Yerma é uma peça de teatro do poeta espanhol Federico García Lorca. Escrita em 1934, foi apresentada no mesmo ano. É uma obra popular de caráter trágico, ambientada em Andaluzia, no início do século XX.

Yerma
Autoria Federico García Lorca
Personagens Margarita Xirgú, Enrique Diosdado, Ricardo Merino, Pilar Muñoz, Carmen Collado, Pedro López Lagar e Eloísa Vigo.
Dados da estreia 29 de Dezembro de 1934
Local da estreia Teatro Español
Idioma original Castelhano
Gênero Tragédia rural

Yerma é uma mulher que vive o drama de não poder conceber um filho. Busca de todas as formas engravidar e enfrenta a indiferença do marido, Juan, que não demonstra nenhum interesse em compartir da sua angústia.

Diálogo da personagem Maria com Yerma sobre a sensação de carregar um filho:

- Maria: Não perguntes mais. Nunca sentiu um pássaro vivo apertado na mão?
- Yerma: Já senti.
- Maria: Pois é o mesmo... mas por dentro do sangue.

Obstinada, Yerma participa, contra a vontade do marido, de um ritual na casa de uma curandeira, para invocar a maternidade, o que provoca grande discussão entre os dois. Desesperada, Yerma descobre que o seu marido não deseja ter filhos e, enlouquecida entre o desejo de conceber um filho e a sua impossibilidade, ela o estrangula.

Madrid, 1934.

Esta cena, A ira de Yerma, pode ser dividida em quatro partes:

- Primeira parte: A romaria, canções, ritos...
- Segunda parte: Diálogo com a velha.
- Terceira parte: Discussão com Juan.
- Quarta parte: Desfecho e estrangulamento de Juan.
- Ideia principal: Como uma mulher se casa com o homem errado e por ele tem que sofrer durante toda a sua vida.

ReferênciasEditar

  Este artigo sobre teatro (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.