Abrir menu principal

Anfioxo lanceolado

Como ler uma infocaixa de taxonomiaBranchiostoma lanceolatum
Branchiostoma lanceolatum
Branchiostoma lanceolatum
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Cephalochordata
Classe: Leptocardii
Subclasse: Amphioxiformes
Família: Branchiostomatidae
Género: Branchiostoma
Espécie: B. lanceolatum
Nome binomial
Branchiostoma lanceolatum
(Pallas, 1774)

Branchiostoma lanceolatum ou anfioxo lanceolado, é a espécie mais conhecida do grupo dos cefalocordados. Também é chamado de peixe-lanceta, apesar de não ser um peixe.

AnatomiaEditar

 
Diagrama anatômico do Branchiostoma lanceolatum

Branchiostoma lanceolatum tem um corpo alongado, achatado lateralmente e apontado em ambas as extremidades. Uma haste endurecida de células compactadas, a notocorda, se estende por todo o comprimento do corpo. Ao contrário dos vertebrados, o nothochord persiste no adulto, em forma de tubo neural dorsal simples, ligeiramente engrossado na parte anterior (a vesícula cerebral). Acima, há um cordão nervoso com um único olho frontal. A boca está na parte de baixo do corpo e é cercada por um tufo de 20 ou 30 cirros ou apêndices sensoriais delgados. O intestino corre logo abaixo da notocorda, da boca até o ânus, na frente da cauda. Existe uma barbatana vertical em forma de aba que envolve a cauda pontiaguda. As trocas gasosas ocorrem quando a água passa pelas fendas branquiais na região central e as gônadas segmentadas, alongan-se logo atrás deles. O animal é perolado branco e semitransparente, o que permite que os órgãos internos sejam vistos de fora. Sua aparência é semelhante a um "peixe primitivo". Pode crescer até 6 cm de comprimento.[1][2]

Distribuição e habitatEditar

O B. lanceolatum é encontrado em mares rasos no nordeste do Oceano Atlântico, da Noruega, Escócia, bem como mais ao sul do Mar Mediterrâneo e do Mar Negro. Seu alcance se expandiu através do Canal de Suez até as partes setentrionais do Oceano Índico e as costas da África Oriental. Ele enterra-se em substratos macios, como fragmentos de areia, cascalho e casca, o que pode ocorrer na marca da maré baixa até cerca de 40 metros.[3][1]

BiologiaEditar

O adulto do B.lanceolatum, com idade entre 2 e 3 anos, se reúne em grupos no fundo do mar para procriação uma vez por ano. Os ovos são postos e a fertilização ocorre externamente. Os primeiros estágios larvares ocorrem no substrato e um pouco mais tarde, as larvas tornam-se pelágicas. Eles são alongados e achatados lateralmente e têm uma região inchada ao redor das fendas branquiais. Essas fendas aumentam à medida que a larva passa por seus vários estágios. Todas as noites eles se aproximam da superfície do mar e, de manhã, afundam-se na coluna de água, alimentando-se de fitoplâncton, copépodes e detritos quando eles descem. O estágio larval dura até 200 dias. No Mar do Norte, a reprodução ocorre em junho e julho.[1]

PesquisaEditar

O genoma mitocondrial de B. lanceolatum foi sequenciado e a espécie serve como um organismo modelo para o estudo do desenvolvimento de vertebrados. O modo como os genes codificadores e os dois genes de rRNA são organizados é o mesmo que o método organizacional usado pela lampreia do mar (Petromyzon marinus). Estes dados, entre outros, sugerem uma estreita relação entre o anfioxo e os vertebrados.[4]

Para uso como organismo modelo, a reprodução pode ser feita em laboratório. Os adultos podem ser induzidos a desovar através de um choque térmico, desovando várias vezes por ano. A metamorfose no laboratório ocorreu em 1 a 3 meses. Desde 2015, um esforço conjunto de diferentes laboratórios trabalhando nesta espécie, fornece uma plataforma centralizada na qual os dados genômicos são publicamente acessíveis.[5]

Referências

  1. a b c Branchiostoma lanceolatum Portal Marine Species Information. consultado em 15 de março de 2019
  2. Mediterranean amphioxus, Branchiostoma lanceolatum, an emergent animal model for Evo-Devo studies Por National Geographic Society. consultado em 15 de março de 2019
  3. Giant Mussel and 'Faceless Fish' amongst Scottish marine finds, World Wide Fund for Nature Scotland, 29 de dezembro de 2011, consultado em 15 de março de 2019, arquivado do original em 12 de março de 2013  Parâmetro desconhecido |dataarquivo= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |dataacceso= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda); |urlarquivo= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  4. Spruyt, Nathalie; Christiane Delarbre; Gabriel Gachelin; Vincent Laudet (1998). «Complete sequence of the amphioxus (Branchiostoma lanceolatum) mitochondrial genome: relations to vertebrates». Nucleic Acids Research. 26 (13): 3279–3285. PMC 147690 . PMID 9628930. doi:10.1093/nar/26.13.3279 
  5. We go public! Portal Amphiencode. consultado em 15 de março de 2019