M1 Abrams

veículo de combate americano

O M1 Abrams é um tanque de guerra de terceira geração dos Estados Unidos desenhado pela Chrysler Defense (atualmente General Dynamics Land Systems),[2] recebendo seu nome em honra ao General Creighton Abrams. Concebido para guerra terrestre blindada moderna e agora um dos tanques mais pesados em serviço com quase 68 toneladas curtas (62 toneladas métricas), introduziu várias tecnologias modernas para as forças blindadas dos Estados Unidos, incluindo um motor de turbina multicombustível, blindagem composta Chobham sofisticada, um sistema de controle de incêndio por computador, armazenamento separado de munição em um compartimento de explosão e proteção NBC para sua tripulação. Modelos iniciais do M1 foram armados com o canhão britânico Royal Ordnance L7 de 105 mm, com as variantes posteriores utilizando o canhão Rheinmetall L/44 alemão de 120 mm.

M1 Abrams

Um M1A2 em serviço no Iraque
Tipo Carro de combate principal
Local de origem  Estados Unidos
História operacional
Em serviço 1980–presente
Guerras Guerra do Golfo, Guerra do Afeganistão (2001–2021), Guerra do Iraque, Guerra Civil Iraquiana, Intervenção militar saudita no Iêmen, Guerra Russo-Ucraniana, entre outras
Histórico de produção
Criador Chrysler Defense (hoje General Dynamics Land Systems)
Data de criação 1972–1975
Fabricante Lima Army Tank Plant (1980–presente)
Detroit Arsenal Tank Plant (19821996)
Custo unitário US$ 6,21 milhão (M1A2)
Período de
produção
1979–presente
Quantidade
produzida
10 400[1]
Especificações
Peso M1: 54 toneladas
M1A1: 57 toneladas
M1A1 SA: 61,3 toneladas
M1A2 SEP v2: 64,6 toneladas
M1A2 SEP v3: 66,8 toneladas
Comprimento 9,77 m
Largura 3,66 m
Altura 2,44 m
Tripulação 4 (comandante, artilheiro, carregador, condutor)
Blindagem do veículo Blindagem Chobham, RHA, Placas de urânio empobrecido e malha de Kevlar
M1: casco e torre 350mm contra APFSDS, 700mm HEAT
M1A1: casco e torre 600mm contra APFSDS, 700mm contra HEAT
M1A1HA: casco 600mm contra APFSDS, 700mm HEAT e torre 800mm contra APFSDS e 1300mm HEAT
Armamento
primário
M1: canhão L52 M68 de 105 mm
M1A1, M1A2 e M1A2SEP: canhão L44 M256 de 120 mm
Armamento
secundário
Uma metralhadora Browning M2HB HMG .50 BMG (12,7 mm) e duas metralhadoras M2HB de 7,62 mm, sendo uma montada coaxialmente e a outra acima da torre
Motor Turbina Multi-combustível Honeywell AGT-1500C, Renk HSWL 354
1500 shp (1120 kW)
Peso/potência 24,5 hp/toneladas métricas
Transmissão Allison DDA X-1100-3B
Suspensão Barra de torção
Capacidade de combustível 1,900 l (500 US gallons; 420 imp gal)
Alcance
operacional (veículo)
M1: 498 km
M1A1: 465 km
M1A2: 426 km
Velocidade Estrada: 67,72 km/h
Fora da Estrada (off Road): 48,3 km/h

O M1 Abrams foi desenvolvido a partir do fracasso do projeto MBT-70 para substituir o obsoleto tanque M60. Existem três principais versões operacionais do Abrams, sendo o M1, M1A1 e M1A2, com cada novo modelo vendo melhorias em armamento, proteção e eletrônica. Melhorias extensas foram implementadas para o mais recente M1A2 System Enhancement Package versão 3 ou SEPv3 e M1A2 SEPv4, respectivamente, versões como blindagem composta aprimorada, melhor ótica, sistemas digitais e munição.[3] O Abrams deveria ser substituído pelo Sistema de Combate Montado XM1202, mas desde que o projeto foi cancelado, os militares dos Estados Unidos optaram por continuar mantendo e operando a série M1 no futuro previsível, atualizando com ótica, blindagem e poder de fogo aprimorados.

O M1 Abrams entrou em serviço em 1980 e serve como o principal tanque de batalha do Exército dos Estados Unidos e anteriormente do Corpo de Fuzileiros Navais (USMC) também. Uma versão de exportação também foi produzida e é utilizada por países como Egito, Kuwait, Arábia Saudita, Austrália, Polônia e Iraque. O Abrams foi utilizado pela primeira vez em combate na Guerra do Golfo e depois viu ação nos conflitos no Afeganistão e no Iraque a serviço nos Estados Unidos. Outros países também utilizaram o M1 em guerras locais, como o próprio Iraque na sua luta contra o Estado Islâmico e a Arábia Saudita durante a Guerra Civil Iemenita.

História

editar

Desenvolvimentos iniciais

editar
 Ver artigo principal: MBT-70
 
Uma variante do projeto MBT70

Durante a década de 1960, o Exército dos Estados Unidos e o Exército da Alemanha Ocidental colaboraram em um único projeto que substituiria tanto o tanque M60 quanto o Leopard 1. O objetivo geral era ter um novo design único com poder de fogo aprimorado para lidar com novos tanques soviéticos como o T-62, ao mesmo tempo em que oferecia proteção aprimorada contra o novo canhão de 115 mm de alma lisa do T-62 e especialmente contra munição HEAT (sigla em inglês para munição "antitanque altamente explosiva").[4]

O resultado do projeto, o MBT-70, incorporava novas tecnologias em toda a linha. Uma suspensão hidropneumática fornecia excelente qualidade de direção cross-country e também permitia que todo o tanque fosse levantado ou abaixado pelo motorista,com a posição mais baixa colocando o topo do tanque apenas 1,8 metros do solo. Um novo motor de 1 500 hp (ou 1 100 kW) que podia alcançar 69 km/h foi adicionado, além de um canhão americano de 152 mm de longo alcance capaz de disparar um míssil antitanque MGM-51 Shillelagh, enquanto os alemães introduziram o Rheinmetall Rh-120 de 120 mm.[4]

Embora o design fosse altamente capaz, seu peso era alto e continuava a crescer, assim como seu orçamento. Em 1969, o custo unitário ficou cerca de cinco vezes maior que as estimativas originais, fazendo com que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos suspendesse o programa.[5] O desenvolvimento do tanque continuou de forma austera até janeiro de 1970, quando o Departamento de Defesa encerrou sua parceria com a Alemanha.[6]

Em decorrência dos problemas com o MBT-70, o exército dos Estados Unidos introduziu o programa XM803, usando algumas tecnologias do MBT-70, mas removendo alguns dos recursos mais problemáticos. Isso conseguiu apenas produzir um sistema caro com recursos semelhantes ao M60. O Congresso cancelou o XM803 em dezembro de 1971, mas permitiu que o Exército realocasse US$ 20 milhões de fundos restantes para desenvolver um novo tanque de batalha principal.[7]

O projeto é renovado

editar
 
O Laboratório de Pesquisa Balística (BRL) usou ferramentas computadorizadas durante o desenvolvimento do M1, o que levou a criação do BRL-CAD. Na imagem, um terminal gerador de 3D gráfico da Vector General mostra um modelo do M1.

O estabelecimento de pesquisa, o Comando Tanque-automotivo e Armamentos (TACOM, na sigla em inglês), começou a examinar objetivos específicos. Depois de várias rodadas de pesquisas, foi tomada a decisão de fornecer blindagem para derrotar a "ameaça pesada" representada pelo canhão de 115 mm do T-62, usando melhorias projetadas de sua munição "sabot de descarte estabilizado por aletas perfurante de blindagem" (ou APFSDS) pelos anos 80 e o novo canhão de 125 mm dos tanques soviéticos T-64 e T-72 que disparavam munição de alta-explosiva.[8] Para este fim, uma nova base de design surgiu em fevereiro de 1973. O veículo teria que derrotar qualquer tiro de uma arma soviética dentro de 800 metros e 30 graus para cada lado. O tanque seria armado com um canhão M68 de 105 mm, uma versão licenciada do Royal Ordnance L7, e também teria outra versão que seria armada também com um canhão automático de 20 mm, o M242 Bushmaster.[9]

Em maio de 1973, Chrysler Defense e General Motors apresentaram suas propostas. Ambos eram armados com um canhão M68 de 105 mm, a versão licenciada do L7 e o Bushmaster de 20 mm. Chrysler escolheu o motor de Turbina a gás modelo Lycoming AGT1500 de 1 500 hp. O modelo da GM tinha um motor de 1 500 hp a diesel similar que era usado no MBT-70 e no XM803.[8]

Examinando as experiências da Guerra do Yom Kippur daquele ano, várias mudanças de design foram feitas. A recém concebida blindagem "Burlington" do laboratório do exército britânico foi incorporado para melhorar a proteção, especialmente contra munição explosiva (HEAT) e incorporar o novo pacote de blindagem, o objetivo original de manter o peso sob 45 toneladas foi abandonado. O canhão Bushmaster foi visto como supérfluo e eliminado. Como a TACOM continuou a melhorar o projeto detalhado, amostras iniciais do sistema de blindagem foram enviadas para o Laboratório de Pesquisa Balística para testes.[8]

Na época, o sistema de compras do Pentágono estava cheio de problemas causados pelo desejo de ter o melhor design possível. Isso muitas vezes resultava no cancelamento de programas devido a estouros de custos, deixando as forças com sistemas desatualizados, como era o caso do MBT-70. Houve um forte movimento dentro do Exército para obter um novo projeto dentro do orçamento para evitar que a experiência do MBT-70 se repetisse. Para o novo projeto, o exército declarou que o custo unitário não seria superior a US$ 507,000 em dólares de 1972 (o equivalente a US$ 3,3 milhões de dólares em 2021).[10]

A abordagem do Pentágono para controle de pesquisa e desenvolvimento foi modificada com o XM1. A estratégia de aquisição anterior exigia que uma parte significativa do trabalho de design fosse feita pelo governo. Sob a nova estrutura, os empreiteiros licitariam seus próprios projetos de forma competitiva, em vez de competir apenas pelo direito de fabricar o produto final.[11]

Mudanças adicionais

editar
 
Um M1A1 e seu canhão de 105 mm

Durante o período em que os protótipos iniciais estavam sendo construídos, surgiu um debate entre a Alemanha e os Estados Unidos sobre o uso do canhão de 105 mm. O exército estava planejando introduzir vários novos tipos de munição para o 105 mm que melhorariam muito seu desempenho, notavelmente, o XM-774 usaria munição de urânio empobrecido. Essa munição daria o desempenho necessário para derrotar qualquer tanque soviético com facilidade. Havia alguma preocupação de que o urânio empobrecido não seria permitido na Alemanha, talvez apenas em tempos de paz, então melhorias no núcleo de tungstênio M735 também foram consideradas.

