Zona de vida

O conceito de zona de vida foi desenvolvido por C. Hart Merriam em 1889 como um meio de descrever áreas com comunidades vegetais e animais semelhantes. Merriam observou que as mudanças nessas comunidades com o aumento da latitude em uma elevação constante são semelhantes às mudanças vistas com um aumento na elevação em uma latitude constante.[1]

As zonas de vida identificadas por Merriam são mais aplicáveis ao oeste da América do Norte, sendo desenvolvidas na Serra de São Francisco, Arizona e Cordilheira das Cascatas, no noroeste dos EUA. Ele tentou desenvolver um sistema que seja aplicável em todo o continente norte-americano, mas esse sistema raramente é mencionado.

As zonas de vida que Merriam identificou, junto com as plantas características, são as seguintes:

As zonas de vida canadense e hudsoniana são comumente combinadas em uma zona de vida boreal.

Este sistema foi criticado por ser muito impreciso. Por exemplo, o chaparral de carvalho arbustivo no Arizona compartilha relativamente poucas espécies de plantas e animais com o deserto de artemísia da Grande Bacia, embora ambos sejam classificados como Sonora Superior. No entanto, às vezes ainda é referido por biólogos (e antropólogos) que trabalham no oeste dos Estados Unidos. Classificações muito mais detalhadas e com base empírica de zonas de vegetação e vida agora existem para a maioria das áreas do mundo, como a lista de ecorregiões mundiais definida pelo World Wide Fund for Nature,[2] ou a lista de ecorregiões norte-americanas definidas pela Comissão de Cooperação Ambiental.[3]

HoldridgeEditar

 Ver artigo principal: Zonas de vida de Holdridge
 
Esquema de classificação de zona de vida de Holdridge. Embora concebido como tridimensional por seu originador, geralmente é mostrado como uma matriz bidimensional de hexágonos em uma moldura triangular

Em 1947, Leslie Holdridge publicou uma classificação de zona de vida usando indicadores de:

A biotemperatura se refere a todas as temperaturas acima de zero, com todas as temperaturas abaixo de zero ajustadas para 0 °C, pois as plantas estão dormentes nessas temperaturas. O sistema de Holdridge usa a biotemperatura primeiro, ao invés do viés de latitude temperado das zonas de vida de Merriam, e não usa principalmente a elevação. O sistema é considerado mais adequado às complexidades da vegetação tropical do que o sistema de Merriam.[4]

Referências

  1. McColl, R.W. (2005). Encyclopedia of World Geography. 1. [S.l.]: Infobase Publishing. p. 961. ISBN 9780816072293 
  2. Ricketts, Taylor H.; Dinerstein, Eric; Olson, David M.; Loucks, Colby J.; et al. (1999). Terrestrial Ecoregions of North America: a Conservation Assessment. Washington DC: Island Press 
  3. «Ecological Regions of North America: Toward a Common Perspective» (PDF). Commission for Environmental Cooperation. 1997. Arquivado do original (PDF) em 4 de janeiro de 2004 
  4. «Holdridge's Life Zones». Geology class notes. Radford University. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2008