Vladimir II Monômaco

Vladimir II Monômaco ou Valdemar II Monômaco[1] Влади́мир II Все́володович Монома́х (Vladímir II Vsévolodovich Monomaj) (1052Quieve, 19 de Maio de 1125) foi grão-príncipe de Quieve.

Vladimir II Monômaco
príncipe de Quieve
Retrato de Vladimir II Monômaco.
Nascimento 1052
Morte 19 de maio de 1125 (73 anos)
  Quieve
Dinastia Dinastia ruríquida
Pai Usevolodo I de Quieve

ReinadoEditar

Em sua famosa Instrução (também conhecida como O Testamento) para seus próprios filhos, Monômaco menciona que conduziu 83 campanhas militares e 19 vezes fez as pazes com os Polovtsi. No início, ele travou uma guerra contra a estepe junto com seu primo Olegue, mas depois que Vladimir foi enviado por seu pai para governar Chernigov e Olegue fez as pazes com os Polovtsi para retomar aquela cidade dele, eles se separaram. Desde aquela época, Vladimir e Olegue eram inimigos amargos que costumavam se envolver em guerras mortais. A inimizade continuou entre seus filhos e posteridade mais distante.

 
Monômaco descansa após a caça (pintura de Viktor Vasnetsov, c. 1900)

A partir de 1094, seu principal patrimônio era a cidade meridional de Pereiaslav, embora também controlasse Rostóvia, Susdália e outras províncias do norte (ver Principado de Pereyaslavl). Nessas terras fundou várias cidades, notadamente seu homônimo, Vladimir, a futura capital da Rússia. A fim de unir os príncipes da Rus' em sua luta contra a Grande Estepe, Vladimir iniciou três congressos principescos, sendo o mais importante realizado em Lyubech em 1097 e Dolobsk em 1103.

Em 1107 ele derrotou Boniaque, um cã cumano que liderou uma invasão na Rússia de Quieve. Quando Esvetopolco II morreu em 1113, a população de Quieve se revoltou e convocou Vladimir à capital. No mesmo ano ele entrou em Quieve para grande deleite da multidão e reinou lá até sua morte em 1125. Como pode ser visto em sua Instrução, ele promulgou uma série de reformas para aliviar as tensões sociais na capital. Esses anos viram o último florescimento da Antiga Rus, que foi destruída 10 anos após sua morte.[2][3][4]

Vladimir Monômaco está enterrado na Catedral de Santa Sofia em Quieve. Gerações sucessivas muitas vezes se referiam ao seu reinado como a idade de ouro daquela cidade. Inúmeras lendas estão relacionadas com o nome de Monômaco, incluindo a transferência de Constantinopla para a Rus de relíquias preciosas como a Teótoco de Vladimir e a coroa Vladimir/moscovita chamada Boné de Monômaco.

Referências

  1. Pinheiro Chagas, Manuel. Lallemant Frères, typ., ed. Diccionario popular: historico, geographico, mythologico, biographico, artistico, bibliographico e litterario, Volumes 13-14. 1884. [S.l.: s.n.] 6 páginas 
  2. Dimnik, Martin (2016). Power Politics in Kievan Rus': Vladimir Monomakh and His Dynasty, 1054–1246. [S.l.]: Pontifical Institute of Mediaeval Studies. ISBN 978-0-88844-202-4 
  3. Kajdan, Alexander (1989). «Rus'-Byzantine Princely Marriages in the Eleventh and Twelfth Centuries». Harvard Ukrainian Research Institute. Harvard Ukrainian Studies. 12/13: 414–429 
  4. Kajdan, Alexander, ed. (1991), Oxford Dictionary of Byzantium, ISBN 978-0-19-504652-6, Oxford University Press