Abrir menu principal
Asenat Barzani
Asênat Barzanî
Nome nativo Asenat bat Shmuel Barzani (אסנת בת שמואל ברזאני)
Nascimento 1590
Moçul
Morte 1670
Etnia Curdos
Cônjuge Iacube Mizrai
Ocupação Rabina, tanna'it
Religião Judaísmo

Asenat bat Shmuel Barzani, Osnat Barzani, ou Asenath Barzani (1590–1670) (em curdo Asênat Barzanî), foi uma poetisa, escritora e rabina curda, que foi a cabeça da escola rabínica de Mossul, em Iraque. e considerada a primeira mulher rabina da história, assim como a primeira mulher líder na história do Curdistão.[1][2]

BiografiaEditar

Sabe-se que Asenat nasceu no ano 1590, no seio de uma proeminente família judia de Mossul.[1]

Asenat era filha e neta de rabinos. Seu pai, o rabino Samuel HaLevi Barzani, era o líder da yeshivá de Mossul.[3] Sua família vivia em situação de pobreza, mas ele foi considerado como um santo. Ele não teve filhos, de modo que se dedicou a educar pessoalmente a sua filha.[4] Conhecido maestro da Cabalá, diz-se que ensinou a sua filha os segredos da Cabalá. Barzani adorava a seu pai, e considerava-o como um rei de Israel. Numa carta, ela descreveu sua criação:

"Eu nunca fui para a entrada da minha casa ou eu espiei fora; eu era como uma princesa de Israel ... Eu cresci sentada com os estudiosos, com o meu pai, de abençoada memória. Nunca me ensinaram nehum trabalho físico, mas sim o estudo sagrado"[5]

Barzani casou-se com um dos melhores estudantes e sobrinho de seu pai, Jacob Mizrahi, também rabino, quem prometeu a seu pai que sua filha não faria nenhum trabalho doméstico e poderia passar seu tempo como uma estudiosa da Torá.[6] Após a morte de seu pai, seu marido converteu-se em chefe (Rosh Yeshivá) da Yeshivá em Mossul. Ele estava tão envolvido em seus estudos que ela era quem essencialmente ensinou aos estudantes da yeshivá e lhes proporcionava a formação rabínica requerida. Segundo conta-se, após ter cumprido com a o mandamiento judeu (mitzvá) de casar-se e reproduzir-se, depois de que ela teve um filho e uma filha, lhe suplicó ao Senhor não voltar a ficar grávida e que fechasse sua matriz para ela se poder dedicar de cheio ao estudo da Torá.[7]

Depois da morte de seu marido, a direcção da Yeshivá passou a ela de forma natural, e com o tempo ela se fez conhecida como a maestra principal da Torá no Curdistão. Já que nem seu pai nem seu marido tinham sido exitosos na arrecadação de fundos para a yeshivá, esta sempre estava em dificuldades financeiras, e Barzani escreveu uma série de cartas solicitando doações, descibiendo a situação da academia talmúdica e a de seus filhos. Eventualmente e devido a dívidas, sua casa e seus pertences foram sido confiscadas, incluindo seus livros, mas ela sentia que não era apropriado que uma mulher viajasse em procura de apoio financeiro.[8] Barzani escreveu.:

"E ele [meu pai] fez que meu marido jurasse que não iria me obrigar a fazer trabalhos domésticos, e ele fez o que lhe tinha ordenado. Desde o início, o rabino [Mizrahi] estava ocupado com seus estudos e não tinha tempo para ensinar os alunos, mas eu os ensinava em seu lugar, eu era uma companheira para ele ... [suporte pedido em nome do] meu pai ... e Rabi ... de modo que sua Torá e os nomes deles não são reduzidos a nada nessas comunidades, porque eu vou permanecer como seu professora de Torá ... "[9]

Apesar destes problemas financeiros, a yeshivá continuou funcionando com sucesso e produzindo estudiosos de alto nível, incluindo a seu filho, ao que enviou a Bagdá, onde ele continuou a dinastía de eruditos rabínicos.[8]

Em cartas dirigidas a ela, se pode ver o respeito e a admiração de seus colegas académicos de longe e de perto. Seus poucos escritos existentes demonstram um domínio completo do hebreu, Torá, o Talmude, Midrash, assim como a Cabala, e suas cartas são não só dignas dum erudito, mas também de um maestro da prosa e poesia.[10] Depois de sua morte, muitos judeus curdos fizeram peregrinaciones a sua tumba em Amedi no norte de Iraque, onde também está enterrado seu pai.[11][4]

TítuloEditar

A Barzani deu-se-lhe o título de Tanna'it, uma rara honra para uma mulher judia. O título de Tanna'it, e seu papel como cabeça de uma yeshivá (escola rabínica) não é equivalente ao de rabino, e portanto ela é considerada como um raro exemplo de um maestro rabínico de género feminino, ainda que sem classificação como "rabino" equivalente à faixa de juiz religioso no judaísmo tradicional. Ela fez-se muito conhecida e famosa em Curdistão por seu grande conhecimento.

