Abrir menu principal
Viola de amor
Viola e amor de 1760
Informações
Classificação
Classificação Hornbostel-Sachs 321.322-71

(Cordofone composto tocado com um arco)

Extensão
Range viola damore.png
Instrumentos relacionados

A viola de amor (em italiano: viola d'amore , em francês: viole d'amour , em alemão: Liebesgeige ) é um instrumento musical de cordas friccionadas. Tem 6 ou 7 cordas simpáticas, o que a faz ter de 12 a 14 cordas no total, e foi usado sobretudo no período barroco. É tocada sob o queixo do mesmo modo que o violino.

O instrumento foi especialmente popular no final do século XVII, embora um especialista em viola de amor fosse raro, já que era costume um músico profissional tocar uma série de instrumentos, particularmente da família do instrumento principal desse músico. Mais tarde, o instrumento caiu em desuso, com o volume e pujança da família do violino a serem preferidos face à delicadeza e suavidade da família da viola. Todavia, houve interesse renovado pela viola de amor no século XX: os violistas Henri Casadesus e Paul Hindemith tocaram ambos viola de amor no início do século XX, e o compositor de bandas sonoras Bernard Herrmann fez uso dela em várias obras. De notar que, tal como outros instrumentos da família do violino, a moderna viola de amor foi alterada em estrutura face à versão do Barroco, sobretudo para suportar a tensão adicional das cordas metálicas.

Leoš Janáček planeou usar a viola de amor no seu quarteto para cordas n.º 2, "Cartas Íntimas". O uso do instrumento era simbólico, pela natureza da sua relação com Kamila Stösslová, relação essa que inspirou a obra. Porém, a versão com a viola de amor veio a ser impraticável nos ensaios e Janáček adaptou a obra para uma viola convencional.[1] O bailado Romeu e Julieta de Sergei Prokofiev tem uma viola de amor.

A viola de amor pode ser ouvida em conjuntos musicais especializados em música do Barroco, em instrumentos de época. Vivaldi, por exemplo, usou a viola de amor como um instrumento obbligato para música sacra e óperas:[2]

Índice

DescriçãoEditar

 
Uma viola de amor, e ao fundo uma viola de gamba.

O corpo ou caixa de ressonância desta viola é muito semelhante ao da família das violas, como a viola de gamba. É formado por duas faces, unidas por uma franja de madeira. Tem uma rosa ou roseta, como a viola de gamba e como muitos outros instrumentos de corda percutida. Não tem, no entanto, os efes, orifícios por onde sai o som e que se encontram na face superior, mas sim duas aberturas em forma de chama ou de espada flamejante.

 
Instrumentista de viola de amor.

À volta deste corpo situa-se o resto dos elementos que o formam. Na cabeça encontram-se as 12 ou 14 cavilhas e a voluta. Esta voluta costuma ter forma de cabeça de cupido. Chama o cavilheiro, grande em comparação com o resto do instrumento, para poder situar todas as cavilha. O mastro está praticamente no mesmo plano que o corpo.

Não tem trastes no diapasão, contrariamente à viola de gamba. Na ponte estão as sete cordas que se friccionam com o arco, e há pequenos orifícios para deixar passar as cordas metálicas que têm função de ressonância por simpatia.

Cordas e afinaçãoEditar

Consta de sete cordas de tripa, que antigamente se afinavam das maneiras mais diversas. Parece que, dependendo da obra, as cordas eram afinadas de um modo ou outro, o que se designa scordatura, não havendo acordo entre compositores nem entre músicos. Um famoso executante deste instrumento, o francês Chrétien Urhan (1790-1845), fixou a afinação 2, 3, 3, 4, #4, 4, 5.

As cordas simpáticas costumavam ser de bronze, afinadas em uníssono com as da posição normal, o que produz as condições para vibrar por simpatia com efeitos de suave ressonância. A extensão vai do lá2 ao lá6.

Alguns executantesEditar

 
Louis van Waefelghem com uma viola de amor

Referências

  1. Tyrrell, John (2006/7). 'Janáček: Years of a Life', Faber & Faber, Londres, Volume II - páginas 264, 832, 881
  2. http://violadamore.com/index.php/vivaldi-and-the-viola-d-amore.html