Pandemia de COVID-19

pandemia em curso de COVID-19, doença respiratória causada pelo vírus SARS-CoV-2
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a pandemia. Para o vírus, veja SARS-CoV-2. Para a doença, veja COVID-19.

A pandemia de COVID-19, também conhecida como pandemia de coronavírus, é uma pandemia em curso de COVID-19, uma doença respiratória causada pelo coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2). O vírus tem origem zoonótica e o primeiro caso conhecido da doença remonta a dezembro de 2019 em Wuhan, na China.[9][10][11] Em 20 de janeiro de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o surto como Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional e, em 11 de março de 2020, como pandemia. Em 19 de outubro de 2021, 241 113 527[5] casos foram confirmados em 192 países e territórios, com 4 905 124 mortes atribuídas à doença, tornando-se uma das pandemias mais mortais da história.

Pandemia de COVID-19
13981210000546637185832350425406 بخش ویژه «بیماران کرونا» بیمارستان امام خمینی.jpg
2020 coronavirus task force.jpg 蔡總統視導33化學兵群 02.jpg
Emergenza coronavirus (49501382461).jpg Dried pasta shelves empty in an Australian supermarket.jpg

No sentido anti-horário, a partir do topo:

COVID-19 Outbreak World Map Total Deaths per Capita.svg
Mortes confirmadas por 1.000.000 de habitantes (em 19 de outubro de 2021)
Doença COVID-19
Vírus SARS-CoV-2
Origem Prováveis ​​morcegos, possivelmente via pangolins[1][2]
Primeiro caso Wuhan, Hubei, China
30° 37′ 11″ N, 114° 15′ 28″ L
Início 1 de dezembro de 2019[3][4]
(1 ano, 10 meses e 18 dias)
Fim Em curso
Estatísticas globais
Casos confirmados 241 113 527[5][ Ver casos por país ]
Casos suspeitos Possivelmente 10% da população mundial, ou 780 milhões de pessoas (estimativa da OMS de outubro de 2020)[6]
Mortes 4 905 124[5]
(entre 7 e 13 milhões, estimativa geral)[7]
Territórios afetados Pelo menos 192[8]
Atualizado em 19 de outubro de 2021[5] 00h00 UTC[5]

Os sintomas de COVID-19 são altamente variáveis, variando de nenhum a doenças com risco de morte. O vírus se espalha principalmente pelo ar quando as pessoas estão perto umas das outras. Ele deixa uma pessoa infectada quando ela respira, tosse, espirra ou fala e entra em outra pessoa pela boca, nariz ou olhos. Ele também pode se espalhar através de superfícies contaminadas. As pessoas permanecem contagiosas por até duas semanas e podem espalhar o vírus mesmo se forem assintomáticas.[12][13]

As medidas preventivas recomendadas incluem distanciamento social, uso de máscaras faciais em público, ventilação e filtragem de ar, lavagem das mãos, cobertura da boca ao espirrar ou tossir, desinfecção de superfícies e monitoramento e auto-isolamento para pessoas expostas ou sintomáticas. Várias vacinas estão sendo desenvolvidas e distribuídas ao redor do mundo. Os tratamentos atuais se concentram nos sintomas enquanto drogas terapêuticas que inibem o vírus são desenvolvidas. Autoridades em todo o mundo responderam implementando restrições a viagens, lockdowns, controles de locais de trabalho e fechamentos de instalações. Muitos lugares também trabalharam para aumentar a capacidade de testar e rastrear os contatos dos infectados.[13]

A pandemia resultou em instabilidade social e econômica global significativa, incluindo a maior recessão global desde a Grande Depressão.[14] Isso levou a uma escassez generalizada de suprimentos exacerbada pela corrida às compras, interrupção da agricultura e escassez de alimentos, além de diminuição das emissões de poluentes e gases de efeito estufa. Muitas instituições educacionais e áreas públicas foram parcial ou totalmente fechadas, e muitos eventos foram cancelados ou adiados. A desinformação circulou nas redes sociais e nos meios de comunicação de massa. A pandemia levantou questões de discriminação racial e geográfica, igualdade na saúde e o equilíbrio entre os imperativos da saúde pública e os direitos individuais.

Epidemiologia

Surto inicial

Wuhan, China, onde a doença foi detectada pela primeira vez
Número de casos na China em 2019

Os primeiros casos suspeitos foram notificados em 31 de dezembro de 2019,[15] com os primeiros sintomas aparecendo algumas semanas antes, em 1 de dezembro de 2019.[3][4] O Mercado foi fechado em 1 de janeiro de 2020 e as pessoas com os sintomas foram isoladas.[15] Mais de 700 pessoas, incluindo mais de 400 profissionais de saúde, que entraram em contato próximo com casos suspeitos, foram posteriormente monitoradas.[16] Com o desenvolvimento de um teste de PCR de diagnóstico específico para detectar a infecção, a presença de COVID-19 foi então confirmada em 41 pessoas em Wuhan,[17] das quais duas foram posteriormente relatadas como sendo um casal, um dos quais não tinha estado no Mercado e outros três membros da mesma família que trabalhavam nas bancas de produtos do mar do mesmo Mercado.[18][19]

A primeira morte decorrente da epidemia ocorreu em 9 de janeiro de 2020.[20] A Comissão Nacional de Saúde da China confirmou, em 20 de janeiro de 2020, que o novo coronavírus pode ser transmitido entre seres humanos.[21] Na altura, vários profissionais de saúde também foram infectados.[22] A OMS alertou que era possível um surto mais amplo.[23] Houve também preocupações de se espalhar mais durante a alta temporada de viagens da China por volta do Ano-Novo Chinês.[24]

A 20 de janeiro, a China registrou um aumento acentuado nos casos com quase 140 novos pacientes, incluindo duas pessoas em Pequim e uma em Shenzhen.[25] Em 23 de janeiro de 2020, Wuhan foi colocada em quarentena, no qual todo o transporte público dentro e fora de Wuhan foi suspenso.[26] Huanggang e Ezhou, adjacentes a Wuhan, também foram colocadas em quarentena semelhante em 24 de janeiro de 2020.[27][28] Em 24 de janeiro de 2020, o primeiro caso do novo coronavírus foi confirmado na Europa, mais precisamente em França.[29]

A 13 de fevereiro de 2020, após dois casos confirmados em condomínio, autoridades investigam transmissão entre pacientes sem qualquer tipo de relação. A suspeita é de que o vírus tenha se espalhado pela canalização de um edifício. Um prédio de 35 andares foi evacuado e mais de cem pessoas não puderam voltar para casa após a confirmação de que dois moradores estavam com o vírus: uma mulher de 62 anos, que mora no 3.º andar, e um vizinho não identificado do 13.º.[30]

No mesmo dia, Robert Redfield, diretor do Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), disse a CNN que a transmissão assintomática do novo coronavírus é possível. Redfield disse que uma pessoa infectada que não apresenta sintomas ainda pode transmitir o vírus a outra pessoa.[31]

Expansão global

Total de casos de COVID-19 por cada milhão de habitantes
Total de mortes de COVID-19 por cada milhão de habitantes

A 15 de fevereiro, foi confirmado o primeiro caso do novo coronavírus — de uma norte-americana de 83 anos — envolvendo o navio de cruzeiro Westerdam, que tinha um total de 1455 passageiros e 802 tripulantes a bordo e não estava em quarentena. Vários países asiáticos recusaram-se a deixar o Westerdam atracar em seus portos antes de serem autorizados a desembarcar no Camboja no dia 14 de fevereiro.[32]

No dia 26 de fevereiro, uma mulher japonesa pegou o vírus pela segunda vez. A mulher, que tem por volta de 40 anos, fez o teste pela segunda vez após ter dor de garganta e no peito. A primeira vez havia sido infectada no fim de janeiro, ficou internada e recebeu alta do hospital em 1 de fevereiro. Embora esse seja o primeiro caso conhecido no Japão, infecções reincidentes foram relatadas na China.[33]

No dia 18 de março de 2020, dado a situação alarmante que a pandemia chegou, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump em entrevista, anunciou que vai invocar a lei de guerra e comparou esforços à Segunda Guerra Mundial; uma analogia ao cenário da segunda Guerra.[34]

A partir de meados de janeiro de 2020, ocorreram os primeiros casos confirmados fora da China continental. O primeiro caso confirmado fora da China foi na Tailândia, em 13 de janeiro. Após isso, casos da doença foram confirmados no Japão (16 de janeiro); Coreia do Sul (20 de janeiro); Taiwan e Estados Unidos (21 de janeiro); Hong Kong e Macau da China (22 de janeiro); Cingapura (23 de janeiro); França, Nepal e Vietnã (24 de janeiro); Malásia e Austrália (25 de janeiro); Canadá (26 de janeiro); Camboja (27 de janeiro); Alemanha (28 de janeiro); Finlândia, Emirados Árabes Unidos e Sri Lanka (29 de janeiro); Itália, Índia e Filipinas (30 de janeiro); Reino Unido (31 de janeiro).[35]

No dia 10 de abril, a pandemia atingiu mais de cem mil mortes no mundo, com o número total de casos ultrapassando 1,6 milhão, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.[36][37][38] No dia 15 de abril, o número de infectados pela doença ultrapassou dois milhões; no entanto, esse número apenas revela uma parte do total de contágios, uma vez que as políticas de detecção variam entre os países, alguns contando apenas os pacientes hospitalizados.[39] Em 28 de setembro, o mundo ultrapassou a marca de 1 milhão de mortos por COVID-19.[40][41]

Em 12 de outubro de 2020, foi divulgado pela revista Galileu, que um estudo realizado por pesquisadores do Laboratório de Saúde Pública do Estado de Nevada e da Universidade de Nevada, confirmou o primeiro caso de reinfecção pela Covid-19 nos Estados Unidos, sendo esse o quinto caso reconhecido em todo o mundo, o que indica que a exposição ao vírus pode não trazer imunidade total.[42]

Doença

 Ver artigos principais: COVID-19 e SARS-CoV-2

A causa da pandemia é uma doença respiratória denominada COVID-19 (do inglês Coronavirus Disease 2019). A doença é causada pela infeção com o coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2).[43] O SARS-CoV-2 é um vírus ARN de cadeia simples positiva e pertence a uma grande família de vírus denominada coronavírus. Os coronavírus causam várias infeções respiratórias em seres humanos, desde simples constipações até doenças mais graves como a síndrome respiratória do Médio Oriente (MERS) ou a síndrome respiratória aguda grave (SARS). O SARS-CoV-2 é o sétimo coronavírus conhecido a poder infetar seres humanos, sendo os restantes o 229E, NL63, OC43, HKU1, MERS-CoV e o SARS-CoV original.[44]

O SARS-CoV-2 foi identificado pela primeira vez em seres humanos em dezembro de 2019 na cidade de Wuhan, na China. É provável que o vírus tenha tido origem numa mutação dos coronavírus de morcegos.[45][46][47] Pensa-se que antes de ser transmitido aos seres humanos tenha passado por um reservatório animal intermédio, como o pangolim.[48] Estima-se que o número básico de reprodução do vírus seja de entre 1,4 e 3,9. Isto significa que é esperado que cada infeção pelo vírus resulte em 1,4 a 3,9 novas infeções quando nenhum membro da comunidade é imune e não é tomada nenhuma medida preventiva.[49][50]

Não existem medicamentos antivirais aprovados para o tratamento de COVID-19, embora estejam vários a ser desenvolvidos e a serem testados medicamentos já existentes.[51] Em casos ligeiros, o alívio dos sintomas pode ser tentado com os mesmos medicamentos para o alívio de sintomas da constipação,[52] ingestão de líquidos e repouso.[53] Em casos mais graves pode ser necessária hospitalização com oxigenoterapia, soro e ventilação mecânica.[54] A administração de corticosteroides pode agravar o prognóstico.[55]

