Abrir menu principal

Universidade Estadual Paulista em Guaratinguetá

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá
"FEG"
FEG-UNESP
Diretor Prof. Dr. Mauro Hugo Mathias
Site http://www2.feg.unesp.br

A Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá (FEG), FEG/UNESP, ou UNESP Guaratinguetá é uma faculdade brasileira pertencente à Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Está localizada no centro do Vale do Paraíba, pólo de excelência industrial brasileira, estimulando sensivelmente o desenvolvimento da região. Indústrias dos setores automobilístico, aeronáutico e químico são as parceiras ideais para os egressos das cinco modalidades de Engenharia oferecidas pela FEG, que mantém, ainda, cursos de licenciatura em Matemática e bacharelado/licenciatura em Física. A FEG é a instituição de origem do antigo Reitor da UNESP e Secretário da Educação do estado de São Paulo, Prof. Dr. Herman Voorwald. [carece de fontes?]

Índice

InstalaçõesEditar

 
UNESP Guaratinguetá.

A FEG dispõe de uma área total de 175.789 m², sendo 14.638,38 m² construídos. A maior parte da área construída está no complexo central (com quatro pavilhões) e nos 5 blocos de ensino. A FEG contava, no ano de 2008, com 191 professores, 206 servidores técnicos e administrativos, 1.655 alunos de graduação e 426 alunos de pós-graduação.

HistóriaEditar

No início da década de 60, após uma árdua e persistente luta de alguns políticos da cidade, associadas a uma forte mobilização de estudantes secundaristas e da Câmara Municipal, foram lançadas as bases da Faculdade de Engenharia da Unesp, Campus de Guaratinguetá. Esta escola teve no dia 4 de dezembro de 1964 seu dia marcante, pois nessa data foi finalmente sancionada a Lei Estadual, criando o então Instituto Isolado de Ensino Superior. Mas a antiga aspiração de toda comunidade ainda não estava consolidada, pois o Conselho Estadual de Educação havia decidido não mais criar unidades universitárias isoladas no Estado. Diante desse impasse, a luta foi reiniciada, avocando novamente um redobrado empenho de estudantes, professores, políticos e comunidade, sendo nomeada uma comissão para estudar uma nova estratégia de reivindicações para afrontar tal decisão.

Após dois anos de estudos e acaloradas discussões, no dia 6 de maio de 1966, através do decreto 46.242, foi definitivamente autorizada a funcionar a Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, com o curso de Engenharia Mecânica. A FEG, como se observa, é fruto não só de um sonho, mas de muita determinação. Em seu primeiro ano de existência ocupava uma sala de aula no Instituto de Educação de Guaratinguetá, e para o seu corpo docente foram convidados eminentes professores do ITA, que colaboraram para a Estruturação do Currículo, Estatuto e Regimento da incipiente FEG. Com apenas um ano de existência, a Faculdade cresceu e passou a ocupar dois andares de um edifício no centro da cidade, na praça Conselheiro Rodrigues Alves. Em 1967, mesmo com todo o vigor desta recém criada Faculdade, novo problema surgiu, com o grave risco de ser fechada por falta de oficinas e laboratórios. Novamente empenhos ocorreram, nos quais os estudantes e os professores da época, com a ajuda de faculdades irmãs da região, mantiveram o sonho em pé. Através de uma solução poli ativa, seus primeiros alunos passaram a se deslocar nos fins de semana, em ônibus adquirido pela FEG, até os laboratórios do ITA em São José dos Campos e da EFEI em Itajubá, para desenvolver suas aulas práticas.

Em 1968 têm início as obras dos primeiros blocos de ensino do atual Campus Universitário, em terreno doado ao Estado pela família Byington, ficando assim definitivamente consolidada a instalação da FEG em Guaratinguetá. Em 1972, ainda com apenas algumas instalações, cerca de 40% das que existem atualmente, a Faculdade é transferida para o atual Campus Universitário. Nessa época a FEG já contava com alunos das mais variadas regiões do Estado e também de muitos lugares do país. No ano de 1976 é criada a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, reunindo os Institutos Isolados de Ensino Superior do Estado, incluindo a FEG. Até o final dos anos 70 a maioria dos professores da nossa Faculdade continuava a vir do ITA e da EFEI, docentes experientes e altamente qualificados, que imprimiram um bom padrão de ensino e começaram a preparar o corpo docente próprio da FEG, pois exerciam a cátedra apenas em tempo parcial, por terem obrigações com suas instituições de ensino de origem. Esses mestres foram fundamentais para a formação acadêmica dos novos jovens professores, que passaram a ser contratados em tempo integral.

