Toyota Land Cruiser (J70)


A Série 70 é uma família de modelos Toyota Land Cruiser produzidos desde 1984 em substituição à Série 40 como o modelo off-road da linha Land Cruiser, enquanto a Série 60 contemporânea se desenvolveu em SUVs de luxo mais confortáveis começando com a Série 80 . Apesar das grandes alterações no estilo e inúmeras atualizações tecnológicas, a Série 70 foi projetada para manter as capacidades off-road e a durabilidade associadas à Série 40. A Série 70 foi comercializada em todo o mundo, exceto em países como Índia, Estados Unidos, México, Brasil e Coréia, onde foram importados de forma independente e colocados em uso comercial ou privado. Como uma celebração do 30º aniversário da série 70 do Land Cruiser, a Toyota comercializou temporariamente a série Land Cruiser 70 no mercado japonês por 12 meses.[1]

Land Cruiser Série 70
Visão geral
Produção 1984-presente

Designações dos modelos editar

Originalmente, os números de modelo 70 a 74 referiam-se às versões de duas portas com distância entre eixos curta e média. Estes foram os sucessores da Série 40, como o FJ40. Os números de modelo 75, 78 e 79 referiam-se à versão de distância entre eixos longa, que estava disponível nos modelos pickup e transporte de tropas de duas portas. Estes foram os sucessores da série 40 com entre eixos longo, como o FJ45. Modelos 77 (1990-1999 JDM ) e 76 são peruas de quatro portas com distância entre eixos semi-longo oferecidos em alguns mercados.

Em 1999, a Toyota introduziu várias atualizações e alterou as designações dos modelos, para 78 (transporte de tropas) e 79 (pickup). Em 2007, o modelo 76 (perua de quatro portas) foi adicionado, enquanto os novos modelos de cabine dupla também compartilham a designação do modelo 79 (essencialmente o mesmo chassi). Modelos de curta distância entre eixos estão em produção hoje apenas para alguns poucos mercados.

Seguindo o padrão comum a todos os Land Cruisers, as letras no início da identificação do modelo indicam o motor do veículo. Os motores da série 70 incluem o motor a gasolina 3F (por exemplo, no modelo FJ70), o motor a gasolina 22R (por exemplo, o RJ70/73 Bundera), o motor a diesel 2H (por exemplo, o HJ75), o motor a gasolina 1FZ (por exemplo, os modelos FZJ70/71/73/74/75/76/78/79), o motor diesel 1PZ (por exemplo, modelos PZJ70/73/77), o motor diesel 1HZ (por exemplo, os modelos HZJ70/71/73/74/75/ 76/77/78/79),[2] o motor turbodiesel 1HD-T (por exemplo, o HDJ78/79) e, mais recentemente, o motor diesel 1VD (por exemplo, o VDJ76). Por um tempo (1987 até pelo menos 1990) o modelo BJ73 estava disponível no mercado italiano e espanhol com um motor turbodiesel VM HR588 de 2,5 litros de cinco cilindros - o prefixo "B" foi aplicado porque a primeira série 70 diesel de quatro cilindros veio com o 3B.[3]

História editar

1984-1999: O Toyota Land Cruiser da série 70/75 assumiu o lugar da série 40/45 em 1984. O desenho manteve uma semelhança familiar com a série 40/45, mas tornou-se mais angular. Os modelos 70/71 tinham a distância entre eixos curta (SWB), modelos 73/74 tinham a distância entre eixos média (MWB) e modelos 75/77 tinham a distância entre eixos longa (LWB). Estes últimos vieram como cabine simples / utilitário (pickup) e capota rígida "transporte de tropas" (troop carrier) (HT). A Toyota também fabricou versões mais leves que compartilharam a designação da Série 70 de 1985 a 1996 e foram comercializadas em várias partes do mundo inicialmente como Bundera, ou Land Cruiser II e mais tarde como Prado . Destes, o nome Prado ficou, e cada modificação o levou ainda mais longe de suas raízes da Série 70. A partir de 1997, o Prado recebeu a denominação de Série 90, e passou a ser um 4x4 de passageiros sem relação com a Série 70.

1999: A versão pickup passou a ser designada como série 79, o Troop Carrier tornou-se a série 78, e a versão de entre eixos curto foi eliminada na maioria dos mercados. As principais mudanças mecânicas foram: mola helicoidal no eixo dianteiro (em vez de feixe de molas ); feixes de molas traseiros mais longos; Rodas de 5 furos em vez de rodas de 6 furos; volante redesenhado; indicadores frontais redesenhados; e, na versão cabine simples, maior distância entre eixos, o que aumentou a capacidade de carga.

