Tomás da Irlanda

Tomás da Irlanda (S. XIII - antes de 1338), conhecido também como Thomas Hibernicus (não confundir co'o frade franciscano Tomás de Hibernia, que morreu entorno a 1270),[1] foi um escritor medieval escolástico irlandês. A fama de Tomás da Irlanda não se deve ao ser um autor original, senão ao ser um autor de antologias e de índices alfabéticos.

VidaEditar

Tomás foi estudante do Colégio da Sorbona em París e magister artium entorno a 1295. Nos primeiros manuscritos do seu Manipulus em 1306 aparece citado como membro do Colégio da Sorbona. Se crê que morreu antes de 1338.

ObrasEditar

Manipulus florumEditar

Tomás foi o autor de três breves tratados de exegese teológica e bíblica, e o compilador do Manipulus florum (Buqué de flores). Esta última obra é uma antologia em latim, que tem sido descrito como uma "coleção dumos 6,000 extratos da Patrística e dumos poucos autores clássicos".[2] Tomás compilou esta coleção a partir de libros da biblioteca da Sorbona, "e na sua morte legou os seus libros e dezesseis libras parisinas ao colégio".[3]

Mesmo que Tomás foi a princípio membro do clero secular, a sua antologia teve muito sucesso porque "se adaptava bastante ás necessidades dos novos ordens mendicantes ... [para] ... localizar citações ... relevantes para qualquer tema que quiseram tratar nos seus sermões."[4] De fato, Boyer tem demostrado que pouco depois que o Manipulus ter acabado um dominico francês o usou para compor uma série de sermões que têm chegado aos nossos dias.[5] Não obstante, Nighman tem argumentado que, ainda que a obra foi usada provavelmente por predicadores, a intenção de Tomás da Irlanda não era escrever uma ferramenta para ajudar à predicação, senão uma ferramenta para ajudar aos estudantes universitários, especialmente aquelos que pretendiam fazer uma carreira eclesiástica.[6]

Tomás da Irlanda foi também um dos pioneiros da tecnologia da informação medieval, ja que incluiu índices alfabéticos e referências cruzadas. Isto explica em parte o grande sucesso que teve esta obra. O Manipulus florum sobrevive em cento noventa manuscritos, e foi impresso por primeira vez em 1483. Foi impresso vinte e seis vezes durante o século XVI, e onze vezes durante o s. XVII. Inclusive no s. XIX se publicaram edições em Viena e Turim.

Outras obrasEditar

Tomás foi tambiém o autor doutras três obras:

  1. De tribus punctis religionis Christiane (Sobre os três principais puntos da religião cristã), em torno aos deveres do clero secular.
  2. De tribus hierarchiis (Sobre as três jerarquias), que desenvolve idéias de jerarquia expressadas no final de De tribus punctis.
  3. De tribus sensibus sacre scripture (Sobre os três sentidos da Sagrada Escritura), em torno aos quatro sentidos da Bíblia.

As dois últimas obras sobrevivem em 3 e 8 manuscritos respectivamente.[7]

Referências

  1. Clark, James G. "Hibernicus, Thomas (c.1270–c.1340)". Oxford Dictionary of National Biography. Oxford University Press. 2004. (em inglês)
  2. Rouse, Richard / Rouse, Mary. "Preachers, florilegia and sermons: Studies on the Manipulus Florum of Thomas of Ireland". Toronto. PIMS. 1979. (em inglês)
  3. A New History of Ireland. Volume I. P. 958. Sobre a utilização de manuscritos de Pedro de Blois que pertenciam ao Colégio de Sorbona por Tomás, vide Nighman, Chris L. "Editorial agency in the Manipulus florum: Thomas of Ireland’s reception of two works by Peter of Blois". Em From Learning to Love: Schools, Law, and Pastoral Care in the Middle Ages – Essays in Honour of Joseph W. Goering. T. Sharp et al. (eds.). Papers in Mediaeval Studies, 29. Toronto. PIMS. 2017. Pp. 224-48. (em inglês)
  4. Rouse, Richard / Rouse, Mary. Op.cit. (em inglês)
  5. Boyer, Christine. "Un témoin précoce de la réception du Manipulus florum au début du XIVème siècle: le recueil de sermons du dominicain Guillaume de Sauqueville". Bibliothèque de l'École de Chartes, 163.1. 2006. Pp. 43-70. (em francês)
  6. Nighman, Chris L. "Commonplaces on preaching among commonplaces for preaching? The topic Predicatio in Thomas of Ireland's Manipulus florum". Medieval Sermon Studies, 49. 2005. 37-57. Ver também, Cels, Marc "Anger in Thomas of Ireland’s Manipulus florum and in Five Texts for Preachers". Florilegium 29. 2012. 147-70; e Nighman, Chris L. "The Manipulus florum, Johannes Nider's Formicarius, and late medieval misogyny in the construction of witches prior to the Malleus maleficarum". Journal of Medieval Latin, 24. 2014. 171-84. (em inglês)
  7. Um estudo reciente sobre estas três obras menores é Lawell, Declan. "Thomas of Ireland, the Pseudo-Dionysius and the Ecclesiastical Hierarchy: A Study of the Three Opuscula". Em McEvoy, J. & Dunne, M. (eds). The Irish Contribution to European Scholastic Thought. Dublin. Four Courts Press. 2009. Pp. 74-87. Ver também McEvoy, James. "Flowers from Ancient Gardens: The Lemma 'Amicitia' in the Manipulus florum of Thomas of Ireland". Em Op.cit.". Pp. 60-73.(em inglês)

LiteraturaEditar

Ligações externasEditar