Durante este mesmo período, houve um esforço contínuo para melhorar a logística da OTAN, padronizando a munição ao máximo grau possível. Os alemães estavam avançando com seu canhão de 120 mm no Leopard 2K e observaram que os britânicos também haviam introduzido um canhão de 120 mm próprio, de acordo com sua doutrina de combate de longo alcance. Em 1977, foi tomada a decisão de modificar o armamento do novo tanque americano para um canhão de 120 mm. Após testes comparativos feitos entre os modelos Royal Ordnance L11A5 e Rheinmetall Rh-120, este último foi escolhido. Os designs das torres dos dois protótipos foram modificados para permitir a instalação de qualquer uma das armas. Embora o canhão L11/M256 de 120mm foi escolhido como a arma principal do M1 Abrams em 1979, a munição aprimorada para a arma ainda não estava totalmente desenvolvida, atrasando assim seu uso até 1984.[12]

As primeiras versões de produção do M1 Abrams (M1 & IPM1) foram armadas com o canhão M68A1[8] por duas razões. A primeira foi devido ao grande número de tanques M60 com o canhão M68E1 ainda em serviço generalizado nos Estados Unidos na década de 1980 e um grande estoque disponível de munições de 105 mm. Encaixar o M1 com o canhão M68A1 foi visto como uma solução econômica e prática que permitia munição comum entre os dois tipos de tanques.[13] Segundamente, o M68A1 poderia empregar a recém-desenvolvida munição de urânio empobrecido APFSDS M900 que melhorou o desempenho de penetração em comparação com o M774.[14]

Protótipos

editar
Protótipos do XM1
Chrysler
General Motors

Os protótipos foram entregues em 1976 pela Chrysler e pela GM, armados com a versão licenciada do M68E1, do Royal Ordnance L7, de 105 mm. Eles entraram no teste frente a frente em Aberdeen Proving Ground, junto com o protótipo do Leopard 2 AV para comparação. O Leopard 2 foi encontrado para atender aos requisitos dos Estados Unidos, mas foi pensado que custava mais.[8] O teste mostrou que o design da GM era geralmente superior ao da Chrysler, oferecendo melhor proteção de blindagem e melhor controle de fogo e sistemas de estabilização da torre.[10] Esses primeiros protótipos de pré-produção foram armados provisoriamente com o canhão principal M68E1 de 105 mm, enquanto um canhão preferido de 120 mm e sua munição estavam em fase de projeto e desenvolvimento de componentes. Esses protótipos usavam uma montagem combinada que permitia avaliar armas de 105 mm e 120 mm.[15]

Durante o teste, os pacotes de energia de ambos os projetos provaram ter problemas. O motor de turbina a gás da Chrysler tinha extensos sistemas de recuperação de calor na tentativa de melhorar sua eficiência de combustível para algo semelhante a um tradicional motor de combustão interna. Isso provou não ser o caso, com o motor consumindo muito mais combustível do que o esperado, queimando 3,8 galões por milha (ou 890 litros por 100 km). O desenho da GM usou um novo design de diesel de compressão variável.[10]

Na primavera de 1976, a decisão de escolher o design da GM foi em grande parte completa. Além de oferecer melhor desempenho geral, havia preocupações com o motor da Chrysler, tanto do ponto de vista da confiabilidade quanto do consumo de combustível. O programa da GM também era um pouco mais barato no geral, custando US$ 208 milhões em comparação com US$ 221 milhões da Chrysler. Em julho de 1976, o tenente-coronel George Mohrmann preparou uma pilha de cartas informando o Congresso sobre a decisão de seguir em frente com o projeto da GM. Tudo o que era necessário era a aprovação final pelo Secretário de Defesa, Donald Rumsfeld.[10]

A Chrysler é escolhida

editar

Em 20 de julho de 1976, o Secretário do Exército dos Estados Unidos Martin Hoffman e um grupo de generais visitaram o vice-Secretário de Defesa Bill Clements e o Diretor de Pesquisa e Engenharia de Defesa Malcolm Currie para anunciar sua decisão de indicar o projeto da GM. Eles ficaram surpresos quando Clements e Currie criticaram sua decisão e exigiram que a turbina fosse selecionada. Donald Rumsfeld ouviu argumentos de ambos naquela tarde e pediu por 24 horas para considerar as questões. A equipe do Exército passou a noite escrevendo resumos e os apresentou a Rumsfeld na manhã seguinte, que então anunciou um atraso de quatro meses.[10]

Em poucos dias, a GM foi solicitada a apresentar um novo projeto com motor a turbina. De acordo com o Secretário assistente de pesquisa e desenvolvimento Ed Miller, "tornou-se cada vez mais claro que a única solução que seria aceitável para Clements e Currie era a turbina ... Foi uma decisão política que foi tomada e, para todos os efeitos, essa decisão deu o prêmio à Chrysler, já que eles eram o único empreiteiro com turbina a gás".[10] No entanto, o design da Chrysler tinha a vantagem de que todo o pacote de potência tinha espaço para ser substituído por qualquer quantidade de designs de motores, incluindo um a Diesel, se necessário.[8]

O motor de turbina não parecia ser o único motivo para esta decisão. A Chrysler foi a única empresa que parecia estar seriamente interessada no desenvolvimento de tanques; o M60 tinha sido lucrativo para a empresa, que dependia desse programa para grande parte de seu lucro. Em contraste, a GM obtinha apenas cerca de 1% de sua receita com vendas militares, em comparação com 5% da Chrysler, e só apresentou sua oferta após um "apelo especial" do Pentágono.[10]

 
Um protótipo finalizado do M1

Em 12 de novembro de 1976, o Departamento de Defesa concedeu um contrato de US$ 20 bilhões de dólares para desenvolvimento para a empresa Chrysler.[10]

A produção começa

editar

Em janeiro de 1978, um programa foi iniciado[16] para desenvolver uma versão melhorada do canhão de 105mm, o M68A1[17] como uma possível arma alternativa para o M1 Abrams. O novo cano da arma XM24/L55 era 45,72 cm mais longo em comparação com o cano XM24/L52 usado no tanque M60.[18] Ele tinha uma pressão de câmara mais alta,[19] uma culatra reforçada e uma maior velocidade de boca.[20]

A produção inicial de baixa taxa (LRIP, na sigla em inglês) do veículo foi aprovada em 7 de maio de 1979.[9] Em fevereiro de 1982, a divisão da General Dynamics Land Systems (GDLS) comprou a Chrysler Defense, após a Chrysler construir cerca de 1 000 modelos M1.[21] O M1 Abrams foi o primeiro veículo a incorporar a blindagem Chobham.

 
Tanque M1 Abrams com seu canhão de 105 mm do 11º Regimento de Cavalaria Blindada na Área de Treinamento Grafenwöhr na Alemanha, em 1986

Um total de 3 273 M1 Abrams foram produzidos entre 1979 e 1985, com a primeira unidade entrando em serviço para o exército dos Estados Unidos em 1980. Produção começou na empresa estatal LATP, em Lima, Ohio, e também na fábrica da Detroit Arsenal Tank Plant, em Warren, Michigan de 1982 a 1996. O Laboratório de Pesquisa do Exército (ARL) também esteve fortemente envolvido no projeto do tanque com projéteis resistentes à blindagem M1A1, munições de penetração de blindagem M829A2 e alcance de armas aprimorado.[22]

O M1 estava armado com a versão licenciada M68A1 do canhão Royal Ordnance L7 de 105 mm. O tanque apresentava a primeira blindagem Chobham desse tipo. O M1 Abrams foi o primeiro a usar esta blindagem avançada. Consistia em um arranjo de placas de metal, blocos de cerâmica e espaço aberto.[23] Um modelo melhorado chamado M1IP foi produzido brevemente em 1984 e continha atualizações para blindagem e outras pequenas melhorias.

Cerca de 5 000 tanques M1A1 Abrams foram produzidos de 1986 a 1992 e continham o canhão M256 de 120 mm de alma lisa (desenvolvido pela Rheinmetall AG da Alemanha para o Leopard 2), blindagem melhorada (constituído por urânio empobrecido e outros materiais confidenciais) e um sistema de proteção CBRN (para guerra química, biológica, radiológica e nuclear).[24] A produção dos tanques M1 e M1A1 totalizou cerca de 9 000 veículos a um custo de aproximadamente US$ 4,3 milhões por unidade.

Em 1990, um relatório do Projeto de Supervisão Governamental criticou os altos custos do M1 e a baixa eficiência de combustível em comparação com outros tanques de potência e eficácia semelhantes, como o Leopard 2. O relatório foi baseado em dados de fontes do Exército dos Estados Unidos e no registro do Congresso.[25] Em 1999, o custo deste tanque já superava US$ 5 milhões de dólares por veículo.

Quando os Abrams americanos entraram em serviço, eles operaram ao lado do M60A3 nas forças armadas dos Estados Unidos e com outros tanques da OTAN em vários exercícios da Guerra Fria que geralmente aconteciam na Europa Ocidental, especialmente na Alemanha Ocidental. Os exercícios visavam combater as forças soviéticas.

Adaptações feitas antes da Guerra do Golfo (1990-91) deram ao veículo melhor poder de fogo e proteção NBC (sigla em inglês para "Nuclear, Biológica e Química").

Guerra no Golfo Pérsico

editar
 
Tanques Abrams em uma missão durante a Operação Tempestade no Deserto em 1991. Um Bradley IFV e um comboio logístico pode ser visto ao fundo.

O Abrams não havia sido testado em combate até a Guerra do Golfo Pérsico em 1991, durante a Operação Tempestade no Deserto. Um total de 1 848 M1A1s foram deslocados para a Arábia Saudita para participar da libertação do Kuwait. O M1A1 era superior aos blindados T-54/T-55 e T-62 iraquianos (de fabricação soviética). O melhor veículo no arsenal do Iraque era o T-72, importados da União Soviética e da Polônia.[26] Os iraquianos haviam ainda produzido (entre 1989 e 1990) sua própria variante do T-72 (apelidado de "Leão de Bagdá").[26]

Os T-72 iraquianos, como a maioria dos designs de exportação soviéticos, não tinham sistemas de visão noturna e telêmetros modernos, embora eles tivessem alguns tanques de combate noturno com sistemas infravermelhos ativos mais antigos ou equipados com holofotes. Muito poucos tanques M1 foram atingidos pelo fogo inimigo e nenhum foi destruído como resultado direto do fogo inimigo, com nenhuma fatalidade reportada entre as tripulações.[27] Três Abrams foram deixados para trás das linhas inimigas após um rápido ataque à Base Aérea de Talil, ao sul de Nassíria, em 27 de fevereiro. Um deles foi atingido por fogo inimigo e os outros dois afundaram na lama. Os tanques foram destruídos pelas forças dos Estados Unidos para evitar qualquer reivindicação de troféu pelo exército iraquiano.[28] Um total de 23 M1A1s foram danificados ou destruídos durante a guerra. Dos nove tanques Abrams destruídos, sete foram destruídos por fogo amigo e dois destruídos intencionalmente para evitar a captura pelo Exército iraquiano. Alguns outros sofreram pequenos danos de combate, com pouco efeito em sua prontidão operacional.[29]

O M1A1 podia matar outros tanques em alcance superior a 2 500 metros. Este alcance foi crucial no combate contra a geração anterior de tanques de design soviético na Guerra do Golfo, já que o alcance efetivo do canhão principal nos tanques soviéticos/iraquianos era menor do que 2 000 metros. Isso significava que os tanques Abrams podiam atingir os blindados iraquianos antes que o inimigo chegasse ao seu alcance - uma vantagem decisiva nesse tipo de combate. Em incidentes de fogo amigo, a blindagem frontal e a blindagem da torre lateral dianteira sobreviveram a impactos de munição sabot de descarte estabilizado por aleta perfurante direta (APFSDS) de outros M1A1s. Este não foi o caso da blindagem lateral do casco e da blindagem traseira da torre, como ambas as áreas foram penetradas em pelo menos duas ocasiões por ataques não intencionais de munição de urânio empobrecido durante a Batalha de Norfolk.[30]

 
Um M1A1 destruído, onde a parte traseira foi atingida por um míssil AGM-114 Hellfire e penetrado por um disparo de um sabot da esquerda para a direita (ver orifício de saída).

Durante as operações Escudo do Deserto e Tempestade no Deserto alguns M1IP e M1A1s foram modificados localmente no teatro de operações (na zona de guerra) por ordens de trabalho de modificação (MWO) com blindagem homogênea adicional laminada soldada na frente da torre. O M1 pode ser equipado com acessórios como arado de mina e rolo de mina.

As lições da guerra melhoraram as miras das armas do tanque e sua unidade de controle de fogo.

Atualizações

editar

O M1A2 foi uma variante melhorada do M1A1. Dentre as várias melhorias está uma visão termal independente para o comandante, estação de armas, equipamento de navegação de posição e um conjunto completo de controles e exibições vinculados por um barramento de dados digital. Essas atualizações também forneceram ao M1A2 um sistema de controle de incêndio aprimorado.[31] O System Enhancement Package (SEP) para a versão A2 adicionou mapas digitais, eletrônica moderna e um novo sistema de comunicação e controle (o FBCB2), um sistema de resfriamento aprimorado para compensar o calor gerado pelos sistemas de computador adicionais.[32]

O M1A2 SEP também serviu como base para o veículo pesado M104 Wolverine que serve para posicionar pontes. O M1A2 SEPv2 (versão 2) adicionou o sistema de apoio chamado CROWS e CROWS II (Estação de Arma Comum Operada Remotamente), telas coloridas, melhores interfaces, um novo sistema operacional, melhor blindagem frontal e lateral e uma transmissão atualizada para maior durabilidade.[32]

Outras atualizações incluíram blindagem de urânio empobrecido para todas as variantes, uma revisão do sistema que retorna todos os A1s à condição de novo (M1A1 AIM), um pacote de aprimoramento digital para o A1 (M1A1D) e um programa de comunalidade para padronizar peças entre o Exército e o Corpo de Fuzileiros Navais (M1A1HC). Melhorias na capacidade de sobrevivência, letalidade e proteção foram implementadas desde 2014, com manutenções e atualizações periodicas.[33]

Guerra do Iraque

editar
 
Um Abrams cruzando o rio eufrates no Objetivo Peach atravessando uma ponte flutuante construída pelo 299ª Companhia de Engenharia, atravessando uma ponte flutuante, em 2003

Em 2003, as forças dos Estados Unidos invadiram o Iraque e depuseram o líder iraquiano ba'athista Saddam Hussein na Guerra do Iraque durante a Operação Liberdade no Iraque. Algumas tripulação receberam armas antitanques portáteis M136 AT4 sob a suposição de que eles poderiam ter que enfrentar blindados pesados em áreas urbanas apertadas, onde o canhão principal não poderia ser utilizado. Durante a invasão, pelo menos nove Abrams foram colocados fora de ação devido a granadas lançadas por foguete (RPG) disparadas pelos iraquianos.[34]

Uma conquista dos M1A1 foi a destruição de sete T-72 em uma escaramuça à queima-roupa (menos de 50 jardas, ou 46 metros) contra os iraquianos perto de Mahmoudiyah, uma cidade a cerca de 29 km ao sul de Bagdá, sem perdas sofridas.[35] Isso ocorreu em face de tripulações de tanques iraquianos terem sido treinados inadequadamente, a maioria dos quais não havia disparado munição real no ano anterior devido às sanções e não acertavam nem quando disparavam à queima-roupa.[34]

 
Um M1A1 realiza reconhecimento na província de Saladino, no Iraque, setembro de 2004.

