Ultimato soviético à Lituânia de 1940

A União Soviética emitiu um ultimato à Lituânia antes da meia-noite de 14 de junho de 1940. Os soviéticos, usando um pretexto formal, exigiram a permissão da entrada de um número indeterminado de soldados soviéticos no território lituano e a formação de um novo governo pró-soviético (mais tarde conhecido como "Governo Popular"). O ultimato e posterior incorporação da Lituânia à União Soviética resultou da divisão da Europa Oriental às esferas de influência alemãs e russas do Pacto Molotov-Ribbentrop de agosto de 1939. A Lituânia, juntamente com a Letônia e a Estônia, caíram sob a esfera russa. De acordo com o Tratado lituano-soviético de assistência mútua de Outubro de 1939, a Lituânia concordou em permitir que cerca de 20 000 soldados soviéticos fossem estacionados em várias bases no interior da Lituânia, em troca de uma parte da Região de Vilnius. Outras ações soviéticas para o estabelecimento de sua posição dominante na sua esfera de influência seriam atrasadas ​​pela Guerra de Inverno com a Finlândia, porém retomadas na primavera de 1940, quando a Alemanha estava fazendo rápidos avanços na Europa Ocidental. Apesar das ameaças à independência, as autoridades lituanas pouco fizeram para organizar um plano de contingências e não estavam preparadas para o ultimato.

Comparação entre as mudanças territoriais previstas e efetuadas no Pacto Molotov-Ribbentrop. A esfera de influência soviética e suas aquisições territoriais estão em laranja.

Com as tropas soviéticas já estacionadas no país, conforme o Tratado de Assistência Mútua, foi impossível organizar uma resistência militar eficaz.[1] Em 15 de junho, a Lituânia aceitou incondicionalmente o ultimato e perdeu a sua independência. Os soviéticos tentaram mostrar ao mundo que isso não era uma ocupação militar e anexação, mas uma revolução socialista legítima, iniciada pela população local exigindo a adesão à União Soviética.[2] Portanto, os soviéticos seguiram procedimentos semi-legais: assumiram o controle das instituições governamentais, instalaram um novo governo fantoche, e realizaram falsas eleições para o Seimas Popular. Durante sua primeira sessão, o Seimas proclamou criação da República Socialista Soviética da Lituânia e solicitou a admissão na União Soviética. A petição foi oficialmente aceita pelo Soviete Supremo da União Soviética em 3 de agosto de 1940, ao mesmo tempo que processos quase idênticos ocorreriam na Letônia e Estônia. A Lituânia não iria recuperar a sua independência até a proclamação da Declaração de Restabelecimento do Estado da Lituânia em 11 de março de 1990.


Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

NotasEditar

  1. Lane (2001), pp. 37–38
  2. Vardys (1997), p. 50

BibliografiaEditar

  • Predefinição:Lt icon Anušauskas, Arvydas; et al., eds. (2005). Lietuva, 1940–1990. Vilnius: Lietuvos gyventojų genocido ir rezistencijos tyrimo centras. ISBN 9986-757-65-7 
  • Eidintas, Alfonsas; Vytautas Žalys; Alfred Erich Senn (setembro de 1999). Ed. Edvardas Tuskenis, ed. Lithuania in European Politics: The Years of the First Republic, 1918–1940 Paperback ed. New York: St. Martin's Press. ISBN 0-312-22458-3 
  • Lane, Thomas (2001). Lithuania: Stepping Westward. [S.l.]: Routledge. ISBN 0-415-26731-5 
  • Misiunas, Romuald; Rein Taagepera (1993). The Baltic States: Years of Dependence 1940–1990 revised ed. [S.l.]: University of California Press. ISBN 0-520-08228-1 
  • Rauch, Georg von (2006). The Baltic States: The Years of Independence 1917–1940. London: Hurst & Company. ISBN 1-85065-233-3 
  • Sabaliūnas, Leonas (1972). Lithuania in Crisis: Nationalism to Communism 1939–1940. [S.l.]: Indiana University Press. ISBN 0-253-33600-7 
  • Senn, Alfred Erich (2007). Lithuania 1940: Revolution from Above. Col: On the Boundary of Two Worlds. Identity, Freedom, and Moral Imagination of the Baltics. [S.l.]: Rodopi. ISBN 978-90-420-2225-6 
  • Shtromas, Alexander; Robert K. Faulkner; Daniel J. Mahoney (2003). Totalitarianism and the Prospects for World Order. [S.l.]: Lexington Books. ISBN 0-7391-0534-5 
  • Snyder, Timothy (2004). The Reconstruction of Nations: Poland, Ukraine, Lithuania, Belarus, 1569–1999. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 0-300-10586-X 
  • Vardys, Vytas Stanley; Judith B. Sedaitis (1997). Lithuania: The Rebel Nation. Col: Westview Series on the Post-Soviet Republics. [S.l.]: WestviewPress. ISBN 0-8133-1839-4