Abrir menu principal

Testemunhas de Jeová em Moçambique

As Testemunhas de Jeová são uma denominação cristã[1][2][3] não trinitária, milenarista[4] e restauracionista[5]. Contam, em Moçambique, com uma média de 54.455 publicadores, distribuídas por cerca de 1.175 congregações, sendo que os simpatizantes alcançam um número similar. Isso pode ser constatado no anuário das Testemunhas de Jeová de 2017 que refere terem assistido 223.543 pessoas à sua principal Celebração, a Comemoração da Morte de Cristo em 2016. [6]

1. Primeiro contactoEditar

Albino Mhelembe era um moçambicano que trabalhava nas minas de Johanesburgo em 1925, na África do Sul, quando conheceu a denominação e foi batizado. Voltando para sua casa, passou a pregar aos membros da sua anterior igreja da Missão Suíça, em Vila Luísa (hoje Marracuene), na província mais sulina de Moçambique. Esses africanos recém-interessados eram muito zelosos e amiúde viajavam 30 Km para chegarem as reuniões. Formaram-se grupos, inclusive em Lourenço marques, atualmente Maputo.[carece de fontes?]

Por volta desta época a mensagem da denominação estava chegando mais ao norte. Gresham Kwazirirah, africano na Niassalândia (hoje Malawi), havia estudado o livro A Harpa de Deus, com ajuda de John e Esther Hubson, da Africa do sul. Em 1927, Gresham, acompanhado por Biliyati Kapacika, mudou-se para Moçambique à procura de emprego. Entraram no País pela região de Milange e seguiram para o sul até Inhaminga, Sofala. Ali conseguiram emprego nos Caminhos de ferro, Trans-Zambézia.[carece de fontes?]

Em 1929 chegaram a Lourenço Marques, procedentes da África do Sul, as primeiras Testemunhas de Jeová europeias, Henry e Edith Myrdal, que começaram a envagelizar a população Portuguesa. Quatro anos mais tarde, juntou-se a eles o casal Jager.[carece de fontes?]

Em resultado da vinda deles muitas sementes foram lançadas acerca da doutrina da denominação. [7]

1.2. História religiosa em 1925Editar

Esta denominação religiosa está presente no país desde 1925, quando se descobriu a existência deste grupo, e começou a repressão por parte do Colonialismo Português, visto que os colonos professavam a religião Católica. Contudo, mesmo depois da independência em 1975, as Testemunhas de Jeová continuavam sendo perseguidas pelo governo da Frelimo presidido por Samora Machel, sendo que eram confundidos como sendo pertencentes a um determinado partido político, tanto que no período compreendido entre setembro de 1975 e fevereiro de 1976 foram todos deportados para um campo de refugiados na vila de Milange na província da Zambezia acompanhados de tortura e punições. [8]

 
Salão do Reino das Testemunhas de Jeová em Moçambique (Lamego)

Na altura, o ex-chefe de estado Armando Guebuza era o ministro da Administração Interna do governo de transição, e anunciou a criação de campos ou Centro de reeducação. Este tipo de programa foi característico de outros regimes totalitários socialistas como o da antiga União Soviética ou da China. As Testemunhas de Jeová foram alvos desse ataque repressivo por, de acordo com a sua doutrina, não fazerem parte do mundo, como afirmam nas suas publicações. [9] Por atitudes como recusarem a prestar serviço militar obrigatório, entoar o Hino Nacional, entre outras, foram apanhados nas ruas das principais cidades de Moçambique, em particular em Maputo, Beira, Inhambane, segundo relatos em jornais internacionais.[10] [11]


1.3. O governo reconhece que se trata duma organização religiosaEditar

No campo de refugiados ou campo de reeducação as Testemunhas de Jeová foram atacadas pela guerrilha da Renamo em 1983, e muitos morreram, facto este que fez com que em setembro de 1985 as Testemunhas de Jeová se deslocassem para a Zâmbia e Malawi, à procura de um local de paz.[carece de fontes?] Com esta emigração, o governo Moçambicano percebeu que aquele grupo não era político, mas sim religioso, isto deveu-se à passividade perante a repressão que sofria, sem retaliar. Foi então, quando a 11 de fevereiro de 1991 que as Testemunhas de Jeová foram reconhecidas legalmente como uma Organização Religiosa, permitindo-lhes difundirem o ensino bíblico de seu Deus Jeová. [12]