Seguindo as lições aprendidas na Operação Tempestade no Deserto, os Abrams e muitos outros veículos de combate dos Estados Unidos usados no conflito foram equipados com modernos Painéis de Identificação de Combate (CIP) para ajudar a identificar o inimigo e reduzir situações de fogo amigo. Os CIPs foram montados nas laterais e na parte traseira da torre, com painéis planos equipados com uma imagem de "caixa" de quatro cantos em cada lado da frente da torre. Alguns tanques Abrams também foram equipados com um compartimento de armazenamento secundário na parte de trás da traseira da torre para permitir que a tripulação carregue mais suprimentos e pertences pessoais.[34]

Vários tanques Abrams irrecuperáveis devido à perda de mobilidade ou outras circunstâncias foram destruídos por forças amigas, geralmente por outros tanques Abrams, para evitar sua captura.[36] Alguns tanques Abrams foram incapacitados por soldados de infantaria iraquianos em emboscadas durante a invasão. Algumas tropas empregaram foguetes antitanque de curto alcance e dispararam contra as lagartas, por trás e por cima. Outros tanques foram colocados fora de ação por incêndios no motor quando o combustível inflamável armazenado externamente na parte de trás da torre era atingido por armas pequenas e derramava no compartimento do motor.[37][38] Em março de 2005, aproximadamente 80 tanques Abrams foram forçados a sair de ação por ataques inimigos[39] e 63 foram enviados de volta para os Estados Unidos para reparos, enquanto dezessete foram danificados em tal nível que não valia a pena mais reparar,[40] com três deles apenas em 2003.[41]

 
Um M1A2 Abrams com um protótipo do Tank Urban Survival Kit, uma atualização do sistema de blindagem e proteção, e a Estação Comum de Armas Operadas Remotamente (CROWS, em inglês),[42] com uma metralhadora .50 na estação do comandante

Vulnerabilidades expostas durante o combate urbano na Guerra do Iraque foram concertados com a implementação das modificações do "Kit de Sobrevivência Urbana para Tanques" (ou TUSK), incluindo atualizações de blindagem e um escudo ao redor da arma secundária M2 Browning. Foi acrescentada proteção na parte traseira e lateral do tanque e melhorias foram implementadas na capacidade de combate e de sobrevivência em ambientes urbanos.[43] Até dezembro de 2006, mais de 530 Abrams foram enviados de volta para os Estados Unidos do Iraque para reparos.[44]

Em maio de 2008, foi relatado que um tanque M1 dos Estados Unidos também foi danificado no Iraque pelo disparo de um RPG-29 "Vampir", de fabricação soviética, feito por um insurgente, que utiliza uma ogiva de alta capacidade explosiva antitanque de carga tandem capaz de penetrar blindagens reativas (ERA), bem como a blindagem composta por debaixo dela.[45] Os Estados Unidos consideraram o RPG-29 uma grande ameaça para a blindagem e se recusaram a permitir que o recém-formado exército iraquiano o comprasse, temendo que caísse nas mãos dos insurgentes.[46]

Serviço no exército iraquiano

editar

Entre 2010 e 2012, os Estados Unidos forneceram 140 tanques M1A1 Abrams reformados ao novo governo do Iraque. Em meados de 2014, os Abrams iraquianos viram ação na luta contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) após a ofensiva do norte do Iraque em junho. Durante três meses, cerca de um terço dos tanques M1 do exército iraquiano foram danificados ou destruídos pelo EIIL e alguns foram capturados por forças inimigas. Até dezembro de 2014, o exército iraquiano tinha apenas cerca de 40 Abrams operacionais restantes. Naquele mês, o Departamento de Estado dos Estados Unidos aprovou a venda de mais 175 Abrams para o Iraque.[47][48][49]

 
Um tanque do exército iraquiano em um exercício

Foi reportado que a milícia iraquiana Kata'ib Hezbollah, apoiada pelo Irã, operava alguns o M1 Abrams e divulgaram publicidade mostrando os tanques sendo transportados por caminhões para participar do Batalha de Mossul. Não se sabe se esses tanques foram capturados do Estado Islâmico, apreendidos do exército iraquiano ou entregues a eles por elementos corruptos das forças armadas.[50]

Guerra no Afeganistão

editar

Os tanques tinham utilidade limitada no Afeganistão devido ao terreno montanhoso, embora o Canadá e a Dinamarca tenham deslocados para o país seus blindados Leopard 1 e Leopard 2 que foram especialmente modificados para operar nas condições relativamente planas e áridas do sudoeste do território afegão. Ao final de 2010, um pedido do Comando Regional Sudoeste, o Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos deslocasse um pequeno destacamento de 14 tanques M1A1 Abrams da Companhia Delta, do 1º Batalhão de tanques da 1ª Divisão de Fuzileiros,[51] ao sul do Afeganistão em apoio às operações nas províncias de Helmand e Kandahar.[52]

Guerra Civil no Iêmen

editar

Após o começo da intervenção militar saudita no Iêmen durante a Guerra Civil Iemenita de 2015, a Arábia Saudita deslocou seus tanques M1A2 para sua fronteira sul. Em agosto de 2016, os Estados Unidos aprovaram um acordo para vender até mais 153 tanques Abrams para a Arábia Saudita, incluindo vinte que iriam substituir veículos que tinham sido danificados em batalha, sugerindo que alguns Abrams sauditas tinham de fato sido destruídos ou severamente danificados em combate no Iêmen.[53][54][55]

Invasão russa da Ucrânia

editar

Em 24 de janeiro de 2023, Joe Biden, o presidente dos Estados Unidos, afirmou que ele liberou o envio de cerca de 31 blindados M1 Abrams para a Ucrânia para deter a invasão russa.[56] O presidente Biden disse que o envio de tanques visava "aumentar a capacidade ucraniana de defender seu território e atingir seus objetivos estratégicos" e não era uma ameaça ofensiva à Rússia.[57]

Em 25 de janeiro de 2023, o presidente Biden formalmente aprovou a transferência dos Abrams para o exército ucraniano como parte de um grande pacote de ajuda militar.[58] A porta-voz do Pentágono, Sabrina Singh, especificou que os tanques seriam a variante M1A2 e, como não estavam disponíveis em excesso nos estoques dos Estados Unidos, seriam comprados por meio da Iniciativa de Assistência à Segurança da Ucrânia (USAI).[59] Em 25 de setembro, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky anunciou a chegada dos primeiros M1 Abrams dos Estados Unidos para a Ucrânia, sem mencionar um número exato, embora o website Politico afirmou que cerca de dez tanques teriam chegado. Estes veículos haviam sido retirados dos armazéns do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, que deveriam ser enviados "durante o outono".[60][61][62]

As primeiras imagens de um M1A1 em uso na Ucrânia apareceram em novembro de 2023, mostrando o blindado perto da cidade de Kupiansk.[63][64] Entre fevereiro e março de 2024, foi confirmado visualmente que quatro tanques M1A1 ucranianos teriam sido destruídos em combate ou abandonados após terem sido danificados gravemente, todos na região de Avdiivka.[65][66]

A produção é reduzida

editar
 
Um M1A1 americano em 2005 num exercício de treinamento na Alemanha

Os Estados Unidos planejou encerrar a produção em sua fábrica em Lima, Ohio entre 2013 e 2016 para poupar mais de US$ 1 bilhão de dólares; seria reiniciado em 2017 para atualizar os tanques existentes. A General Dynamics Land Systems (GDLS), que opera a fábrica, se opôs à mudança, argumentando que a suspensão das operações aumentaria os custos de longo prazo e reduziria a flexibilidade.[67][68] Especificamente, a GDLS estimou que fechar a fábrica custaria US$ 380 milhões e reiniciar a produção custaria US$ 1,3 bilhão.[69]

Até agosto de 2013, o Congresso dos Estados Unidos alocou US$ 181 milhões para a compra de peças e atualização dos sistemas Abrams para mitigar os riscos da base industrial e sustentar o desenvolvimento e a capacidade de produção. O Congresso e a General Dynamics foram criticados por redirecionar dinheiro para manter as linhas de produção abertas e acusados de "forçar o Exército a comprar tanques de que não precisava". A General Dynamics afirmou que uma paralisação de quatro anos custaria US$ 1,1–1,6 bilhões para reabrir a linha, dependendo da duração do desligamento, se as máquinas seriam mantidas em funcionamento e se os componentes da fábrica seriam completamente removidos.[70]

O governo e a GM argumentaram que essa movimentação era para atualizar as unidades da Guarda Nacional do Exército para expandir uma "frota pura" e manter a produção de subcomponentes "insubstituíveis" identificados. Uma paralisação prolongada poderia fazer com que seus fabricantes perdessem a capacidade de produzi-los e as vendas de tanques estrangeiros não garantiam manter as linhas de produção abertas. Ainda havia risco de lacunas de produção, mesmo com a produção estendida até 2015. Com os fundos concedidos antes da necessidade de recapitalização, as pressões orçamentárias podiam levar a novas atualizações planejadas para o Abrams de 2017 a 2019.[70] Em dezembro de 2014, o Congresso novamente alocou US$ 120 milhões, contra a vontade do Exército, para atualizações do Abrams, incluindo melhorar o consumo de combustível integrando uma unidade de energia auxiliar (APU) para diminuir o consumo de combustível em tempo ocioso e atualizar as miras e sensores do tanque.[71]

No final de 2016, a produção e reforma de tanques caiu para uma taxa de um por mês, com menos de 100 trabalhadores no local. Em 2017, o governo Trump ordenou o aumento da produção militar, incluindo a produção e o emprego de Abrams. Em 2018, foi relatado que o Exército ordenou a reconstrução de 135 tanques de acordo com novos padrões, com emprego de mais de 500 trabalhadores e com expectativa de aumentar para 1 000 pessoas posteriormente.[72]

Planos futuros

editar
 
Tanques Abrams do 2º Batalhão, 5º Regimento de Cavalaria da 1ª Divisão de Cavalaria do exército dos Estados Unidos

Durante as décadas de 1980 e 90, o Bloco III dos tanques principais de batalha do programa "Modernização de Sistemas Blindados" (ASM) foi inicialmente concebido para substituir a família de tanques M1 Abrams ainda nos anos 90. O projeto tinha uma torre não tripulada com um canhão principal de 140 mm, bem como proteção aprimorada. O fim das hostilidades da Guerra Fria causou o encerramento do programa. O blindado M8 Armored Gun System foi concebido como um possível complemento para o Abrams para serviço no exército americano para conflitos de baixa intensidade no início na década de 1990. Protótipos foram feitos, mas o programa foi posteriormente cancelado. O M1128 Mobile Gun System, de oito rodas, foi projetado para complementar o serviço Abrams nos Estados Unidos para conflitos de baixa intensidade.[73] Este veículo foi introduzido no serviço ativo no começo dos anos 2000 e serve com as brigadas Stryker.

