Abrir menu principal
António Gil
Nascimento 3 de junho de 1846
São Mateus
Morte 3 de julho de 1883 (37 anos)
Angra do Heroísmo
Cidadania Portugal
Ocupação poeta, escritor

António Gil da Silveira Machado Bettencourt (Praia da Graciosa, 3 de Junho de 1846Angra do Heroísmo, 3 de Julho de 1883), mais conhecido por António Gil, foi um escritor, poeta e bibliófilo açoriano. Em política foi um separatista que pugnava pela independência dos Açores sob protectorado dos Estados Unidos da América.

Índice

BiografiaEditar

António Gil foi filho do graciosense Francisco de Sousa Machado e Costa e de sua mulher, a micaelense Ana Gil de Bettencourt.

Fez a sua instrução primária na vila da Praia e os seus estudos secundários no Liceu de Angra do Heroísmo, onde ingressou em 1856. Apesar de frequentemente doente, foi um aluno brilhante.

Desde muito jovem que escreveu poesia, folhetins e bem elaborados artigos políticos e literários, que se encontram publicados em vários periódicos de Angra do Heroísmo, de Ponta Delgada e de Lisboa.

A sua melhor produção foi a poética, produzindo obras de cunho lamartiniano de grande qualidade. A sua poesia encontra-se dispersa pelos muitos periódicos em que colaborou e muita ficou inédita.

Traduziu e publicou o romance Belle-Rose de Amédée Achard. Publicou, conjuntamente com Augusto Ribeiro, o Almanaque Insulano para Açores e Madeira nos anos de 1873 e 1874, única obra que publicou em livro, já que deixou toda a sua restante produção literária dispersa por periódicos.

Fundou e redigiu, conjuntamente com José Sampaio, o semanário Os Açores. Através da imprensa foi um proponentes das comemorações nos Açores dos centenários do Marquês de Pombal e de Luís de Camões.

Foi um dos promotores da formação do Grémio Literário de Angra do Heroísmo, um grupo de intelectuais que pugnava pelo desenvolvimento literário dos Açores. Foi o editor do jornal da agremiação, o Jornal do Grémio Literário de Angra do Heroísmo, que se publicou a partir de 1868. Nele colaboraram, entre muitos outros, João Carlos Rodrigues da Costa, Francisco Maria Supico, Mendo Bem e Ernesto Rebelo.

Uma das principais actividades do Grémio Literário de Angra do Heroísmo foi a criação da Biblioteca do Grémio Literário, a primeira que nos Açores permitiu a leitura ao domicílio. O gabinete de leitura do Grémio, fundado em 1871, foi o primeiros dos Açores.

Foi professor particular da língua francesa e professor provisório do Liceu de Angra do Heroísmo, tendo fundado, em parceria com Mateus Augusto, uma escola nocturna destinada à instrução popular onde ensinavam pelo método de João de Deus.

António Gil foi um ávido bibliófilo, coleccionando obras referentes a temas açorianos, incluindo jornais e manuscritos. Os seus herdeiros venderam a colecção a José do Canto, que a partir dela constituiu a valiosa biblioteca e hemeroteca que hoje está incorporada na Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada. Entre os manuscritos que possuía estava o autógrafo da Topografia da Ilha Graciosa de Jerónimo Emiliano de Andrade.

Fundou uma fábrica de papel na ilha Terceira, a qual foi efémera, já que António Gil faleceu pouco depois, levando ao abandono do projecto.

Um painel de azulejos recorda-o na casa onde viveu, na vila da Praia da Graciosa, no imóvel que é hoje o lar de idosos da Santa Casa da Misericórdia da Praia da Graciosa.

Obras publicadasEditar

  • 1873 — Almanaque Insulano para 1874. Angra do Heroísmo: Typ. de A Terceira.
  • 1874 — Almanaque Insulano para 1875. Angra do Heroísmo: Typ. de A Terceira.
  • 1877 — Catalogo do Gabinete da Leitura Terceirense de A. Gil. Angra do Heroísmo: Imprensa do Governo Civil.

ReferênciasEditar

  • Alfredo Luís Campos, Memória da Visita Régia à Ilha Terceira, Angra do Heroísmo: Imprensa Municipal, 1903.
  • --- "'Insulares Illustres. António Gil (1846-1883)". In: O Angrense, edição de 9 de Agosto de 1883.

Ligações externasEditar