Tentativa de golpe de Estado no Quênia em 1982

A tentativa de golpe de Estado no Quênia em 1982 foi uma tentativa fracassada de derrubar o governo do presidente Daniel arap Moi. À meia-noite do domingo, 1 de agosto de 1982, um grupo de soldados da Força Aérea do Quênia tomou a estação de rádio Voice of Kenya e anunciou que tinham deposto o governo. O bando tentou forçar um grupo de pilotos de caças da Força Aérea a bombardear a State House. Os pilotos fingiram cumprir as ordens em terra, porém uma vez no ar, eles as ignoraram e, ao invés disso, lançaram bombas sobre as florestas do Monte Quênia. [1]

Hezekiah Ochuka, um Senior Private Grade-I (a segunda mais baixa patente no exército queniano), governou o Quênia por cerca de seis horas, antes de fugir para a Tanzânia. Depois de ser extraditado de volta para o Quênia, ele foi julgado e considerado culpado de liderar a tentativa de golpe e foi enforcado em 1987. Também foi implicado na tentativa de golpe Jaramogi Oginga Odinga, ex-vice-presidente de Jomo Kenyatta, e seu filho Raila Amolo Odinga. O golpe foi suprimido rapidamente pelas forças comandadas pelo Chefe do Estado-Maior General Mohamed Mahamoud, um oficial militar veterano da Somália.[2] Eles incluíram a Unidade de Serviço Geral (GSU) - um grupo paramilitar da polícia - e mais tarde a polícia regular.

Referências

  1. Gachuhi, Roy (11 de dezembro de 2009). «How heroic trio of fighter pilots scuttled mission to bomb State House and GSU». nation.co.ke 
  2. Society. [S.l.]: Nyamora Communications Limited. 1992. p. 12 

BibliografiaEditar