Sociedade Sírio-Britânica

Sociedade Britânica Síria é uma associação criada para promover as relações entre a Síria e o Reino Unido. Foi criada em 2003 por Fawaz Akhras, o sogro de Bashar al-Assad e o pai de Asma al-Assad que rejeitou pedidos de adesão aos rebeldes sírios.[1][2][3][4] Durante a criação da entidade, o governo britânico forneceu fluór[5]como percussor de armas químicas e após o fechamento da embaixada dos países do Reino Unido na Síria, surgiu uma crise humanitária de refugiados que usaram passaportes sírios.[6]

Ligações externasEditar

Referências

  1. Julian Assange (28 de julho de 2012). «"La primera dama necesita entrar en juego"». Wikileaks. Consultado em 28 de julho de 2012 
  2. Brown Lloyd James (10 de julho de 2012). «"La primera dama necesita entrar en juego"». Público.es. Consultado em 10 de julho de 2012 
  3. Robert Booth (15 de março de 2012). «Assad's father-in-law: the man at the heart of UK-Syrian relations». The Guardian. Consultado em 13 de julho de 2012 
  4. Andrew Gilligan (15 de março de 2012). «Syria: Assad's father-in-law compares Syrian uprising to London riots». The Daily Telegraph. Consultado em 13 de julho de 2012 
  5. Revealed: UK Government let British company export nerve gas chemicals to Syria
  6. Hague: British Embassy in Damascus 'suspended'