Sertãozinho (Icatu)

SERTÃOZINHO MARANHÃO BRASIL

Sertãozinho é um povoado do município de Icatu, no estado do Maranhão.[1] Está Localizado na microrregião de Rosário e na mesorregião do Norte Maranhense, com aproximadamente 10.000 habitantes, Sertãozinho é uma terra de sol forte, cultura rica e povo hospitaleiro, é possivelmente o povoado onde se concentra a maior atividade pesqueira de Icatu.

A partir de 2012 começou a receber por parte do poder público ações de interação família-escola-comunidade.[2]

EconomiaEditar

 
Pesca de Curral

Atividade Pesqueira

A atividade pesqueira é desenvolvida principalmente na baia Baía de São José e representa a principal fonte de recursos do povoado.

O principal meio de captura dos pescados é através da Pesca de Curral[3], uma arte milenar criada pelos índios, e constituem-se de grandes cercados com desenhos particulares. O mais importante é que sejam instalados na posição exata em função das correntes de marés. Os peixes que seguem as correntes são interceptados, o pescado atraído pela sombra das varas de madeira que compõe o curral ao entrar nele não consegui mais sair. Ao tentar escapar são dirigidos para o interior da armadilha.

Além da pesca de Curral, também é muito utilizada pelos seus moradores, a Pesca à linha; a Pesca de Malhadeiras[4], a Pesca com espinhel[5], etc...

Referências

  1. Universidade Federal do Maranhão (27 de agosto de 2009). «UFMA incentiva produção sustentável de frutos do mar». Consultado em 18 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2014 
  2. MEC (14 de novembro de 2012). «Povoados de Icatu (MA) recebem ações de incentivo à interação família-escola-comunidade». Consultado em 18 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2014 
  3. «A PESCA DE CURRAL DE JOSÉ SARNEY». Barbearia O Barbeiro. 2 de fevereiro de 2014 
  4. «Métodos de pesca - Gestão no Campo». www.gestaonocampo.com.br. Consultado em 20 de abril de 2017 
  5. «Globo Mar » Blog Archive » Pesca com espinhel foi introduzida no Brasil nos anos 50». g1.globo.com. Consultado em 20 de abril de 2017