No início dos anos 80 os cursos começaram a se diversificar e, em 1983 foi criado o curso de Engenharia Civil, com 40 vagas anuais; em 1986 nasce o curso de Engenharia Elétrica, também com 40 vagas anuais e, em 1988 tem início o curso de Licenciatura em Física, com 40 vagas anuais. Paralelamente a estes cursos, no ano de 1983 foi implantado o curso de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica e, em 1990, o de Física.

A partir de 1998, diversos Cursos de Pós-Graduação “lato sensu” têm sido oferecidos de forma regular. Nos meados de 1996 foram iniciadas as atividades da Universidade Aberta à Terceira Idade e do Núcleo de Ensino, com oferecimento de cursos de aperfeiçoamento a professores da rede municipal e estadual de ensino. Em 1996 criou-se o curso de graduação em Engenharia de Produção, com 20 vagas anuais (e a partir de 2003, com 30 vagas anuais). Em 2002 iniciou-se o Curso de Licenciatura em Matemática, com 30 vagas anuais e em 2003, o Curso de Engenharia de Materiais, também com 30 vagas anuais (e a partir de 2004, com 40 vagas anuais).

Graças ao enorme espírito de luta e determinação, deu-se a implantação desta faculdade de orgulho pela sua posição ocupada no cenário universitário do país. Hoje, a Faculdade de Engenharia da Unesp, Campus de Guaratinguetá, ou simplesmente Faculdade de Engenharia Campus de Guaratinguetá, constitui-se num importante centro de Ciências Exatas do Estado de São Paulo. Conta com um corpo docente altamente qualificado composto por cerca de 130 professores, na sua maioria com elevada titulação acadêmica, produzindo ensino e pesquisa de alta qualidade e exercendo a extensão universitária na região e no país. Possui excelentes laboratórios didáticos e recursos computacionais de última geração. Mantém ainda convênio com importantes universidades nacionais e internacionais e um intenso programa de intercâmbio envolvendo alunos e professores, principalmente com a Alemanha e França.

DepartamentosEditar

Além do Colégio Técnico Industrial, e das seções administrativas (Biblioteca, Graduação, Pólo Computacional etc.) a FEG é dividida em 8 departamentos de ensino (em ordem alfabética):

  • Departamento de Energia (DEN), localizado no Bloco IV;
  • Departamento de Eng. Civil (DEC), no complexo central;
  • Departamento de Eng. Elétrica (DEE), no Bloco IV;
  • Departamento de Física e Química (DFQ), no Bloco VI e complexo central;
  • Departamento de Matemática (DMA), no Bloco VI;
  • Departamento de Materiais e Tecnologia (DMT), no Bloco I;
  • Departamento de Mecânica (DME), no Bloco II;
  • Departamento de Produção (DPD), no Bloco II;

Cursos OferecidosEditar

Cursos de Graduação (em ordem de criação):

Pós-graduação (stricto sensu):

Pós-graduação (lato sensu):

  • Engenharia de Segurança no Trabalho (não está sendo mais oferecido)
  • Gestão e Certificação Aerospacial (não está sendo mais oferecido)
  • Informática Empresarial (não está sendo mais oferecido)
  • Gestão da Produção(em andamento)
  • Mecatrônica (não está sendo mais oferecido)
  • Logística Internacional (em andamento)
  • Gestão da Qualidade de Energia Elétrica (em andamento)

Entidades e órgãos relacionadosEditar

Associação Atlética Acadêmica FEG UNESPEditar

A Associação Atlética Acadêmica da FEG-UNESP é responsável pela gestão esportiva e recreativa aos alunos da Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá - UNESP.

Campeonatos que participa: O Inter, Copa UNESP, Jogos Universitários do Vale do Paraíba.

BateriaEditar

PomponzetesEditar

Conhecidas como Pomponzetes, as originais, foi o primeiro grupo de cheerleading da UNESP.

Centros AcadêmicosEditar

  • CAEM: Centro Acadêmico de Engenharia Mecânica.
  • CAEC: Centro Acadêmico da Engenharia Civil.
  • CAEEL: Centro Acadêmico de Engenharia Elétrica.
  • CAEPRO: Centro Acadêmico de Engenharia de Produção Mecânica.
  • CAFIS: Centro Acadêmico da Física.
  • CAEMAT: Centro Acadêmico da Engenharia de Materiais.
  • CALM: Centro Acadêmico da Licenciatura em Matemática.

Diretório AcadêmicoEditar

O Diretório Acadêmico da FEG-UNESP é uma entidade estudantil que tem como principal função servir como a representante dos alunos nos assuntos político-acadêmicos.

Empresa JúniorEditar

A Jr. Eng é uma empresa júnior criada e gerida por estudantes de graduação, que presta serviços de consultoria em todas as áreas da engenharia, proporcionando soluções eficientes a baixo custo.

Equipes da FEG-UNESPEditar

A Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá oferece aos alunos uma grande diversidade de grupos de extensão, nos quais os alunos podem aprender e aplicar conhecimentos de engenharia na prática. São iniciativas de alunos, mas que usualmente contam com a orientação de um dos professores da escola.