2007: A Serie 70 redesenhada começou a ser produzida em janeiro para lançamento no mercado no final de fevereiro/início de março de 2007. As alterações mais significativas estão no design da dianteira dos modelos, eliminando os pára-lamas planos que eram marca registrada em todas as séries comerciais do Land Cruiser desde a série 40 . Essa mudança, juntamente com um eixo dianteiro e chassi mais largos, foram necessários para permitir a instalação do novo motor turbo diesel 1VD-FTV 4.5L V8 compatível com a norma Euro-4, o. Este motor foi especificado inicialmente apenas para o mercado australiano, onde era o único motor disponível. África e outros mercados continuaram com motores a gasolina de 6 cilindros em linha e motores diesel 1HZ . Para preencher a lacuna deixada pela eliminação de modelos de especificações mais baixas nas gamas das séries 100 e 200, foi introduzida a perua 4 portas (série 76) juntamente com os modelos cabine simples (série 79 ) e de transporte de tropas (série 78). Pela primeira vez, um nível de especificação GXL mais alto também foi introduzido em alguns mercados para as variantes de cabine simples e perua. Este nível de especificação adicionou vários recursos adicionais de conforto e segurança nunca vistos anteriormente em Land Cruisers de série comercial. Em 2007 foram feitos na Venezuela a versão 50º aniversário, vinham com pára-choques, galão de gasolina, bloqueios traseiros, guincho, estribos. Apenas 300 foram produzidos.[4]

2009: O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ameaçou desapropriar as fábricas da Toyota naquele país se a Toyota e outras montadoras se recusassem a compartilhar sua tecnologia com empresas locais e cumprir certas cotas. Os modelos Land Cruiser da série 70 são usados em toda a Venezuela, sendo muito utilizados pela polícia e pela Guarda Nacional da Venezuela.[5]

2009: O motor 1FZ/1FZ-FE foi substituído pelo motor 4.0L 1GR-FE nos mercados onde as versões a gasolina estão disponíveis, como Bolívia, Colômbia e Oriente Médio.

2012: A Toyota introduziu a pickup de cabine dupla HZJ79,[6] combinando nesta o entre eixos mais longo (de 3180 mm) da picape cabine simples com as quatro portas e o tanque de combustível de 130 litros das peruas.

2014: A Toyota introduziu a perua de 4 portas GRJ76 e a picape de cabine dupla GRJ79 no mercado japonês como uma edição limitada do '30º aniversário' da série 70 .[7] Este modelo veio com o motor a gasolina 1GR-FE V6 e transmissão manual de 5 velocidades. Este modelo esteve a venda por tempo limitado no Japão (apenas até junho de 2015), quando a lei japonesa passou a exigir que todos os veículos novos viessem com controle de derrapagem do veículo, algo que a Série 70 não possui.

2015: Em parceria com o Grupo Salvador Caetano, iniciou-se a produção do Land Cruiser 70 em Ovar, Portugal numa versão atualizada a partir de meados de 2015 para exportação para o mercado africano, em particular Marrocos.[8] No entanto, o modelo não será reintroduzido no mercado europeu porque seus motores não possuem certificação de emissões na Europa.[9] Isso apesar do motor 1VD-FTE estar disponível para o Land Cruiser 200 em uma versão bi-turbo. Os Land Cruisers de fabricados em Portugal têm um motor com 231 PS (170 kW) e uma transmissão manual de cinco velocidades. Inicialmente, a produção consistia em uma perua de cinco portas e uma picape de cabine dupla.

Modelos editar

Com exceção de alguns modelos leves que evoluíram para o Prado, todos os Land Cruisers da Série 70 têm eixos traseiros rígidos com feixes de molas. Eixos dianteiros sólidos com feixes de molas foram utilizados até 1998, quando a Toyota decidiu a favor de uma suspensão dianteira de mola helicoidal com braços principais e um eixo dianteiro ligeiramente mais leve. Também a partir de 1999, os feixes de mola traseiros foram estendidos para permitir maior deslocamento das rodas (articulação) e maior conforto de condução.

