Abrir menu principal
Taça da Madeira
Taça da AF Madeira
Coat of arms of Madeira.png
Dados Gerais
Organização Associação de Futebol da Madeira
Fundação 1943
Edições 67 (incluindo Taça da Madeira de 2015–16)
Outros nomes Taça do Funchal
Local de disputa  Madeira
Nº Clubes Todas
Sistema Eliminatórias a uma mão e Eliminatórias a duas mãos (meias-finais)
Dados Históricos
Actual Campeão Câmara de Lobos (4 títulos)
Maior Campeão Marítimo (25 títulos)
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

A Taça da Madeira é uma competição organizada sob a égide da Associação de Futebol da Madeira, disputada em sistema de eliminatórias, e destinada aos clubes filiados nesta associação, que por sua vez, abarca todos os clubes existentes na Região Autónoma da Madeira.

HistóriaEditar

BasesEditar

Motivada pelas dificuldades financeiras por que passavam os principais clubes madeirenses na altura, a Taça da Madeira, foi lançada pela Associação de Futebol da Madeira, sob o patrocínio da Junta Geral do Distrito do Funchal. O seu presidente da altura - João Abel de Freitas - preconizou a existência desta competição, atribuíndo desta forma prémios pecuniários aos clubes participantes.[1]

TaçaEditar

Destinada aos clubes partipantes na Divisão de Honra do Campeonato da Madeira, ficou estabelecido que o clube que primeiro conseguisse vencer três edições, ficaria com a taça definitivamente para si. Iniciou-se na época de 1943/44 e teve como vencedor nas duas primeiras edições o Clube Desportivo Nacional. Na edição seguinte, em 1945/46, o Clube Futebol União roubou a possibilidade de o Nacional ficar em definitivo com a Taça.[2] O Club Sport Marítimo estreia-se a ganhar na referida competição em 1946/47, repetindo o feito na época seguinte.

Dificuldades e InterregnoEditar

Na época de 1947/48 a prova esteve em risco de não se realizar devido à falta de pagamento dos prémios.[3] No entanto esta prossegue e o Marítimo vence, ficando à beira da conquista definitiva do tão ansiado troféu. Na edição seguinte, a prova fica marcada pelo protesto do Nacional em relação ao calendário de jogos. O protesto é enviado à Associação de Futebol da Madeira que o reenvia para a Federação Portuguesa de Futebol. A deliberação desta entidade, provocou a suspensão de todos os jogos feitos até então, tendo um recurso do Club Sport Marítimo junto daquela entidade preconizando como solução o arrastar daquela prova até à época seguinte. Daí não haver vencedor na edição 1948/49.[4]

Afirmação e Democratização da ProvaEditar

Na época de 1949/50 o Marítimo torna-se a primeira equipa a ficar com o troféu, em virtude das três vitórias obtidas, conforme tinha sido acordado. De referir que a Associação de Futebol da Madeira se comprometera a repor este troféu, sempre que uma equipa alcançasse tal deisiderato, sendo que a primeira taça havia sido adquirida em conjunto pelos pelos quatro participantes iniciais: Marítimo, União, Nacional e Sporting da Madeira.[5] Numa altura em que os clubes da Madeira estavam impedidos de participar nas provas regulares nacionais de futebol, esta taça assumiu-se como uma importante competição.

Desde sempre vedada a outro clubes não participantes na chamada Liga de Honra do Campeonato da Madeira, a prova democratizou-se e foi gradualmente aberta, permitindo a participação de todos. O primeiro clube a quebrar a hegemonia dos clubes do Funchal nas principais provas da Associação de Futebol da Madeira, foi a Associação Desportiva de Machico com a sua vitória nesta competição na edição de 1972/73.

Redução da importância da provaEditar

Com a progressiva entrada dos clubes madeirenses nas competições nacionais, esta taça perdeu um pouco a sua importância, passando a ser considerada pelos maiores clubes como uma competição menor. Mesmo assim, e depois de algumas épocas de indefinição, em que inclusivé não se realizou a dita prova, é de notar a ausência de outros vencedores na prova. Tal desiderato seria alcançado pelo Clube Futebol Andorinha, que estando ainda na I Divisão Regional - nova designação do principal Campeonato da Madeira, ganha em 1985/86 face a adversários que competiam em escalões muito mais altos.

Esta vitória ajudou a democratizar completamente a competição, sendo que a década de 90 e a primeira década deste milénio, se assistiu a uma profusão imensa de vencedores. Paralelamente a prova foi gradualmente decaindo de importância, servindo para os grandes clubes rodarem jogadores, passando a estar completamente despercebida do grande público.

No início deste milénio, a importância sobre esta prova cresce um pouco, mas sempre longe dos seus tempos aúreos.

VencedoresEditar

PalmarésEditar

Clube Títulos
Marítimo
26
União da Madeira
17
Nacional
6
Camacha
5
Câmara de Lobos
3
Portosantense
3
Pontassolense
2
Machico
2
Andorinha
1
Bairro da Argentina
1
Cruzado Canicense
1
Ribeira Brava
1
São Vicente
1

Referências

  1. Funchal, Diário de Notícias da Madeira "A primeira Taça da Madeira posta em disputa pela Associação de Futebol do Funchal tinha o patrocínio da Junta Geral do Distrito, o impulso decisivo do seu presidente da altura, João Abel Freitas, e o aliciante de atribuir ao clubes participantes (os da divisão de Honra do futebol madeirense), prémios pecuniários." Historial do Club Sport Marítimo - Fascículo nº23 "Troféus com História", disponível em http://www.csmaritimo.pt/content/view/464/43/
  2. Funchal, Diário de Notícias da Madeira "Nas duas primeiras edições (1943/44 e 1944/45) a vitória sorriu ao Nacional, que assim ficou à beira da conquista definitiva do troféu; na época seguinte o vencedor foi o União" Historial do Club Sport Marítimo - Fascículo nº23 "Troféus com História", disponível em http://www.csmaritimo.pt/content/view/464/43/
  3. Funchal, Diário de Notícias da Madeira "(...)a da dificuldade de realização da respectiva prova, na época de 1947/48, associada à suspensão do pagamento dos prémios pecuniários previstos." Historial do Club Sport Marítimo - Fascículo nº23 "Troféus com História", disponível em http://www.csmaritimo.pt/content/view/464/43/
  4. Funchal, Diário de Notícias da Madeira "O problema colocado pelos nacionalistas junto da Associação de Futebol ‘subiu’ até à Federação, implicando a suspensão dos jogos já efectuados; um recurso do Marítimo para o Conselho Jurisdicional da Federação conduziu à solução preconizada pelo clube: a conclusão da prova na época seguinte(...)" Historial do Club Sport Marítimo - Fascículo nº23 "Troféus com História", disponível em http://www.csmaritimo.pt/content/view/464/43/
  5. Funchal, Diário de Notícias da Madeira "O lindíssimo troféu – o mais caro até à data disputado na Madeira – foi adquirido por Marítimo, Nacional, União e Sporting, tendo ficado à responsabilidade da Junta Geral a reposição do mesmo sempre que um exemplar entrasse em posse definitiva de um clube." Historial do Club Sport Marítimo - Fascículo nº23 "Troféus com História", disponível em http://www.csmaritimo.pt/content/view/464/43/