Batalha de Carbala (2003)

A Batalha de Carbala[2] ou Querbela[3][4] (em árabe: :كربلاء; romaniz.: Karbala, Kerbala ou Kerbela) foi um confronto militar que aconteceu durante a invasão anglo-americana do Iraque em 2003, quando tropas dos Estados Unidos atacaram a cidade de Carbala, na região central do país. O município era importante estrategicamente pois ficava no meio do caminho rumo a Bagdá. Karbala era protegida por milicianos iraquianos e a luta foi feroz. A batalha durou perto de duas semanas e terminou como uma vitória do exército americano.[5]

Batalha de Carbala
Invasão do Iraque em 2003
Iraqi Type 69 tank and Type 653 ARV.JPEG
Dois tanques de guerra iraquianos (incluindo um modelo Type 69) destruídos pelo aviação aliada.
Data 23 de março6 de abril de 2003
Local Carbala, Iraque
Desfecho Vitória dos Estados Unidos
Beligerantes
Flag of Iraq (1991-2004).svg Iraque  Estados Unidos
Comandantes
Flag of Iraq (1991-2004).svg Ra'ad al-Hamdani
Flag of Iraq (1991-2004).svg Riyadh Hussein Nayeri
Flag of Iraq (1991-2004).svg Faiq Abdullah Mikbas
Flag of Iraq (1991-2004).svg Hamid Ismail Darash
Estados Unidos Gen. David Petraeus
Estados Unidos Gen. Buford Blount II
Forças
Flag of Iraq (1991-2004).svg Guarda Republicana Iraquiana (divisões Medina e Nizar)
Flag of Iraq (1991-2004).svg Fedayeen Saddam
Síria Mercenários sírios
Estados Unidos 3ª Divisão de Infantaria
Estados Unidos 1ª Divisão Blindada
Estados Unidos 101ª Divisão Aerotransportada
Baixas
170 – 260 mortos na cidade[1]
680 – 940 mortos nas áreas vizinhas, com dezenas de veículos blindados destruídos[1]
13 mortos
1 tanque M1 Abrams avariado
1 M2A2 Bradley destruído
1 caça FA-18 abatido (por fogo amigo)
1 helicóptero UH-60 abatido

Nas cercanias de Carbala e na área perto da cidade de Muçaibe, as forças iraquianas se posicionaram para tentar formar uma última linha de defesa. Contudo, o general Ra'ad al-Hamdani recebeu ordens para contra-atacar as tropas americanas por lá para prevenir a queda da região. Apesar de não concordar com o plano, ele obedeceu e na batalha que se seguiu seus soldados foram massacrados.[1]

Com Carbala nas mãos dos americanos, não havia nada que os impedisse de marchar para Bagdá, a capital do país.[1]

Referências

BibliografiaEditar

  • Dias, Eduardo (1940). Árabes e muçulmanos. Lisboa: Livraria clássica editora, A. M. Teixeira & c.a. 
  • Dicionário prático ilustrado. Porto: Lello e Irmão. 1967 
  • Editores (1967). Enciclopédia brasileira mérito Vol. XVI. Rio de Janeiro: Editôra Mérito S. A.