Alagamento anaeróbico

Canche Cenote - Próximo ao sítio arqueológico Ek Balam - Iucatã

Na arqueologia, o alagamento anaeróbico refere-se à exclusão, a longo prazo, de ar por águas subterrâneas, o que cria um ambiente anaeróbico que pode preservar perfeitamente os artefatos.[1] Esse encharcamento preserva artefatos perecíveis. Assim, em um local que foi inundado desde que o horizonte arqueológico foi depositado, uma visão excepcional pode ser obtida pelo estudo de artefatos feitos de couro, madeira, têxteis ou materiais similares.[2] Cerca de 75-90% dos restos arqueológicos encontrados em áreas encharcadas são de material orgânico. Anéis de árvores encontrados a partir de troncos que foram preservados permitindo aos arqueólogos encontrar datas com precisão. As zonas úmidas incluem todos os locais encontrados em lagos, pântanos, brejos e turfeiras.[3]

O principal problema arqueológico com achados em alagamentos, particularmente de madeira, é que eles se deterioram rapidamente quando são retirados da água, começando a secar e rachar quase que imediatamente. Eles, portanto, precisam ser mantidos molhados até serem tratados em laboratório. Medidas de conservação explicam por que a arqueologia úmida custa cerca de quatro vezes mais do que arqueologia seca.[4][5]

Referências

  1. Sacred Mayan relics are found alongside ancient human remains and Ice Age animal bones in an underwater cave described as the world's ‘most important submerged archaeological site’ por Tim Collins (2018)
  2. Renfrew, Collin (2008). Archaeology: Theories, Minds, and Practice. New York, New York: Thames&Hudson. pp. 62–72. ISBN 9780500287132 
  3. Barnes, Trevor (2004). Archaeology. Boston: Kingfisher 
  4. Lobell, Jarret (Maio–junho de 2010). «Clonycavan and Old Croghan Men». Archaeology. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  5. Weisenberg, Adam (Julho de 2011). «Waterlogging» 
  Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.