Andrisco

político

Andrisco, (em grego clássico: Ἀνδρίσκος; romaniz.: Andriskos) e, muitas vezes chamado de "pseudo-Filipe", foi o último rei da Macedônia (149 - 148 a.C.), e governante de Adramício na Eólia (no oeste da Anatólia).

Andrisco
Um dos três dracmas conhecidos de Filipe VI Andrisco
Nascimento 185 a.C.
Mísia
Morte 146 a.C.
Roma
Ocupação político

BiografiaEditar

 Ver artigo principal: Quarta Guerra Macedônica

Em 168 a.C., os romanos invadiram a Macedônia durante a Terceira Guerra Macedônica e destronaram o rei, Perseu, na Primeira Batalha de Pidna.

Em 149 a.C., Andrisco, naquele tempo apenas governante de Adramício, e afirmando ser filho de Perseu, anunciou sua intenção de retomar a Macedônia dos romanos.

Como sua primeira tentativa, Andrisco viajou para a Síria a fim de pedir ajuda militar para Demétrio Sóter da Síria. Demétrio ao invés de atender seu pedido, entregou-o aos romanos.

Andrisco escapou do cativeiro romano, e formou um exército com homens da Trácia. Com esse exército, invadiu a Macedônia e derrotou e matou o pretor romano Públio Juvêncio em 149 a.C. Andrisco então se declarou rei Filipe VI da Macedônia.

Em 148 a.C., Andrisco conquistou a Tessália e fez uma aliança com Cartago, trazendo assim a ira romana sobre ele. Em 148 a.C., no que os romanos chamaram de a Quarta Guerra Macedônica, Andrisco foi derrotado pelo pretor romano Quinto Cecílio Metelo Macedônico na Segunda Batalha de Pidna, e fugiu para a Trácia, cujo príncipe entregou-o para Roma, marcando assim o ponto final do reinado de Andrisco da Macedônia.

O breve reinado de Andrisco na Macedônia foi marcado pela crueldade e extorsão. Após isso, a Macedônia foi formalmente reduzida a uma província romana.

Referências