 
Interior dum Salão do Reino das Testemunhas de Jeová em Moçambique (Beira, Munhava)
 
Salão do Reino das Testemunhas de Jeová em Moçambique, 2015

Instalaram então a sua sede em Maputo, a partir de 1 de setembro de 1992, numa grande casa que a Sociedade (Torre de vigia) adquiriu e renovou na área de muitas embaixadas. Foi-lhe atribuído o nome de Betel, que quer dizer "A casa de Deus". A filial moçambicana iniciou o seu trabalho de supervisionar este vasto Campo. [13] [14]

Editar Índice
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
Religião cristã não trinitária
Definição Básica | Doutrinas e Teologia
Estrutura Mundial | Congregações Locais
História das Testemunhas de Jeová
Testemunhas de Jeová no Brasil
Testemunhas de Jeová em Angola
Testemunhas de Jeová em Moçambique
Testemunhas de Jeová em Portugal
Sociedades Usadas pelas Testemunhas
Sociedade Torre de Vigia - Definição
Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados
Sociedade Torre de Vigia de Tratados de Sião
Edições Notáveis
A Sentinela | Despertai! | Notícias do Reino
Tradução do Novo Mundo
Estudos das Escrituras
Fotodrama da Criação | Anuário
Proclamadores do Reino de Deus
Cancioneiro das Testemunhas de Jeová
Estudo Perspicaz das Escrituras
A Verdade Que Conduz à Vida Eterna
O Que a Bíblia Realmente Ensina?
Artigos Diretamente Relacionados
com as Testemunhas de Jeová
Escatologia | Cronologia | Neutralidade
Normas de Moral | Questão do Sangue
Escravo Fiel e Discreto | Corpo Governante
Celebração da Morte de Cristo
Testemunhas de Jeová e abuso sexual de menores | Críticas às Testemunhas de Jeová | Testemunhas de Jeová e as Nações Unidas Perseguição religiosa
Salão do Reino
Programas Educacionais | Serviço Voluntário
Estudantes da Bíblia | Triângulos Roxos
Outros Artigos que Referem Crenças
das Testemunhas de Jeová
Tetragrama Sagrado YHVH
Arcanjo | O Arcanjo Miguel
Seol | Hades | Inferno | Geena
Biografias
Charles Russell | Joseph Rutherford | Nathan Knorr
Frederick Franz | Milton Henschel | George Gangas
Karl Klein | Grant Suiter
Don Adams | Max Larson | Alexander Macmillan
August Dickmann | Leopold Engleitner
Simone Arnold Liebster | Raymond Victor Franz
Influências Formativas
William Miller | Henry Grew
George Storrs | Nelson H. Barbour

Referências

  1. «Who is a Christian?» (em inglês). Religious Tolerance.org. Consultado em 26 de outubro de 2015 
  2. «Jehovah's Witnesses at a Glance» (em inglês). bbc.co.uk. 29 de setembro de 2009. Consultado em 26 de outubro de 2015 
  3. The Free Dictionary.com. «Je·ho·vah's Witness» (em inglês). thefreedictionary.com. Consultado em 26 de outubro de 2015 
  4. Beckford, James A. (1975). The Trumpet of Prophecy: A Sociological Study of Jehovah's Witnesses. Oxford: Basil Blackwell. p. 118–119, 151, 200–201. ISBN 0631163107 
  5. Iannaccone, Laurence; [et al.] (1997). «Why Jehovah's Witnesses Grow So Rapidly: A Theoretical Application». Journal of Contemporary Religion (em inglês). 12 (2): 133–157. doi:10.1080/13537909708580796 
  6. [1]
  7. Anuário das Testemunhas de Jeová, 1996, Página 118,119
  8. História das Testemunhas de Jeová de Moçambique Acessado em 25 de Fevereiro de 2015
  9. Mantenha-se no Amor de Deus Capítulo 5; página 51-61
  10. As feridas abertas pelo processo de reeducação dw.de Acessado em 25 de Fevereiro de 2015
  11. Protestantes triplov.com Página visitada em 25 de Fevereiro de 2015
  12. História das Testemunha de Jeová Página visitada em 25 de fevereiro de 2015
  13. Quem está fazendo a vontade de Jeová hoje, 2012, Página 21
  14. Anuário das Testemunhas de Jeová, 1996, PP. 181,182

Ligações ExternasEditar