Sinais e sintomas

 
Sintomas mais comuns de COVID-19

A gravidade dos sintomas varia, desde sintomas ligeiros semelhantes à constipação até pneumonia viral grave com insuficiência respiratória potencialmente fatal.[56] Em muitos casos de infeção não se manifestam sintomas. Nos casos sintomáticos, os sintomas mais comuns são febre, tosse e dificuldade em respirar.[57][58][59] A perda de olfato e paladar são também sintomas comuns da COVID-19.[60] Entre outros possíveis sintomas menos frequentes estão garganta inflamada, corrimento nasal, espirros ou diarreia.[61] Entre as possíveis complicações estão pneumonia grave, falência de vários órgãos e morte.[17][62]

Entre os sinais de emergência que indicam a necessidade de procurar imediatamente cuidados médicos estão a dificuldade em respirar ou falta de ar, dor persistente ou pressão no peito, confusão, ou tom azul na pele dos lábios ou da cara.[57]

O período de incubação entre a exposição ao vírus e o início dos sintomas é, em média, de 5 dias, embora possa variar entre 2 e 14 dias.[63][57] A doença é contagiosa durante o período de incubação, pelo que uma pessoa infetada pode contagiar outras antes de começar a manifestar sintomas.[57][64]

Vacinação

 Ver artigo principal: Vacina contra a COVID-19
 
Porcentagem de pessoas que receberam pelo menos uma dose da vacina contra a COVID-19 por país

Em estudos de fase III de desenvolvimento, várias vacinas contra a COVID-19 demonstraram eficácia de até 95% na prevenção de infecções sintomáticas da doença. Em março de 2021, 12 vacinas foram autorizadas por pelo menos uma autoridade reguladora nacional para uso público: duas vacinas de RNA (a vacina da Pfizer–BioNTech e a vacina da Moderna), quatro vacinas inativadas convencionais (BBIBP-CorV, CoronaVac, Covaxin e CoviVac), quatro vacinas de vetor viral (Sputnik V, a vacina Oxford–AstraZeneca, a Convidecia e a vacina Johnson & Johnson) e duas vacinas de subunidade proteica (EpiVacCorona e RBD-Dimer). No total, em março de 2021, 308 vacinas candidatas estavam em vários estágios de desenvolvimento, com 73 em pesquisa clínica, incluindo 24 em testes de fase I, 33 em testes de fase II e 16 na fase III.[65]

Muitos países implementaram planos de distribuição em fases que priorizam aqueles com maior risco de complicações, como idosos, e aqueles com alto risco de exposição e transmissão, como profissionais de saúde.[66] Em 25 de março de 2021, 508,16 milhões de doses de vacinas contra COVID-19 foram administradas em todo o mundo com base em relatórios oficiais de agências nacionais de saúde.[67] A AstraZeneca-Oxford prevê produzir 3 bilhões de doses em 2021, Pfizer-BioNTech 1,3 bilhões de doses e Sputnik V, Sinopharm, Sinovac e Johnson & Johnson 1 bilhão de doses cada. Moderna tem como objetivo a produção de 600 milhões de doses e Convidecia 500 milhões de doses em 2021.[68][69] Em dezembro de 2020, mais de 10 bilhões de doses de vacinas foram encomendadas por vários países,[70] sendo que cerca de metade das doses foram adquiridas por países de alta renda, que compreendem apenas 14% da população mundial.[71]

História

 Ver artigo principal: Cronologia da pandemia de COVID-19

2019

 
Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, na China, local apontado como a origem da pandemia

Existem várias teorias sobre quando e onde o primeiro caso (o chamado paciente zero) se originou.[72] De acordo com um relatório não divulgado do governo chinês, o primeiro caso pode ser rastreado até 17 de novembro; a pessoa era um cidadão de 55 anos da província de Hubei.[73] Quatro homens e cinco mulheres foram infectados em novembro, mas nenhum deles era o "paciente zero".[73] A partir de dezembro, o número de casos de coronavírus em Hubei aumentou gradualmente, atingindo 60 em 20 de dezembro[74] e pelo menos 266 em 31 de dezembro.[75]

De acordo com fontes oficiais chinesas, esses primeiros casos foram relacionados principalmente ao Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, que também vendia animais vivos.[76] No entanto, em maio de 2020, George Gao, diretor do Centros de Controle e Prevenção de Doenças da China (CDC), disse que amostras de animais coletadas no mercado de frutos do mar deram resultado negativo para o vírus, indicando que o mercado não foi a fonte do surto inicial.[77]

Em 24 de dezembro, o Hospital Central de Wuhan enviou uma amostra de fluido de lavagem broncoalveolar (BAL) de um caso clínico não resolvido para a empresa de sequenciamento Vision Medicals. Em 27 e 28 de dezembro, a Vision Medicals informou ao Hospital Central de Wuhan e ao CDC chinês sobre os resultados do teste, mostrando um novo coronavírus.[78] Um aglomerado de pneumonia de causa desconhecida foi observado em 26 de dezembro e tratado pelo médico Zhang Jixian no Hospital Provincial de Hubei, que informou ao Wuhan Jianghan CDC em 27 de dezembro.[79]

Em 30 de dezembro, um relatório de teste dirigido ao Hospital Central de Wuhan, da empresa CapitalBio Medlab, afirmava que havia um resultado positivo errôneo para o SARS, fazendo com que um grupo de médicos do Hospital Central de Wuhan alertasse seus colegas e autoridades hospitalares relevantes sobre o resultado. Oito desses médicos, incluindo Li Wenliang (que também recebeu uma punição em 3 de janeiro),[80] foram posteriormente advertidos pela polícia por espalharem falsos rumores; e outro médico, Ai Fen, foi repreendido por seus superiores por dar o alarme sobre o surto.[81] Naquela noite, a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan emitiu um aviso a várias instituições médicas sobre "o tratamento de pneumonia de causa desconhecida".[82] No dia seguinte, a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan fez o primeiro anúncio público de um surto de pneumonia de causa desconhecida, confirmando 27 casos[83][84][85] — o suficiente para desencadear uma investigação.[86]

2020

 
Médicos chineses na cidade de Huanggang, Hubei, China, em 20 de março de 2020

Durante os primeiros estágios do surto, o número de casos dobrou aproximadamente a cada sete dias e meio.[87] No início e em meados de janeiro de 2020, o vírus se espalhou para outras províncias chinesas, devido à migração do Ano Novo Chinês e por Wuhan ser um centro de transporte e um importante intercâmbio ferroviário.[88] Em 20 de janeiro, a China relatou quase 140 novos casos em um dia, incluindo duas pessoas em Pequim e uma em Shenzhen.[89] Um estudo oficial retrospectivo publicado em março descobriu que 6 174 pessoas já haviam desenvolvido sintomas até 20 de janeiro (a maioria delas seria diagnosticada mais tarde)[90] e mais podem ter sido infectadas.[91] Um relatório publicado no The Lancet em 24 de janeiro indicou a transmissão humana, recomendou fortemente equipamentos de proteção individual para profissionais de saúde e disse que o teste do vírus era essencial devido ao seu "potencial pandêmico".[92][93] Em 30 de janeiro, a OMS declarou o coronavírus uma emergência de saúde pública de âmbito internacional.[91]

Em 31 de janeiro, a Itália teve seus primeiros casos confirmados, dois turistas da China.[94] Em 26 de fevereiro, o Brasil teve seu primeiro caso confirmado, um homem de 61 anos de São Paulo, que tinha retornado ao país após uma viagem à Itália.[95][96] Em 2 de março, Portugal teve seus primeiros casos confirmados, quando foi reportado que dois homens, um médico de 60 anos que esteve na Itália e um homem de 33 anos que esteve na Espanha, testaram positivo para a doença.[97][98] Em 11 de março, a OMS reconheceu a propagação da COVID-19 como uma pandemia.[99] Dois dias depois, a OMS considerava a Europa o epicentro da pandemia.[100] Em 16 de março, Portugal registrou sua primeira morte devido à COVID-19.[101][102] No dia seguinte, o Brasil também registrou sua primeira morte devido à doença, um homem de 62 anos no estado de São Paulo.[103] Em 19 de março, a Itália ultrapassou a China como o país com o maior número de mortes relatadas.[104] Uma semana depois, os Estados Unidos ultrapassaram a China e a Itália com o maior número de casos confirmados no mundo.[105] Pesquisas sobre genomas de coronavírus indicam que a maioria dos casos de COVID-19 em Nova Iorque veio de viajantes europeus, e não diretamente da China ou de qualquer outro país asiático.[106] O novo teste de amostras anteriores encontrou uma pessoa na França com o vírus em 27 de dezembro de 2019[107][108] e uma pessoa nos Estados Unidos que morreu da doença em 6 de fevereiro de 2020.[109]

Em 11 de junho, após 55 dias sem que um caso transmitido localmente fosse oficialmente relatado,[110] a cidade de Pequim relatou um único caso de COVID-19, seguido por mais dois casos em 12 de junho.[111] Em 15 de junho, 79 casos foram oficialmente confirmados.[112] A maioria desses pacientes vieram do Mercado Atacadista de Xinfadi.[110][113]

Em 29 de junho, a OMS alertou que a propagação do vírus ainda está se acelerando à medida que os países reabrem suas economias, embora muitos países tenham feito progressos na redução da propagação.[114]

Em 15 de julho, um caso de COVID-19 foi oficialmente relatado em Dalian, depois de mais de três meses sem nenhum caso confirmado.[115] O paciente não viajou para fora da cidade nos 14 dias anteriores ao desenvolvimento dos sintomas, nem teve contato com pessoas de "áreas de atenção".[115]

2021

Em 25 de janeiro, o site worldometers.info, que reúne números oficiais da pandemia por país, indicava total de casos a nível mundial chegou a 100 milhões, com cerca de 2 150 000 mortes.[116] Até 11 de março, pelo menos 241 113 527[5] casos da doença foram confirmados em pelo menos 192 países e territórios,[117] com cerca de 4 905 124[5] fatalidades reportadas e [5] pessoas curadas. Em novembro de 2020, as primeiras vacinas começaram a entrar na fase de testes clínicos em larga escala ao passo que em dezembro do mesmo ano, diversas nações no mundo (como Estados Unidos, Rússia, Reino Unido e China) começaram o longo processo de imunizar suas populações.[118]

Reações

Organizações internacionais

No dia 30 de março, em um relatório publicado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) para comércio e desenvolvimento, as Nações Unidas pediram um pacote de 2,5 trilhões de dólares para nações de países em desenvolvimento, de forma a transformar manifestações de solidariedade internacional em ação global efetiva.[119] No dia primeiro de abril de 2020, o Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou que a crise do novo coronavírus é o maior desafio da humanidade desde a Segunda Guerra Mundial, tanto pela ameaça às vidas quanto pelas consequências à economia mundial.[120]

 
O objetivo das medidas de mitigação são atrasar o pico epidemiológico e suavizar a pressão do pico nos sistemas de saúde, um processo denominado "achatar a curva".[121]

A 10 de fevereiro, a conselheira sênior do Departamento de Gestão de Contágios da Organização Mundial da Saúde (OMS), Nahoko Shindo, em entrevista à NHK, na sede da ONU, em Genebra, afirmou que o novo vírus teria aparecido entre seres humanos por volta de novembro do ano passado, embora sua origem continue desconhecida. A conselheira da OMS disse ser extremamente difícil criar uma vacina que possa prevenir completamente uma doença contagiosa do sistema respiratório, e acrescentou que será necessário agregar conhecimentos de todo o mundo para combater o vírus.[122] A 11 de fevereiro de 2020, cerca de 300 cientistas, representantes de agências de saúde pública, de ministérios da Saúde e financiadores de pesquisas reuniram-se para um encontro de dois dias na OMS com o objetivo de compartilhar as informações mais recentes sobre o vírus e decidir qual a melhor forma de combate-lo.[123] A 15 de fevereiro de 2020, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, pediu aos governos que intensifiquem seus esforços para se preparar para o coronavírus e disse que "é impossível prever que direção essa epidemia tomará".[124]

A 23 de fevereiro de 2020, Tedros Adhanom afirmou que a agência vai investir 675 milhões de dólares em um plano de resposta à doença para apoiar os países, especialmente os mais vulneráveis. Adhanom disse que a OMS identificou 13 países prioritários na África por serem locais com alto número de voos diretos para a China, e que a preocupação da organização no momento é o aumento no número de casos de COVID-19, sem que a pessoa infectada tenha viajado à China ou tido contato com alguém que esteve lá.[125] No dia 24 de fevereiro, Adhanom pediu ao mundo que se prepare para uma pandemia. "Temos que fazer todo o possível para nos prepararmos para uma potencial pandemia.", disse o diretor-geral da OMS. O cenário mudou rapidamente em poucos dias. Passou-se de uma situação com os casos na China contidos e o resto do mundo as infecções escassas a outra situação com surtos descontrolados na Itália, na Coreia do Sul e no Irã.[126] No dia 9 de março de 2020, em entrevista coletiva, Tedros Adhanom Ghebreyesus, abordou o surto em suas observações iniciais, dizendo que é importante lembrar "de todos os casos relatados globalmente até agora, 93 por cento são de apenas quatro países".[127]

 
Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS durante o início da pandemia.
 
