Sofia Leonor de Hesse-Darmestádio

Sofia Leonor de Hesse-Darmestádio (7 de janeiro de 1634 - 7 de outubro de 1663) foi uma nobre alemã, esposa do conde Guilherme Cristóvão de Hesse-Homburgo.

Sofia Leonor
Condessa de Hesse-Homburgo
Condessa de Hesse-Darmestádio
Bildnis der Sophia Eleonore von Hessen-Darmestádio, Landgräfin von Hessen-Homburg (1634-1663).jpg
Retrato de 1662 por Salomon Duarte localizado na Antiga Pinacoteca, em Munique
Consorte Guilherme Cristóvão, Conde de Hesse-Homburgo
Nascimento 7 de janeiro de 1634
  Darmestádio, Alemanha
Morte 7 de outubro de 1663 (29 anos)
  Bingenheim, Alemanha
Filho(s) Frederico de Hesse-Homburgo
Cristina Guilhermina de Hesse-Homburgo
Leopoldo Jorge de Hesse-Homburgo
Frederico de Hesse-Homburgo
Guilherme de Hesse-Homburgo
Carlos Guilherme de Hesse-Homburgo
Frederico de Hesse-Homburgo
Sofia Madalena de Hesse-Homburgo
Frederico Guilherme de Hesse-Homburgo
Pai Jorge II de Hesse-Darmestádio
Mãe Sofia Leonor da Saxónia

FamíliaEditar

Sofia era a quarta filha do conde Jorge II de Hesse-Darmestádio e da princesa Sofia Leonor da Saxónia. Os seus avós paternos eram o conde Luís V de Hesse-Darmestádio e a marquesa Madalena de Brandemburgo. Os seus avós maternos eram o príncipe-eleitor João Jorge I da Saxónia e a duquesa Madalena Sibila da Prússia.[1]

CasamentoEditar

Sofia Leonor casou-se no dia 21 de abril de 1650 em Darmestádio com o seu primo direito, o conde Cristóvão Guilherme de Hesse-Homburgo. Por causa do casamento, o conde de Hesse-Homburgo ficou alojado no Castelo de Bingenheim, no território de Darmestádio e acabou por preferir viver lá do que na sua antiga residência em Hesse-Homburgo. O casal visitava a família do noivo ocasionalmente, mas Cristóvão ficou tão ligado a Darmestádio que até recebeu o título de conde de Hesse-Bingenheim do seu sogro e tio, o conde Jorge II de Hesse-Darmestádio. Como todos os filhos varões do casal morreram nos primeiros meses de idade, o título de conde de Hesse-Homburgo passou para o irmão mais novo de Cristóvão.

Hesse-BingenheimEditar

Após a morte de Cristóvão houve controvérsia na família sobre quem devia herdar o território de Hesse-Bingenheim, Homburgo ou Darmestádio. A disputa foi resolvida pela regente de Darmestádio, a duquesa Isabel Doroteia de Saxe-Gota-Altemburgo que conseguiu provar que os seu filho mais velho, o futuro conde Ernesto Luís de Hesse-Darmestádio, era o herdeiro legitimo.

DescendênciaEditar

Referências