A maioria dos Land Cruisers Série 70 (modelos a gasolina e diesel) utiliza motores de seis cilindros em linha . As exceções são o motor V8 diesel 1VD-FTV introduzido em alguns mercados em 2007 e o V6 a gasolina 1GR-FE introduzido em 2009, sendo o último 6 em linha restante o motor diesel 1HZ, para mercados com regras de emissão menos rigorosas, como África e Bolívia . Independentemente do motor, uma transmissão manual de 5 velocidades fornece potência a uma caixa de transferência de tração nas quatro rodas em tempo parcial com marcha alta e reduzida. Os eixos dianteiros sólidos têm um design totalmente flutuante com roda livre manual. Os eixos traseiros sólidos estão disponíveis em versões semi-flutuantes ou totalmente flutuantes e existem bloqueios de diferenciais selecionáveis (dianteiro e traseiro) opcionais de fábrica em alguns mercados.

Recursos básicos de conforto, como volante com regulagem de altura, ar-condicionado e rádio com conexão USB, estão disponíveis, mas a Série 70 não possui muitos dos recursos refinados e luxuosos dos Land Cruisers de passageiros mais caros (séries 80, 90, 100, 200 e 300).

Modelos com distância entre eixos curta editar

 
Land Cruiser 70 em Dubai

A suspensão, o interior e o layout básico desses modelos são quase idênticos aos mais famosos Land Cruisers da série 75, mas o chassi e a carroceria são muito mais curtos. Isso permite que o Land Cruiser seja mais ágil fora de estrada. Este modelo era popular como um transporte off-road pessoal, mas porque o Land Cruiser foi comercializado quase exclusivamente como um veículo comercial e governamental e porque estes nunca foram vendidos nos EUA, poucos destes foram construídos, em comparação com outros modelos Land Cruiser.

No entanto, esses modelos foram vendidos em todo o mundo na década de 1980 e início de 1990. Eles podem ser encontrados no Japão, Ásia, África, Europa, Oriente Médio, Nova Zelândia e América do Sul. Os modelos com entre eixos curto são muito populares no Japão, onde a compacidade e o robusto 4X4 são uma combinação bem-vinda; eles também são usados pelo estado sírio. Hoje, poucas séries 70 de curta distância entre eixos podem ser compradas novas - algumas ainda estão em produção hoje em alguns países sul-americanos e ainda estão sendo produzidas pela Toyota Auto Body na fábrica de Yoshiwara na cidade de Toyota. 

A série 70 foi vendida apenas em pequenas quantidades no mercado norte-americano. Para 1984-1987 (anos modelo 1985-1987), o BJ70 foi vendido em pequenas quantidades no Canadá. Todos eram identicamente equipados, além da cor interior e exterior. A única outra variação foi que em 1985 eles tinham um sistema eletrônico de 12 volts e a partir da produção do final de 1985 (para o ano modelo de 1986), a Toyota optou por um sistema de 24 volts. A configuração cabine simples/chassi HZJ79 ainda está disponível no Canadá, embora em quantidades muito limitadas e comercializados apenas para a indústria de mineração por meio de uma única concessionária Toyota em Saskatchewan. A série 70 não foi vendida nos EUA.

Ver também editar

Referências

  1. Dyson Udy, ed. (2014). Toyota Land Cruiser 70 series return to Japan (em italiano). Milano: Motortrend. pp. 1340–1341 
  2. «1992 Toyota Land Cruiser HZJ75». www.fj.co. Consultado em 11 de julho de 2020 
  3. «LC70 temporary return to Japan». United States: Motortrend. 26 de agosto de 2014. Consultado em 10 de outubro de 2014 
  4. «LC70 Specification Summary» (PDF). Australia: Toyota. 9 de junho de 2010. Consultado em 17 de junho de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 21 de agosto de 2010 
  5. «Chavez Threatens to Expel Toyota». CBS News. 25 de dezembro de 2009. Consultado em 9 de julho de 2013. Arquivado do original em 7 de março de 2016 
  6. Pincott, Karla. «Toyota LandCruiser 70 double-cab due September». carsguide.com.au. Consultado em 25 de maio de 2014 
  7. «Toyota Celebrates 30 Years of "Land Cruiser 70" Series» (Nota de imprensa). Japan: Toyota. 25 de agosto de 2014. Consultado em 5 de janeiro de 2015 
  8. «Annual Financial Statement» (PDF) (Nota de imprensa). Portugal: Toyota. 8 de abril de 2015. p. 4. Consultado em 26 de agosto de 2015 
  9. Magalhães, António Machado (9 de março de 2015). «Salvador Caetano troca produção da Dyna por Land Cruiser» [Salvador Caetano switches production from Dyna to Land Cruiser]. Auto Monitor. Consultado em 16 de agosto de 2017 

Ligações externas editar