Representantes da OMS em reunião conjunta com administradores de Teerã.

A OMS elogiou os esforços das autoridades chinesas na gestão e contenção da epidemia, tendo o diretor-geral Tedros Adhanom expressado confiança na abordagem da China no controlo da epidemia e apelando ao público para manter a serenidade.[128] A OMS salientou o contraste entre a epidemia de SARS de 2002-2004, em que as autoridades chinesas foram acusadas de secretismo que impediu medidas de prevenção e contenção, e a crise atual em que o governo central forneceu atualizações regulares para evitar o pânico antes do ano novo chinês.[129]

Em 23 de janeiro, reagindo à decisão das autoridades centrais em impôr uma proibição de transportes em Wuhan, o representante da OMS Gauden Galea salientou que embora não tenha sido recomendação da OMS, foi no entanto um sinal muito importante no compromisso de conter a epidemia no local de maior concentração e sem precedentes na história da saúde pública.[129] Em 30 de janeiro, após a confirmação de transmissão comunitária fora da China e do aumento do número de casos noutros países, a OMS declarou o surto uma Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional (ESPAI), a sexta desde que a medida foi invocada pela primeira vez durante Pandemia de gripe de 2009. O diretor-geral clarificou que a ESPAI, neste caso, não representou falta de confiança na China, mas se deveu ao risco de transmissão global, especialmente em países com menos recursos e sem sistemas de saúde robustos.[130][131] Em resposta à implementação de restrições de viagem, Tedros afirmou que não existiam razões para medidas que interfiram de forma desnecessária com as viagens e comércio internacionais e que a OMS não recomendava limitar o comércio e a deslocação de pessoas.[132]

Em 5 de fevereiro, a OMS fez um apelo à comunidade mundial para que contribuísse com 657 milhões de dólares para o financiamento de meios de prontidão estratégicos em países de baixo rendimento, citando a urgência em apoiar países que não têm os sistemas para detectar pessoas que contraíram o vírus. Tedros declarou em seguida que "somos apenas tão fortes como o nosso elo mais fraco" e apelou a que a comunidade internacional investisse hoje ou mais tarde acabaria por pagar as consequências.[133][134]

Em 11 de fevereiro, a OMS anunciou numa conferência de imprensa que COVID-19 seria o nome da doença. No mesmo dia, Tedros anunciou que o secretário-geral da ONU, António Guterres, concordou em disponibilizar todo o poder da ONU para responder à epidemia. Consequentemente, a ONU formou uma Equipa de Gestão de Crise, permitindo a coordenação da resposta das Nações Unidas, que a OMS afirma que lhe irá permitir focar na resposta de saúde, enquanto outras agências trazem a sua experiência para lidar com as implicações sociais, económicas e de desenvolvimento do surto.[135] Em 14 de fevereiro, foi ativada uma missão conjunta entre a OMS e a China, que disponibilizou no terreno peritos internacionais e da OMS para prestar assistência na gestão doméstica do surto e avaliar a gravidade e transmissão da doença. A equipa conduziu várias reuniões de trabalho com as principais instituições nacionais de forma a conduzir visitas ao terreno para avaliar o impacto das medidas de resposta a nível regional, tanto em contextos urbanos como rurais.[135] Em 25 de fevereiro, a OMS declarou que a comunidade internacional deveria fazer mais para se preparar para uma possível pandemia de coronavírus, afirmando que embora ainda fosse cedo para ser classificada como pandemia, os países ainda assim deveriam estar numa fase de preparação.[136] Em resposta ao surto que se começava a desenvolver no Irão, a OMS enviou no mesmo dia uma missão conjunta ao terreno para avaliar a situação.[137]

Em 28 de fevereiro, funcionários da OMS afirmaram que o nível de ameaça global do coronavírus seria aumentado de "elevado" para "muito elevado", o nível mais alto. Mike Ryan, diretor executivo do programa de emergências da OMS, apelou novamente à necessidade de preparação por parte dos governos e que as medidas de resposta corretas poderiam ajudar o mundo a evitar o pior. Afirmou também que, com base nos dados até à data, não era ainda possível declarar uma pandemia, já que essa classificação implica uma previsão que todos os seres humanos no planeta serão potencialmente expostos a esse vírus.[138] Em 11 de março, a OMS classificou oficialmente o surto de coronavírus como pandemia.[139] O diretor-geral afirmou que a OMS estava profundamente preocupada com os níveis alarmantes de propagação e gravidade do vírus, e também com os níveis alarmantes de inação dos governos.[140]

Reações domésticas

 
Mapa de quarentenas nacionais e subnacionais em 13 de setembro de 2020
  Quarentena nacional
  Quarentena subnacional
  Países que tiveram quarentena nacional
  Países que tiveram quarentena subnacional
  Sem quarentena

Alguns países exigem que as pessoas relatem sintomas semelhantes aos da gripe ao seu médico, especialmente se estiverem visitado a China continental.[141] Em 20 de janeiro de 2020, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, pediu esforços decisivos e eficazes para prevenir e controlar a epidemia de pneumonia causada pelo novo coronavírus.[142]

Devido à implementação de medidas de quarentena e paralisação dos transportes públicos em Wuhan e Hubei, vários países levaram a cabo evacuações dos respectivos cidadãos e corpo diplomático na região, principalmente através de voos charter com autorização especial de circulação pelas autoridades chinesas. Entre os países que levaram a cabo evacuações dos seus cidadãos, estão o Canadá, Estados Unidos,[143] Japão,[144] Índia, Itália,[143] França,[145] Austrália, Sri Lanka, Alemanha,[143] Tailândia, Brasil.[146] Países como Estados Unidos, Hong Kong, Canadá e Itália precisaram fazer evacuações no navio de cruzeiro Diamond Princess atracado em Yokohama, uma cidade portuária a sudoeste de Tóquio, colocado em quarentena com mais de 3 600 pessoas a bordo.[147]

Como resultado do surto, muitos países e regiões impuseram quarentenas ou proibições de entrada a cidadãos ou visitantes das áreas mais afetadas da pandemia.[148] A União Europeia rejeitou a ideia de suspender a zona de livre circulação do Espaço Schengen e introduzir controles de fronteira com a Itália,[149] uma decisão que foi criticada por alguns políticos europeus.[150] Depois que alguns estados membros da UE anunciaram o fechamento completo de suas fronteiras nacionais para estrangeiros,[151] a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que "certos controles podem ser justificados, mas as proibições gerais de viagens não são consideradas as mais eficazes pelo Organização Mundial da Saúde."[152] Os Estados Unidos suspenderam as viagens do Espaço Schengen e, posteriormente, das Ilhas Britânicas.[153]

Impacto

Ruas vazias de Paris em 2020
 
Desinfecção de uma área pública em Itapevi, Brasil

A epidemia coincidiu com o Ano-Novo Chinês, que marca uma grande temporada de festivais para a região e o período mais movimentado de viagens na China. Vários eventos envolvendo grandes multidões foram cancelados pelos governos nacionais e regionais, incluindo o festival anual de Ano Novo em Hong Kong.[154]

No mundo todo, muitas igrejas, mesquitas e templos de diversas suspenderam a presença dos fiéis em suas missas e cultos, e acabaram recorrendo a serviços virtuais de transmissão das celebrações, como via live streaming ou outros meios, com televisão e rádio.[155][156][157][158][159]

Na Itália, o governo decidiu fechar escolas e universidades para tentar conter o vírus e determinou que todos os principais eventos esportivos do país, sejam disputados sem a presença de público.[160]

A nível mundial, o medo do surto resulta em pessoas optando por evitar atividades que poderiam expô-las ao risco de infecção, como sair para fazer compras, por exemplo. Restaurantes, revendedoras de carros e lojas têm registrado quedas na demanda mundial.[161] Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em razão do surto, a economia global pode crescer na taxa mais baixa desde 2009.[161]

O impacto político, cultural e socioeconômico da pandemia pode causar alterações profundas na sociedade humana.[162] Entre estas possíveis alterações, estão o aumento do teletrabalho, a regionalização de cadeias de fornecimento globais e o aumento da polarização política.[162]

Alguns autores alegam que a pandemia está a causar uma revolução no forma como é encarado o trabalho a partir de casa, uma vez que, para conter o avanço do vírus, várias grandes empresas aderiram ao teletrabalho.[163] Este efeito também tem sido observado no aumento do ensino à distância no ensino superior.[164] A pandemia pode também resultar numa diminuição das viagens em trabalho e conferências internacionais, substituídas pelos análogos virtuais.[165]

Tem também sido discutida uma possível reversão da globalização mais ampla, sobretudo no que diz respeito a cadeias de fornecimento.[166] O ministro da economia alemão tem apoiado uma regionalização das cadeias de fornecimento em reação à pandemia.[167]

Educação

 Ver artigo principal: Impactos na educação
 
Estudantes afetados pelo encerramento de escolas causado pela COVID-19 à data de 17 de setembro de 2020
  Encerramento de escolas a nível nacional
  Encerramento de escolas a nível local
  Sem encerramento de escolas
  Interrupção lectiva
  Sem dados

À data de 17 de março, o encerramento temporário ou por tempo indeterminado de escolas para controlar a propagação da doença tinha deixado sem aulas mais de 960 milhões de crianças e jovens.[168][169] 105 países tinham decretado o encerramento de escolas a nível nacional. Em 15 países foram encerradas escolas a nível local, afetando mais 640 milhões de crianças e jovens.[170]

Mesmo que temporários, os encerramentos têm custos sociais e económicos elevados. Embora as consequentes perturbações afetem pessoas em toda a comunidade, o impacto é maior em crianças e famílias desfavorecidas, não só pela interrupção da aprendizagem, mas também pelo comprometimento da nutrição, pelo potenciação de problemas no cuidado infantil e pelo custo económico em famílias que não podem trabalhar.[necessário esclarecer][171]

Em resposta aos encerramentos de escolas causados pela COVID-10, a UNESCO recomenda o recurso a programas de ensino à distância e plataformas e recursos educacionais abertos, de forma a escolas e professores poderem chegar a alunos de forma remota, diminuindo o impacto do encerramento na aprendizagem.[170]

Economia

 Ver artigo principal: Recessão da pandemia de COVID-19
 
A apreensão associada à pandemia levou a uma corrida às compras de bens essenciais em vários países

A pandemia de coronavírus tem sido associada a vários casos de ruptura de estoques causados pelo aumento de procura de equipamento para combater o surto, corridas às compras e perturbações nas operações de produção e logística das empresas. As autoridades de saúde emitiram avisos de possíveis rupturas de stock de medicamentos e equipamento médico devido ao aumento exponencial de procura e perturbação dos canais de distribuição.[172] Em vários países ocorreram corridas às compras que levaram a rupturas de stock de produtos de mercearia essenciais como comida, papel higiénico e água engarrafada.[173] De acordo com o diretor-geral da OMS, a procura por equipamento de proteção individual aumentou 100 vezes, o que levou a um aumento de preços, em alguns casos de vinte vezes o preço normal, e também induziu atrasos de quatro a seis meses no fornecimento de equipamento médico. A falta de equipamento de proteção individual em todo o mundo levou a OMS a alertar que a situação colocava em risco os profissionais de saúde.[174]