LendasEditar

Existem muitas histórias folklóricas e lendas curdas sobre ela e os milagres que realizava, incluída aquela na que se descreve em "Uma multidão de anjos".[12][13] No folklore local, seu sexualidad joga um papel central, ao invés do que tem ocorrido durante sua vida. Muitas das histórias aludem-lhe poderes sobrenaturales e têm sido encontradas em amuletos. Estes incluem entre outros, sua capacidade para limitar suas gravidezes a dois meninos para que ela pudesse dedicar a seus estudos, e a capacidade de afastar a um intruso que tentava a violar, graças à invocação de nomes divinos.[12]

Uma multidão de anjosEditar

De acordo com a lenda, seu pai aparecia com frequência nos sonhos de Barzani, revelando perigos para ela e lhe dizendo como os evitar. Numa ocasião, foi a Amadia, no Sultanato de Badinane, onde convenceu aos judeus de celebrar Rosh Chodesh, a festividade da lua nova, ao ar livre, como tinha sido o costume dantes de que fossem ameaçados por gentiles hostis.[13] À medida que avançavam com a celebração, teve gritos e viram um fogo que subia para o céu. A sinagoga tinha sido incendiada, com todos os pergaminhos e livros sagrados. Conta-se que Barzani susurrou um nome secreto que tinha aprendido de seu pai; depois disto, a gente viu uma multidão de anjos que desceram até o teto da sinagoga. Os anjos sacudiram suas asas para apagar o fogo, até que a última faísca tinha sido extinguida. Depois disto, se levantaram para o céu como uma bandada de pombas brancas. E quando a fumaça se dissipou, todo mundo viu que não só nenhum dos judeus presentes tinha sido ferido no incêndio, sina que outro milagre tinha ocorrido: a sinagoga não se tinha queimado, nem nenhum dos rolos da Torá foram tocados pelo fogo.[7] Após esse milagre, os judeus de Amadia não foram acossados pelos gentiles durante muito tempo. Em sua honra, deram seu nome à sinagoga, e a lenda à entrada da mesma termina com as palavras "e que segue em pé hoje em dia".[14]

MorteEditar

Asenat Barzani faleceu em 1670.[1] Sua tumba é um lugar visitado pelos poucos judeus residentes em Curdistão, assim como judios curdos que vivem em outros países.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Michael Kaufman (1993). The Woman in Jewish Law and Tradition. [S.l.]: Northvale, N.J., J. Aronson. ISBN 9780876683460. Consultado em 18 de dezembro de 2014 
  2. «Kurdish Asenath Barzani, The first Jewish woman in history to become a Rabbi». ekurd.net .
  3. Maria Teresa Milano (2012). Regina Jonas: vita di una rabbina, Berlino 1902-Auschwitz 1944. [S.l.]: Cantalupa, Turín, Italia, Effatà. 11 páginas. ISBN 9788874027545. Consultado em 18 de dezembro de 2014 
  4. a b Michael Berenbaum and Fred Skolnik, eds. (2007). «Barazani, Samuel ben Nethanel Ha-Levi». Detroit: Macmillan Reference USA. Encyclopaedia Judaica. 3: 138–139. Consultado em 6 de junho de 2012 
  5. Renee Levine Melammed (1 de março de 2009). «Asnat Barazani». Jewish Women: A Comprehensive Historical Encyclopedia. Jewish Women's Archive. Quoted from: Mann, Jacob. Texts and Studies in Jewish History and Literature, Vol. I. New York: 1972. p. 511. Consultado em 6 de junho de 2012 
  6. «Asnat Barzani (Asenath Barzani)». www.societyforthestudyofwomenphilosophers.org .
  7. a b «Los judíos y las palabras». books.google.es . Amos Oz, Fania Oz-Salzberger
  8. a b Renée Levine Melammed (2007).
  9. The German Jewish ethnologist Erich Bauer, who included Barzani's letter without mentioning her name in his study of the “Jews of Kurdistan” in the early 1940s was convinced that: “The letter... could hardly have been composed by her, since it is full of melitzot [poetic expressions] and reveals no small knowledge of Hebrew and rabbinical literature.” Brauer, Erich. «The Jews of Kurdistan». books.google.co.uk , ed. Raphael Patai. Wayne State University Press, Detroit 1993, first published 1947, ISBN 0-8143-2392-8. pp. 176-177
  10. Renée Levine Melammed (2007). Michael Berenbaum and Fred Skolnik, eds. «Barazani, Asenath». Detroit: Macmillan Reference USA. Encyclopaedia Judaica. 3. 138 páginas. Consultado em 6 de junho de 2012 
  11. «Asenath Barzani». Kurdistan's Women. 9 de abril de 2008. Consultado em 6 de junho de 2012 
  12. a b Renee Levine Melammed (1 de março de 2009). «Asnat Barazani». Jewish Women: A Comprehensive Historical Encyclopedia. Jewish Women's Archive. Consultado em 6 de junho de 2012 
  13. a b Laura Quercioli Mincer (2011). «56: Asenath Barzani e gli angeli del Kurdistan». 101 Storie Ebraiche che non ti hanno mai raccontato (em italiano). Newton Compton Editori. ISBN 978-88-541-2995-5. Consultado em 6 de junho de 2012 
  14. Howard Schwartz; (Illustrated by Monique Passicot) (2000). «The Day the Rabbi Disappeared. Jewish Holiday Tales of Magic» (PDF). Viking. pp. 9–14. ISBN 978-067088733-0. Consultado em 6 de junho de 2012