Variante Beta do SARS-CoV-2

(Redirecionado de B.1.351)

A variante 501Y.V2, também conhecida como 20H/501Y.V2 (anteriormente 20C/501Y.V2), linhagem B.1.351 ou variante Beta,[1] é uma variante do SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19. Uma das várias variantes do SARS-CoV-2 que se acredita ser de particular importância, foi detectada pela primeira vez na área metropolitana de Nelson Mandela Bay[2] na província de Cabo Oriental, na África do Sul,[3] e relatada pelo departamento de saúde do país no dia 18 de dezembro de 2020.[4]

Variante Beta do SARS-CoV-2
Variante da SARS-CoV-2 vírus responsável pela COVID-19 e sua pandemia
SARS-CoV-2 (CDC-23312).png
Nome científico 501Y.V2 ou B.1.351
Apelido Variante Beta
Primeira detecção em África do Sul
Variante de Preocupação (VOC)? Sim
Variante de Interesse (VOI)? Sim
Resistencia á vacinação Sem indícios
501.V2 variant countries.svg
Dados expostos no mapa é de 25 de Junho 2021

VarianteEditar

Investigadores e funcionários relataram que a prevalência da variante era maior entre os jovens sem problemas de saúde subjacentes e causava mais doenças graves nesses casos do que as outras variantes.[5][6] O departamento de saúde da África do Sul também indicou que a variante pode estar a impulsionar a segunda onda da pandemia COVID-19 no país, já que a variante espalha-se mais rapidamente do que as outras variantes anteriores do vírus.[4]

Os cientistas notaram que a variante é capaz de se ligar mais facilmente às células humanas devido a três mutações no domínio de ligação ao receptor (RBD) na glicoproteína de pico do vírus: N501Y[4][7] (uma mudança da asparagina (N) para tirosina (Y)[8] na posição doaminoácido 501), K417N e E484K.[9][10] Duas dessas mutações, E484K e N501Y, estão dentro do motivo de ligação ao receptor (RBM) do domínio de ligação ao receptor (RBD).[11]

A mutação N501Y também foi detectada no Reino Unido.[4][12] Duas mutações encontradas em 501.V2, E484K e K417N, não são encontrados na variante britânica. Além disso, 501.V2 não tem a mutação 69-70del encontrada na outra variante.[7][13]

Veja tambémEditar

Referências

  1. For a list of sources, see South African COVID-19 variant.
  2. «SA reaches grim milestone of 1 million Covid-19 cases» (em inglês). www.iol.co.za. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  3. «Covid: South Africa passes one million infections as cases surge». BBC News (em inglês). 28 de dezembro de 2020. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  4. a b c d «South Africa announces a new coronavirus variant». The New York Times. 18 de dezembro de 2020. Consultado em 20 de dezembro de 2020. N501Y...has been found in other countries, including the United Kingdom 
  5. Wroughton, Lesley; Bearak, Max (18 de dezembro de 2020). «South Africa coronavirus: Second wave fueled by new strain, teen 'rage festivals'». The Washington Post. Consultado em 20 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2020 
  6. Mkhize, Dr Zwelini (18 de dezembro de 2020). «Update on Covid-19 (18th December 2020)» (Nota de imprensa). South Africa. COVID-19 South African Online Portal. Consultado em 23 de dezembro de 2020. Our clinicians have also warned us that things have changed and that younger, previously healthy people are now becoming very sick. 
  7. a b Abdool Karim, Salim (19 de dezembro de 2020). «The 2nd Covid-19 wave in South Africa: Transmissibility & a 501.V2 variant». Scribd. CAPRISA. p. 11. Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  8. For a list of the symbols used for the α-amino acids incorporated into protein under mRNA direction, see: «Nomenclature and Symbolism for Amino Acids and Peptides». IUPAC-IUB Joint Commission on Biochemical Nomenclature. 1983. Consultado em 5 de março de 2018. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2008 
  9. Statement of the WHO Working Group on COVID-19 Animal Models (WHO-COM) about the UK and South African SARS-CoV-2 new variants (PDF), World Health Organization, 22 de dezembro de 2020, consultado em 23 de dezembro de 2020 
  10. Lowe, Derek (22 de dezembro de 2020). «The New Mutations». In The Pipeline. American Association for the Advancement of Science. Consultado em 23 de dezembro de 2020. I should note here that there’s another strain in South Africa that is bringing on similar concerns. This one has eight mutations in the Spike protein, with three of them (K417N, E484K and N501Y) that may have some functional role. 
  11. «Expert reaction to South African variant of SARS-CoV-2». Science Media Centre. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  12. «Novel mutation combination in spike receptor binding site» (Nota de imprensa). GISAID. 21 de dezembro de 2020. Consultado em 23 de dezembro de 2020 
  13. «Expert reaction to South African variant of SARS-CoV-2, as mentioned by Matt Hancock at the Downing Street press briefing». Science Media Centre. 23 de dezembro de 2020. Consultado em 24 de dezembro de 2020. The South African variant ‘501.V2’ is characterised by N501Y, E484K and K417N mutations in the S protein – so it shares the N501Y mutation with the UK variant, but the other two mutations are not found in the UK variant. Similarly, the South African variant does not contain the 69-70del mutation that is found in the UK variant.