Uma vez que a China é uma potência económica e um grande centro de produção industrial, o surto constitui uma ameaça de desestabilização à economia global. Agathe Demarais da Economist Intelligence Unit prevê que os mercados continuem voláteis até que haja uma ideia mais clara do desfecho da pandemia. Em janeiro de 2020, alguns analistas estimaram que as consequências económicas da pandemia de COVID-19 no crescimento global poderiam ser superiores aos do surto de SARS em 2002-2004. Uma estimativa calculava que o impacto na cadeia de fornecimento seria superior a 300 mil milhões de dólares e poder-se-ia prolongar por mais dois anos. A OPEC reportou uma queda no preço do petróleo devido à diminuição da procura por parte da China. Em 24 de fevereiro os mercados de ações tiveram a primeira queda expressiva devido ao aumento significativo do número de casos fora da China. Em 27 de fevereiro, devido a preocupações crescentes com o surto, vários índices norte-americanos, incluindo o NASDAQ-100, o S&P 500 Index e o Dow Jones Industrial Average, reportaram a maior queda desde 2008, com o Dow Jones a cair 1191 pontos, a maior queda num dia desde a crise financeira de 2007–2008.[175] No fim da semana, os três índices tinham caído mais de 10%.[176] Nas semanas seguintes os mercados continuaram a cair, sendo a maior queda registada no dia 16 de março.[177] Muitos analistas consideram provável uma recessão económica global.[178][179][180]

 
Aeroporto Internacional de Incheon na Coreia do Sul praticamente vazio, em 6 de março de 2020

O turismo é um dos setores mais afetados, devido às restrições de circulação, ao encerramento de espaços públicos, incluindo monumentos, e às recomendações governamentais em todo o mundo para não viajar. Consequentemente, várias companhias aéreas cancelaram voos devido à baixa procura, enquanto outras abriram falência.[181] Várias estações de comboio e portos de ferries também encerraram.[182] A epidemia na China ocorreu durante o Chunyun, o feriado de ano novo chinês, durante o qual eram esperados milhões de turistas. Inúmeras atrações e eventos de grande audiência foram cancelados ou encerrados por governos nacionais e regionais, incluindo a Disneyland de Hong Kong e Shangai. Diversos navios de cruzeiro fora afetados pelo novo coronavírus. Dentre eles, os navios Costa Serena,[183] Diamon Princess,[184][185][186] World Dream,[187] MS Westerdam.[188][189] e Grand Princess.[190]

Apesar da elevada prevalência de casos de COVID-19 no norte de Itália e na região de Wuhan, e da consequente elevada procura por produtos alimentares, em nenhuma das regiões se verificou escassez de alimentos. As medidas implementadas contra a acumulação e comércio ilegal de bens essenciais evitaram a escassez de alimentos que tinha sido antecipada. A existência de prateleiras vazias foi apenas temporária, mesmo na cidade de Wuhan, onde as autoridades libertaram reservas de porco de forma a assegurar a alimentação da população. Em Itália existem leis semelhantes, que obrigam os produtores de alimentos a manter reservas para este tipo de emergências.[191][192]

Meio ambiente

 
Imagens do Observatório da Terra da NASA mostram uma grande redução na poluição em Wuhan, China, comparando os níveis de NO 2 no início de 2019 (acima) e no início de 2020 (abaixo).

Devido ao impacto da pandemia nas viagens e na indústria, em muitas regiões registou-se uma diminuição na poluição do ar. Entre 1 de janeiro de 11 de março de 2020, a Agência Espacial Europeia observou um declínio acentuado nas emissões automóveis de óxido nitroso, centrais elétricas e fábricas na região do vale do Pó no norte de Itália, coincidente com os encerramentos na região.[193] Os métodos para conter o avanço do vírus, como as quarentenas e as restrições de viagens, resultaram numa diminuição de 25% nas emissões de gases de efeito de estufa na China.[194][195] No primeiro mês de quarentena, a China emitiu menos cerca de 200 milhões de toneladas dióxido de carbono do que no período homólogo de 2019, devido à redução no tráfego aéreo, refinamento de petróleo e consumo de carvão.[195]

Apesar do declínio temporário nas emissões a nível global, a Agência Internacional de Energia lançou o aviso de que as perturbações económicas causadas pela pandemia podem impedir ou atrasar o investimento das empresas em energia sustentável.[196] A pandemia também tem servido como incentivo à adoção de políticas de teletrabalho.[197][198]

Cultura

 
Uma mesquita fechada temporariamente por conta da pandemia em Rey, no Irão.

Uma das consequências mais visíveis da pandemia tem sido o cancelamento de cerimónias religiosas, eventos desportivos, festivais de música, concertos, estreias de cinema, conferências tecnológicas e espetáculos de moda.[199][200] O Vaticano anunciou o cancelamento das cerimónias da Semana Santa em Roma.[199] Muitas dioceses recomendaram aos fiéis que se mantivessem em casa em vez de assistir à missa, embora algumas disponibilizem a cerimónia em livestream ou na televisão.[201][199]

A pandemia causou a mais significativa perturbação no calendário desportivo mundial desde a Segunda Guerra Mundial. A maior parte dos grandes eventos desportivos agendados foi cancelada ou adiada, incluindo a Liga dos Campeões da UEFA de 2019–20,[202] a Premier League de 2019–20,[203] o Campeonato Europeu de Futebol de 2020, a Temporada da NBA de 2019–20,[204] e a temporada da NHL de 2019–20.[205] A pandemia também incitava dissabor entre comitês olímpicos quanto aos Jogos de Verão de 2020, que estavam previstos a iniciar-se em 2020, até o COI declarar, oficialmente, o adiamento do episódio para o ano seguinte.[206]

A indústria de entretenimento também foi afetada, com várias bandas a suspender ou cancelar digressões e concertos.[207][208] Muitos teatros também suspenderam todas as exibições.[209] Alguns artistas têm explorado formas de continuar a produzir e partilhar as suas obras através da internet como alternativa aos concertos ao vivo, como concertos em streaming,[210] ou criando festivais web com presença de vários artistas.[211]

Saúde mental

 
Aviso para manter o distanciamento social numa carruagem do Metropolitano de Lisboa

Tanto a pandemia como as medidas de contenção adotadas por governos possuem impactos psicossociais profundos e duradouros, estando associados com ansiedade, depressão, stress, e aumento do número de suicídios.[212][213][214][215] O medo de contágio e o isolamento social são alguns dos fatores estressantes resultantes da pandemia e das medidas de controle impostas por autoridades, como quarentenas, que podem contribuir para uma piora no quadro de saúde mental da população.[212][214][215] Profissionais da saúdes,[216] e estudantes são alguns grupos particularmente afetados.[217][218]

Xenofobia e racismo

 
Cartaz antixenofobia no metrô de Nova Iorque.

Desde o início da pandemia que se tem observado um aumento da discriminação, xenofobia e racismo contra pessoas de ascendência chinesa ou do extremo oriente, com incidentes em vários países, sobretudo na Europa, América do Norte e região da Ásia-Pacífico,[219] mas também em alguns países de África.[220][221] Muitos residentes de Wuhan e Hubei têm relatado sentir-se discriminados com base na sua origem regional. Desde o avanço do surto para outros países, cidadãos italianos têm também sido alvo de suspeição e xenofobia.[222][223]

Em vários países, incluindo Malásia, Nova Zelândia, Singapura e Coreia do Sul, têm havido petições online com o intuito de criar pressão nos governos para impedir a entrada no país de cidadãos chineses.[224][225][226][227] No Japão, uma hashtag com o nome #ChineseDontComeToJapan esteve nas tendências do Twitter.[228] Vários cidadãos chineses no Reino Unido relataram um aumento de racismo, tendo sido feitas queixas de casos de agressão.[229][230] Vários protestantes na Ucrânia atacaram autocarros que transportavam cidadãos ucranianos e estrangeiros que tinham sido evacuados de Wuhan.[231] Estudantes do nordeste da Índia, que faz fronteiras com a China, e que estudam nas principais cidades indianas, têm relatado episódios de assédio relacionados com o surto de coronavírus.[232] Autoridades locais na Bolívia colocaram em quarentena cidadãos japoneses, apesar de não terem nenhum sintoma da doença.[233] Nas cidades russas de Moscovo e Ecaterimburgo cidadãos chineses foram alvo de campanhas de quarentena forçada e rusgas policiais, que foram condenadas por ativistas dos direitos humanos como tendo critérios racistas.[234] A embaixada chinesa na Alemanha reconheceu um aumento de casos de hostilidade contra os seus cidadãos desde o início do surto.[235] Em escolas da região de Paris, várias crianças de ascendência asiática foram ostracizadas e humilhadas com base na sua origem.[236][237] Muitos franco-vietnamitas relatam também ter sido assediados desde o início do surto.[238]

Em 30 de janeiro, o Comité de Emergência da OMS emitiu um comunicado aconselhando todos os países a ter presente os princípios do 3º Artigo do Regulamento Sanitário Internacional, que afirma ser necessária prudência contra ações que promovam estigma ou discriminação ao conduzir medidas de resposta nacionais ao surto.[130]

Desinformação

 Ver artigo principal: Desinformação e negacionismo
 
O presidente brasileiro Jair Bolsonaro minimizou a pandemia e criticou o isolamento social[239][240][241][242]

Após o surto inicial começaram a circular na internet diversas teorias da conspiração e desinformação sobre a origem e escala do coronavírus da COVID-19.[243][244] Várias histórias nas redes sociais alegavam, entre outras coisas, que o vírus seria uma arma biológica, um esquema de controlo populacional ou o resultado de uma operação de espionagem.[245][246][247]

O Facebook, Google e Twitter anunciaram que tomariam medidas rigorosas contra possível desinformação.[248] No seu blog, o Facebook afirmou que removeria qualquer conteúdo assinalado pelas principais organizações de saúde e autoridades locais que violasse a sua política de conteúdo sobre desinformação e que pudesse levar a potenciais prejuízos físicos.[249]

Em 2 de fevereiro, a OMS afirmou existir uma epidemia massiva de desinformação a acompanhar o surto e a resposta ao surto, citando uma superabundância de informação sobre o vírus, correta ou falsa, que fazia com que fosse difícil às pessoas encontrar fontes fidedignas e recomendações confiáveis quando precisavam.[250]

Ex-presidente estadunidense Donald Trump ao sugerir "injeções de desinfetante" ou "exposição à luz ultravioleta" como "tratamento" para Covid-19[251]

A OMS afirmou ainda que a elevada procura por informação atualizada e de confiança incentivou à criação de uma linha de apoio permanente para desmistificar mitos, e que as suas equipas de comunicação e redes sociais têm estado a monitorizar e combater a desinformação através do seu site e páginas nas redes sociais.[250][252]

A OMS tem desmascarado diversas falsidades que circulam nas redes sociais, incluindo a alegação de que uma pessoa pode saber se tem o vírus ou não apenas sustendo a respiração, de que beber bastante água oferece proteção contra o vírus, ou de que gargarejar água com sal previne a infeção.[253]

