Abrir menu principal
Thomas Stephens
Nascimento 1549
Morte 1619 (70 anos)
Salcete
Cidadania Reino Unido
Ocupação linguista, missionário
Religião Catolicismo

Thomas Stephens (c.1549 – 1619) foi um padre inglês e missionário jesuíta na Índia portuguesa, escritor e linguista (com foco no marata e concani).

Educado em Oxford, o padre Thomas Stephens foi um dos primeiros missionários cristãos ocidentais na Índia. Ele, com Roberto Nobili, ajudou a converter a classe superior da sociedade indiana ao adotar as práticas locais e ao escrever livros nas línguas indianas. Stephens produziu o Krista Purana (História de Cristo), enquanto se considera que Noibli escreveu Ezourvedam - uma adaptação do Iajurveda em Tâmil, apresentando Cristo (Ezous) ao leitor em termos do sistema de crenças indiano da época.

Primeiros anos e estudosEditar

Filho de um comerciante, Stephens nasceu em Bushton, Wiltshire, Inglaterra, e estudou em Oxford antes de se tornar um católico. Foi para Roma, onde ingressou na Companhia de Jesus em 1575. Estudou filosofia no Collegio Romano antes de partir para Lisboa, a caminho de Goa. Chegou ao seu destino em 24 de outubro de 1579, sendo provavelmente o primeiro inglês a pisar em solo indiano,[1] alegação que é, entretanto, contestada por G. Schurhammer e outros.[2] Depois de alguns meses de estudos teológicos, ele foi, em 1580, ordenado ao sacerdócio. Aprendeu a ler e a escrever em concani e marata.

Em GoaEditar

Ele era o superior de Salcete (1590-1596) e, nessa condição, teve que lidar com as consequências da morte dos chamados mártires de Cuncolim (1583). Com exceção de um ano em Vasai (Bassein), uma cidade de domínio português localizado ao norte de Bombaim (Mumbai), ele passou todos os seus anos pastorais em Salcete, sendo pároco em Margão, Benaulim, Marmugão, Navelim e vários outros lugares.

Provavelmente Roberto de Nobili, SJ, conheceu Thomas Stephens ao desembarcar em Goa, antes de prosseguir para a Missão Madurai. Falcao mostrou que existem termos comuns a ambos os pioneiros da inculturação, por exemplo, jnana-snana (banho de conhecimento ou iluminação), um termo que Stephens usou para o batismo e que Nobili parece o ter emprestado; o termo ainda é atual no Tâmil para usos cristãos.[3] Stephens morreu em Salcete, Goa, em 1619, com cerca de 70 anos.

Variações no nomeEditar

Existem muitas variações do nome de Thomas Stephens. Cunha Rivara observa que a Bibliotheca Lusitana "claramente, mas erroneamente, chama-o de Esteves".[4] JL Saldanha observa: “Entre seus irmãos clericais, ele era conhecido como Padre Estevam, e os leigos parecem ter melhorado o nome e o transformaram em Padre Busten, Buston, e o grandioso e sonoro de Bubston.” [5] Saldanha também observa que Monier-Williams dá o nome de 'Thomas Stevens', enquanto aponta que a História da Igreja de Dodd fala de Stephen de Buston ou Bubston.[6] Mariano Saldanha, em vez disso, dá o nome de 'Tomás Estêvão'.[7] A própria Enciclopédia Católica (veja os Links Externos abaixo) parece ter dois registros para a mesma pessoa: Thomas Stephens e Thomas Stephen Buston.

Essas variações, com as variações nos títulos do Khristapurana, aumentam a dificuldade de rastrear edições impressas e cópias manuscritas do último.

RealizaçõesEditar

No inglêsEditar

Antes do final do século, Stephens já era conhecido na Inglaterra graças a uma carta que escreveu para seu pai e publicada no segundo volume das Principais Navegações de Richard Hakluyt, na qual ele descreve a Índia Portuguesa e suas línguas.

No concaniEditar

Stephens, acima de tudo, é lembrado por sua contribuição para o concani na escrita romana.[8]

Referências

  1. See William Wilson Hunter's HISTORY OF BRITISH INDIA 1899 Longmans Green & Co, Volume I Chapter II.
  2. See G. Schurhammer, "Thomas Stephens, 1549–1619,” The Month 199/1052 (April 1955) 197–210
  3. N. Falcao, Kristapurana: A Christian-Hindu Encounter: A Study of Inculturation in the Kristapurana of Thomas Stephens, SJ (1549–1619). Pune: Snehasadan / Anand: Gujarat Sahitya Prakash, 2003.
  4. Cunha Rivara, "An Historical Essay on the Konkani Language,” tr. Theophilus Lobo, in A.K. Priolkar, The Printing Press in India: Its Beginnings and Early Development. Being a Quartercentenary Commemorative Study of the Advent of Printing in India (in 1556) [Mumbai: Marathi Samsodhana Mandala, 1958] 225.
  5. “Biographical Note,” The Christian Puránna of Father Thomas Stephens of the Society of Jesus: A Work of the 17th Century: Reproduced from manuscript copies and edited with a biographical note, an introduction, an English synopsis of contents and vocabulary, ed. Joseph L. Saldanha (Bolar, Mangalore: Simon Alvares, 1907) xxxvi.
  6. Monier Monier-Williams, “Facts of Indian Progress,” Contemporary Review (April 1878), cited in J.L. Saldanha xxiv.
  7. M. Saldanha, “História de Gramática Concani,” Bulletin of the School of Oriental Studies 8 (1935–37) 715.
  8. «543 Madhavi Sardesai, Mother tongue blues». www.india-seminar.com. Consultado em 1 de outubro de 2019 

Links externosEditar