Entre 2003 e 2009, os Estados Unidos desenvolveu o que chamaram de Future Combat Systems, que iria criar toda uma nova família de veículos blindados para as forças armadas. O blindado XM1202 Mounted Combat System seria o tanque que substituiria o Abrams para o exército e estava em desenvolvimento quando o financiamento do programa foi cortado do orçamento do Departamento de Defesa em 2010.[74]

O Engineering Change Proposal 1 (ECP, ou "Proposta de Mudança de Engenharia") é um processo de atualização em duas partes. O ECP1A acrescentou melhorias de espaço, peso e potência e proteção ativa contra dispositivos explosivos improvisados. Nove protótipos do ECP1A foram produzidos até outubro de 2014. Já o ECP1B, que começou seu desenvolvimento em 2015, incluiu atualizações de sensores e a convergência de vários recursos de munições de tanque em uma munição multiuso.[75]

Em 2011, o Exército antecipou que a frota M1A1 restante permaneceria em serviço nos Estados Unidos até pelo menos 2021, enquanto o M1A2 iria além de 2050.[76] A Guarda Nacional do Exército dos Estados Unidos deverá continuar a utilizar o M1A1 por mais tempo, prazo indeterminado; de fato, havia demorado até 1997 para o M60A3 ser aposentado pela Guarda Nacional, ao contrário do exército, que havia feito a transição completa para o M1 no final de 1990.

Até 2020, o Corpo de Fuzileiros Navais tinha perseguido um plano de reestruturação da força chamado Force Design 2030. Segundo este programa, todos os batalhões de tanques da Marinha dos Estados Unidos foram desativados e seus tanques M1A1 transferidos para o Exército até 2021.[77][78] No futuro, qualquer necessidade que o Corpo de Fuzileiros Navais encontrar de blindagem pesada seria atendida pelo exército.[79]

O Exército dos Estados Unidos está avaliando um substituto para o M1 Abrams como parte do programa Next Generation Combat Vehicle (NGCV, ou "Veículo de combate de próxima geração"), conhecida como Plataforma de Letalidade Decisiva (DLP).[80]

Design

editar

Contramedidas

editar

Camuflagem

editar
 
Um M1A1 durante um exercício de treinamento Foal Eagle em 1998 na Coreia do Sul, com seu esquema de pintura verde único de fábrica

Os primeiros veículos militares dos Estados Unidos, usados da Primeira Guerra Mundial até a Guerra do Vietnã, usavam um esquema de "oliva monótono", geralmente com grandes estrelas brancas. Protótipos, modelos de produção inicial M1 (canhão de 105 mm) e modelos M1-IP mudaram para um esquema de pintura verde floresta plana. As grandes estrelas com insígnias brancas também passaram para marcações pretas muito menores. Algumas unidades pintaram seus M1s com o antigo Comando de Pesquisa e Design de Equipamentos de Mobilidade (MERDC) em um esquema de quatro cores mas os requisitos de entrega para esses tanques exigiam repintá-los para o verde floresta geral. Portanto, embora um grande número do modelo básico M1s tenha sido camuflado no campo, poucos ou nenhum existe hoje.

Os M1A1s vieram da fábrica com a camuflagem de três cores da OTAN, preto/verde-médio/marrom-escuro de revestimento resistente a agentes químicos (CARC). Atualmente, os M1A1s recebem a pintura de três cores da OTAN durante as reconstruções. M1s e M1A1s utilizados na Operação Tempestade no Deserto utilizavam uma distinta camuflagem de deserto. Alguns desses tanques foram repintados de acordo com o esquema de pintura "autorizado". Os M1A2s construídos para países do Oriente Médio são pintados com cores de deserto, similar a areia. Peças de reposição (rodas, painéis de saia blindada, rodas dentadas, etc) são pintadas de verde oliva, o que às vezes pode levar a veículos com uma colcha de retalhos de partes verdes e bronzeadas do deserto.

Os M1A1s australianos foram entregues com camuflagem de deserto mas passaram por uma transição para o padrão de veículos do exército australiano chamado de Disruptive Pattern Camouflage (camuflagem disruptiva), um esquema que consiste em preto, verde-oliva e marrom.[81][82]

 
O M1A1 na "Camuflagem de Padrão Disruptivo" do Exército Australiano, usado para veículos e materiais

O Exército dos Estados Unidos pode equipar seus tanques Abrams com o sistema de camuflagem Saab Barracuda, que fornece ocultação contra detecção visual, infravermelha, infravermelha térmica e radar de banda larga.[83]

Ocultação

editar

A torre é equipada com dois lançadores de granadas de fumaça M250 de seis canos (M1A1 dos fuzileiros navais americanos usavam uma versão de oito canos), com um de cada lado. Quando usados, as granadas explodem no ar, criando uma fumaça espessa que bloqueia visualmente e com imagem térmica. O motor também é equipado com um gerador de fumaça que é acionado pelo motorista. Quando ativado, o combustível é pulverizado no escapamento quente da turbina, criando uma fumaça espessa. Devido ao risco de incêndio, no entanto, este sistema às vezes é desativado.[84]

Blindagem

editar

Em julho de 1973, representantes da Chrysler e da General Motors viajaram até o Reino Unido e foram conduzidos pelo pessoal do Laboratório de Pesquisa Balística e pelo major-general Robert J. Baer do projeto XM1 para testemunhar o desenvolvimento da blindagem Chobham.[85] Eles observaram os processos de fabricação necessários para a produção da blindagem Chobham, que era um arranjo de placas metálicas, blocos cerâmicos e espaço aberto;[23] e viram um projeto proposto para um novo veículo britânico utilizando-o.

 
Um M1A1 Abrams atravessando a cordilheira de Taunus, ao norte de Frankfurt, durante um exercício de treinamento em fevereiro de 2005.

Munições explosivas (HEAT) e sabot penetram nas camadas externas da blindagem mas são incapazes de penetrar no compartimento da tripulação. A cerâmica tem a capacidade de absorver uma grande quantidade de calor e pode amortecer golpes físicos ao quebrar e desviar a força. Os gases quentes restantes e estilhaços de metal se espalham ou se acomodam em bolsões de ar vazios. Ambas as empreiteiras reavaliaram suas configurações de blindagem propostas com base nos dados recém-obtidos.[86] Isso levou a grandes mudanças no General Motors XM1, a mais proeminente das quais é a mudança da frente da torre de blindagem vertical para inclinada. O Chrysler XM1, por outro lado, manteve sua forma básica, embora várias mudanças tenham sido feitas. O Laboratório de Pesquisa Balística teve que desenvolver novas combinações de blindagem para acomodar as mudanças feitas pelos contratantes.[86]

Semelhante à maioria dos outros tanques de guerra, o M1 Abrams apresenta blindagem composta apenas no aspecto frontal do casco. No entanto, a torre do Abrams apresenta blindagem composta na frente e nas laterais. Além disso, as saias laterais da metade frontal do casco também são feitas de compósito, proporcionando proteção balística superior contra munições de energia química, como projéteis HEAT. A composição da blindagem composta do Abrams consiste em placas de blindagem reativa não-explosiva (NERA) entre chapas de aço convencionais. O sistema de placas NERA possui características elásticas, permitindo que elas flexionem e distorçam após a perfuração, interrompendo os jatos penetrantes de cargas moldadas e fornecendo mais material e espaço para uma munição cinética passar, proporcionando assim maior proteção em comparação com a blindagem de aço convencional de peso semelhante. Para o modelo básico M1 Abrams, Steven Zaloga descreveu no seu livro M1 Abrams Main Battle Tank 1982–1992 (1993) que a blindagem frontal tenha 350 mm contra munição estabilizada por aleta perfurante de sabot descartável (APFSDS) e 700 mm contra ogivas anti-tanques de alto-explosivo (HEAT).[87] Já no livro M1 Abrams vs T-72 Ural (2009), Zaloga usou estimativas soviéticas de 470 mm contra APFSDS e 650 mm contra munições HEAT em modelos básicos do Abrams. Ele também deu estimativas soviéticas para o M1A1, de 600 mm contra APFSDS e 700 mm contra HEAT.[88]

 
Fuzileiros navais dos Estados Unidos com o 2º Batalhão de Tanques da 2ª Divisão de Fuzileiros, avançando em seu objetivo oriental defendido por forças espanholas opostas durante o Exercício Trident Juncture 18 perto de Dalholen, na Noruega, em 3 de novembro de 2018

A proteção da blindagem foi aprimorada com a implementação de uma nova blindagem especial incorporando urânio empobrecido e outros materiais e layouts não revelados.[23] Isso foi introduzido na produção do M1A1 a partir de outubro de 1988. Essa nova blindagem aumentou a blindagem efetiva, particularmente contra munições de penetração por energia cinética[89] mas à custa de adicionar peso considerável ao tanque, pois o urânio empobrecido é 1,7 vezes mais denso que o chumbo.[90]

Os primeiros tanques M1A1 a receber estas atualizações na blindagem foram tanques estacionados na Alemanha. Batalhões de tanques baseados nos Estados Unidos que participam de Guerra do Golfo receberam um programa de emergência para atualizar seus tanques com blindagem de urânio empobrecido imediatamente antes do início da campanha. Os tanques M1A2 incorporam uniformemente blindagem de urânio empobrecido e todos os tanques M1A1 em serviço ativo também foram atualizados para esse padrão.[91] Esta variante foi designada como M1A1HA (HA significa "Heavy Armor", ou blindagem pesada).[92]

O M1A1 AIM, o M1A2 SEP e todos os modelos subsequentes do Abrams possuem urânio empobrecido no casco e na blindagem da torre.[93] Cada variante do Abrams após o M1A1 foi equipada com blindagem de urânio empobrecido de diferentes gerações. O M1A1HA usa blindagem de primeira geração, enquanto o M1A2 e o M1A1HC usam urânio empobrecido de segunda geração. As variantes M1A2 SEP foram equipadas com blindagem de urânio empobrecido de terceira geração combinada com um revestimento de grafite. O M1A2C também apresenta blindagem de torre de linha de visão física aumentada.[94] Para o M1A1HA, essa nova blindagem reforçada quase que dobrou a proteção do Abrams.[92] A variante M1A2 SEPV3 aumentou a espessura LOS da torre e blindagem frontal do casco; a proteção total da blindagem contra esse aumento não é conhecida.[95]

Em 1998, um programa foi iniciado para incorporar blindagem lateral da torre melhorada no M1A2. O objetivo era oferecer melhor proteção contra granadas propelidas por foguetes mais modernas do que o RPG-7 básico. Esses kits foram instalados em cerca de 325 tanques M1A2 mais antigos em 2001-2009 e também foram incluídos em tanques atualizados.[96] O Abrams também pode ser equipado com blindagem reativa explosiva sobre as saias das lagartas, se necessário (como o kit de sobrevivência urbano)[97] e blindagem de ripas (ou gaiola) na parte traseira do tanque e células de combustível traseiras para proteger contra mísseis antitanque. A proteção contra lascas é fornecida por um revestimento kevlar.

Controle de danos

editar
 
Um M1A2 disparando seu canhão de 120 mm

O tanque possui um sistema de combate a incêndio de halon para extinguir automaticamente os incêndios no compartimento da tripulação. O compartimento do motor possui um sistema de combate a incêndio que é acionado puxando uma alça em T localizada no lado esquerdo do casco. O gás Halon pode ser perigoso para a tripulação.[98] No entanto, a toxicidade do gás Halon 1301 na concentração de 7% é muito menor do que os produtos de combustão produzidos pelo fogo no compartimento da tripulação e a descarga de CO2 seria letal para a tripulação.[99]

O compartimento da tripulação também contém pequenos extintores de incêndio. Combustível e munição são armazenados em compartimentos blindados com painéis de explosão destinados a proteger a tripulação do risco da própria munição do tanque queimar (explodir) se o tanque for danificado. A munição da arma principal é armazenada na seção traseira da torre, com portas anti-explosão que se abrem sob força deslizando para o lado apenas para remover um cartucho para disparo e depois fecham automaticamente. A doutrina determina que a porta de munição deve ser fechada antes de armar a arma principal.[99]

Tank Urban Survival Kit

editar
 
A M1A2 equipado com o TUSK ("kit de sobrevivência urbana para tanques"), que inclui sistemas eletrônicos de defesa e blindagem reativa.

O Tank Urban Survival Kit (TUSK, ou "Kit de sobrevivência urbana para tanques") é uma série de aprimoramentos no M1 Abrams destinados a melhorar a capacidade de combate em ambientes urbanos.[100][97] Historicamente, os campos de batalha urbanos e outros próximos têm sido lugares ruins para os tanques lutarem. A blindagem frontal de um tanque é muito mais forte do que as laterais, superior ou traseira. Em um ambiente urbano, os ataques podem vir de qualquer direção, e os atacantes podem chegar perto o suficiente para atingir pontos fracos de forma confiável na blindagem do tanque ou obter elevação suficiente para atingir a blindagem superior.