Ver também

Referências

  1. «Coronavirus very likely of animal origin, no sign of lab manipulation: WHO». Reuters (em inglês). 21 de abril de 2020. Consultado em 2 de maio de 2020 
  2. Lau SK, Luk HK, Wong AC, Li KS, Zhu L, He Z, et al. (abril de 2020). «Possible Bat Origin of Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2». Emerging Infectious Diseases (em inglês). 26 (7). PMID 32315281. doi:10.3201/eid2607.200092. Consultado em 2 de maio de 2020 
  3. a b «柳叶刀披露首例新冠肺炎患者发病日期,较官方通报早7天» (em chinês). BJ News. 27 de janeiro de 2020. Consultado em 1 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2020 
  4. a b «《柳叶刀》刊文详解武汉肺炎 最初41案例即有人传人迹象» (em chinês). Caixin. 26 de janeiro de 2020. Consultado em 1 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2020 
  5. a b c d e f g h «Coronavirus COVID-19 Global Cases by the Center for Systems Science and Engineering (CSSE) at Johns Hopkins University (JHU)». ArcGIS. Johns Hopkins CSSE. Consultado em 19 de outubro de 2021 
  6. «WHO: 10% of world's people may have been infected with virus». AP NEWS. 5 de outubro de 2020. Consultado em 29 de maio de 2021 
  7. «Tracking covid-19 excess deaths across countries». The Economist. 17 de maio de 2021. Consultado em 6 de agosto de 2021 
  8. «COVID-19 Coronavirus Pandemic». worldometers.info 
  9. «The COVID-19 coronavirus epidemic has a natural origin, scientists say – Scripps Research's analysis of public genome sequence data from SARS‑CoV‑2 and related viruses found no evidence that the virus was made in a laboratory or otherwise engineered». EurekAlert!. Scripps Research Institute. 17 de março de 2020. Consultado em 15 de abril de 2020 
  10. Andersen KG, Rambaut A, Lipkin WI, Holmes EC, Garry RF (abril de 2020). «The proximal origin of SARS-CoV-2». Nature Medicine. 26 (4): 450–452. PMC 7095063 . PMID 32284615. doi:10.1038/s41591-020-0820-9 
  11. Latinne, Alice; Hu, Ben; Olival, Kevin J.; Zhu, Guangjian; Zhang, Libiao; Li, Hongying; Chmura, Aleksei A.; Field, Hume E.; Zambrana-Torrelio, Carlos; Epstein, Jonathan H.; Li, Bei; Zhang, Wei; Wang, Lin-Fa; Shi, Zheng-Li; Daszak, Peter (25 de agosto de 2020). «Origin and cross-species transmission of bat coronaviruses in China». Nature Communications (em inglês). 11 (1). 4235 páginas. Bibcode:2020NatCo..11.4235L. ISSN 2041-1723. PMC 7447761 . PMID 32843626. doi:10.1038/s41467-020-17687-3 
  12. CDC (11 de fevereiro de 2020). «Coronavirus Disease 2019 (COVID-19)». Centers for Disease Control and Prevention (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  13. a b «Coronavirus (COVID-19): General advice». www.nhsinform.scot (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  14. «The Great Lockdown: Worst Economic Downturn Since the Great Depression». IMF Blog. Consultado em 23 de abril de 2020 
  15. a b «Pneumonia of unknown cause – China. Disease outbreak news» (em inglês). Organização Mundial da Saúde. 5 de janeiro de 2020. Consultado em 20 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2020 
  16. Schnirring, Lisa (11 de janeiro de 2020). «China releases genetic data on new coronavirus, now deadly» (em inglês). CIDRAP. Consultado em 20 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2020 
  17. a b Hui, David S.; Azhar, Esam EI; Madani, Tariq A.; Ntoumi, Francine; Kock, Richard; Dar, Osman; Ippolito, Giuseppe; Mchugh, Timothy D.; Memish, Ziad A.; Drosten, Christian; Zumla, Alimuddin (14 de janeiro de 2020). «The continuing epidemic threat of novel coronaviruses to global health - the latest novel coronavirus outbreak in Wuhan, China». International Journal of Infectious Diseases (em inglês). 0 (0). ISSN 1201-9712. doi:10.1016/j.ijid.2020.01.009. Consultado em 20 de janeiro de 2020 
  18. Schnirring, Lisa (15 de janeiro de 2020). «Second family cluster found in Wuhan novel coronavirus outbreak» (em inglês). CIDRAP. Consultado em 20 de janeiro de 2020 
  19. Wee, Sui-Lee; Jr, Donald G. McNeil (8 de janeiro de 2020). «China Identifies New Virus Causing Pneumonialike Illness». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 20 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2020 
  20. Qin, Amy; Hernández, Javier C. (10 de janeiro de 2020). «China Reports First Death From New Virus». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 20 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2020 
  21. Nectar Gan; Yong Xiong; Eliza Mackintosh. «China confirms new coronavirus can spread between humans» (em inglês). CNN. Consultado em 20 de janeiro de 2020 
  22. Schnirring, Lisa (20 de janeiro de 2020). «New coronavirus infects health workers, spreads to Korea». CIDRAP (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  23. Newey, Sarah (14 de janeiro de 2020). «WHO refuses to rule out human-to-human spread in China's mystery virus outbreak». The Daily Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 20 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2020 
  24. Cohen, Jon; Normile, Dennis (17 de janeiro de 2020). «New SARS-like virus in China triggers alarm». Science (em inglês). 367 (6475): 234–235. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.367.6475.234. Consultado em 20 de janeiro de 2020 
  25. «China confirms sharp rise in cases of SARS-like virus across the country» (em inglês). France 24. Consultado em 20 de janeiro de 2020 
  26. Hui, Jane Li, Mary. «China has locked down Wuhan, the epicenter of the coronavirus outbreak» (em inglês). Quartz. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  27. «湖北黃岡:城鐵站、火車站離開黃岡市區通道暫時關閉» (em chinês). Hong Kong China News Agency. 23 de janeiro de 2020. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  28. «Wuhan virus: China locks down Huanggang, shuts down railway station in Ezhou after Wuhan lockdown» (em inglês). The Straits Times. 23 de janeiro de 2020. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  29. «France confirms first three cases of coronavirus in Europe» (em inglês). CNBC. 24 de janeiro de 2020. Consultado em 24 de janeiro de 2020 
  30. «Coronavírus: prédio em Hong Kong é evacuado; autoridades suspeitam de transmissão por encanamentos». G1. Globo.com. 13 de fevereiro de 2020. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  31. «Novel coronavirus can be spread by people who aren't exhibiting symptoms, CDC director says» (em inglês). CNN. 13 de fevereiro de 2020. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  32. «First case of coronavirus involving Westerdam cruise ship confirmed, a US citizen» (em inglês). CNN. 15 de fevereiro de 2020. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  33. «Mulher pega coronavírus pela 2ª vez no Japão». G1. Globo.com. 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 27 de fevereiro de 2020 
  34. «Trump invoca lei de guerra contra o coronavírus e compara esforços à Segunda Guerra Mundial». O Globo. Globo. 18 de março de 2020. Consultado em 18 de março de 2020 
  35. «Timeline: How the new coronavirus spread» (em inglês). Al Jazira. 17 de março de 2020. Consultado em 17 de março de 2020 
  36. «Mortes por coronavírus no mundo chegam a 100 mil». G1. Globo. 10 de abril de 2020. Consultado em 11 de abril de 2020 
  37. «Mortes por coronavírus no mundo ultrapassam 100 mil». IstoÉ. 10 de abril de 2020. Consultado em 11 de abril de 2020 
  38. Carlie Porterfield (10 de abril de 2020). «Número de mortes por coronavírus no mundo chega a 100 mil em menos de 100 dias». Forbes. Consultado em 11 de abril de 2020 
  39. «Mundo tem mais de dois milhões de infectados com coronavírus». Estado de Minas. 15 de abril de 2020. Consultado em 15 de abril de 2020 
  40. «Mundo ultrapassa a marca de 1 milhão de mortos por Covid-19». G1. 28 de setembro de 2020. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  41. «Mundo ultrapassou um milhão de mortes por covid-19». Público. 29 de setembro de 2020. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  42. «Primeiro caso de reinfecção pela Covid-19 nos EUA é confirmado por estudo». Revista Galileu. Globo. 12 de outubro de 2020. Consultado em 14 de outubro de 2020 
  43. Gorbalenya, Alexander E. (11 de fevereiro de 2020). «Severe acute respiratory syndrome-related coronavirus – The species and its viruses, a statement of the Coronavirus Study Group». bioRxiv (em inglês): 2020.02.07.937862. doi:10.1101/2020.02.07.937862 
  44. Zhu N, Zhang D, Wang W, et al. (fevereiro de 2020). «A Novel Coronavirus from Patients with Pneumonia in China, 2019». The New England Journal of Medicine. 382 (8): 727–733. PMID 31978945. doi:10.1056/NEJMoa2001017 
  45. Zhou P, Yang XL, Wang XG, Hu B, Zhang L, Zhang W, et al. (fevereiro de 2020). «A pneumonia outbreak associated with a new coronavirus of probable bat origin». Nature. 579 (7798): 270–273. PMID 32015507. doi:10.1038/s41586-020-2012-7 
  46. Perlman S (fevereiro de 2020). «Another Decade, Another Coronavirus». The New England Journal of Medicine. 382 (8): 760–762. PMID 31978944. doi:10.1056/NEJMe2001126 
  47. Benvenuto D, Giovanetti M, Ciccozzi A, Spoto S, Angeletti S, Ciccozzi M (abril de 2020). «The 2019-new coronavirus epidemic: Evidence for virus evolution». Journal of Medical Virology. 92 (4): 455–459. PMID 31994738. doi:10.1002/jmv.25688 
  48. World Health Organization (2020). Novel Coronavirus (2019-nCoV): situation report, 22 (Relatório). World Health Organization. hdl:10665/330991 
  49. Li Q, Guan X, Wu P, Wang X, Zhou L, Tong Y, et al. (janeiro de 2020). «Early Transmission Dynamics in Wuhan, China, of Novel Coronavirus-Infected Pneumonia». The New England Journal of Medicine. PMID 31995857. doi:10.1056/NEJMoa2001316 
  50. Riou J, Althaus CL (janeiro de 2020). «Pattern of early human-to-human transmission of Wuhan 2019 novel coronavirus (2019-nCoV), December 2019 to January 2020». Euro Surveillance. 25 (4). PMC 7001239 . PMID 32019669. doi:10.2807/1560-7917.ES.2020.25.4.2000058 
  51. Li, G.; De Clercq, E. (março de 2020). «Therapeutic options for the 2019 novel coronavirus (2019-nCoV)». Nature Reviews: Drug Discovery. 19 (3): 149–150. doi:10.1038/d41573-020-00016-0 
  52. «Coronavirus». WebMD. Consultado em 1 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2020 
  53. «Prevention & Treatment». Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos (em inglês). 15 de fevereiro de 2020. Consultado em 15 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2019    Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  54. «Overview of novel coronavirus (2019-nCoV) – Summary of relevant conditions». The BMJ. Consultado em 1 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2020 
  55. «Novel Coronavirus – COVID-19: What Emergency Clinicians Need to Know». EBMedicine.net. Consultado em 9 de março de 2020 
  56. Beeching NJ, Fletcher TE, Fowler R (2020). «BMJ Best Practices: COVID-19» (PDF). BMJ 
  57. a b c d «Symptoms of Coronavirus Disease 2019 (COVID-19)». Centers for Disease Control and Prevention (CDC). 13 de março de 2020. Consultado em 14 de março de 2020 
  58. Chen, Nanshan; Zhou, Min; Dong, Xuan; Qu, Jieming; Gong, Fengyun; Han, Yang; Qiu, Yang; Wang, Jingli; Liu, Ying; Wei, Yuan; Xia, Jia'an (30 de janeiro de 2020). «Epidemiological and clinical characteristics of 99 cases of 2019 novel coronavirus pneumonia in Wuhan, China: a descriptive study». The Lancet (em English). 0. ISSN 0140-6736. doi:10.1016/S0140-6736(20)30211-7 
  59. Hessen, Margaret Trexler (27 de janeiro de 2020). «Novel Coronavirus Information Center: Expert guidance and commentary». Elsevier Connect. Consultado em 31 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2020 
  60. «[Agência Lupa] Lupa na Ciência: Por que pessoas param de sentir cheiros após contrair Covid-19?». Agência Lupa. 21 de agosto de 2020. Consultado em 29 de agosto de 2020 
  61. Huang, Chaolin; Wang, Yeming; Li, Xingwang; Ren, Lili; Zhao, Jianping; Hu, Yi; Zhang, Li; Fan, Guohui; Xu, Jiuyang; Gu, Xiaoying; Cheng, Zhenshun (15 de fevereiro de 2020). «Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China». Lancet. 395 (10223): 497-506. ISSN 0140-6736. doi:10.1016/S0140-6736(20)30183-5 
  62. «Q&A on coronaviruses». who.int. Consultado em 27 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2020 
  63. World Health Organization (2020). Novel Coronavirus (‎‎‎2019-nCoV)‎‎‎: situation report, 6 (Relatório). World Health Organization. hdl:10665/330770 
