Abrir menu principal


Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2009). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O zouk (pronuncia-se "zuque"), é um ritmo originário de Guadalupe e Martinica. Autores de música Charles De Ledesma e Gene Scaramuzzo trace o desenvolvimento do zouk ao Guadalupe gwo ka e Martinica bélè (gwo ka e ti bwa)[1]

O criador do zouk foi o grupo Kassav', que misturou o calipso, um estilo musical afro-caribenho, e a makossa, um estilo musical originário das regiões urbanas do Camarões, ganhando o nome de zouk na Europa, em 1985, através da música "Zouk la sé sèl médickaman nou ni", que nomeou o estilo com o nome zouk. É de notar que zouk não era o nome do estilo musical: de fato, os Kassav' nunca tinham atribuído esse nome ao estilo que desenvolveram, significando zouk, em Crioulo do Haiti, "festa". Por outras palavras, o nome da música em português é "A festa é o único medicamento que temos". Como na França pouca gente entendia o Crioulo, e o nome que sobressaía do título era zouk, o estilo passou a ser conhecido, então, por zouk.

Índice

Dança ZoukEditar

Zouk é uma dança que é comum no Caribe, assim como o merengue. É praticada hoje em todos os continentes, sendo disseminada através de profissionais do mundo inteiro . O zouk é dançado deslocando-se basicamente na cabeça dos tempos musicais (o que muitos professores de dança chamam simplesmente de tempo). Afora algum estilo que utiliza somente a cabeça do tempo, em geral entre as cabeças se marca também no intervalo entre as mesmas, no que é chamado de contratempo (como por exemplo no samba)- marcado com o chamado 1,2. No contratempo, se faz o movimento característico do zouk: uma ginga ou um movimento sinuoso (onda) conhecido como cobrinha.

É preciso ter muito cuidado para não confundir a música com a dança. A dança zouk pode ser dançada com diversos ritmos: kizomba, reggaeton, tarraxinha, cabolove, cabozouk, remixes, R&B, hip hop, etc.

O Zouk pode ser dançado no estilo musical kizomba, mas não pode ser confundido com a dança especificamente chamada de kizomba, que é de origem angolana, tendo forte implementação nos países africanos de língua oficial portuguesa. Enquanto o Zouk é uma dança espaçosa, a Kizomba é dançada bem próximo e abraçado.

Zouk Novo Estilo, a Lambada do Rio de JaneiroEditar

Luís Florião • professor de danças de par brasileiras e pesquisador

Depois de vários anos nos topos das paradas de sucesso pelo mundo, a música lambada entrou em crise e parou de ser gravada. A dança perdeu destaque, mas sobreviveu, pois já haviam sido feitas nas lambaterias muitas experiências com variados estilos de música que tivessem a batida (base de marcação) que permitisse dançar lambada, só para citar um exemplo, a banda de rumba flamenca Gipsy Kings teve vendagem significativa no Brasil por conta da dança. Então as músicas francesas, espanholas, árabes, estadunidenses, africanas, caribenhas etc. garantiram a continuidade do estilo de dança. De todas as músicas, o zouk foi a que melhor se encaixou, tornando-se, a preferida para se dançar a lambada. O fato de se passar a dançar em músicas com um andamento mais lento, com mais tempo e pausas que praticamente não existiam na música lambada, permitiu explorar ao máximo a sensualidade, plasticidade e beleza da nossa criação.

Os movimentos ficaram mais suaves e fluidos, modificando-se à medida que a dança foi incorporando e trocando com outras modalidades, a relação interpessoal voltou a ganhar valor e as acrobacias ficaram praticamente exclusivas para os palcos. Contribuíram ainda diversas pesquisas, até fora da dança de salão, como por exemplo, as de contato e improvisação.

A casa noturna Ilha dos Pescadores (Barra da Tijuca – Rio de Janeiro), comandada por Tio Pio e norteada pelo lema: enquanto um lambadeiro existir, a lambada jamais morrerá, manteve por quase todo o tempo que a lambada esteve fora da moda os domingos direcionados para essa dança, e é nesse ambiente de resistência que se consolida a transição da lambada de Porto Seguro para a lambada do Rio de Janeiro.

Hoje, no início do séc XXI, temos o estilo de Porto Seguro (geralmente chamado de lambada) que preferencialmente usa vários tipos de músicas (lambadas, zouks, músicas árabes...), muita energia, giros múltiplos da dama, muita oscilação dos ombros e dando a ênfase do movimento nos tempos pares da música*1 ou intercalando nos pares e ímpares e o estilo carioca (chamado muitas vezes de lambazouk, lambada zouk, zouk, zouk love, zouk brasileiro e outros muitos nomes) que normalmente usa músicas lentas como o zouk love e a kizomba (love), é mais sensual, com muitas espirais, torções de tronco, contato e tem a ênfase do movimento nos tempos ímpares*1. Constato ainda grande mistura entre os dois estilos e alguns subestilos

MovimentosEditar

.

Os passos podem variar de acordo com o estilo musical, sendo rápido ou lento.

Em alguns países é chamada de zouk love e seus passos podem ser mais suaves. O zouk love (amor) possui quatro passos principais: o zouk cannelle (canela), o zouk gingembre (gengibre), zouk piment (pimenta) e o zouk groin (virilha).

É necessário considerar que os momentos de transferência do peso corporal podem ocorrer com movimentos de inclinação e de circundação da cabeça. O passo básico se dá de maneira semelhante ao caminhar, para a frente e para trás, durante o qual o homem e a mulher se colocam de frente um para o outro .

Assim, o membro inferior direito de cada dançarino estará próximo ao membro inferior esquerdo de seu parceiro. O movimento é iniciado com a perna direita do homem projetando-se para trás ou para a frente e, consequentemente, a perna esquerda da mulher projetando-se para frente ou para trás de acordo com a condução do homem. A seguir, ambos se reparam, agrupando os membros inferiores, para "dar um passo" no sentido oposto: a mulher movimenta a perna cruzando e o homem a acompanha o ritmo indo para o lado contrário. Esse movimento de vaivém é contínuo ao longo da dança, chamado no Brasil de "corredor".

No estilo tradicional oriundo da lambada o passo gengibre envolve a semiflexão dos joelhos, seguida de extensão, assemelhando-se ao movimento de descer e subir. Essa movimentação, na articulação do quadril, é realizada à direita e à esquerda. Já o passo pimenta é a fusão dos anteriores (canela e gengibre), com o casal dançando o mais próximo possível, entrelaçando os membros inferiores. Embora algumas articulações tenham sido enfatizadas na descrição dos movimentos, na caracterização do zouk não basta apenas dar passos para a frente, para trás e para os lados. É necessário desenvolver todo o corpo ao dançar.

Nos estilos menos conservadores a semiflexão dos joelhos não é executada de forma tão constante, e o posicionamento dos pés e dos eixos são tão importantes quanto a movimentação do quadril, pois são exploradas as diversas articulações do corpo.

Referências

  1. "Orquestração de zouk" YouTube. Acessado em 10 de setembro de 2005

Ligações externasEditar

Músicas de ZoukEditar

  Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre dança é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.