A Rosa do Adro

filme de 1919 dirigido por Georges Pallu

A Rosa do Adro é um filme mudo português, realizado por Georges Pallu, no ano de 1919, baseado no romance de Manuel Maria Rodrigues. Na altura do seu lançamento foi anunciado sob o lema «Romance Português - Filme Português - Cenas Portuguesas - Actores Portugueses»[1].

A Rosa do Adro
Portugal
1919 •  p&b •  80 min 
Direção Georges Pallu
Produção Caldevilla Film
Roteiro Baseado no romance de Manuel Maria Rodrigues
Elenco Maria de Oliveira
Carlos Santos
Erico Braga
Género drama, romance
Idioma Não disponível

EnredoEditar

Rosa é uma pobre costureira que vive com a avó e que se enamora de Fernando, filho de ricos lavradores e finalista de Medicina. António, rapaz do campo, ama Rosa, que não lhe corresponde, e espia os namorados. Rosa e Fernando encontram-se às escondidas de noite, num quintal. Numa noite de chuva encontram-se no quarto dela e António apercebe-se deste facto. A partir deste momento, Fernando desinteressa-se de Rosa e enamora-se de Deolinda, filha de uma marquesa, conhecida de Rosa, e que vive no Porto.
Rosa fica doente com tuberculose. Mas Deolinda, conhecedora do caso de Fernando e Rosa, exige-lhe que se case com Rosa, ao que ele recusa. António arma uma emboscada a Fernando que fica gravemente doente. Este e Rosa acabam-se por casar. Rosa morre mais tarde.
O Padre Francisco, que recolhera António, revela-lhe que Rosa não podia ter casado com António pois eram irmãos. Com o remorso de ter causado a desgraça de Rosa e de Fernando, suicida-se.[2]

ElencoEditar

Referências

  1. http://cvc.instituto-camoes.pt/cinema/factos/fac001.html
  2. Revista Colóquio/Letras n.º3 (Setembro de 1971), pág. 67. Vergilio Ferreira, Fundação Calouste Gulbenkian.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar