Abrir menu principal
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde junho de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.

O Quinto Concilio de Toledo iniciou-se na Igreja de Santa Leocadia em Toledo o 30 de junho de 636. Foi convocado por Quintila[1], que tinha sucedido ao rei Sisenando depois de um curto interregno. Assistiram 22 bispos e 2 representados. Não assistiu o bispo Narbonense por desavenças políticas.

Todas as decisões importantes do Concilio foram de carácter político. Em primeiro lugar tratou-se da segurança do rei, e depois da questão sucessória. Apoiou-se a pretensão de Quintila ao trono e pediu-se uma protecção especial para o rei e sua família, protecção que devia continuar após sua morte.

  • Sobre a eleição do futuro do novo rei, houve acordo de que só poderia recair sobre os membros da alta nobreza militar e palatina visigoda.
  • Os descendentes do rei deviam desfrutar de todos os bens justamente adquiridos ou que os seus pais lhes tivessem proporcionado. O anátema devia cair sobre quem no futuro os molestasse ou injuriasse. Também os fiéis do rei, que constituíam uma câmara que o rodeava, e eram considerados seus partidários incondicionais, conselheiros de confiança e auxiliares, deviam ficar protegidos, conservar suas propriedades e presentes que o rei anterior lhes tivesse outorgado.
  • Os que consultassem adivinhos para conhecer a sorte do rei seriam excomungados. A mesma pena cairia sobre os que amaldiçoassem o rei e os que pretendessem colocar outro no trono. Todo o que aspirasse ao trono sem ser eleito por quem correspondia (e sem ser de nobre berço) seria excomungado e receberia um anátema.
  • O Concilio estabeleceu três dias de orações de 13 a 15 de dezembro da cada ano. Proibiu-se todo o intento de adivinhar o futuro do monarca reinante.

Quintila passou grande parte de seu reinado lutando contra inimigos internos (os externos, francos e bizantinos, não eram um perigo naquele momento) e em janeiro de 638 viu-se obrigado a convocar o VI Concílio de Toledo.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Lindo, Elias Hiam (1848). The History of the Jews of Spain and Portugal. London: Longman, Brown, Green & Longmans. p. 18. ISBN 978-5518841895