Antonio de La Gandara

Antonio de La Gandara (Paris, 16 de dezembro de 1861 – Paris, 30 de junho de 1917) foi um pintor, pastelista e desenhista francês.[1]

Antonio de La Gandara
Nascimento 16 de dezembro de 1861
9.º arrondissement de Paris
Morte 30 de junho de 1917 (55 anos)
Paris
Sepultamento cemitério do Père-Lachaise
Cidadania França
Alma mater
  • Escola Nacional Superior das Belas-Artes
Ocupação pintor, cartunista, designer, litógrafo
Prêmios
Obras destacadas Portrait of Gabriel de Yturri (1864-1905)
Madame Pierre Gautreau, 1898

La Gándara nasceu em Paris, França, mas seu pai era de ascendência espanhola, nascido em San Luis Potosí, México, e sua mãe era da Inglaterra. O talento de La Gándara foi fortemente influenciado por ambas as culturas. Com apenas 15 anos de idade, La Gándara foi admitido como aluno de Jean-Léon Gérôme e Cabanel na École des Beaux-Arts. Logo, ele foi reconhecido pelo júri do Salon des Champs-Élysées de 1883, que destacou a primeira obra que exibiu: um retrato de São Sebastião.

Menos de dez anos depois o jovem La Gándara tornou-se um dos artistas favoritos da elite parisiense. Seus modelos incluíam a condessa Greffulhe, a grã-duquesa de Mecklenburg, a princesa de Chimay, o príncipe de Polignac, o príncipe de Sagan, Charles Leconte de Lisle, Paul Verlaine, Leonor Uriburu de Anchorena, Sarah Bernhardt, Romaine Brooks, Jean Moreas, Winnaretta Singer e Virginie Amélie Avegno Gautreau (vista abaixo, e mais famosa retratada por John Singer Sargent em sua pintura Madame X). Influenciado por Chardin, sua habilidade é demonstrada em seus retratos, na simplicidade com o mais fino detalhe, ou na serenidade de suas cenas de pontes, parques e ruas de Paris.

Gandara ilustrou um pequeno número de publicações, incluindo Les Danaïdes de Camille Mauclair. Com James McNeill Whistler, Jean-Louis Forain e Yamamoto, La Gándara ilustrou Les Chauves-Souris ("Os Morcegos") do poeta francês Robert de Montesquiou. O livro, publicado em 1893, tornou-se um raro item de colecionador. A primeira exposição da obra de La Gándara organizada em Nova York por Durand-Ruel em 1898 foi um grande sucesso e confirmou o pintor como um dos mestres de seu tempo. Os principais jornais e revistas reproduziam rotineiramente seus retratos, vários dos quais chegaram à primeira página de publicações da Revista Le Figaro. Gandara participou nas exposições mais importantes em Paris, Bruxelas, Berlim, Dresden, Barcelona e Saragoça.

La Gándara morreu em 30 de junho de 1917 e foi enterrado no Cemitério Père Lachaise, em Paris. Embora sua fama tenha desaparecido rapidamente após sua morte, o crescente interesse no século XX fez com que ele recuperasse a popularidade como uma testemunha chave da arte de seu tempo, não apenas através de suas telas, mas também como o modelo escolhido pelos romancistas Jean Lorrain e Marcel Proust, e através das anedotas de sua própria vida narradas por Edmond de Goncourt, Georges-Michel e Montesquiou.

Em 3 de novembro de 2018, uma grande retrospectiva foi aberta durante quatro meses no Musée Lambinet em Versalhes, reunindo mais de cem obras do pintor, bem como muitos documentos. O curador da exposição foi Xavier Mathieu.

Foi publicado um romance pelas Edições L'Harmattan em 2016 que trata da vida de La Gándara: Antonio de La Gandara - O Cavalheiro pintor da Belle Époque.

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Antonio de La Gandara

Referências

  1. «Antonio de la Gandara». www.jssgallery.org. Consultado em 16 de dezembro de 2020 

FontesEditar

  • Xavier Mathieu, Antonio de La Gandara, Gentilhomme-Peintre de la Belle Époque 1861–1917, Éditions Gourcuff-Gradenigo (2018. Um livro ricamente ilustrado realizado como parte da exposição Antonio de La Gandara, Gentilhomme-Peintre de la Belle Époque. por François de Mazières, prefeito de Versalhes. (ISBN  9782353402878).
  • Jumeau-Lafond, Jean-David, "Antonio de La Gandara. Un témoin de la Belle époque, 1861–1917", La Tribune de l'Art .
  • Gabriel Badea-Päun, "Antonio de La Gandara (1861–1917), un portratiste mondain oublié, un parcours, un réseau, une mode",
  • Xavier Mathieu, "Antonio de La Gandara - Un témoin de la Belle Epoque", 308 pp, Editions Librairie des Musées, 2011.
  • Gabriel Badea-Päun, "Entre mondanité et mécénat - les avatars d'une relationship, Robert de Montesquiou et Antonio de La Gandara", Revue de la Bibliothèque nationale n.° 25, 2007, pp. 54-62.
  • Gabriel Badea-Päun, Antonio de La Gandara (1861–1917), naissance d'un portraitiste mondain. L'exposition chez Durand-Ruel, abril de 1893 , conférence à la Société de l'histoire de l'art français, présentée à l'Institut national d'histoire de l'art, Paris, le 18 de novembro de 2006, à paraître.
  • Gabriel Badea-Päun, "Un intermezzo lithographique - les estampes d'Antonio de La Gandara", Nouvelles de l'estampe , n ° 207, juillet-septembre 2006, pp. 23–36.
  • Gabriel Badea-Päun, "De l'atelier de Gérôme au cabaret du Chat noir. Les années deformation d'Antonio de La Gandara (1861–1917)", Le Vieux Montmartre, nouvelle série, fascículo n.° 75, outubro de 2005, pp. 12–36.
  • Gabriel Badea-Päun, Antonio de La Gandara, Allgemeines Künstlerlexikon, Leipzig-Munich, KGSaur Verlag, vol. 49.
  • Gabriel Badea-Päun, Portraits de Société, Paris, Citadelles et Mazenod, 2007. Prix du cercle Montherlant de l'Académie des Beaux-Arts, 2008.
  • Gabriel Badea-Päun, The Society Portrait, Thames & Hudson, London and Vendôme Press, Nova York, 2007.
  • Gabriel Badea-Päun: Antonio de La Gandara, sa vie, son œuvre (1861–1917), catalog raisonné de l'œuvre peint et dessiné, thèse de doctorat sous la direction du M. le professeur Bruno Foucart, Paris-IV Sorbonne, 2005, 3 volumes, 881 pp.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.