Abrir menu principal

Antônio Pereira (Ouro Preto)

distrito do município brasileiro de Ouro Preto
(Redirecionado de Antônio Pereira)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Antônio Pereira, veja Antônio Pereira (desambiguação).

Antônio Pereira é um distrito de Ouro Preto.[1][2] Localiza-se na latitude 20º18'14" Sul e longitude 43º28'53" Oeste e possui altitude média de 860 metros. Dista 16 km de Ouro Preto - cidade histórica, reconhecida mundialmente por este fato - e 9 km de Mariana - também cidade histórica, com arquitetura pertencente ao barroco mineiro. Não possui construções tão antigas como Mariana e Ouro Preto, mas é lugar de lindas cachoeiras. Atualmente, a área é protegida por lei, após anos de exploração agressiva aos recursos naturais por parte de garimpeiros em busca de ouro e pessoas em busca de cascalho, material usado em construções.

Nossa Senhora da Lapa em passeada, 15 de Agosto, festa tradicional de Antônio Pereira.

Índice

HistóricoEditar

Trata-se de um arraial antigo que foi um dos primeiros núcleos mineradores de Minas Gerais; como destaca[3]: "Folclore oral desta região que foi cognominada berço da mineiridade". Dentre os pontos turísticos, destacam-se as ruínas da igreja de Nossa Senhora da Conceição, incendiada (segundo locais, por uma vela que veio a cair sobre um tapete)[nota 1], em cujo interior existe um curioso cemitério, ainda utilizado. A imponente fachada, em blocos de pedra, chama a atenção. Outro passeio interessante é à gruta da Lapa, porque possui em seu interior uma pequena capela.

Na grande fome de 1700-1, o bandeirante português Antonio Pereira Machado[3] (de São João das Caldas, perto de Guimarães[4]) seguiu para o norte, chegando ao lugar a que deu nome por ali se ter fixado, chamando-o porém na ocasião o Bonfim do Mato Dentro. Em 1703, desgostoso com a abundância de animais ferozes, voltou à vila do Carmo. Teria sido o padre João de Anhaia[nota 2] o verdadeiro fundador do arraial de Antonio Pereira, com Mateus Leme e com Antonio Pompeu Taques, pois se estabeleceram como mineradores nas numerosas minas como as do Romão, Mata-mata, Macacos, Capitão Simão, Fazenda do Barbaçal, Mateus, da Rocinha.

Em 1716 foi fundada a igreja de Nossa Senhora da Conceição, curada como igreja matriz em 1720 e colativa em 1752; Localmente chamada como igreja da lapa, ou igreja de nossa senhora da lapa.

Posicionamento geográficoEditar

Antônio Pereira faz fronteiras com com São Bartolomeu, Santa Bárbara, Ouro Preto, e Mariana.[4]

 
Posicionamento geográfico de Antônio Pereira, fazendo fronteiras com São Bartolomeu, Santa Bárbara, Ouro Preto, e Mariana

Pontos turísticosEditar

Três pontos são visitados com frequência por pessoas do Brasil ou mesmo estrangeiros: Gruta da Lapa, Garimpo de Topázio Imperial, e Igreja Queimada.

 
Placa na entrada da gruta da lapa

Igreja queimadaEditar

A igreja queimada, localizada na saída/entrada de Antônio Pereira para quem vem/vai à Mariana, datada do século XVIII. Esta, junta com a gruta da lapa, são os marcos históricos do local. A igreja é cercada de mitos locais, o mais acentuado está em volta do fato que foi criada para a santa local, nossa senhora da lapa, como a chama os locais. Segundo lendas, a santa misteriosamente sai da igreja e aparecia na gruta da lapa, onde segundo os locais foi achada originalmente, até o momento em que foi queimada de forma misteriosa, os locais acreditam que a santa o fez para permanecer na gruta da lapa, atualmente com uma pequena capela na entrada para a santa. Uma versão mais plausível e interessante é apresentada por [3], baseado em pesquisas com pessoas locais. Segundo a versão, uma pessoal de origem aparentemente da Bahia, roubou a igreja que na época era coberta de metais preciosos, então colocou fogo na mesma. O são-cristão local, chamado Roque, foi acusado de deixar uma vela acessa, causando o incêndio, e preso pelo crime. Segundo[3], Antônio Pereira era rico, com casas e igrejas cobertas de ouro e prata; depois veio a era do topázio imperial, hoje achado em pequenas quantidades.

 
Placa com descrição histórica na entrada da igreja queimada, hoje um cemitério local.
 
Igreja queimada, frente.