AerofegEditar

A equipe de aerodesign da FEG-UNESP, a aerofeg, foi criada em 2006 por estudantes da faculdade com o intuito de desenvolver anualmente um projeto aeronáutico para participar da competição SAE Brasil AeroDesign. Este projeto consiste em conceber, projetar, construir e voar um avião cargueiro rádio controlado que satisfaça os requisitos do regulamento e seja o mais otimizado, através de soluções de projetos criativas e inovadoras.

Além de promover a oportunidade única de aprendizado na área aeronáutica através de um projeto multidisciplinar desafiador, a equipe Aerofeg promove diversas atividades, dentre elas: o intercâmbio de conhecimento; desenvolvimento do trabalho em equipe; incentivo do comportamento ético e profissional dos integrantes; estímulo da capacidade de liderança e planejamento; e a capacidade de vender ideias e projetos.

A equipe configura-se como uma das participantes de elite do campeonato brasileiro de aerodesign da SAE Brasil. Em seus dez anos de participação, a equipe já conquistou dois vice-campeonatos (2011 e 2015), um terceiro lugar (2010), uma quinta colocação (2009), além de diversas menções honrosas (Maior Carga Carregada da Competição, Aeronave Mais Leve da Competição, Melhor Eficiência Estrutural da Competição, entre outros). Além das conquistas nacionais, a equipe já participou do campeonato internacional SAE AeroDesign East nos anos de 2012 e 2016 (sendo essas participações oriundas de sua classificação nos campeonatos nacionais anteriores como segundo lugar). Em 2012, a equipe terminou a competição em terceiro lugar, batendo o então recorde de maior carga paga da competição com 17kg. Em 2016, a equipe consagrou-se campeão da competição, tendo, também, levado o prêmio de Melhor Apresentação Oral e terceira Maior Carga Paga da Competição [1].

Piratas do ValeEditar

A equipe de baja da FEG-UNESP, a Piratas do Vale, participa do projeto Baja SAE BRASIL-PETROBRAS, uma competição entre instituições de ensino superior que desafia estudantes de engenharia a projetar e construir veículos off-road, visando a aplicação prática dos conhecimentos adquiridos em sala de aula. Considerado o maior evento automobilístico acadêmico do país, a competição conta com a participação das mais renomadas instituições de ensino nacionais.

A disputa entre universitários simula uma situação real de desenvolvimento de um projeto de engenharia. Os participantes devem trabalhar em equipe para projetar, construir, testar, promover e competir com um veículo fora-de-estrada (off-road), de estrutura tubular em aço, capaz de transportar uma pessoa de até 1,90 m de altura e com até 113,4 kg. Sistemas como suspensão, transmissão, freios e o próprio chassi devem ser desenvolvidos pelos alunos. A fabricação deve ser feita com ferramentas padrões da indústria, com pouca ou nenhuma mão de obra especializada.

Durante os quatro dias da competição, os carros são avaliados em itens como segurança, motor, conforto do operador e conformidade do projeto. São ainda analisados parâmetros como tração, manobrabilidade, aceleração e velocidade máxima. A avaliação termina com um enduro de quatro horas em uma pista de terra especialmente preparada. Os três primeiros colocados na disputa conquistam o direito de representar o Brasil na competição BAJA SAE internacional.

FEG RobóticaEditar

A equipe de robótica da FEG-UNESP, a FEG Robótica, foi fundada por alunos da Engenharia Elétrica em 2011. Desde então, o grupo cresceu, agora incluindo também graduandos de outras áreas.

A equipe tem como objetivo atingir a excelência no desenvolvimento de projetos de robótica, tanto em pesquisas de inovação tecnológica quanto aplicação em competições de importância nacional e internacional, como o Winter Challenge. Também participam de projetos sociais voltados a educação com robótica.

A equipe acredita na ideia da inovação e desenvolvimento do conhecimento próprio da equipe. Assim, criando seus próprios projetos, desenvolvendo todas suas etapas, desde a simulação em softwares até a confecção da parte física. Dessa forma, formarão profissionais e pessoas mais atentas à sociedade, às inovações e que sejam capazes de usufruir desse conhecimento.

A equipe FEG Robótica já se consagrou como bicampeã do Torneio Juvenil.

UNESP Racing FSAEEditar

A equipe UNESP Racing FSAE representa a Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá na competição Fórmula SAE. O objetivo é projetar e construir um carro estilo fórmula, que pode atingir 120 km/h e 0–100 km/h em 5s. A Equipe alia determinação, comprometimento, disciplina e vontade de aproximadamente 40 membros para construir o carro sem auxílio de professores, somente com trabalho de alunos.

Ligações externasEditar