Terceira Força (África do Sul)

A "Terceira Força " foi um termo usado pelos líderes do Congresso Nacional Africano (ANC) durante o final dos anos 1980 e o início dos anos 1990 para se referir a uma força clandestina que se acredita ser responsável por uma onda de violência em KwaZulu-Natal e nos municípios ao redor e ao sul de Witwatersrand (ou "Rand").[1]

A Comissão da Verdade e Reconciliação (TRC) concluiu que:

embora existam poucas evidências de uma "Terceira Força" dirigida, coerente ou formalmente centralizada, uma rede de agentes de segurança e ex-forças de segurança, atuando frequentemente em conjunto com elementos de direita e/ou setores do IFP, esteve envolvida em ações isso poderia ser interpretado como fomento da violência e que resultou em violações graves dos direitos humanos, incluindo assassinatos aleatórios e alvos.[2]

Uso após 1994Editar

Hoje, o grande número de protestos na África do Sul é frequentemente atribuída a uma "terceira força",[3][4][5] com presumidas ligações à agências de inteligência estrangeiras, partidos políticos da oposição e intelectuais brancos.[6][7] Nesse contexto, o termo 'terceira força' funciona na África do Sul, da mesma forma que o termo "agitador externo" funciona nos Estados Unidos, um termo que muitas vezes se afirma ter origens racistas.[8]

No entanto, S'bu Zikode, do movimento Abahlali baseMjondolo, de moradores de favelas, desconstruiu o termo alegando que a terceira força é a raiva dos pobres.[9] O Abahlali baseMjondolo também argumentou que "está claro que a terceira força é apenas outro nome para os pobres organizados".[10]

O ANC também frequentemente se refere a manifestantes e outros críticos como "contra-revolucionários.[11] O presidente do Cosatu, Sdumo Dlamini, afirmou que as organizações populares ativas na política local estão ligadas à CIA.[12]

O jornal Mail & Guardian informou que: "Segundo os ativistas da base, as acusações de 'criminalidade' e 'terceira força' são familiares: usadas para deslegitimar e descartar dissidências e queixas - e perpetuam a noção de uma sociedade homogeneamente satisfeita com uma liderança liderada pelo governo do ANC." [13] O jornal também citou a ativista Ayanda Kota, dizendo que essas alegações "tiram a agência de nós. É o mesmo argumento usado pelos mineiros que lutam por um salário digno: eles estão sendo usados por alguma "terceira força"... Pobres ... aparentemente não podem se organizar. O mesmo aconteceu com Steve Biko e o Movimento da Consciência Negra - a CIA estava por trás deles."

Os pogroms xenófobos de maio de 2008 também foram atribuídos à "terceira força".[14] Em 2015, Malusi Gigaba também atribuiu a violência xenofóbica a uma "terceira força".[15]

Protestos na mineração em terras comunais,[16] ações sindicais independentes, [17] protestos estudantis[18] e a formação de novos partidos políticos também foram vistos em termos conspiratórios pelo ANC.[19] Gwede Mantashe, secretário geral do ANC, atribuiu as greves nas minas à agência de 'estrangeiros brancos'.[20]

O município eThekwini, controlado pelo ANC em Durban, afirmou repetidamente que "a terceira força" está por trás das ocupações de terra na cidade.[21]

Charles van Onselen argumenta que o ANC usa a ideia da "terceira força" como uma teoria da conspiração para desviar a atenção de suas próprias falhas.[18]

ReferênciasEditar

  1. The Historical Significance of South Africa's Third Force, Stephen Ellis Journal of Southern African Studies, Vol. 24, No. 2 (Jun., 1998), pp. 261-299
  2. «Section 4 Appendix: The 'Third Force'» (PDF), Truth and Reconciliation Commission of South Africa Report, 6, 2003, cópia arquivada (PDF) em 19 de agosto de 2005 
  3. ANC: "Abahlali and opposition a third force", Mhlabunzima Memela, The Witness, 17 October 2013
  4. 'Third force' link to unrest GRAEME HOSKEN and SIPHO MASOMBUKA, The Times, 7 February 2014
  5. A revolution’s dreams betrayed, Malaika wa Azania, Sunday Independent, 30 March 2014
  6. Abahlali's Vocal Politics of Proximity: Speaking, Suffering and Political Subjectivization, Anna Selmeczi, Journal of Asian and African Studies, October 2012 vol. 47 no. 5 498-515
  7. On the Third Force, SACSIS, 2012
  8. The Anti-Black And Anti-Semitic History Of “Outside Agitators”Spencer Sunshine, It's Going Down, 2 June 2020
  9. Zikode, S'bu (2006), We are the Third Force, Abahlali baseMjondolo 
  10. The Third Force is Gathering its Strength, Abahlali baseMjondolo, 3 March 2010
  11. The ANC's imagined and real enemies: 'Creeping counter-revolution' vs. creeping scandals, Ranjeni Munusamy, 21 January 2012
  12. Conspiracy theories tell us much about South Africa, ANTHONY BUTLER, Business Day, 23 AUGUST 2013,
  13. Activists decry talk of 'third force' at Marikana, Niren Tolsi, Mail & Guardian, 24 August 2012
  14. Michael Neocosmos, From Native Foreigners to Foreign Natives, CODESRIA, Dakar, 2010, p. 118
  15. Outbreak of xenophobic attacks ‘shows lack of leadership’, Staff Writers, Business Day, 16 April 2015
  16. Mining is a 'done deal', Fred Kockott, IOL, 2008
  17. Gwede's Swedish diplomatic row, By LOYISO SIDIMBA AND CANDICE BAILEY, Sunday Independent, 23 June 2013]
  18. a b The top 10 ANC conspiracy theories, Charles van Onselen, Rand Daily Mail, 25 May 2016
  19. New parties a sign of 'foreign agents', says MK Vets chairman, COLLEEN GOKO, Business Day, 30 APRIL 2013,
  20. "White foreigners": The danger of history repeating itself, Terry Bell, GroundUp, 13 June 2014
  21. .eThekwini says third force behind increased land invasions in Durban, Se-Anne Rall, The Mercury, 17 January 2019

Veja tambémEditar

  • Inkatha - organização cultural e política zulu