Abrir menu principal
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Vértebra cervical
Coluna vertebral
Gray84.png

Uma vértebra cervical
Recursos externos
Gray's subject #21 97
MeSH A02.835.232.834.151
Dorlands/Elsevier v_07/12854511
vista superior da sétima vértebra cervical

No corpo humano existem sete vértebras cervicais. O conjunto dessas vértebras forma a coluna vertebral cervical. A primeira vértebra cervical, o atlas, liga-se ao osso occipital e é responsável pela sustentação do crânio; a última vértebra cervical, chamada "C7", está acima da primeira vértebra torácica, "T1". Normalmente as vértebras cervicais arranjam-se de modo a formar uma suave curvatura na coluna cervical chamada lordose cervical que é observada no perfil do corpo humano, no pescoço. As sete vértebras têm em comum um formato algo anelar, sendo que as cinco últimas têm a sua parte anterior mais desenvolvida, maior, a qual é formada pelo corpo vertebral.

Além disso, essas vértebras normalmente possuem o corpo vertebral retangular e relativamente pequeno, pois não precisam de sustentar tanto peso como as vértebras inferiores. De C2 a C6, há possibilidade dos processos espinhosos serem bífidos.

Nessa região anterior de cada vértebra, iniciando-se abaixo de C2, entre os corpos vertebrais, até a parte móvel inferior da coluna vertebral (região lombo-sacra), existe em cada intervalo um disco intervertebral coluna vertebral cervical que acompanham a medula espinhal ao longo do pescoço.

Na região posterior das vértebras cervicais existe a parte de arco ósseo que fecha o "anel" formando o canal vertebral. Empilhadas, as vértebras formam um longo canal vertebral e dentro deste está a medula espinhal - não confundir com medula óssea. O arco posterior é formado na linha média pela apófise posterior e de cada lado desta há uma lâmina, além das facetas ósseas formadas pelas apófises articulares superiores e inferiores. Estas pequenas articulações vão auxiliar a distribuição da carga da vértebra, sendo a maior parte suportada pelos discos intervertebrais na frente e pelas articulações facetárias na parte de trás.

A principal diferença entre as vértebras cervicais das torácicas e lombares é que, além do menor tamanho, possuem de cada lado o forame transverso, através do qual passa a artéria vertebral - excepto na C7, sendo que essa pode ou não possuir o forame (e, mesmo se o possuir, através dele passam somente veias acessórias). O forame transverso localiza-se no processo transverso.

As duas primeiras vértebras cervicais, atlas e áxis, são atípicas, pois não possuem corpo vertebral e a última cervical (C7) é chamada vértebra proeminente, visto que sua apófise posterior é facilmente visível na superfície inferior da nuca. Porém, o que a torna mais atípica é o fato de o forame transverso poder estar ausente, ou, se presente, não há passagem da artéria vertebral, que transita a partir de C6 em direção ao crânio.

As vértebras cervicais que são visualizadas na radiografias laterais da cabeça, são utilizadas na odontologia, mais especificamente na ortodontia e ortopedia funcional dos maxilares para estimar a idade óssea. Existe vários métodos que utilizam as vértebras para estimar a idade óssea, são eles: Hassel & Farman[1] (1995), Baccetti et al (2005)[2], Mito[3] et al (2002). Existem muitos aplicativos para smartphone para estimar a idade óssea pelos métodos cervicais, como o Easy Age

Ícone de esboço Este artigo sobre Anatomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Hassel, B.; Farman, A.G. Skeletal maturation evaluation using cervical vertebrae. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop., , v. 107, n. 1, p. 58-66, Jan. 1995.
  2. BACCETTI,T.; FRANCHI, L.; McNAMARA Jr, J. A.  The cervical vertebrae maturation (CVM) Method for the assesment of optimal treatment timing in dentofacial orthopedics. Seminars in Orthodontics. , v. 11, n. 3, p. 119-129, Sep. 2005.
  3. , T.; SATO, K.; MITANI, H. Cervical vertebral bone age in girls. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop., , v. 122, n. 4, p. 380-385, Oct. 2002.