Acordo Venizelos-Tittoni

O Acordo Venizelos–Tittoni foi um acordo secreto não vinculativo entre o primeiro-ministro da Grécia, Eleftherios Venizelos, e o ministro das Relações Exteriores da Itália, Tommaso Tittoni, em julho de 1919, durante a Conferência de Paz de Paris.

Principais condiçõesEditar

O acordo foi um esforço para alcançar uma concordância sobre as reivindicações territoriais conflitantes dos dois países.

EvoluçãoEditar

Em janeiro de 1920, Venizelos fez conhecido o acordo ao Conselho Supremo Aliado com ausência de reação negativa. A postura da Itália mudaria em julho de 1920, quando o novo ministro das Relações Exteriores, Carlo Sforza, com uma nota secreta para o governo grego renunciou ao acordo. Formalmente, o acordo foi renunciado pela Itália em agosto de 1922.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Burgwyn, H. James (1997). Italian foreign policy in the interwar period : 1918 - 1940 1. publ. ed. Westport, Conn. [u.a.]: Praeger. 15 páginas. ISBN 978-0-275-94877-1