Os aprimoramentos na blindagem incluíram a adição de blindagem reativa nas laterais do tanque e blindagem de gaiola (similar ao do Stryker) na traseira para proteger contra granadas lançadas por foguete (RPG) e outras ogivas de carga. Um "Escudo de Blindagem Transparente" e um sistema de mira térmica foram adicionados à metralhadora M240B de 7,62 mm montada na parte superior do carregador e uma torreta remota do Kongsberg Gruppen carregando uma metralhadora de 12,7 mm (de calibre .50), que também são vistos no Stryker, foi colocado para remover a metralhadora manual do comandante, onde ele tinha que se expor para disparar a arma. Um telefone externo permite que a infantaria de apoio se comunique com o comandante do tanque.

 
Um M1A1 Abrams com um o sistema Abrams Integrated Management (AIM) e o Tank Urban Survivability Kit (TUSK) conduzindo uma patrulha em Bagdá, em 2007

O sistema TUSK é um kit instalável em campo que permite que os tanques sejam atualizados sem a necessidade de serem recolhidos a um depósito de manutenção. Embora a blindagem reativa possa não ser necessária na maioria das situações, como as presentes em uma guerra de manobra, itens como a blindagem traseira, o escudo da arma do carregador, um telefone de infantaria (para que o comandante fale com alguém que está fora do tanque) e uma estação de arma remota de 12,7 mm (calibre .50), que foi instalado em quase todos os veículos da frota americana.

Em agosto de 2006, General Dynamics Land Systems recebeu uma encomenda do exército dos Estados Unidos por 505 tanques com o sistema TUSK para operações no Iraque, com o contrato valendo US$ 45 milhões de dólares. A maioria das entregas foram concluídas até abril de 2009.[101] Sob um pedido separado, o exército concedeu à General Dynamics Armament and Technical Products (GDATP) um contrato de US$ 30 milhões para produzir kits de blindagem reativa para equipar os M1A2. As telhas reativas para o M1 foram produzidas localmente na Burlington Technology Center da GDATP.[101]

As placas de proteção são produzidas nas instalações de blindagem reativa da GM no centro de operações em McHenry, no condado de Stone, no Mississippi. Em dezembro de 2006, o Exército dos Estados Unidos adicionou aprimoramentos de dispositivo explosivo improvisado ao M1A1 e M1A2 TUSK, concedendo a GDLS um novo contrato de US$ 11,3 milhões, parte do pacote de US$ 59 milhões já mencionado. Em dezembro, a GDLS também recebeu um pedido, totalizando cerca de 40% de um pedido de US$ 48 milhões, para miras de armas térmicas do carregador como parte das melhorias do sistema TUSK para os tanques M1A1 e M1A2 Abrams.[101]

Sistema de proteção ativa

editar

Além da aprimoramento da blindagem, os Abrams que os fuzileiros navais americanos na época tinham foram equipados com o sistema de proteção Softkill Active, um novo AN/VLQ-6 (um dispositivo de contramedida de mísseis, ou MCD) que podem impedir a função dos sistemas de orientação de alguns mísseis antitanque guiados por fio e rádio semi-ativos de controle de linha de visão (como o russo 9K114 Shturm) e mísseis teleguiados por infravermelho.[102] O MCD funciona emitindo um sinal infravermelho maciço e condensado para confundir o buscador infravermelho de um míssil guiado antitanque.

No entanto, a desvantagem do sistema é que o míssil anti-tanque não é destruído, sendo apenas direcionado para longe de seu alvo pretendido, deixando o projétil para detonar em outro lugar. Este dispositivo é montado no teto da torre em frente à escotilha do carregador e pode levar algumas pessoas a confundir os tanques Abrams equipados com esses dispositivos com a versão M1A2, uma vez que o visualizador térmico independente do comandante neste último é montado no mesmo local, embora o MCD é em forma de caixa e fixo no lugar, em vez de cilíndrico e giratório como o CITV.

 
O sistema de proteção ativo (APS) Trophy instalado num M1A1 do Corpo de Fuzileiros americanos, em 2017

Em 2016, o Exército dos Estados Unidos e o Corpo de Fuzileiros Navais começaram a testar o sistema de proteção ativo israelense Trophy para melhorar as defesas dos seus Abrams contra novas ameaças anti-tanques, bloqueando ou disparando pequenos projéteis para desviar os projéteis recebidos.[103] O exército planejou enviar uma brigada de mais de 80 tanques equipados com o sistema Trophy para a Europa em 2020.[104] Estava previsto que até 261 Abrams seriam atualizados com o sistema, o suficiente para quatro brigadas.[105] Em junho de 2018,o exército concedeu a Leonardo DRS, uma empresa americana parceira da Rafael Advanced Defense Systems que desenhou o sistema Trophy, um novo contrato de US$ 193 milhões para entregar o sistema em apoio aos "requisitos operacionais imediatos" da M1 Abrams.[106] Tanques M1A2 SEP V2 Abrams americanos deslocados para a Alemanha em julho de 2020 estavam equipados com o sistema Trophy. As entregas para equipar quatro brigadas de tanques foram concluídas em janeiro de 2021.[107]

Armamento

editar
Canhão M68A1
editar

O principal armamento dos blindados M1 e M1IP era o canhão com estriamento M68A1 de 105 mm que disparava uma variedade de munições perfurantes estabilizada por aletas, munição anti-tanque explosiva, fósforo branco e projéteis anti-pessoal (com múltiplos flechettes). Este canhão utiliza o Royal Ordnance L7, de fabricação britânica, juntamente com o bloco de culatra deslizante vertical e outras partes do protótipo T254E2 americano. No entanto, isso provou ser inadequado; um canhão com letalidade além do alcance de 3 km era necessário para combater as novas tecnologias de blindagem. Para atingir essa letalidade, o diâmetro do projétil precisava ser aumentado. O tanque era capaz de transportar 55 cartuchos de 105 mm, com 44 armazenados no compartimento de explosão da torre e o restante no armazenamento do casco.

Canhão liso M256
editar
M1 Abrams durante um exercício de tiro do Exército dos Estados Unidos, exibindo as operações internas da cabine da tripulação.

O principal armamento do M1A1 e M1A2 é o canhão M256A1 de 120 mm, projetado pela Rheinmetall AG da Alemanha, fabricado sob licença nos Estados Unidos pela Watervliet Arsenal, em Nova Iorque. O M256A1 é uma variante aprimorada do canhão Rheinmetall L/44 gun de 120 mm utilizado no Leopard 2 alemão em todas as variantes até o 2A5, sendo a diferença na espessura e na pressão da câmara. O Leopard 2A6 substituiu o cano do L/44 com o mais longo L/55. Devido ao calibre superior, apenas 40 ou 42 munições podem ser estocadas nos modelos A1 ou A2.

O canhão M256A1 dispara uma variedade de munições. A munição perfurante guiada principal do Abrams é o M829, de urânio empobrecido, das quais quatro variantes foram projetadas.O M829A1, conhecido como "Bala de Prata", viu bastante uso na Guerra do Golfo de 1991, onde se provou contra blindados iraquianos como o T-72. A munição perfurante M829A2 foi desenvolvida especificamente como uma solução imediata para abordar a proteção aprimorada dos tanques russos T-72, T-80U ou T-90 que são equipados com a blindagem reativa explosiva modelo Kontakt-5.[108]

 
Um M1A1 disparando seu canhão principal, em 2019

Mais tarde, a munição M829A3 foi introduzida para melhorar sua eficácia contra blindagem reativa de próxima geração, através do uso de um penetrador multimaterial e maior diâmetro do penetrador que pode resistir ao efeito de cisalhamento da blindagem explosiva reativa do tipo K-5. O desenvolvimento da série M829 continuou com o M829A4 atualmente entrando em produção, apresentando tecnologia avançada, como capacidade de link de dados.[109]

O Abrams também dispara cartuchos de carga em forma de ogiva antitanque altamente explosiva, como o M830, cuja versão mais recente (M830A1) incorpora um fusível de detecção eletrônica multimodo sofisticado e mais fragmentação que permite que ele seja usado efetivamente contra veículos blindados, pessoal e aeronaves voando baixo. O Abrams usa um carregador manual, que também fornece suporte adicional para manutenção, operações de posto de observação/posto de escuta (OP/LP) e outras tarefas.[110]

O novo cartucho de metralha antipessoal M1028 de 120 mm foi colocado em serviço para uso após a Invasão do Iraque em 2003. Contém 1 098 bolas de tungstênio de 9,5 mm que se espalham do cano para produzir um efeito de espingarda letal para fora até 600 metros. As bolas de tungstênio podem ser usadas para limpar posições inimigas, quebrando locais de emboscada apressada em áreas urbanas, liberar desfiladeiros, deter ataques de infantaria econtra-ataques e apoio a ataques de infantaria amiga, fornecendo cobertura de fogo. A bala de metralha também é uma bala de violação altamente eficaz e pode nivelar paredes de blocos de concreto e abrir buracos do tamanho de um homem em paredes reforçadas de concreto para ataques de infantaria a distâncias de até 75 metros.[111]

Também em uso está a munição de redução de obstáculos M908. Ela é projetado para destruir obstáculos e barreiras. A munição é um M830A1 modificado com o fusível dianteiro substituído por um nariz de aço para penetrar no obstáculo antes da detonação.[112]

O Laboratório de Pesquisa (ARL) do Exército dos Estados Unidos conduziu uma análise térmica da munição M256 de 2002 a 2003 para avaliar o potencial de usar um sistema de cano híbrido que permitiria vários sistemas de armas, como a munição XM1111 de meio-alcance, munições que explodem no ar ou XM 1147. O teste concluiu que a densidade da malha (número de elementos por unidade de área) afeta a precisão do M256 e densidades específicas seriam necessárias para cada sistema de arma.[113]

 
Uma visão da estação do artilheiro (canto inferior esquerdo) e estação do comandante (canto superior direito)

Em 2013, o exército americano estava desenvolvendo uma nova munição para substituir o M830/M830A1, M1028 e o M908. Chamada de Munição Multifuncional Avançada (AMP, na sigla em inglês), vai ter um ponto de detonação atrasada que explode no ar, junto com conexão data-link e um fusível multimodo programável em uma única munição. Tendo um projétil que faz o trabalho de quatro simplificaria a logística e poderia ser usado em vários alvos. O AMP é eficaz contra bunkers, infantaria, blindagem leve e obstáculos de até 500 metros, e será capaz de romper paredes de concreto armado e derrotar equipes de mísseis antitanque de 500 a 2 000 metros.[114][115] A Orbital ATK recebeu o contrato do governo para a primeira fase do desenvolvimento do AMP XM1147, multifuncional de alto poder explosivo com cartucho de marcador, em outubro de 2015.[116]

Uma outra munição a XM1111 (munição de energia química de médio alcance) foi desenvolvida. O XM1111 era uma munição guiada que usava um buscador de modo duplo que combinava a orientação por infravermelho de imagem e laser semiativo. O MRM-CE foi selecionado sobre o concorrente MRM-KE, que usava um penetrador de energia cinética assistido por foguete. A variante CE foi escolhida devido aos seus melhores efeitos contra alvos secundários, proporcionando uma arma mais versátil. O Exército esperava alcançar o IOC com o XM1111 até 2013.[117] No entanto, a munição de médio alcance foi cancelada em 2009 junto com o Future Combat Systems.[118]

Armamento secundário

editar

O tanque Abrams tem três armas menores principais: uma metralhadora M2HB .50, atualmente montada no sistema remoto CROWS, e duas metralhadora M240 de calibre 7,62 mm, com uma montada coaxialmente (ou seja, aponta para os mesmos alvos que a arma principal). Existe uma quarta opção de arma, uma segunda metralhadora coaxial .50 (calibre 12,7 mm). A metralhadora M2HB pode ser montada diretamente acima da arma principal em uma plataforma de armas remota como parte do pacote CSAMM (Counter Sniper Anti Material Mount).[119]

 
Um M1A1 disparando sua arma principal como visto da escotilha do carregador. A metralhadora M240 é visível à esquerda enquanto um M2 é visível à direita.

Os Abrams são equipados com um avançado sistema balístico computadorizado de controle de disparo que usa dados fornecidos pelo usuário e pelo sistema de várias fontes para calcular, exibir e incorporar os três componentes de uma solução balística - ângulo de ataque, tipo de munição e alcance do alvo - para disparar com precisão a arma principal. Esses três componentes são determinados usando um telêmetro a laser, sensor de vento lateral, a pendulum static cant sensor, data concerning performance and flight characteristics of each specific type of round, tank-specific boresight alignment data, ammunition temperature, air temperature, barometric pressure, um sistema de referência do cano (MRS) que determina e compensa a queda do cano devido à atração gravitacional e ao aquecimento do cano devido ao disparo ou à luz solar, e a velocidade do alvo determinada por tacômetros de taxa de rastreamento nas alças de controle do artilheiro ou do comandante.