  64. «COVID-19: Perguntas Frequentes». Direção-Geral da Saúde. Consultado em 14 de março de 2020 
  65. «COVID-19 vaccine development pipeline (Refresh URL to update)». Vaccine Centre, London School of Hygiene and Tropical Medicine. 1 de março de 2021. Consultado em 10 de março de 2021 
  66. Beaumont, Peter (18 de novembro de 2020). «Covid-19 vaccine: who are countries prioritising for first doses?». The Guardian. ISSN 0261-3077. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  67. «Coronavirus (COVID-19) Vaccinations – Statistics and Research». Our World in Data. Consultado em 7 de fevereiro de 2021 
  68. «Which companies will likely produce the most COVID-19 vaccine in 2021?». Pharmaceutical Processing World. 5 de fevereiro de 2021. Consultado em 1 de março de 2021 
  69. «China can hit 500-mln-dose annual capacity of CanSinoBIO COVID-19 vaccine this year». Yahoo! Sport. Consultado em 1 de março de 2021 
  70. Mullard, Asher (30 de novembro de 2020). «How COVID vaccines are being divvied up around the world Canada leads the pack in terms of doses secured per capita». Nature. doi:10.1038/d41586-020-03370-6 
  71. So, Anthony D; Woo, Joshua (Dezembro de 2020). «Reserving coronavirus disease 2019 vaccines for global access: cross sectional analysis». BMJ. 371: m4750. ISSN 1756-1833. PMC 7735431 . doi:10.1136/bmj.m4750 
  72. Duarte, Fernando (24 de fevereiro de 2020). «As the cases of coronavirus increase in China and around the world, the hunt is on to identify "patient zero".». BBC News (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2020 
  73. a b Ma, Josephina (13 de março de 2020). «China's first confirmed Covid-19 case traced back to November 17». South China Morning Post (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 13 de março de 2020 
  74. Bryner, Jeanna (14 março de 2020). «1st known case of coronavirus traced back to November in China». livescience.com (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2020 
  75. Thomson, Stuart (8 de abril de 2020). «The birth of a pandemic: How COVID-19 went from Wuhan to Toronto». National Post (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2020 
  76. Novel Coronavirus Pneumonia Emergency Response Epidemiology Team (fevereiro de 2020). «[The epidemiological characteristics of an outbreak of 2019 novel coronavirus diseases (COVID-19) in China]». Zhonghua Liu Xing Bing Xue Za Zhi=Zhonghua Liuxingbingxue Zazhi (em chinês). 41 (2): 145–151. PMID 32064853. doi:10.3760/cma.j.issn.0254-6450.2020.02.003 
  77. Areddy, James T. (26 de maio de 2020). «China Rules Out Animal Market and Lab as Coronavirus Origin». The Wall Street Journal (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2020 
  78. Gao, Yu (高昱) (26 de fevereiro de 2020). 独家 | 新冠病毒基因测序溯源:警报是何时拉响的 [Exclusivo | Rastreando o sequenciamento do gene do Novo Coronavírus: quando o alarme soou]. Caixin (em chinês). Consultado em 2 de setembro de 2020. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2020 
  79. Lu, Zikang (路子康) (9 de fevereiro de 2020). 最早上报疫情的她,怎样发现这种不一样的肺炎 [Como ela encontrou essa pneumonia diferente quando relatou a epidemia pela primeira vez?] (em chinês). Pequim: News China. Consultado em 2 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 2 de março de 2020 
  80. «'Hero who told the truth': Chinese rage over coronavirus death of whistleblower doctor». The Guardian (em inglês). 7 de fevereiro de 2020. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  81. Kuo, Lily (11 de março de 2020). «Coronavirus: Wuhan doctor speaks out against authorities». The Guardian (em inglês). Londres. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  82. «Undiagnosed pneumonia—China (HU): RFI». ProMED Mail (em inglês). ProMED. 30 de dezembro de 2019. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  83. «Novel Coronavirus». Organização Mundial da Saúde (OMS) (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2020 
    «COVID-19 timeline in the Western Pacific». OMS (em inglês). 18 de maio de 2020. Consultado em 2 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 23 de maio de 2020 
  84. 武汉现不明原因肺炎 官方确认属实:已经做好隔离 [Wuhan tem pneumonia inexplicada, a confirmação oficial é verdadeira: o isolamento foi feito]. Xinhua (em chinês). 31 de dezembro de 2019. Consultado em 2 de setembro de 2020 – via 163.com 
  85. 武汉市卫健委关于当前我市肺炎疫情的情况通报 [Notificação da Comissão Municipal de Saúde de Wuhan sobre a situação atual da pneumonia em nossa cidade]. WJW.Wuhan.gov.cn (em chinês). Wuhan Municipal Health Commission. 31 de dezembro de 2019. Consultado em 2 de setembro de 2020. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2020 
  86. «Mystery pneumonia virus probed in China». BBC News (em inglês). 3 de janeiro de 2020. Consultado em 2 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2020 
  87. Li Q, Guan X, Wu P, Wang X, Zhou L, Tong Y, Ren R, Leung KS, Lau EH, Wong JY, Xing X, Xiang N, Wu Y, Li C, Chen Q, Li D, Liu T, Zhao J, Liu M, Tu W, Chen C, Jin L, Yang R, Wang Q, Zhou S, Wang R, Liu H, Luo Y, Liu Y, Shao G, Li H, Tao Z, Yang Y, Deng Z, Liu B, Ma Z, Zhang Y, Shi G, Lam TT, Wu JT, Gao GF, Cowling BJ, Yang B, Leung GM, Feng Z (março de 2020). «Early Transmission Dynamics in Wuhan, China, of Novel Coronavirus-Infected Pneumonia». The New England Journal of Medicine. 382 (13): 1199–1207. PMC 7121484 . PMID 31995857. doi:10.1056/NEJMoa2001316 
  88. WHO–China Joint Mission (24 de fevereiro de 2020). «Report of the WHO-China Joint Mission on Coronavirus Disease 2019 (COVID-19)» (PDF). Organização Mundial da Saúde (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2020 
  89. «China confirms sharp rise in cases of SARS-like virus across the country» (em inglês). France 24. 20 de janeiro de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2020 
  90. The Novel Coronavirus Pneumonia Emergency Response Epidemiology Team (17 de fevereiro de 2020). «The Epidemiological Characteristics of an Outbreak of 2019 Novel Coronavirus Diseases (COVID-19)—China, 2020». China CDC Weekly (em inglês). 2 (8): 113–122. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  91. a b «Flattery and foot dragging: China's influence over the WHO under scrutiny» (em inglês). The Globe and Mail Inc. 25 de abril de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  92. Huang C, Wang Y, Li X, Ren L, Zhao J, Hu Y, Zhang L, Fan G, Xu J, Gu X, Cheng Z, Yu T, Xia J, Wei Y, Wu W, Xie X, Yin W, Li H, Liu M, Xiao Y, Gao H, Guo L, Xie J, Wang G, Jiang R, Gao Z, Jin Q, Wang J, Cao B (24 de janeiro de 2020). «Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China». Lancet (em inglês). 395 (10223): 497–506. PMC 7159299 . PMID 31986264. doi:10.1016/S0140-6736(20)30183-5. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  93. Horton, Richard (18 de março de 2020). «Scientists have been sounding the alarm on coronavirus for months. Why did Britain fail to act?». The Guardian (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2020 
  94. «Coronavirus: Primi due casi in Italia» [Coronavírus: primeiros dois casos na Itália]. Corriere della sera (em italiano). 31 de janeiro de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  95. «Ministério da Saúde investiga possível paciente com coronavírus em SP; caso foi para contraprova». G1. Globo.com. Consultado em 25 de fevereiro de 2020 
  96. «Brasil confirma primeiro caso da doença». Ministério da Saúde. 26 de fevereiro de 2020. Consultado em 30 de abril de 2020 
  97. «Ministra confirma primeiro caso positivo de coronavirus em Portugal». Expresso. 2 de março de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  98. «Confirmados dois primeiros casos de contágio pelo novo coronavirus em Portugal». TSF. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  99. «WHO Director-General's opening remarks at the media briefing on COVID-19—11 March 2020» (em inglês). Organização Mundial da Saúde. 11 de março de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  100. Fredericks, Bob (13 de março de 2020). «WHO says Europe is new epicenter of coronavirus pandemic». The New York Post (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2020 
  101. «Registada primeira morte por novo coronavírus em Portugal». 16 de março de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  102. Chaíça, Inês (16 de março de 2020). «Coronavírus: confirmada primeira morte por covid-19 em Portugal». Consultado em 3 de setembro de 2020 
  103. «Notificação de casos de doença pelo coronavírus 2019 (COVID-19)». Minstério da Saúde. 17 de março de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 18 de março de 2020 
  104. «Coronavirus: Number of COVID-19 deaths in Italy surpasses China as total reaches 3,405» (em inglês). Sky News. 19 de março de 2020. Consultado em 7 de maio de 2020 
  105. McNeil Jr., Donald G. (26 de março de 2020). «The U.S. Now Leads the World in Confirmed Coronavirus Cases». The New York Times (em inglês). Consultado em 27 de março de 2020 
  106. «Studies Show N.Y. Outbreak Originated in Europe». The New York Times (em inglês). 8 de abril de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  107. Irish, John (4 de maio de 2020). Richard Lough; Peter Graff, eds. «After retesting samples, French hospital discovers COVID-19 case from December» (em inglês). Reuters. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  108. Deslandes A, Berti V, Tandjaoui-Lambotte Y, Alloui C, Carbonnelle E, Zahar JR, Brichler S, Cohen Y (3 de maio de 2020). «SARS-COV-2 was already spreading in France in late December 2019». International Journal of Antimicrobial Agents (em inglês). 55 (6): 106006. PMC 7196402 . PMID 32371096. doi:10.1016/j.ijantimicag.2020.106006 
  109. «2 died with coronavirus weeks before 1st U.S. virus death». PBS NewsHour (em inglês). 22 de abril de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  110. a b «Beijing Covid-19 outbreak puts food markets back in infection focus». South China Morning Post (em inglês). 16 de junho de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de junho de 2020 
  111. «北京连续确诊3例新冠患者 新发地批发市场暂停营业» [Pequim confirmou 3 casos consecutivos de novos pacientes da coroa, o mercado atacadista de Xinfadi temporariamente suspenso]. Caixin (em inglês). 12 de junho de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 13 de junho de 2020 
  112. Gan, Nectar (14 de junho de 2020). «China's new coronavirus outbreak sees Beijing adopt 'wartime' measures» (em inglês). CNN. Consultado em 3 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de junho de 2020 
  113. «Beijing logs record 36 COVID-19 cases, linked to market cluster». CNA (em inglês). 14 de junho de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  114. Kim, Will Feuer, Jasmine (29 de junho de 2020). «WHO warns coronavirus pandemic is speeding up as countries ease lockdown rules: 'The worst is yet to come'». CNBC (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2020 
  115. a b «More cases of COVID-19 linked to employee at Dalian seafood processor». Undercurrent (em inglês). 23 de julho de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  116. worldometers.info (25 de janeiro de 2021). «COVID-19 CORONAVIRUS PANDEMIC». 25 de janeiro de 2021. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  117. «Coronavirus Update (Live) for COVID-19 Wuhan China Virus Outbreak – Worldometer». www.worldometers.info (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2020 
  118. «Countries start rolling out coronavirus vaccine». DW.com. Consultado em 23 de dezembro de 2020 
  119. «ONU pede pacote de US$2,5 trilhões para países em desenvolvimento superarem crise do coronavírus». ONU Brasil. 30 de março de 2020. Consultado em 4 de agosto de 2020 
  120. «Notícias sobre o coronavírus e a crise política no Brasil». El País. 26 de fevereiro de 2020. Consultado em 4 de agosto de 2020 
  121. Qualls, Noreen; Levitt, Alexandra; Kanade, Neha; Wright-Jegede, Narue; Dopson, Stephanie; Biggerstaff, Matthew; Reed, Carrie; Uzicanin, Amra; Levitt, Alexandra; Dopson, Stephanie; Frank, Mark; Holloway, Rachel; Koonin, Lisa; Rasmussen, Sonja; Redd, Stephen; de la Motte Hurst, Christopher; Kanade, Neha; Qualls, Noreen; Rainey, Jeanette; Uzicanin, Amra; Biggerstaff, Matthew; Jernigan, Daniel; Reed, Carrie (21 de abril de 2017). «Community Mitigation Guidelines to Prevent Pandemic Influenza — United States, 2017». MMWR. Recommendations and Reports. 66 (1): 1–34. PMC 5837128 . PMID 28426646. doi:10.15585/mmwr.rr6601a1 
