Ascanio Filomarino

Ascanio Filomarino (Nápoles, 1583 - Nápoles, 3 de novembro de 1666) foi um cardeal do século XVII.

Ascanio Filomarino
Cardeal da Santa Igreja Romana
Arcebispo de Nápoles
Info/Prelado da Igreja Católica
Atividade eclesiástica
Diocese Arquidiocese de Nápoles
Nomeação 16 de dezembro de 1641
Predecessor Francesco Boncompagni
Sucessor Innico Caracciolo
Mandato 1641-1666
Ordenação e nomeação
Ordenação episcopal 19 de janeiro de 1642
por Antonio Marcello Barberini, O.F.M.Cap.
Nomeado arcebispo 16 de dezembro de 1641
Cardinalato
Criação 16 de dezembro de 1641
por Papa Urbano VIII
Ordem Cardeal-presbítero
Título Santa Maria em Ara Coeli
Brasão
Dados pessoais
Nascimento Nápoles
1583
Morte Nápoles
3 de novembro de 1666 (83 anos)
Nacionalidade italiano
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Nascimento

editar

Nasceu em Nápoles em 1583. Da nobre família dos duques Della Torre. O mais velho dos cinco filhos de Claudio Filomarino e Porzia di Leonessa. Os outros filhos eram Scipione (marechal de campo e conselheiro de Estado), Francesco (abade de S. Giorgio Maggiore em Nápoles), Marcantonio (um frade capuchinho de nome Francesco Maria e prior da basílica del Carmine de Nápoles) e Ferdinando (clérigo regular com o nome de Gennaro e bispo de Calvi). Parente do cardeal Ladislao d'Aquino (1616).[1]

Educação

editar

Estudou umane lettere ; e, posteriormente, doutorou-se em direito em Benevento.[1]

Início da vida

editar

Foi para Roma com seu amigo Ladislao d'Aquino, futuro cardeal (1616). O Papa Urbano VIII nomeou-os camareiros privados participantes e cânones do capítulo da basílica patriarcal da Libéria. Mestre de câmara do cardeal Francesco Barberini, sênior, nas legações à França e à Espanha. Cânon da basílica patriarcal do Vaticano. Foi à Espanha trazer o fascínio do novo príncipe infante. Promoção recusada à sé metropolitana de Salerno oferecida pelo rei da Espanha.[1]

Sacerdócio

editar

Ordenado (nenhuma informação encontrada). Abade commendatario da abadia de S. Maria Maddalena em Armilis em S. Egidio del Monte Albino até 1634.[1]

Cardinalado

editar

Criado cardeal sacerdote no consistório de 16 de dezembro de 1641; recebeu o gorro vermelho e o título de S. Maria in Aracoeli, em 10 de fevereiro de 1642.[1]

Episcopado

editar

Eleito arcebispo de Nápoles em 16 de dezembro de 1641; tomou posse da sé por intermédio de seu irmão Gennaro Filomarino, bispo de Calvi, em janeiro de 1642. Consagrado, domingo, 19 de janeiro de 1642, Capela Sistina, Roma, pelo cardeal Antonio Barberini, sênior, OFMCap., auxiliado por Fuasto Poli, arcebispo titular de Amasea, e por Gennaro Filomarino, bispo de Calvi. Na mesma cerimônia foi consagrado o cardeal Vincenzo Maculani, OP, arcebispo de Benevento. Celebrou os sínodos diocesanos em 1642, 1644, 1646, 1649, 1652, 1658 e 1662. Participou do conclave de 1644, que elegeu o Papa Inocêncio X. Ele mediou a revolta de Masaniello (abreviação de Tommaso Aniello) contra o domínio dos Habsburgos em Nápoles em 1647. Participou do conclave de 1655, que elegeu o Papa Alexandre VII. Ele teve um papel ativo durante a grave praga epidêmica de 1656.[1]

Morreu em Nápoles em 3 de novembro de 1666. Exposto e enterrado na catedral metropolitana de Nápoles.[1]

Referências

  1. a b c d e f g «Giulio Gabrielli, o Velho» (em inglês). cardinals. Consultado em 30 de novembro de 2022