Todos esses fatores são computados em uma solução balística e atualizados trinta vezes por segundo. A solução atualizada é exibida no campo de visão do artilheiro ou do comandante do tanque na forma de um retículo nos modos diurno e térmico. O computador balístico manipula a torre e um complexo arranjo de espelhos de modo que tudo o que se precisa fazer é manter o retículo no alvo e disparar para acertar. O chumbo adequado e a elevação do tubo da arma são aplicados à torre pelo computador, simplificando muito o trabalho do artilheiro.

O sistema de controle de disparo usa esses dados para calcular uma solução de disparo para o artilheiro. A solução balística gerada garante uma porcentagem de acerto superior a 95% em faixas nominais. Tanto o comandante quanto o artilheiro podem disparar a arma principal. Além disso, o visualizador térmico independente do comandante (ou CITV) no M1A2 pode ser usado para localizar alvos e passá-los para o artilheiro engajar enquanto o comandante procura novos alvos.

 
Um soldado do 2º Regimento de Cavalaria Blindada auxiliando no trabalho crítico de "apontar" o alinhamento de todas as miras do tanque ao centro do eixo do cano do canhão principal em um M1A1 Abrams em Mossul, Iraque, em janeiro 2005. Os sinais manuais permitem que o artilheiro dentro do tanque direcione o canhão principal para um alvo de mira.

Se o sistema de mira principal apresentar mau funcionamento ou estiver danificado, as armas principais e coaxiais podem ser apontadas manualmente usando uma mira telescópica com mira para a arma principal conhecida como Mira Auxiliar do Artilheiro (GAS). O GAS possui dois retículos intercambiáveis; um para munições antitanque altamente explosiva (HEAT) e antitanque multiuso (MPAT) e um para a munição perfurante estabilizada por arestas com sabot descartável (APFSDS) e munição de disparar e esquecer ativada por alvo inteligente (STAFF). A travessia da torre e a elevação do canhão principal podem ser realizadas com alavancas e manivelas manuais se o controle de incêndio ou os sistemas hidráulicos falharem.

A metralhadora M2HB calibre .50 do comandante no M1 e no M1A1 é apontada por uma mira de ampliação de três vezes, incorporada à Estação de Armas do Comandante (CWS), enquanto o M1A2 usa a própria metralhadora mira de ferro ou uma mira remota sistema como o sistema Common Remotely Operated Weapon Station ("Estação de Arma Comum Operada Remotamente", ou CROWS) quando usados como parte do Tank Urban Survival Kit (TUSK). A metralhadora M240 do carregador é apontada com a mira de ferro embutida ou com uma mira térmica montada na metralhadora.

No final de 2017, todos os 400 M1A1 do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos começaram a ser atualizados com miras melhores e de maior alcance pelo Sistema de Integrado de EXibição e Segmentação (AIDATS), substituindo a visão da câmera em preto e branco por uma imagem colorida e visão térmica diurna/noturna, manuseio simplificado com um único conjunto de controles e um botão giratório para indicação que reposiciona a torre com um comando. Testes preliminares mostraram que as atualizações reduziram o tempo de engajamento do alvo de seis segundos para três, permitindo que o comandante e o artilheiro trabalhassem mais de perto e colaborassem melhor na aquisição do alvo.[120][121]

Mobilidade

editar

Tática

editar
 
Controles de direção do M1

O trem de força M1 Abrams consistia em uma turbina a gás multicombustível AGT1500 (originalmente feita pela Lycoming, mas atualmente pela Honeywell) é capaz de gerar até 1 500 hp (1 100 kW) em 30 000 rpm e536 N⋅m a 10 000 rpm e com uma transmissão automática hidrocinética Allison X-1100-3B de seis marchas (quatro para frente e duas de ré). Isso dá ao veículo uma velocidade máxima de 72 km/h em estradas pavimentadas e 48 km/h cross-country, em terrenos acidentados. Com o governador do motor removido, são possíveis velocidades de cerca de 97 km/h em uma superfície melhorada. No entanto, danos ao trem de força (especialmente nos trilhos) e aumento do risco de ferimentos à tripulação podem ocorrer em velocidades acima de 72 km/h.

O tanque foi construído ao redor do seu motor[122] e é multicombustível, aceitando diesel, gasolina, diesel marítimo e combustível de jato[123] (como o JP-4 ou o JP-8). Em 1989, o exército estava fazendo a transição apenas para JP-8 para o M1 Abrams.[124] Para simplificar a logística, o JP-8 é o combustível universal das Forças Armadas dos Estados Unidos, alimentando frotas de aeronaves e veículos. O australiano M1A1 AIM SA queima óleo diesel, já que o uso do JP-8 é menos comum no Exército Australiano.

 
Um fuzileiro naval M1A1 descarregando de um veículo Landing Craft Air Cushioned

O sistema de propulsão por turbina a gás tem se mostrado bastante confiável na prática e no combate, mas seu alto consumo de combustível é um sério problema logístico. O motor queimava mais de 1,67 galões americanos por milha (392 litros/100 km) ou (60 galões americanos, ou 230 L por hora) ao viajar pelo país e 38 litros por hora quando ocioso.[125]

O jato de alta velocidade e alta temperatura emitido pela parte traseira dos tanques M1 Abrams torna perigoso para a infantaria se proteger ou seguir atrás do tanque em combate urbano. A turbina é muito silenciosa quando comparada com motores a diesel de potência semelhante e produz um som significativamente diferente de um motor de tanque a diesel contemporâneo, reduzindo a distância audível do som, dando assim ao Abrams o apelido de "sussurrando a morte" durante seu primeiro exercício Reforger da OTAN.

O exército americano recebeu propostas, incluindo duas opções a diesel, para fornecer um motor comum para o XM2001 Crusader e o Abrams. Em 2000, o exército selecionou o motor de turbina a gás LV100-5 da Honeywell e subcontratado da General Electric.[126] O novo motor LV100-5 era mais leve e menor (43% menos peças), com aceleração rápida, funcionamento mais silencioso e nenhum escapamento visível.[127] Ele também apresentou uma redução de 33% no consumo de combustível (50% menos quando ocioso) e substituição quase imediata.[128] O Common Engine Program foi arquivado quando o programa Crusader foi formalmente cancelado. A fase 2 do programa PROSE (Parceria para Redução de Custos de O&S, Motor) do Exército, no entanto, exigia um maior desenvolvimento do LV100-5 e substituição do então atual motor AGT1500.[129]

 
Paraquedistas americanos da 82.ª Divisão Aerotransportada em cima de um tanque M1 Abrams.

Uma unidade auxiliar de energia (APU) de 100 kg foi designado pelo Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia Automotiva de Tanques do Exército dos Estados Unidos (TARDEC), substituindo uma bateria existente que pesava cerca de 230 kg. Ele usa um motor rotativo Wankel modificado de alta intensidade de potência de 330 cc (20 in³) para usar diesel e combustível de aviação militar. A nova APU também é mais eficiente em termos de combustível do que o motor principal do tanque.[130]

Embora o tanque M1 não seja projetado para transportar tripulantes facilmente, existem provisões para o veículo transportar tropas em tanques desantados com o dispositivo de estabilização da torre desligado. Um esquadrão de infantaria completamente equipado pode ir em cima da parte de trás do tanque, atrás da torre. Os soldados podem usar cordas e correias de equipamentos para fornecer apoios para as mãos e elos de pressão para se protegerem. Se o contato inimigo for feito, o tanque se esconde, permitindo que a infantaria desça.[131]

Estratégia

editar
 
Um M1A2 SEP V2 Abrams americano equipado com um sistema CROWS II

A mobilidade estratégica é a capacidade dos tanques de uma exército de chegar de maneira oportuna, econômica e sincronizada no local onde são necessários. O Abrams pode ser carregado por um C-5 Galaxy ou um C-17 Globemaster III. A capacidade limitada (dois tanques prontos para combate em um C-5, um tanque pronto para combate em um C-17) causou sérios problemas logísticos ao deslocar os tanques para a primeira guerra no Golfo Pérsico em 1991, embora houvesse tempo suficiente para 1 848 tanques serem transportados de navio.

Os fuzileiros navais americanos transportam seus tanques Abrams da Força Tarefa Marítima Ar-Terra via navio. Grandes navios de transporte de tropas e helicópteros como os da classe Wasp costumam carregar um pelotão de quatro a cinco tanques da Marine Expeditionary Unit, que foram então transportados anfíbiamente para a costa por aerodeslizadores de desembarque (LCAC) com um tanque pronto para combate por embarcação.

O Abrams também é transportável por caminhões pesados, como o Oshkosh M1070 e o M1000 HETS para as forças armadas dos Estados Unidos. O HETS pode operar em rodovias, estradas secundárias e cross-country. Tal veículo os quatro membros da tripulação do tanque.[132] O Exército Australiano usa caminhões customizados MAN para transportar seus Abrams.[133]

A primeira instância do Abrams sendo transportado diretamente para um campo de batalha ocorreu em outubro de 1993. Após a Batalha de Mogadíscio, dezoito tanques M1 foram transportados por aeronaves C-5 para a Somália do Aeródromo Hunter, do exército Hunter, na Geórgia.[134][135]

Utilizadores

editar
 
Atuais operadores do M1 Abrams

Atualmente

editar
 
Um M1A1 australiano
 
Um Abrams egípcio
 
Um M1A1 iraquiano disparando seu canhão
  •   Estados Unidos – 8 100 unidades construídas, com cerca de 2 509 no serviço ativo (750 M1A1SA, 1 605 M1A2 SEPv2 e 154 M1A2 SEPv3). Aproximadamente 3 700 blindados das variantes M1A1 e M1A2 foram colocados no estoque de reserva.[136][137]
  •   Egito – 1 360 veículos da versão M1A1.[138][139]
  •   Arábia Saudita – 373 blindados da versão M1A2S.[140][141]
  •   Kuwait – 218 tanques da versão M1A2.[142]
  •   Marrocos – 222 M1A1 SA encomendados em 2015.[143][144]
  •   Iraque – 321 blindados da versão M1A1Ms.[145][146]
  •   Polônia – 250 tanques da versão M1A2 SEP v3 para substituir os antigos blindados T-72 e PT-91.[147][148][149][150]
  •   Taiwan – 108 da versão M1A2T, com os primeiros modelos sendo entregues em 2022.[151][152]
  •   Austrália – 59 blindados da versão M1A1.[153] Em janeiro de 2022, o governo australiano se comprometeu a comprar 120 tanques e veículos blindados, incluindo 75 M1A2 a um custo total de US$ 3,5 bilhões e a serem entregues em 2024; os M1A2 devem substituir seus 59 M1A1s que foram comprados em 2007.[154][155]
  •   Ucrânia – Em 25 de janeiro de 2023, o presidente Joe Biden anunciou que os Estados Unidos vão enviar 31 tanques M1A1 e M1A2 para a Ucrânia. Os primeiros destes veículos chegaram em território ucraniano no final de 2023.[156][157]

Potenciais e futuros operadores

editar
  •   Grécia – Cerca de 400 tanques M1A1 (que pertenciam ao exército americano) foram oferecidos à Grécia em 2011.[158]

Ofertas fracassadas

editar
  •   Brasil – Após ser designado como "Aliado importante extra-OTAN" em julho de 2019, o governo dos Estados Unidos ofereceu às Forças Armadas Brasileiras uma variedade de equipamentos. O Brasil demonstrou interesse em adquirir entre 110 e 130 M1A1 Abrams a serem atualizados nos Estados Unidos e transferidos para o Brasil para um período de serviço de vinte anos.[159][160]

