Ana de São Bartolomeu

Beata Ana de São Bartolomeu
Nascimento 1 de setembro de 1550 em Almendral, Castela
Morte 7 de junho de 1626 em Antuérpia, Brabante
Veneração por Igreja Católica
Festa litúrgica 7 de junho
Gloriole.svg Portal dos Santos

Ana de São Bartolomeu (1 de outubro de 1550, Almendral, Castela - 7 de junho de 1626, Antuérpia, Brabante), Ana Garcia Manzanas antes de sua vida monástica, foi pastora catalã dos séculos XVI e XVII, mais tarde feita beata. Era coetânea de Teresa de Ávila, a quem pediu admissão no primeiro convento carmelita reformado, apesar de ser analfabeta. Foi recusada por ser muito jovem, mas alguns anos depois as Carmelitas Descalças a aceitaram e então adotou seu nome religioso. Por sua humildade, foi vista por Teresa como "a grande serva de Deus". Copiando cartas da última, aprendeu a ler e escrever, e cuidou desta durante sua doença terminal, com Teresa falecendo em seus braços (1582).[1]

Em 1588, foi enviada ao Reino da França com outras seis freiras para introduzir as carmelitas no país. Se sabe que quando a viúva Joana de Chantal tentou ingressar nas carmelitas, Ana a desencorajou sob alegação de que Deus preparou outra coisa para ela. Na contramão, trabalhou estreitamente com Bárbara Acarie, que teve papel fundamental à introdução das carmelitas na França. Em 1611, mudou-se para o Ducado de Brabante, onde, diz-se, salvou Antuérpia de um cerco do príncipe de Orange com suas orações. Permaneceu na cidade até sua morte, em 1626. Sua festa litúrgica ocorre em 7 de junho.[1]

Referências

BibliografiaEditar

  • Gallick, Sarah (2017). «Beata Ana de São Bartolomeu». O Livro das Santas. Traduzido por Motta, Laura Teixeira. São Paulo: Companhia das Letras