Banco

instituição financeira
(Redirecionado de Bancos)
 Nota: ""Bancários"" redireciona para este artigo. Para o bairro paraibano, veja Bancários (João Pessoa). Para outras acepções de "banco", veja Banco (desambiguação).

Um banco é uma instituição financeira que aceita depósitos do público e cria um depósito à vista e, ao mesmo tempo, concede empréstimos.[1] As atividades de empréstimo podem ser realizadas diretamente pelo banco ou indiretamente através dos mercados de capitais.[2]

Embora os bancos desempenhem um papel importante na estabilidade financeira e na economia de um país, a maioria das jurisdições exerce um elevado grau de regulação sobre os bancos. A maioria dos países institucionalizou um sistema conhecido como sistema de reservas fracionárias, segundo o qual os bancos detêm ativos líquidos iguais a apenas uma parte dos seus passivos correntes. Além de outras regulamentações destinadas a garantir a liquidez, os bancos estão geralmente sujeitos a requisitos de capital mínimos com base num conjunto internacional de padrões de capital, os Acordos de Basileia.

A atividade bancária, no seu sentido moderno, evoluiu no século XIV nas cidades prósperas da Itália renascentista, mas funcionou em muitos aspectos como uma continuação de ideias e conceitos de crédito e empréstimos que tinham as suas raízes no mundo antigo. Na história da banca, uma série de dinastias banqueiras – nomeadamente, os Medicis, os Fuggers, os Welsers, os Berenbergs e os Rothschilds – desempenharam um papel central ao longo de muitos séculos. O banco de varejo mais antigo existente é o Monte dei Paschi di Siena (fundado em 1472), enquanto o banco comercial mais antigo existente é o Berenberg Bank (fundado em 1590).

História editar

 
Esta pintura do século XV retrata negociantes de dinheiro em uma banca (banco) durante a Purificação do Templo

Acredita-se que a banca como atividade arcaica (ou quase bancária[3][4]) tenha começado já no final do 4.º milênio a.C.,[5] até o 3.º milênio a.C.[6][7]

Medieval editar

A era atual da atividade bancária pode ser atribuída à Itália medieval e ao início da Renascença, às cidades ricas do centro e do norte, como Florença, Luca, Siena, Veneza e Gênova. As famílias Bardi e Peruzzi dominaram o setor bancário na Florença do século XIV, estabelecendo filiais em muitas outras partes da Europa.[8] Giovanni di Bicci de' Medici fundou um dos bancos italianos mais famosos, o Banco Medici, em 1397.[9] A República de Gênova fundou o primeiro banco estatal de depósito conhecido, e o Banco di San Giorgio (Banco de São Jorge), em 1407 em Gênova, Itália.[10]

Início da era moderna editar

 
Selamento da Carta do Banco da Inglaterra (1694), por Lady Jane Lindsay, 1905

O sistema bancário de reservas fracionárias e a emissão de notas surgiram nos séculos XVII e XVIII. Os comerciantes passaram a armazenar o seu ouro junto aos ourives de Londres, que possuíam cofres privados, e que cobravam uma taxa por esse serviço. Em troca de cada depósito de metal precioso, os ourives emitiam recibos atestando a quantidade e pureza do metal que detinham como depositário; esses recibos não podiam ser atribuídos, apenas o depositante original poderia recolher os bens armazenados.

Gradualmente, os ourives começaram a emprestar dinheiro em nome do depositante, e notas promissórias (que evoluíram para notas bancárias) foram emitidas para o dinheiro depositado como empréstimo ao ourives. Assim, no século XIX, encontramos em casos normais de depósitos de dinheiro junto de empresas bancárias, ou banqueiros, que a transação equivale a um mero empréstimo ou mútuo, e o banco deve restituir, não o mesmo dinheiro, mas uma soma equivalente, sempre que é exigido[11] e o dinheiro, quando pago a um banco, deixa de ser o dinheiro do principal (ver Parker v. Marchant, 1 Phillips 360); é então o dinheiro do banqueiro, que é obrigado a devolver um equivalente pagando uma quantia semelhante à que lhe foi depositada quando lhe foi solicitado.[12] O ourives pagava juros sobre os depósitos. Como as notas promissórias eram pagáveis ​​à vista e os adiantamentos (empréstimos) aos clientes dos ourives eram reembolsáveis ​​ao longo de um período de tempo mais longo, esta foi uma das primeiras formas de sistema bancário de reservas fracionárias. As notas promissórias desenvolveram-se num instrumento transferível que poderia circular como uma forma segura e conveniente de dinheiro[13] apoiada pela promessa de pagamento do ourives,[14] permitindo aos ourives adiantar empréstimos com pouco risco de incumprimento.[15] Assim, os ourives de Londres tornaram-se os precursores do sistema bancário, criando novo dinheiro baseado no crédito.

