Abrir menu principal

Artur de Lavra Pinto (Caxias do Sul, 20 de setembro 1883 — Porto Alegre, 11 de agosto de 1950) foi um funcionário público, desportista, jornalista, político e intelectual brasileiro.

Em 5 de agosto de 1906 participou da fundação do Grêmio Literário Caxiense, quando assumiu como 2º secretário.[1] Mais tarde seria presidente.[2] Em 1909 estava empregado no jornal O Brazil.[3] Foi proprietário e gerente do jornal Cidade de Caxias, órgão do Partido Republicano Rio-Grandense, desde sua fundação em 1911 até sua extinção em 1912,[4][5] e entre 1920 e 1922 assumiu a direção do jornal Città di Caxias.[6] Foi colaborador de O Momento e do Correio Colonial.[7]

Também desenvolveu carreira relevante na política e no serviço público. De 1910 a 1940 atuou como escrivão do cartório do cível, crime, juri e execuções criminais.[8][2] Recebeu elogio público pela sua digna carreira como escrivão em 11 de agosto de 1934, na comemoração do aniversário da fundação dos cursos jurídicos no Brasil.[9] Desempenhou ainda as funções de fiscal da arrecadação de impostos de exportação,[10] inspetor das escolas públicas, secretário-assistente e escrivão do Conselho Municipal,[11][12][13] membro da Comissão Executiva do Partido Republicano,[14][15] um dos fundadores do Centro Republicano e membro da sua Comissão de Imprensa,[16] presidente do Grêmio Republicano Paim Filho, secretário da Intendência e membro da Junta Revolucionária e Governativa de 1930.[2] Também foi tenente-secretário do 255º Batalhão de Infantaria da Guarda Nacional, depois capitão,[17][18] membro da diretoria da Liga Pró-Pátria e Aliados[19] e secretário do Tiro de Guerra.[20]

Foi orador do Recreio Aliança,[21] presidente da Associação Caxiense de Amadores de Desportos,[22] e recebeu um voto de louvor aprovado por unanimidade e um agradecimento da Federação Riograndense de Desportos pelo auxílio prestado ao deixar o cargo em 1927.[23] Foi um dos fundadores,[24] conselheiro fiscal e consultivo[25][26][27] e presidente do Esporte Clube Juventude.[22]

Inteligente e culto,[28] sua intensa atividade na área da cultura e da imprensa o tornou um dos intelectuais mais influentes da cidade no início do século XX.[2][29] Publicou um livro de poemas, Opacidades.[2] No sepultamento em 1950, Alexandre Ramos, representando a Ordem dos Advogados de Caxias, recordou sua trajetória em discurso emocionado. Seu obituário, publicado dias depois, destacou sua grande notoriedade no meio caxiense e a distinção que conquistara em suas muitas atividades.[22] É o patrono da cadeira nº 10 da Academia Caxiense de Letras.[2]

Referências

  1. "A 5 do corrente". A Federação, 18/08/1906
  2. a b c d e f Adami, João Spadari. História de Caxias do Sul, tomo I, 1864-1970. Tipografia do Abrigo de Menores, 1971, p. 283
  3. "A negocios". O Brazil, 18/12/1909
  4. "Echo do Povo". Cidade de Caxias, 30/06/1911
  5. "Como andam certas repartições". Città di Caxias, 18/11/1911
  6. "Jornais e Revistas do Brasil (Città di Caxias – periódico semanal)". Oceano de Letras, 27/11/2012
  7. Biavaschi, Márcio Alex Cordeiro. Relações de poder coronelistas na Região Colonial Italiana do Rio Grande do Sul durante o período borgista (1903-1928). PUCRS, 2011, p. 160
  8. "Edital". O Brazil, 11/06/1910
  9. "Fundação dos Cursos Jurídicos no Brasil". O Momento, 21/08/1934
  10. "Intendencia Municipal". O Brazil, 20/04/1912
  11. "Nomeações". O Brazil, 31/01/1914
  12. "Medida acertada". O Brazil, 10/04/1913
  13. "Exonerações". O Brazil, 01/01/1916
  14. "Politica de Caxias". A Federação, 19/07/1928
  15. "Telegrammas recebidos de Caxias". A Federação, 06/06/1932
  16. "Centro Republicano de Caxias,
  17. "Guarda Nacional". O Brazil, 13/12/1913
  18. "Hospedes e Viajantes".Città di Caxias, 22/09/1918
  19. "Liga Pro Patria e Alliados de Caxias. A Federação, 20/12/1917
  20. "Tiro Caxias nº 248". O Brazil, 04/11/1917
  21. "Noticias". O Brazil, 22/04/1911
  22. a b c "Necrologia". O Momento, 19/08/1950
  23. "Sport". O Popular, 18/06/1927
  24. "O Esporte Clube Juventude completou 36 anos de existência". O Momento, 02/07/1949
  25. "S. C. Juventude". O Momento, 15/03/1934
  26. "S. C. Juventude". O Momento, 14/02/1935
  27. "Sport Club Juventude". O Momento, 30/03/1936
  28. "Città di Caxias". O Brasil, 06/01/1923
  29. Rigon, Roni. "Memória: Universo literário de Caxias do Sul". Pioneiro, 20/09/2017