Abrir menu principal

The Machinery of Freedom

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2009). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

As Engrenagens da Liberdade (The Machinery of Freedom) é um livro de 1973 de não-ficção escrito pelo economista David Friedman que demostra como uma sociedade pode funcionar sem Estado. O Institute of Public Affairs incluiu o livro em uma lista dos 20 livros que você deve ler antes de morrer.

O livro defende a abolição e privatização de todas as funções governamentais e detalha sugestões para os passos para a privatiza"ao e explora as consequências do pensamento libertário, além de exemplos de sociedades libertárias (como a da Islândia e Irlanda) e ainda oferece o porque ele virou libertário. Os tópicos no livro incluem a privatização da lei (legislações e cumprimento) e os problemas de fornecer bens públicos (como a defesa nacional) em uma sociedade puramente libertária. As conclusões de Friedman o posicionam como um anarcocapitalista.

Enquanto alguns libertários e anarcocapitalistas oferecem pontos de vista deontológicos e argumentam em termos de direitos naturais, Friedman argumenta a partir do utilitarismo que as consequências do anarcocapitalismo serão benéficas para a vasta maioria, incluindo os pobres. A estratégia de Friedman para a mudança do estado atual para o anarcocapitalismo é pragmática em espírito, defendendo mudanças incrementais. Por exemplo, ele favorece a introdução de cheques educação como um prelúdio para a privatização do sistema de ensino, e a descentralização da polícia como um primeiro passo para a privatização da defesa.

Lei de FriedmanEditar

Friedman diz que qualquer coisa feita pelo governo custa no mínimo duas vezes mais do um equivalente provido privadamente. Ele ilustra essa ideia com muitos exemplo, o Correios americano é um caso bem conhecido.

Versão BrasileiraEditar

A versão brasileira do livro foi realizada através de parceria entre o Portal Libertarianismo e o Estudantes Pela Liberdade, que entre 2009 e 2011 traduziram e revisaram o livro com trabalho voluntário.

RecepçãoEditar

O Institute of Public Affairs, um think tank libertário localizado na Austrália, incluía "The Machinery of Freedom" em uma lista dos "20 livros mais importantes que você deve ler antes de morrer" em 2006.[1] A revista Liberty publicou o livro entre os dez melhores livros libertários, elogiando Friedman por abordar os problemas relacionados aos sistemas de defesa nacionais privados e tentar resolvê-los.[2][3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Shearmur, Jeremy. Institute of Public Affairs Review, July 2006, Vol. 58, Issue 2, p. 28, 1/3p (AN 22056148)
  2. Vavasour, Liam (setembro de 2006). Cox, Stephen, ed. «Ten Great Books of Liberty» (PDF). Liberty. 20 (9): 21–33. Consultado em 12 de julho de 2014 
  3. Kinsella, Stephan (3 de agosto de 2006). «Top Ten Books of Liberty». Ludwig von Mises Institute. Consultado em 12 de julho de 2014 

Ligações ExternasEditar