Ver também

editar

Referências

  1. «M1A2 Abrams». Consultado em 12 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2017 
  2. M1 Abrams Main Battle tank Arquivado em 2010-08-21 no Wayback Machine. FAS.org, acessado em 14 de abril de 2000.
  3. Majumdar, Dave (2 de junho de 2016), «Inside the US Army's Lethal New M1A2 SEP v.3 Abrams Main Battle Tank», The National Interest, consultado em 18 de outubro de 2017, cópia arquivada em 18 de outubro de 2017 
  4. a b «Licht vom Mond». Der Spiegel (em alemão). 2 de novembro de 1969. Consultado em 8 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2012 
  5. «Controversial Tank Project suspended by Defense Department». Tucson Daily Citizen. UPI. 9 de setembro de 1969. Consultado em 13 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2021 
  6. Beecher, William (21 de janeiro de 1970). «U.S. and Bonn End 7-Year Joint Effort to Build a Tank». The New York Times. Consultado em 26 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2018 
  7. «U.S. Germany Abandon 'Dream Tank'». Lubbock Avalanche-Journal. UPI. 16 de dezembro de 1971. Consultado em 12 de novembro de 2021 
  8. a b c d e f Hunnicutt 2015.
  9. a b Hunnicutt 2015, p. 202.
  10. a b c d e f g h «The First Chrysler Bail-Out: The M-1 Tank». Washington Monthly. 1987. Consultado em 12 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2019 
  11. Kelly 1989, p. 13-43.
  12. «Tank Munitions Development». Consultado em 6 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 18 de junho de 2020 
  13. Zaloga & Sarson 1993.
  14. «Picatinny Arsenal - The Joint Center of Excellence for Guns and Ammunition». Pica.army.mil. Consultado em 11 de abril de 2020. Cópia arquivada em 18 de junho de 2020 
  15. Ogorkiewicz, Richard M. (1991). Technology of Tanks (Vol 1-2). London: Janes Information Group. p. 82.
  16. «DTIC ADA051050: Initial Firing Test Results of the 35mm Scaled Model of the 105mm M68 Tank Gun: Defense Technical Information Center: Free Download, Borrow, and Streaming». Internet Archive. Janeiro de 1978 
  17. CANNON, 105MM GUN: M68A1E2 MIL-C-45504A Rev. D Jan 1987 — Military and Government Specs & Standards (Naval Publications and Form Center) (NPFC)
  18. Hunnicutt 2015, p. 234.
  19. Hunnicutt 2015, p. 312.
  20. Direct Support, General Support, and Depot Maintenance Manual for Cannon, 105-MM Gun, M68 & M68E1, M116 and 140 Mount TM 9-1000-213-35 por Fred C. (Chief of Staff) Weyand — 1 de janeiro de 1978
  21. Holusha, John (20 de fevereiro de 1982). «General Dynamics buys Chrysler tank division». The New York Times. Consultado em 3 de abril de 2017. Cópia arquivada em 3 de abril de 2017 
  22. History of the U.S. Army Research Laboratory. [S.l.: s.n.] 2017 
  23. a b c «How M1 Tanks Work». HowStuffWorks (em inglês). 7 de maio de 2002. Consultado em 3 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de abril de 2018 
  24. «M256 120mm Smoothbore Gun». Inetres.com. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  25. "The Army's M1 Tank: Has It Lived Up To Expectations?". Project on Government Oversight. 1 de janeiro de 1990. Arquivado em 2012-11-17 no Wayback Machine
  26. a b Zaloga & Sarson 1993, p. 24
  27. Wyden, Ron (Janeiro de 1992). «Operation Desert Storm: Early Performance Assessment of Bradley and Abrams» (PDF). Government Accountability Office. Consultado em 5 de julho de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 11 de abril de 2019 
  28. "Um dos M1s é atingido e desativado. A tripulação é extraída com segurança e o tanque deixado para trás, não antes de ser destruído pelo comandante da força-tarefa que atira dois tiros nele. O primeiro quica, o segundo penetra e incendeia [...] O terreno ainda está causando problemas. No ataque, vários veículos ficam presos na lama e não podem ser extraídos. O problema é complicado por mísseis inimigos e tiros de metralhadora. Dois tanques e dois veículos blindados são destruídos e descartados". — Halberstadt, Hans: Desert Storm: Ground War. Motorbooks International, 1991. p. 111.
  29. GAO/NSIAD-92-94, "Operation Desert Storm: Early performance assessment of Bradleys and Abrams" Arquivado em 2007-06-14 no Wayback Machine, p. 24. GAO, Janeiro de 1992.
  30. «A Company, 3–66 Armor, Abrams (Bumper # A-33)». TAB H – Friendly-fire Incidents. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 ; Sketch depicting the path of a DU 120 mm round through the hull of Abrams C-12 Arquivado em 2009-06-27 no Wayback Machine. OSD.
  31. Diaz, R. Gary. "Intervehicular Information System (IVIS): The Basis for a Tactical Information System"; SAE, número: 940982, General Dynamics, 1 de março de 1994.
  32. a b «Abrams Tank Upgrade» (PDF). Weapons Systems 2013. 2013. Cópia arquivada (PDF) em 5 de maio de 2015 
  33. «Army Equipment Program» (PDF). U.S. Army. Maio de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 9 de abril de 2015 
  34. a b c Thomas R. Mockaitis (2005). The Iraq War Encyclopedia. [S.l.]: Harvard University Press. p. 234. ISBN 0-674-01280-1 
  35. Conroy, Jason & Martz, Ron. Heavy Metal: A Tank Company's Battle To Baghdad. Potomac Books, 2005, p. 158.
  36. Zucchino, David: Thunder Run: The Armored Strike to Capture Baghdad. Grove Press, 2004, pp. 20–30, 73.
  37. «Technical Intelligence Bulletins». Wlhoward.com. Maio–Junho de 2003. Cópia arquivada em 12 de março de 2007 
  38. Conway, John P. (7 de janeiro de 2004). «Abrams Tank Systems: Lessons Learned Operation Iraqi Freedom» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 5 de setembro de 2006 
  39. Komarow, Steven. "Tanks take a beating in Iraq" Arquivado em 2012-03-18 no Wayback Machine. USA Today, 29 de março de 2005.
  40. Greem, Michael. M1 Abrams at War 2005. [S.l.]: Zenith Press. p. 99. ISBN 0-7603-2153-1. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2017 
  41. «Najaf fighting "heaviest so far"». 26 de março de 2003. Consultado em 23 de maio de 2020. Cópia arquivada em 25 de novembro de 2016 – via news.bbc.co.uk 
  42. «PROTECTOR Remote Weapon Station». Kongsberg Protech Systems. Consultado em 4 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2013 
  43. Komarow, Steven. "Tanks adapted for urban fights they once avoided" Arquivado em 2011-08-22 no Wayback Machine. USA Today, 29 de março de 2005.
  44. «U.S. Army Battling To Save Equipment». Washington Post. Consultado em 11 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2014 
  45. Michael R. Gordon (21 de maio de 2008). «Operation in Sadr City Is an Iraqi Success, So Far». The New York Times. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  46. «Super RPG threat, Army passes on system that could defeat RPG-29, DoD officials say». ArmyTimes. Cópia arquivada em 19 de julho de 2012 
  47. Binnie, Jeremy (20 de junho de 2014), Iraqi Abrams losses revealed, Janes, cópia arquivada em 2 de maio de 2015 
  48. Michael Pregent; Michael Weiss (12 de agosto de 2014). «Exploiting the ISIS Vulnerabilities in Iraq». The Wall Street Journal. Consultado em 8 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2015 
  49. Agency Backs More Abrams for Iraq in ISIS Fight Arquivado em 2014-12-23 no Wayback Machine – DoDBuzz.com, 22 de dezembro de 2014
  50. «Hezbollah Brigades hurries troops to Mosul fight | FDD's Long War Journal». www.longwarjournal.org. Consultado em 23 de maio de 2020. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2017 
  51. Marine tanks prepare for their first missions in Afghanistan. U.S. Marine Corps, 18 de janeiro de 2011. Arquivado em 2014-10-16 no Wayback Machine
  52. U.S. Tanks En Route to Southwestern Afghanistan Arquivado em 2011-05-30 no Wayback Machine. American Forces Press Service, 19 de novembro de 2010. Acessado em 12 de março de 2011.
  53. Saudi Losses in Yemen War Exposed by US Tank Deal Arquivado em 2016-08-11 no Wayback Machine – Defenseone.com, 9 de agosto de 2016
  54. «Kingdom of Saudi Arabia – M1A2S Saudi Abrams Main Battle Tanks and M88Al/A2 Heavy Equipment Recovery Combat Utility Lift Evacuation System (HERCULES) Armored Recovery Vehicles (ARV)». Defense Security Cooperation Agency. 9 de agosto de 2016. Consultado em 19 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2016 
  55. «Saudi Losses in Yemen War Exposed by US Tank Deal». Consultado em 10 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2016 
  56. «US, Germany to send advanced tanks to aid Ukraine war effort». AP NEWS (em inglês). 25 de janeiro de 2023. Consultado em 26 de janeiro de 2023 
  57. Macias, Amanda. «U.S. will send Abrams tanks to Ukraine ahead of expected Russian offensive». CNBC (em inglês). Consultado em 26 de janeiro de 2023 
  58. McFall, Caitlin (25 de janeiro de 2023). «Biden approves sending 31 M1 Abrams tanks to Ukraine, in reversal». Fox News Channel. Consultado em 26 de janeiro de 2023 
  59. «Deputy Pentagon Press Secretary Sabrina Singh Holds a Press Briefing». U.S. Department of Defense. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  60. Khalilova, Dinara. «Zelensky confirms first Abrams tanks already in Ukraine». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 25 de setembro de 2023 
  61. THOMAS NEWDICK (25 de setembro de 2023). «M1 Abrams Tanks Have Arrived In Ukraine». The War Zone (em inglês). Consultado em 26 de setembro de 2023 
  62. David Axe. «The First M-1 Tanks Are In Ukraine. Expect A Lot More Soon.». Forbes (em inglês). Consultado em 26 de setembro de 2023 
  63. David Axe (26 de novembro de 2023). «Ukraine's M-1 Tank Commanders Have a Better View Of The Battlefield». Forbes (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2023 
  64. Boyko Nikolov (26 de novembro de 2023). «M1A1 Abrams tank was spotted near Kupiansk front contact line». Bulgarian military (em inglês). Consultado em 27 de novembro de 2023 
  65. Mitzer, Stijn; Janovsky, Jakub. «Attack On Europe: Documenting Ukrainian Equipment Losses During The 2022 Russian Invasion Of Ukraine». Oryx. Oryxspioenkop. Consultado em 5 de maio de 2024 
  66. «Russia Blows Up 4th U.S.-made M1 Abrams Tank Near Avdiivka; Ukraine's Stocks Reduced To 27». Hindustan Times. Consultado em 11 de março de 2024 
  67. Ewing, Philip (21 de abril de 2011). «The tank at the end of history». DoD Buzz. Military.com. Consultado em 23 de abril de 2011. Cópia arquivada em 25 de abril de 2011 
  68. «Support Abrams». General Dynamic Land Systems. Consultado em 23 de abril de 2011. Cópia arquivada em 10 de abril de 2011 
  69. «Lighter, Yet Deadlier». Defense News. Gannett Government Media Corporation. Consultado em 24 de julho de 2011. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2013 
  70. a b "Over Army Objections, Industry and Congress Partner to Keep Abrams Tank Production 'Hot'". National Defense Magazine, Outubro de 2013.
  71. Congress Again Buys Abrams Tanks the Army Doesn't Want Arquivado em 2014-12-24 no Wayback Machine – Military.com, 18 de dezembro de2014
  72. Thompson, Loren (2 de novembro de 2018). «How President Trump Saved The Last Tank Plant In America». Forbes. Consultado em 30 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2021 
  73. Asia-Pacific Defence Reporter, Volume 30. [S.l.]: Asia-Pacific Defence Publications. 2004. Consultado em 2 de abril de 2011. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2023 
  74. Foss, Christopher F., ed. (2011). Jane's Armour and Artillery 2011–2012 32nd ed. Surrey: Janes Information Group. pp. 177–185. ISBN 978-0-71062-960-9 
  75. Wasserbly, Daniel (14 de outubro de 2014). «AUSA 2014: Army outlines upcoming combat vehicle choices». IHS Jane's International Defence Review. Cópia arquivada em 29 de abril de 2015 
  76. «General Dynamics Land Systems M1/M1A1/M1A2 Abrams MBT (United States), MBTs and medium tanks». Jane's Information Group. Jane's Armour and Artillery. Consultado em 1 de julho de 2011. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2011 
  77. Wolfgang, Ben (30 de março de 2020). «Marine Corps cuts helicopters, tanks for possible China conflict». The Washington Times. Consultado em 30 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 18 de junho de 2021 