  122. «OMS: próximas semanas serão cruciais no combate ao coronavírus». Agência Brasil. EBC 
  123. «OMS convoca reunião de cientistas para retardar disseminação do coronavírus». Nações Unidas Brasil. 11 de fevereiro de 2020. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  124. «OMS pede que governos intensifiquem esforços contra o coronavírus». Estado de Minas. 15 de fevereiro de 2020. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  125. «Número de infectados pelo novo coronavírus na China passa dos 77 mil». G1. Globo.com. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  126. «OMS pede ao mundo que se prepare para uma "potencial pandemia" por coronavírus». El País. Consultado em 25 de fevereiro de 2020 
  127. «More than 70% of coronavirus cases in China have recovered, WHO says» (em inglês). CNN. 9 de março de 2020. Consultado em 9 de março de 2020 
  128. Yang, Stephanie (28 de janeiro de 2020). «WHO Chief Praises Beijing's Coronavirus Response as Travel Barriers Rise». The Wall Street Journal. ISSN 0099-9660. Consultado em 28 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2020 
  129. a b Gabriel Crossley, Alison Williams (23 de janeiro de 2020). «Wuhan lockdown 'unprecedented', shows commitment to contain virus: WHO representative in China». Reuters. Consultado em 28 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2020 
  130. a b «Statement on the second meeting of the International Health Regulations (2005) Emergency Committee regarding the outbreak of novel coronavirus (2019-nCoV)» (em inglês). OMS. 30 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de março de 2020. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2020 
  131. «Coronavirus declared global health emergency». BBC News Online. 31 de janeiro de 2020. Consultado em 13 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2020 
  132. «IHR Emergency Committee on Novel Coronavirus (2019-nCoV)». World Health Organization. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  133. «$675 million appeal to stop coronavirus in its tracks, as deaths rise». UN News. Office of the Spokesperson for the UN Secretary-General, United Nations. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  134. «WHO Calls for US$675 million to Combat Coronavirus; China Experiences Largest 24-Hour Increase in Cases Since Outbreak Began». Health Policy Watch. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  135. a b «WHO Director-General's remarks at the media briefing on 2019-nCoV on 11 February 2020». World Health Organization. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  136. «World must prepare for pandemic, says WHO». BBC News Online (em inglês). 25 de fevereiro de 2020. Consultado em 25 de fevereiro de 2020 
  137. «Battle against coronavirus turns to Italy; Wall Street falls on pandemic fears». Reuters. 25 de fevereiro de 2020. Consultado em 25 de fevereiro de 2020 
  138. Lovelace, Berkeley (28 de fevereiro de 2020). «WHO raises coronavirus threat assessment to its highest level: 'Wake up. Get ready. This virus may be on its way'» (em inglês). CNBC. Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  139. Wan, William (11 de março de 2020). «WHO declares a pandemic of coronavirus disease covid-19». The Washington Post 
  140. «WHO Director-General's opening remarks at the media briefing on COVID-19 – 11 March 2020». Organização Mundial da Saúde. 11 de março de 2020. Consultado em 12 de março de 2020 
  141. «Wuhan pneumonia: Hong Kong widens net but can hospitals cope» (em inglês). South China Morning Post. 17 de janeiro de 2020. Consultado em 21 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2020 
  142. «CChinese premier stresses curbing viral pneumonia epidemic». China Daily (em inglês). Pequim: Xinhua News Agency. 21 de janeiro de 2020. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  143. a b c «Países começam a retirar seus cidadãos da China por causa de coronavírus». G1. Globo.com. Consultado em 22 de março de 2020 
  144. «Japão confirma mais 3 casos em cidadãos evacuados de Wuhan». Terra. 2 de fevereiro de 2020. Consultado em 22 de março de 2020 
  145. «Francês evacuado da China é internado com sintomas do novo coronavírus». Uol. Consultado em 22 de março de 2020 
  146. «Países começam a evacuar seus cidadãos de Wuhan por causa do coronavírus». Estadão. Consultado em 22 de março de 2020 
  147. «Depois dos EUA, Hong Kong, Canadá e Itália também retiram cidadãos do navio Diamond Princess». DN. Consultado em 22 de março de 2020 
  148. «Coronavirus Travel Restrictions, Across the Globe». The New York Times. 26 de março de 2020 
  149. «Coronavirus: EU rules out Schengen border closures amid Italy outbreak». Deutsche Welle. 24 de fevereiro de 2020 
  150. «Coronavirus: European borders likely to remain open despite crisis in Italy, observers say». South China Morning Post. 7 de março de 2020 
  151. «Coronavirus: Some Of These 24 European Countries Have Closed Their Borders To Tourists». Forbes. 14 de março de 2020 
  152. «Denmark, Poland and Czechs seal borders over coronavirus». Financial Times. 12 de março de 2020 
  153. «Proclamation—Suspension of Entry as Immigrants and Nonimmigrants of Certain Additional Persons Who Pose a Risk of Transmitting 2019 Novel Coronavirus». Casa Branca 
  154. «First case of coronavirus confirmed in India; student tested positive in Kerala» (em inglês). Business Today 
  155. «Arquidioceses e dioceses suspendem atividades por conta do coronavírus». Canção Nova Notícias. 18 de março de 2020. Consultado em 12 de agosto de 2020 
  156. Parke, Caleb (13 de março de 2020). «Churches cancel Sunday service, move online amid coronavirus outbreak» (em inglês). Fox News. Consultado em 16 de março de 2020 
  157. Bruna Garcia Fonseca (22 de abril de 2020). «Com mesquitas fechadas, Ramadã acontece dentro de casa». Agência de Notícias Brasil-Árabe. Consultado em 14 de setembro de 2021 
  158. «Pela 1ª vez, Grande Sinagoga de Jerusalém ficará fechada em um Shabbat». UOL. 12 de março de 2020. Consultado em 14 de setembro de 2021 
  159. «Templos budistas ficam fechados na pandemia de Covid, mesmo com risco de falência». Folha de S.Paulo. 29 de agosto de 2021. Consultado em 14 de setembro de 2021 
  160. «Entenda os impactos do avanço do coronavírus na economia global e brasileira». G1. Globo.com. Consultado em 7 de março de 2020 
  161. a b Lora Jones, David Brown e Daniele Palumbo (7 de março de 2020). «Coronavírus: Oito gráficos que mostram o impacto da covid-19 sobre a economia mundial». BBC. Consultado em 7 de março de 2020 
  162. a b Walsh, Bryan. «The coronavirus outbreak stands to fundamentally change the world». Axios. Consultado em 16 de março de 2020 
  163. Sander, Libby. «Coronavirus could spark a revolution in working from home. Are we ready?». The Conversation. Consultado em 16 de março de 2020 
  164. Anderson, Jenny. «Coronavirus is giving online higher education a second chance to prove its worth». Quartz. Consultado em 16 de março de 2020 
  165. «The long-term effects of the coronavirus». The Jerusalem Post | JPost.com. Consultado em 16 de março de 2020 
  166. Farrell, Henry; Newman, Abraham (16 de março de 2020). «Will the Coronavirus End Globalization as We Know It?». ISSN 0015-7120. Consultado em 16 de março de 2020 
  167. «Germany would like to localize supply chains, nationalization possible, minister says». Reuters. 13 de março de 2020. Consultado em 16 de março de 2020 
  168. «Coronavirus update: 290 million students now stuck at home». UN News. United Nations. 5 de março de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 
  169. Goldberg, Eleanor (8 de março de 2020). «Parents are struggling to cope as coronavirus worries shut down schools, leaving kids scared and confused». Business Insider. Consultado em 9 de março de 2020 
  170. a b «290 million students out of school due to COVID-19: UNESCO releases first global numbers and mobilizes response». UNESCO. 4 de março de 2020. Consultado em 6 de março de 2020 
  171. «Coronavirus deprives nearly 300 million students of their schooling: UNESCO». The Telegram. Reuters. Consultado em 11 de março de 2020 
  172. «Coronavirus (COVID-19) Supply Chain Update». FDA.gov. US Food and Drug Administration. 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 
  173. Tkyo, Kelly (29 de fevereiro de 2020). «Coronavirus fears empty store shelves of toilet paper, bottled water, masks as shoppers stock up». USA Today 
  174. «Shortage of personal protective equipment endangering health workers worldwide». World Health Organization. Consultado em 5 de março de 2020 
  175. Tappe, Anneken. «Dow falls 1,191 points – the most in history». CNN. Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  176. Oh, Sunny (28 de fevereiro de 2020). «Stocks record worst week since financial crisis as coronavirus concerns heat up». Market Watch. Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  177. «Stocks Plummet as Grim Economic Outlook Grips Markets: Live Updates». The New York Times. 16 de março de 2020. Consultado em 16 de março de 2020 
  178. Rabouin, Dion (28 de fevereiro de 2020). «Economists now say the coronavirus could cause a recession». Axios. Consultado em 16 de março de 2020 
  179. Irwin, Neil (2 de março de 2020). «Why a Coronavirus Recession Would Be So Hard to Contain». The New York Times 
  180. Long, Heather; McGregor, Jena (1 de março de 2020). «Recession fears grow as Wall Street investors brace for a wild week for stocks». The Washington Post. Consultado em 7 de março de 2020 
  181. «Collapsed Flybe: 'Do not travel to the airport'». BBC News Online. 5 de março de 2020 
  182. «Coronavirus scare: Complete list of airlines suspending flights». India Today. Reuters. 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 
  183. «Japan Ban entry of foreigners on vírus hit hk cruise». Kyodo News. Consultado em 3 de março de 2020 
  184. McCurry, Justin; Ratcliffe, Rebecca (5 de fevereiro de 2020). «Coronavirus: cruise ship carrying 3,700 quarantined in Japan after 10 test positive». The Guardian 
  185. Peel, Charlie; Snowden, Angelica (6 de fevereiro de 2020). «Coronavirus: Cases double on Diamond Princess overnight, still in lockdown». The Australian. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  186. «Número de infectados pelo coronavírus em cruzeiro em quarentena no Japão chega a 355». G1. Globo.com. Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  187. «Milhares de passageiros são liberados de quarentena em cruzeiro após exame para coronavírus dar negativo». G1. Globo.com 
  188. Deerwester, Jayme. «Coronavirus cases triple to 61 on cruise ship quarantined in Japan, with 41 more reported». USA TODAY (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  189. Sablan, Jerick. «Guam denies entry to ship over coronavirus concerns». Pacific Daily News (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2020 
  190. «Cruzeiro parado em São Francisco tem 21 casos de coronavírus». R7. 7 de março de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 
  191. Askew K. "Coronavirus: 'Food excellence could fall into the eye of the hurricane' Italian food sector warns". Food navigator.com. Consultado em 14 de março de 2020.
  192. Wernau J. "How China Kept Its Supermarkets Stocked as Coronavirus Raged". The Wall Street Journal. Consultado em 14 de março de 2020.
  193. Green, Matthew (13 de março de 2020). «Air pollution clears in northern Italy after coronavirus lockdown, satellite shows». Reuters. Consultado em 16 de março de 2020 
  194. Myllyvirta, Lauri (19 de fevereiro de 2020). «Analysis: Coronavirus has temporarily reduced China's CO2 emissions by a quarter». CarbonBrief. Consultado em 16 de março de 2020 
  195. a b McMahon, Jeff (16 de março de 2020). «Study: Coronavirus Lockdown Likely Saved 77,000 Lives In China Just By Reducing Pollution». Forbes. Consultado em 16 de março de 2020 
  196. Newburger, Emma (13 de março de 2020). «Coronavirus could weaken climate change action and hit clean energy investment, researchers warn». CNBC. Consultado em 16 de março de 2020 
  197. «Commentary: Coronavirus may finally force businesses to adopt workplaces of the future». Fortune 
