Batalha de Rusocastro

A Batalha de Rusocastro (em búlgaro: Битка при Русокастро, em grego: Μάχη του Ρουσόκαστρου) ocorreu em 18 de julho de 1332 perto da vila de Rusocastro, na Bulgária, e foi travada entre as forças do Império Búlgaro e do Império Bizantino. O resultado foi uma vitória búlgara.

Batalha de Rusocastro
Guerras bizantino-búlgaras
Battle of Rusokastro.png
Batalha de Rusocastro
Data 18 de julho de 1332
Local Vila de Rusocastro, província de Burgas, Bulgária
Desfecho Vitória búlgara
Beligerantes
Segundo Império Búlgaro Império Búlgaro Império Bizantino
Comandantes
Segundo Império Búlgaro João Alexandre Império Bizantino Andrônico III Paleólogo
Forças
8 000 na infantaria e 3 000 na cavalaria 3 000

Origens do conflitoEditar

Em 1328, os imperadores búlgaro e bizantino, Miguel Asen III e Andrônico III Paleólogo, assinaram um tratado secreto contra a Sérvia. Quando Miguel iniciou o conflito contra os sérvios, em 1330, os bizantinos invadiram a Trácia e capturaram as cidades búlgaras na região. Depois de terem derrotado a Bulgária na batalha de Velebusdo, os bizantinos conseguiram se firmar na região.

PrelúdioEditar

Os bizantinos não estavam, contudo, preparados para a guerra. O império sofria com perturbações civis e estava lutando contra os turcos na Ásia Menor. Já entre os búlgaros, a situação não era melhor, com constantes disputas pelo poder, mas o imperador João Alexandre (r. 1331–1371) sabia que um confronto decisivo contra Bizâncio ainda estava por vir e decidiu melhorar suas relações com os sérvios. Em 1332, ele firmou um tratado de paz com eles que durou até a sua morte. O tratado foi reforçado pelo casamento entre o rei sérvio, Estêvão Uresis IV (r. 1331–1355) e a irmão do imperador búlgaro, Helena. No verão do mesmo ano, os bizantinos juntaram um exército e, sem declarar guerra, marcharam contra a Bulgária, saqueando e pilhando as vilas que encontraram no caminho. Eles tomaram diversos castelos enquanto João Alexandre lutava contra a revolta iniciada por seu tio, Belaur, em Vidin. Ele tentou negociar com os invasores, sem sucesso. Ivan então iniciou uma marcha acelerada (sua cavalaria cobriu 230 km em 5 dias) até Aitos para encarar os invasores.

BatalhaEditar

O exército de João Alexandre dispunha de 8 000 homens, contra apenas 3 000 dos bizantinos. Houve negociações entre os dois líderes, mas o imperador búlgaro deliberadamente as prolongou enquanto aguardava reforços. Na noite de 17 de julho, eles finalmente chegaram (3 000 cavaleiros) e ele decidiu atacar no dia seguinte. Andrônico não teve escolha e aceitou o combate.[1] O exército bizantino estava organizado em dezesseis esquadrões e seis deles compunham a primeira coluna. A ala direita era comandada por um protoestrator, a esquerda, pelo grande papia Aleixo Tzâmplaco e o centro, pelo imperador. O exército se espalhou numa frente ampla, com duas linhas e com os flancos posicionados atrás do centro, o que resultava na forma de um crescente.

A batalha começou às seis da manhã e continuou por três horas. Os bizantinos tentaram impedir que a cavalaria búlgara os cercasse, mas não conseguiram. Os cavaleiros circundaram a primeira linha bizantina, deixando que a infantaria a combatesse, e atacou a retaguarda dos flancos. Após um combate feroz, os bizantinos foram derrotados, abandonaram o campo de batalha e se esconderam em Rusocastro. O exército búlgaro cercou a fortaleza e, ao meio-dia da mesma data, João Alexandre enviou emissários para continuar as negociações.[2]

ConsequênciasEditar

Os búlgaros retomaram o território perdido na Trácia e seu império saiu fortalecido do conflito. O filho e sucessor do imperador, Miguel Asen IV, de apenas oito anos, se casou com a filha de Andrônico, Maria, confirmando a paz entre os impérios. Esta batalha era considerada pelos historiadores medievais búlgaros como um grande triunfo de João Alexandre e foi o último grande combate entre a Bulgária e Bizâncio, uma vez que a rivalidade de sete séculos entre eles pelo domínio nos Bálcãs logo seria encerrada após a queda de ambos os impérios quando o Império Otomano conquistou a região.

Referências

  1. João Cantacuzeno, Historia. GIBI, vol. Х, p. 270.
  2. João Cantacuzeno, Historia. GIBI, vol. Х, p. 272.

BibliografiaEditar

  • Andreev, Y.; M. Lalkov (1996). The Bulgarian Khans and Tsars (em Bulgarian). Veliko Tarnovo: Abagar. ISBN 954-427-216-X