  78. Snow, Shaun (26 de março de 2020). «The Marines want to get rid of their tanks. Here's why.». Marine Corps Times. Consultado em 30 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2021 
  79. «Force Design 2030: Annual Report 2022». Marines.mil. 23 de maio de 2022. Consultado em 6 de dezembro de 2022 
  80. Keating, Edward G.; Adedeji, Adebayo (Abril de 2021). «Projected Acquisition Costs for the Army's Ground Combat Vehicles» (PDF). Congressional Budget Office. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 7 de novembro de 2022 
  81. Miller, Jason. «Australian Military Vehicles Research -Disruptive Pattern Camouflage for the Australian Abrams M1A1 AIM SA (as at 2010)». Mheaust.com.au. Consultado em 28 de junho de 2011. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 {
  82. Australian Government, Department of Defence (13 de maio de 2010). «Exercise Chong Ju – Desert tan vs Auscam Abrams». Defence.gov.au. Consultado em 28 de junho de 2011. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012 
  83. Ramana Rao, J.V. «Introduction to Camouflage & Deception» (PDF). Defence Research and Development Organisation (India). 116 páginas. Consultado em 13 de junho de 2014 
  84. «U.S. Vehicle Grenade Launchers». Inetres.com 
  85. Hunnicutt 2015, p. 177.
  86. a b Hunnicutt 2015, p. 178.
  87. Zaloga & Sarson 1993, pp. 9–10
  88. Zaloga 2009, p. 15
  89. Hunnicutt 2015, p. 245.
  90. «BBC: US to use depleted uranium». BBC News. 18 de março de 2003. Consultado em 9 de junho de 2009. Cópia arquivada em 19 de maio de 2009 
  91. Clancy, Tom: Armored Cav: A Guided Tour of an Armored Cavalry Regiment. Berkeley Books, 1994, p. 58.
  92. a b Zaloga & Sarson 1993, p. 11
  93. «The Army's Future Combat Systems Program and Alternatives» (PDF). Congressional Budget Office Study: 67. Agosto de 2006. Cópia arquivada (PDF) em 9 de outubro de 2022 
  94. «Here's your first look at the Army's new M1 Abrams variant». Task & Purpose (em inglês). 26 de janeiro de 2019. Consultado em 6 de junho de 2019. Cópia arquivada em 6 de junho de 2019 
  95. Prado, Fabio. «Main Battle Tank – M1, M1A1, and M1A2 Abrams». www.fprado.com. Consultado em 5 de março de 2017. Cópia arquivada em 22 de novembro de 2016 
  96. Zaloga & Sarson 1993, p. 48.
  97. a b «Modified M1-A2 Abrams Tanks Improve Safety, Precision». Consultado em 22 de julho de 2017. Cópia arquivada em 15 de maio de 2013 
  98. «NIOSH Pocket Guide to Chemical Hazards». CDC. Cópia arquivada em 18 de agosto de 2017 
  99. a b The_Chieftain (14 de outubro de 2018), Chieftain Chats Abrams, consultado em 21 de janeiro de 2019, cópia arquivada em 14 de outubro de 2018 
  100. Cramer, Eric W. "TUSK to Update Abrams for Urban Battle". Defense AT&L: Julho–Augosto de 2005.
  101. a b c «Tank Urban Survivability Kit (TUSK)». Consultado em 11 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2014 
  102. «Defense Update.com». Defense Update.com. 25 de abril de 2006. Consultado em 9 de junho de 2009. Cópia arquivada em 10 de março de 2009 
  103. Walsh: Marines May Protect Tanks With Active and EW Protection Systems, Much Like Ship Self-Defense Arquivado em 2016-04-14 no Wayback Machine – News.USNI.org, 14 de abril de 2016
  104. Some Abrams Tanks Will Have "Trophy" System By 2020: Army Arquivado em 2017-10-11 no Wayback Machine – Military.com, 9 de outubro de 2017
  105. All Armored Brigades To Get Active Protection Systems: Gen. Milley Arquivado em 2018-07-15 no Wayback Machine. Breaking Defense. 15 de maio de 2018.
  106. Abrams tanks get new round of Israeli-made "shields" to fend off anti-tank weapons Arquivado em 2023-01-14 no Wayback Machine. Army Times. 6 de julho de 2018.
  107. Army Tries (Again) To Protect Stryker: Rafael or Rheinmetall? Arquivado em 2021-01-11 no Wayback Machine. Breaking Defense. 8 de janeiro de 2021.
  108. Fabio Prado. «Main Battle Tank – M1, M1A1, and M1A2 Abrams». Fprado.com. Consultado em 28 de junho de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  109. «Next-Gen 120 mm Tank Killer: ATK's M829E4 AKE». Defense Industry Daily. Cópia arquivada em 16 de julho de 2011 
  110. «M830A1 High Explosive Anti-Tank-Multi Purpose — Tracer (HEAT-MP-T)». GlobalSecurity.org. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  111. Hilmes, Rolf (1 de dezembro de 2004). «Arming Future MBTs – Some Considerations». Mönsch. Military Technology: 79 
  112. "M908 HE-OR-T" Arquivado em 2014-11-12 no Wayback Machine. ATK.com
  113. South, Joseph T.; Carter, Robert H. (1 de agosto de 2005). Thermal Analysis of an M256 120-mm Cannon (Relatório). Fort Belvoir, VA: Defense Technical Information Center. doi:10.21236/ada437279 
  114. Hill, Paul (Maio de 2012). Advanced Multi Purpose (AMP) Overview and Status (PDF). NDIA Joint Armaments Conference PM Panel. p. 26. Cópia arquivada (PDF) em 14 de novembro de 2012 
  115. Army developing new 120 mm AMP tank round Arquivado em 2014-04-07 no Wayback Machine – Army.mil, 19 de março de 2014
  116. Orbital ATK Awarded $16 Million to Develop Next Generation 120 mm Tank Ammo Arquivado em 2015-10-12 no Wayback Machine – Businesswire.com, 8 de outubro de 2015
  117. «Clank Softly and Carry a Better Shillelagh». Defense Industry Daily. Cópia arquivada em 7 de junho de 2011 
  118. "MRM cancelled" Arquivado em 2011-11-09 no Wayback Machine. Soldiergeek.com, 11 de julho de 2011.
  119. «General Dynamics Awarded $34 Million for M1A1 Abrams Tank Upgrades» (Nota de imprensa). General Dynamics. 5 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2010 
  120. Abrams Tank Upgrades Will Give Marines 'Killer Edge' Arquivado em 2016-08-24 no Wayback Machine – DoDBuzz.com, 23 de agosto de 2016
  121. Marines' M1A1 tanks: How an upgrade will help make them more lethal Arquivado em 2016-08-27 no Wayback Machine – MarineCorpstimes.com, 26 de agosto de 2016
  122. «Heavy duty: overhaul under way for Abrams tank engine». Accessmylibrary.com. 1 de setembro de 2006. Consultado em 9 de junho de 2009. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2009 
  123. Arquivado em 2008-03-08 no Wayback Machine
  124. Evans, David (1 de setembro de 1989). «Tanks Running on Poor Ideas and Bad Planning». Chicago Tribune. Tribune Publishing. Consultado em 21 de janeiro de 2023 
  125. Fabio Prado. «Main Battle Tank – M1, M1A1, and M1A2 Abrams». 64.26.50.215. Consultado em 9 de junho de 2009. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2007 
  126. Dupont, Daniel G. (25 de setembro de 2000). «Tanks Won't Be Converted to Diesel: Honeywell Turbine Engine Picked for Abrams Fleet, Crusader System». Inside the Army. 12 (38). Inside Washington Publishers. pp. 1, 11. JSTOR 43985032. Consultado em 7 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2022 
  127. «GE – Aviation: LV100». Consultado em 7 de agosto de 2008. Cópia arquivada em 7 de junho de 2008 
  128. «GE – Aviation: LV100 Advantages». Consultado em 7 de agosto de 2008. Cópia arquivada em 18 de junho de 2008 
  129. «AIM Program's M1A1 Tank Refits and Rebuilds Continue». Defenseindustrydaily.com. 2 de maio de 2005. Consultado em 9 de junho de 2009. Cópia arquivada em 14 de julho de 2009 
  130. «TARDEC Auxiliary Power Unit for a tank». Engineeringtv.com. Consultado em 9 de junho de 2009. Cópia arquivada em 21 de junho de 2009 
  131. Department of the Army (2009). «7». U.S. Army Warrior Ethos And Combat Skills Handbook (Field Manual No. 3‑21.75). [S.l.]: Morris Book Publishing, LLC. ISBN 978-1-59921-819-9. Consultado em 2 de junho de 2010. Cópia arquivada em 20 de julho de 2011 
  132. «M1070 Heavy Equipment Transporter (HET) Fact File United States Army». Army.mil. Consultado em 30 de junho de 2010. Cópia arquivada em 6 de julho de 2010 
  133. «Enter the Abrams». Australian Defence Magazine (em inglês). 10 de janeiro de 2008. Consultado em 31 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2021 
  134. Haulman, Daniel L. «THE UNITED STATES AIR FORCE IN SOMALIA, 1992–1995» (PDF). Consultado em 28 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 28 de setembro de 2017 
  135. Leland, John W. «THE CHRONOLOGICAL HISTORY OF THE C-5 GALAXY» (PDF). Consultado em 29 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 10 de outubro de 2017 
  136. Military Balance 2021. [S.l.]: IISS. 2021. p. 50 
  137. «The Military Balance 2021» (PDF). Routledge. Cópia arquivada (PDF) em 9 de outubro de 2022 
  138. IISS (2017). «The Military Balance 2017». Routledge. The Military Balance: Annual Estimates of the Nature and Size of the Military Forces of the Principal Powers: 372. ISSN 0459-7222 
  139. [1] Arquivado em 2013-05-11 no Wayback Machine
  140. "Saudi Arabia Orders 69 More M1A2S Abrams Heavy Tanks" Arquivado em 2016-03-03 no Wayback Machine. Deagel.com, 8 de janeiro de 2013.
  141. «The 2006 Saudi Shopping Spree: $2.9B to Upgrade M1 Abrams Tank Fleet». DefenseIndustryDaily.com. 4 de janeiro de 2011. Consultado em 28 de julho de 2011. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2006 
  142. M1 Abrams Arquivado em 2007-09-13 no Wayback Machine. Militarium.net
  143. «Morocco Purchases US-Made M1A1 Abrams Tanks». Morocco World News. 30 de agosto de 2015. Consultado em 14 de abril de 2016. Cópia arquivada em 3 de maio de 2016 
  144. «General Dynamics Awarded $358 Million for 150 M1A1 SA Abrams Tanks for Morocco». generaldynamics.com. 30 de setembro de 2015. Consultado em 14 de abril de 2016. Cópia arquivada em 15 de abril de 2016 
  145. «Procurement: Iraq Buys What It Knows». Strategypage.com. 18 de dezembro de 2008. Consultado em 9 de junho de 2009. Cópia arquivada em 15 de abril de 2009 
  146. Pappalardo, Joe (23 de dezembro de 2014). «Why the U.S. Is Selling More Tanks To Iraq». Popular Mechanics (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2014 
  147. MIZOKAMI, KYLE (15 de julho de 2021). «Poland Just Bought America's M1 Abrams Tank. That's Ironic». popularmechanics. Consultado em 22 de julho de 2021. Cópia arquivada em 22 de julho de 2021 
  148. «Błaszczak: polski przemysł ma kompetencje do T-72. Wykorzystamy wszystkie czołgi» (em polaco). Consultado em 18 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2022 
  149. «Polish Defence Ministry confirms plan to buy M1 Abrams tanks». 14 de julho de 2021. Consultado em 28 de abril de 2022. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2023 
  150. Rafał Muczyński (18 de julho de 2022). «Szkoleniowe Abramsy juĹź w Polsce - MILMAG». Milmag.pl. Consultado em 8 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2022 
  151. «Taiwan to Receive First Two Abrams Tanks in June». TheDefensePost. 17 de março de 2022. Consultado em 20 de janeiro de 2023 
  152. «Taiwan army training on first M1A2T Abrams delivered in June». Army Recognition. 13 de setembro de 2022. Consultado em 20 de janeiro de 2023 
  153. «Acquisition of the ABRAMS Main Battle Tank». Australian National Audit Office. 17 de julho de 2007. Consultado em 6 de maio de 2014. Cópia arquivada em 5 de junho de 2011 
  154. Galloway, Anthony (9 de janeiro de 2022). «Australia commits to $3.5 billion tank purchase from the US». The Sydney Morning Herald. Consultado em 10 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2022 
  155. Giannini, Dominic (10 de janeiro de 2022). «Over 120 tanks, armoured vehicles secured». 7NEWS. Consultado em 10 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2022 
  156. «Estados Unidos vão enviar 31 tanques Abrams para a Ucrânia». G1. Consultado em 25 de janeiro de 2023 
  157. «US joins Germany in sending tanks to Ukraine as Biden hails 'united' effort». the Guardian (em inglês). 25 de janeiro de 2023. Consultado em 30 de janeiro de 2023 
  158. Ζητήστε μας ό,τι σας χρειάζεται. Kathimerini (em grego). Consultado em 9 de abril de 2012. Cópia arquivada em 7 de julho de 2012 
  159. «M-1 Abrams 105 mm: tanques estocados nos EUA podem interessar ao Brasil?». Consultado em 1 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2019 
  160. «Oportunidade: EUA oferecem ao Brasil tanques, jipes e helicópteros». Consultado em 1 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2019 

Bibliografia

editar
 
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre M1 Abrams