Beleza naturalEditar

Alguns dos lugares mais belos ficam nas Cachoeiras da Pedreira. São três cachoeiras naturais cuja estrutura é mantida por formações rochosas naturais. A primeira destas é rasa, altura máxima de aproximadamente um metro e a queda de água não é alta. A segunda, chamada pelos locais de Cachoeira da Escuridão, devido ao fato de que o sol não alcança a mesma todo o tempo, ou mesmo por que esta gera “certo medo”, é funda, altura maior do que um adulto de estatura normal, tendo aproximadamente dois metros de profundidade em alguns pontos. A queda de água é mais alta do que a primeira, mas não tão alta quanto a terceira. A terceira, nomeada pelos locais de Cachoeira da Lajinha, é praticamente plana, como uma área de piscina, possuindo profundidade maior. Até o momento, boa parte da área não sofreu relevantes alterações por ação humana. Existem outros pontos, como a Lagoa Azul, ou mesmo a Cachoeira da Vila, atualmente tomada pela empresa Vale. O local é cercado por montanhas, que durante as chuvas formam espelhos de água, e a rica quantidade de minério ajuda a formar uma paisagem bela.

Projetos sociaisEditar

Como forma de mitigar os problemas sociais enfrentados pelos moradores no local, vários projetos sociais foram fundados, mas infelizmente somente alguns sobreviveram, sobretudo devido à falta de atenção dada ao local pelas autoridades: Casa Escola e CEAP. A Casa Escola é um projeto fundado com o intuíto de proteger as crianças locais, fundada por Marcos Lucena. O CEAP (Centro Educativo de Antônio Pereira) foi mantido pela prof. Ida e atualmente esta sobre a liderança da Igreja Batista de Antônio Pereira. O CEAP foi famoso por criar padrinhos para as crianças locais, por meio de uma parceria com a Compassion. Por essa razão, muitos padrinhos possuíam nacionalidade estrangeira.

EducaçãoEditar

Toda a educação dos locais gira em torna da Escola Estadual de Antônio Pereira e do Colégio Arquidiocesano de Ouro Preto Unidade II, este último fechado em dezembro de 2016, mantendo apenas sua matriz em Ouro Preto[5]. A primeira é uma escola pública, ao passo que a segunda foi uma escola privada, mas que oferecia bolsas de estudos a estudantes com certo grau de destaque, muitas das quais pagas pela empresa local chamada Samarco S.A. A educação superior é, em grande parte, oferecida pela Universidade Federal De Ouro Preto, Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) e cursos do SENAI, todos com processo seletivo.

Rompimento de barragem em MarianaEditar

 
Nesta imagens, alguns locais de Antônio Pereira mostram sua vontade na volta das atividades por parte da Samarco; demonstrações similares existem em Mariana.

Em 5 de novembro de 2015, em Bento Rodrigues, ocorreu o rompimento da barragem da Sarmaco. No entanto, a central da empresa fica em Antônio Pereira, o que deixou a economia local muito prejudicada. Muitos moradores são a favor do retorno das atividades, na esperava da geração de novos empregos. Atualmente a empresa, e empreitaras ligadas a essa, estão fechada ou operando com número reduzido de funcionários.

LinksEditar

Notas

  1. Existem várias versões da história, sem uma aceita de forma unânime. A mais mítica diz que a santa queimou a igreja depois de ter sido colocada de forma continua na igreja queimada, em cada vez a mesma voltava para a gruta da lapa.
  2. Os autores[3] colocam o Padre João e Antônio Mateus Leme, e o capitão Antônio Pompeu Fagundes como fundadores consecutivos na linha do tempo.

Referências

  1. www.ouropreto.com.br. «Antônio Pereira - Ouro Preto». Consultado em 13 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 3 de setembro de 2011 
  2. Prefeitura de Ouro Preto. «Antônio Pereira». Consultado em 13 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2014 
  3. a b c d e Antônio Pereira e Turma de letras 91/2 ICHS-UFOP, Florentina Gomes, e Lázaro Francisco da Silva. Aspectos folclóricos III: historia de Antonio Pereira. Editora UFOP: Ouro Preto, 1993.
  4. a b Da Silva Gonçalves Ferreira, D. et al. Antônio Pereira: na visão dos jovens que fazem a diferença. Projeto Jovens de Ouro e Terezinha Lobo Leite. http://www.ouropreto.com.br/secao/artigo/terezinha-lobo-leite. Acessado em 23 04 2017
  5. «Unidade Cônego Paulo Dilascio». arquidiocesano.com. Consultado em 23 de janeiro de 2017