Abrir menu principal
The 48 Laws of Power
As 48 Leis do Poder
Autor(es) Robert Greene, Joost Elffers
Idioma Inglês
País  Estados Unidos
Assunto estratégia, semi-ajuda
Gênero não-fictício
Editora Viking Press
Lançamento 1998

The 48 Laws of Power (pt: As 48 Leis do Poder/ br: As 48 Leis do Poder) é o primeiro livro do autor norte-americano Robert Greene, e co-autoria de Joost Elffers. The 48 Laws of Power vendereu mais de 1,2 milhão de cópias nos Estados Unidos e foram traduzidas para 24 idiomas.[1][2]

A Fast Company chamou o livro de "mega culto clássico" e The Los Angeles Times observou que The 48 Laws of Power transformou Greene em um herói de culto da elite de Hollywood e prisioneiros".[3][4] O cantor 50 Cent afirmou que se relacionou com o livro "imediatamente", e se aproximou de Greene com a perspectiva de uma potencial colaboração, que mais tarde se tornaria The 50th Law, outro best-seller do New York Times.[2][5][6]

Referências

  1. Green, Hardy. «Best Selling List». BusinessWeek 
  2. a b Chang, Andrea. American Apparel's in-house guru shows a lighter side. LA Times. August 30, 2011.
  3. Paumgarten, Nick. Fresh Prince. NewYorker. November 6, 2006.
  4. Bosh, Chris. Chris Bosh NBA Blog. NBA.com. April 10, 2007.
  5. Blake, John. How to Master the ‘48 Laws of Power’. CNN. March 15, 2010.
  6. Tice, Carol. All’s Fair?. Entrepreneur. November 1, 2006.
  Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Assim como uma arma dada as mãos de uma pessoa, greene te apresenta armas da dissimulação, não te diz como usar e nem quando usar, mas usa de contos reais,historias onde o leitor pode ilustrar o sentido jurídico para talvez poder aplicar em sua vida para melhor ou para pior,mas como são armas, alguém pode sair ferido, tanto você como outras pessoas, voltando ao assunto, pessoas usaram no passado essas armas para se manter ou chegar no poder.. a certo ponto é esclarecedor e pode dar medo, o livro representa as pessoas como se fossem profundamente interesseiras, ao julgar do ponto de vista, são mesmas, reis,imperadores,cortesã,vale lembrar que o livro usa as historias como um exemplo, então vai de você saber usar corretamente seja lá qual comportamento queira, se você usar errado, pode acabar parecendo patético, no final de cada capitulo o livro se contradiz, pois existe o inverso da lei escrita, então deixa a interpretação quando se deve ou não usar...