  198. Yaffe-Bellany, David (26 de fevereiro de 2020). «1,000 Workers, Go Home: Companies Act to Ward Off Coronavirus». The New York Times 
  199. a b c Burke, Daniel (14 de março de 2020). «What churches, mosques and temples are doing to fight the spread of coronavirus». CNN. Consultado em 16 de março de 2020 
  200. Hadden, Joey (2 de março de 2020). «Over 20,000 people have signed a petition to cancel SXSW over coronavirus worries. Here's a list of all the major event cancellations due to the outbreak so far.». Business Insider. Consultado em 3 de março de 2020 
  201. Parke, Caleb (13 de março de 2020). «Churches cancel Sunday service, move online amid coronavirus outbreak». Fox News. Consultado em 16 de março de 2020 
  202. «All of next week's UEFA matches postponed». UEFA. 13 de março de 2020 
  203. Edwards, Harry (13 de março de 2020). «Premier League 2019/20 season suspended after coronavirus cases at Chelsea, Arsenal and more». squawka.com 
  204. Close, David; Jackson, Amanda. «NBA suspends its season after player tests positive for coronavirus». CNN. Consultado em 12 de março de 2020. Cópia arquivada em 12 de março de 2020 
  205. «NHL statement on coronavirus». National Hockey League. 12 de março de 2020. Consultado em 13 de março de 2020. Cópia arquivada em 14 de março de 2020 
  206. «Olimpíadas de Tóquio são adiadas para 2021, depois de pedido de primeiro-ministro do Japão». G1. 24 de março de 2020. Consultado em 24 de março de 2020 
  207. «How the coronavirus outbreak is roiling the film and entertainment industries». Vox. 13 de março de 2020 
  208. «Coronavirus brings entertainment world to a standstill». Associated Press. 13 de março de 2020 
  209. «Broadway theaters to suspend all performances because of coronavirus». CNN. 12 de março de 2020. Consultado em 13 de março de 2020. Cópia arquivada em 13 de março de 2020 
  210. Kelli Skye Fadroski, "Coronavirus canceled their concerts, so artists like Yungblud are looking to live stream shows to fans". Daily Breeze, 15 de março de 2020.
  211. Wayne Alan Brenner, "The Social Distancing Festival Is Live Online". Austin Chronicle, 15 de março de 2020.
  212. a b Leo Sher (Outubro de 2020). «The impact of the COVID-19 pandemic on suicide rates». QJM: An International Journal of Medicine. 113: 707-712. doi:10.1093/qjmed/hcaa202. Multiple lines of evidence indicate that the coronavirus disease 2019 (COVID-19) pandemic has profound psychological and social effects. The psychological sequelae of the pandemic will probably persist for months and years to come. Studies indicate that the COVID-19 pandemic is associated with distress, anxiety, fear of contagion, depression and insomnia in the general population and among healthcare professionals. [...] COVID-19 survivors may also be at elevated suicide risk. The COVID-19 crisis may increase suicide rates during and after the pandemic. Mental health consequences of the COVID-19 crisis including suicidal behavior are likely to be present for a long time and peak later than the actual pandemic. 
  213. Leo Sher (25 de abril de 2020). «COVID-19, anxiety, sleep disturbances and suicide». Sleep Medicine. 70: 124. doi:10.1016/j.sleep.2020.04.019. During the epidemic of a highly contagious coronavirus 2019 disease (COVID-19) that was identified in China at the end of 2019, the risk of suicide may be exacerbated [...] The COVID-19 epidemic is associated with anxiety, depression, distress, sleep disturbances, and suicidality 
  214. a b Chunfeng Xiao (25 de fevereiro de 2020). «A Novel Approach of Consultation on 2019 Novel Coronavirus (COVID-19)-Related Psychological and Mental Problems: Structured Letter Therapy». Psychiatry Investigation. 17. doi:10.30773/pi.2020.0047. At present, in order to prevent the spread of the epidemic, the Chinese government has implemented strict self- and forced-quarantine measure across the country. [...] Quarantine for COVID-19 on the one hand increases the possibility of psychological and mental problems. 
  215. a b David Gunnell (21 de abril de 2020). «Suicide risk and prevention during the COVID-19 pandemic». The Lancet Psychiatry. doi:10.1016/S2215-0366(20)30171-1. The mental health effects of the coronavirus disease 2019 (COVID-19) pandemic might be profound1 and there are suggestions that suicide rates will rise [...] The likely adverse effects of the pandemic on people with mental illness, and on population mental health in general, might be exacerbated by fear, self-isolation, and physical distancing 
  216. Beatriz Schmidt (18 de maio de 2020). «Saúde mental e intervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)». Estud. psicol. (Campinas). 37. ISSN 1982-0275. doi:10.1590/1982-0275202037e200063. Sintomas de depressão, ansiedade e estresse diante da pandemia têm sido identificados na população geral e, em particular, nos profissionais da saúde 
  217. Md. Akhtarul Islam (26 de agosto de 2020). «Depression and anxiety among university students during the COVID-19 pandemic in Bangladesh: A web-based cross-sectional survey». POS ONE. doi:10.1371/journal.pone.0238162. This unprecedented experience of ‘home quarantine’ under lockdown with the uncertainty of academic and professional career has multifaceted impacts on the mental health of students. [...] the sudden joblessness and financial insecurity are putting the university students in an unpleasant situation, affecting their socioeconomic and mental well-being [...] Approximately two-thirds of the students are getting depressed thinking they might be falling academically behind their contemporaries in other parts of the world during the prolonged closure of universities 
  218. Remya Lathabhavan (Outubro de 2020). «First case of student suicide in India due to the COVID-19 education crisis: A brief report and preventive measures». Asian J Psychiatr. doi:10.1016/j.ajp.2020.102202. The education sector has faced enormous challenges since the lockdowns (implemented to minimize the spread of COVID-19) and led to the complete closure of all academic institutions worldwide. To tackle this issue, home schooling and the widespread use of remote teaching has been introduced via online learning modules and television. However, the mental health of students who do not have access to these facilities is of great concern and needs to be rectified with immediate effect. 
  219. «Fears of new virus trigger anti-China sentiment worldwide». The Korea Times. 2 de fevereiro de 2020 
  220. «Coronavirus fuels anti-Chinese discrimination in Africa». Deutsche Welle. 19 de fevereiro de 2020 
  221. «Chinese industrial workers subject to mandatory coronavirus isolation in Ethiopia». Panapress.com. 28 de fevereiro de 2020 
  222. «Italy Shows Just How Crazy Coronavirus Panic Can Get». The Daily Beast. 29 de fevereiro de 2020 
  223. «Italians Are Being Treated as a Risk Abroad Over Coronavirus». The Wall Street Journal. 28 de fevereiro de 2020 
  224. Solhi, Farah (26 de janeiro de 2020). «Some Malaysians calling for ban on Chinese tourists». New Straits Times. Consultado em 12 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2020 
  225. «Calm urged as anti-Chinese sentiment felt in New Zealand». The New Zealand Herald. Consultado em 6 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2020 
  226. della Cava, Marco; Lam, Kristin. «Coronavirus is spreading. And so is anti-Chinese sentiment and xenophobia.». USA Today. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2020 
  227. «Not Enough Doctors in Daegu: As Virus Cases Rise, South Korea's Response Is Criticized». The Wall Street Journal. 24 de fevereiro de 2020 
  228. Kim, Sarah. «As The Coronavirus Spreads, So Does Racism – Both Against And Within Asian Communities». Forbes. Consultado em 2 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2020 
  229. «'You deserve the coronavirus': Chinese people in UK abused over outbreak». Sky News. Consultado em 25 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2020 
  230. «London Racially Motivated Assault due to Coronavirus». ITV News. Consultado em 4 de março de 2020 
  231. «Protesters attack buses carrying Wuhan evacuees in Ukraine». CNN. 21 de fevereiro de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 
  232. «Students from Northeast complain of racism at Kirori Mal College». The Times of India. Consultado em 21 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2020 
  233. «Coronavirus outbreak stokes anti-Asian bigotry worldwide». Japan Times. 18 de fevereiro de 2020. ISSN 0447-5763. Consultado em 18 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2020 
  234. «Chinese targeted in Russia raids as coronavirus fears spread». Associated Press. 23 de fevereiro de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 – via South China Morning Post 
  235. «Chinesische Botschaft sorgt sich um zunehmende Anfeindungen». Rundfunk Berlin-Brandenburg. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 9 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2020 
  236. Cassard, Jeanne (22 de janeiro de 2020). «Coronavirus : de jeunes Français d'origine asiatique pris à partie en Seine-et-Marne». Le Parisien (em francês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  237. Boissais, Valentin (1 de fevereiro de 2020). «Coronavirus : en France, la stigmatisation anti-chinoise s'invite dans les cours d'école». France Inter (em francês). Consultado em 26 de fevereiro de 2020 
  238. «Người Á không lạ chuyện bị kỳ thị, virus corona còn làm mọi thứ tệ hơn». Zing.vn (em vietnamita). 1 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  239. Friedman, Uri (27 de março de 2020). «Bolsonaro Leads the Coronavirus-Denial Movement». The Atlantic. Consultado em 1 de abril de 2020 
  240. Watson, Katy. «Coronavirus: Brazil's Bolsonaro in denial and out on a limb - BBC News». Bbc.com. Consultado em 1 de abril de 2020 
  241. Cowie, Sam. «Deny and defy: Bolsonaro's approach to the coronavirus in Brazil». Al Jazeera. Consultado em 1 de abril de 2020 
  242. Ward, Alex. «Coronavirus: How Trump and other world leaders who denied the threat endangered us». Vox. Consultado em 1 de abril de 2020 
  243. «Subscribe to The Australian | Newspaper home delivery, website, iPad, iPhone & Android apps». www.theaustralian.com.au 
  244. «China coronavirus: Misinformation spreads online about origin and scale». BBC News Online. 30 de janeiro de 2020. Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2020 
  245. McDonald, Jessica (24 de janeiro de 2020). «Social Media Posts Spread Bogus Coronavirus Conspiracy Theory». Factcheck.org. Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2020 
  246. Lytvynenko, Jane. «Here's A Running List of Disinformation Spreading About the Coronavirus». BuzzFeed. Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2020 
  247. Ghaffary, Shirin; Heilweil, Rebecca (31 de janeiro de 2020). «How tech companies are scrambling to deal with coronavirus hoaxes». Vox. Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2020 
  248. Richtel, Matt (6 de fevereiro de 2020). «W.H.O. Fights a Pandemic Besides Coronavirus: an 'Infodemic'». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 7 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2020 
  249. Paul, Katie (1 de fevereiro de 2020). «As coronavirus misinformation spreads on social media, Facebook removes posts». Reuters. Consultado em 7 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2020 
  250. a b Novel Coronavirus (‎2019-nCoV)‎: situation report, 13 (PDF). World Health Organization (Relatório). 2020. hdl:10665/330778 
  251. Rogers, Katie; Hauser, Christine; Yuhas, Alan; Haberman, Maggie (24 de abril de 2020). «Trump's Suggestion That Disinfectants Could Be Used to Treat Coronavirus Prompts Aggressive Pushback». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 25 de abril de 2020 
  252. Yi, Man (4 de fevereiro de 2020). «Coronavirus: UN health agency moves fast to tackle 'infodemic'; Guterres warns against stigmatization». UN News. United Nations. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2020 
  253. Elassar, Alaa (17 de março de 2020). «One dangerous coronavirus 'self-check test' is circulating on social media. Here's why you should avoid it.». CNN. Consultado em 17 de março de 2020 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Categoria no Commons
  Categoria no Wikinotícias