animais filtradores, se alimentando de sedimentos em suspensão na água, como detritos e plâncton, capturado pelas ramificações da sua coroa branquial[1][2].

GaleriaEditar

Referências

  1. a b c d e f AMARAL, Cecília. NONATO, Edmundo. (1981). Anelídeos Poliquetos da Costa Brasileira (PDF). Brasília: CNPq. Consultado em 26 de dezembro de 2018
  2. a b c d e f g h i RUPPERT, E.E.; BARNES, R.D. Zoologia dos Invertebrados. 6ª. Edição. São Paulo: Editora Roca, 1996.