 
Interior da filial de Helsinque do Vyborg-Bank na década de 1910

O Banco da Inglaterra originou a emissão permanente de notas em 1695.[16] O Banco Real da Escócia estabeleceu o primeiro cheque especial em 1728.[17] No início do século XIX, o Lubbock's Bank havia estabelecido uma câmara de compensação de banqueiros em Londres. para permitir que vários bancos compensem transações. Os Rothschilds foram os pioneiros nas finanças internacionais em grande escala,[18][19] financiando a compra de ações no canal de Suez para o governo britânico em 1875.[20]

Etimologia editar

A palavra banco vem do francês médio banque, do italiano antigo banco, que significa "mesa", do alto-alemão antigo banc, bank "banco, balcão". Os bancos eram usados ​​como mesas improvisadas ou balcões de câmbio durante a Renascença pelos banqueiros florentinos, que faziam suas transações em cima de mesas cobertas por toalhas verdes.[21][22]

Referências

  1. Compare: «Bank of England». Rulebook Glossary. 1 de janeiro de 2014. Consultado em 20 de julho de 2020. bank means:
    (1) a firm with a Part 4A Permission to carry on the regulated activity of accepting deposits and is a credit institution, but is not a credit union, friendly society or a building society; or
    (2) an EEA bank.
     
  2. Choudhry, Moorad (2012). The Principles of Banking (em inglês). [S.l.]: Wiley. 3 páginas. ISBN 978-1119755647 
  3. M. Chahin – The Kingdom of Armenia: A History Routledge, 2001 ISBN 0700714529
  4. ME Stevens Temples, Tithes, and Taxes: The Temple and the Economic Life of Ancient Israel Baker Academic, 2006 ISBN 0801047773
  5. N Luhmann – Risk: A Sociological Theory Transaction Publishers, 2005 ISBN 0202307646 (p. 181)
  6. Davies, R; Davies, G. A History of Money from Ancient Times to the Present Day. [S.l.]: Cardiff: University of Wales Press, 1996 
  7. naissance de la banque universalis.fr Accessed 15 September 2018
  8. Hoggson, N. F. (1926) Banking Through the Ages, New York, Dodd, Mead & Company.
  9. Goldthwaite, R. A. (1995) Banks, Places and Entrepreneurs in Renaissance Florence, Aldershot, Hampshire, Great Britain, Variorum
  10. Macesich, George (30 de junho de 2000). «Central Banking: The Early Years: Other Early Banks». Issues in Money and Banking. Westport, Connecticut: Praeger Publishers (Greenwood Publishing Group). p. 42. ISBN 978-0-275-96777-2. Consultado em 12 de março de 2009. The first state deposit bank was the Bank of St. George in Genoa, which was established in 1407. 
  11. Compare: Story, Joseph (1832). «On Deposits». In: Schouler, James. Commentaries on the Law of Bailments: With Illustrations from the Civil and the Foreign Law 9 ed. Boston: Little, Brown, and Company (publicado em 1878). p. 87. Consultado em 20 de agosto de 2020. In the ordinary cases of deposits of money with banking corporations, or bankers, the transaction amounts to a mere loan or mutuum, or irregular deposit, and the bank is to restore, not the same money, but an equivalent sum, whenever it is demanded. 
  12. Lord Chancellor Cottenham, Foley v Hill (1848) 2 HLC 28.
  13. Richards, Richard D. (1929). «The Goldsmith bankers and the evolution of English paper money». The Early History of Banking in England. Col: Routledge Library Editions: Banking and Finance. 30 reprint ed. London: Routledge (publicado em 2012). p. 40. ISBN 9780203116067. Consultado em 20 de agosto de 2020. [...] the promissory note originated as a receipt given by the goldsmith for money, which he took charge of for a customer but was not allowed to use. Such a note was relly a warehouse voucher which could not be assigned. When, however, it became a receipt for a money deposit, which the goldsmith was allowed to use for the purpose of making advances to his customers, it developed into an assignable instrument. Ultimately such notes were issued by the goldsmiths in the form of loans and were not necessarily backed by coin and bullion. 
  14. Richards. The usual denomination was 50 or 100 pounds, so these notes were not an everyday currency for the common people.
  15. Richards, p. 40
  16. «A History of British Banknotes». britishnotes.co.uk 
  17. «A short history of overdrafts». eccount money. Arquivado do original em 5 de novembro de 2013 
  18. «The History of Banks | How They've Changed through the Years». www.worldbank.org.ro. Consultado em 6 de maio de 2020. International financing in the 19th Century took hold due to the Rothschilds. 
  19. «History of banking». History World. Consultado em 20 de agosto de 2020. The Danish loan [1803] is the first of many such transactions on behalf of governments which rapidly establish the Rothschild family as Europe's most powerful bankers, rising to a pre-eminence comparable to that of the Medici and the Fugger in earlier centuries.
    The family is soon represented in all the important centres of the continent.
     
  20. «A History of Banking». www.localhistories.org. Consultado em 6 de maio de 2020 
  21. de Albuquerque, Martim (1855). Notes and Queries. in: George Bell. p. 431 
  22. «bank | Origin and meaning of bank by Online Etymology Dictionary». www.etymonline.com 

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Banco