Abrir menu principal
Batalha de Saule
Cruzada Livónia
2010 05 22 062Saulėsmūšis.JPG
Suposto local da batalha, perto de Jauniūnai
Data 22 de setembro de 1236
Local Desconhecido
Desfecho Vitória decisiva samogícia
Beligerantes
Irmãos Livónios da Espada
República de Pskov
Livónios
Latgalianos
Samogícios
Comandantes
Volquin Vykintas
Forças
3.000 Entre 4.000 e 5.000
Baixas
48-60 cavaleiros mortos
2.700 mortos
1.200
A Confederação Livónia em 1260, mostrando a Batalha de Saule perto de Šiauliai

A Batalha de Saule[1] decorreu o 22 de setembro de 1236[1][2][3] entre os Irmãos Livónios da Espada[1][4] e os samogícios pagãos. Sendo derrotados os cruzados,[4] os sobreviventes da Ordem aceitaram começar a fazer parte da Ordem Teutónica em 1237.[2][4][5] As forças livónias foram destroçadas, incluindo o mestre livónio, Volquin.[6] Esta foi a primeira grande derrota sofrida pelas ordens nas terras bálticas.[5] A batalha encorajou as revoltas entre os curónios, semigalianos, selónios e oésios, tribos que tinham sido anteriormente conquistadas pelos Irmãos Livónios da Espada. Nesta contenda os cruzados perderam por volta de trinta anos de conquistas na margem esquerda do Daugava.[7] Para comemorar a batalha, os parlamentos lituano e letónio declararam em 2000 o 22 de setembro como o Dia da Unidade Báltica.[2]

ContextoEditar

Os Irmãos da Espada foram estabelecidos em 1202 em Riga para conquistar e converter as tribos bálticas ao cristianismo. Por volta da década de 1230 baixo a liderança do mestre Volquin, a Ordem estava a lidar com dificuldades financeiras, decrescimento do seu poder e má reputação.[8] A Ordem estava em conflito com o papado do Papa Gregório IX e com o Sacro Império, dois dos seus maiores apoiantes.[9] O 19 de fevereiro de 1236, o Papa Gregório IX emitiu uma bula papal declarando a cruzada contra a Lituânia. Volquin tinha como alvo a Samogícia, planeando conquista a costa do mar Báltico e ligar-se com os cavaleiros teutónicos na Prússia. Os Irmãos da Espada queriam continuar a expandir-se pelo rio Daugava mas tinham certa relutância em marchar contra a Samogícia.[10] No outono de 1236 uma seção de cruzados chegaram do Holsácia. Volquin reuniu uma grande força guerreira, a qual incluiu tropas da República de Pskov,[8] livónias, latgalianas e estónias.[10]

Eventos da batalhaEditar

Os cavaleiros marcharam em direção ao sul, pilhando e arrasando os assentamentos locais. Os locais só tinham uns poucos dias para reunir tropas para defender-se. Durante o retorno dos cavaleiros pelo norte, contudo, eles encontraram um determinado grupo de samogícios num cruzamento fluvial. De maneira a evitar o risco de perder os seus cavalos no pântano, os holsácios rejeitaram lutar a pé, forçando os cavaleiros a acampar pela noite.[8] A manhã seguinte, no dia de São Maurício, a principal força pagã, possivelmente liderada pelo duque Vykintas, chegou ao campo. A cavalaria ligeira lituana lançou dardos de arremesso a curta distância, que foram muito eficazes contra a fraca e mal armada cavalaria pesada livónia. O terreno pantanoso era vantajoso para os mal armados pagãos. As mal equipadas forças armadas nativas baixo o comando dos Irmãos da Espada rapidamente caíram em desgraça. Os cruzados e cavaleiros que tentaram chegar a Riga foram alegadamente mortos pelos semigalianos.

Palco bélicoEditar

A localização exata do lugar onde decorreu a batalha é desconhecida. A Chronicum Livoniæ de Hermann de Wartberge mencionou que a batalha teve lugar em terram Sauleorum. Tradicionalmente, este foi identificado com Šiauliai (alemão: Schaulen, letão: Šauļi) na Lituânia ou na pequena cidade de Vecsaule perto de Bauska no que é atualmente a Letónia.[11] Em 1965 o historiador alemão Friedrich Benninghoven propôs a vila de Jauniūnai no distrito de Joniškis, na Lituânia como o local da batalha. A teoria arrecadou algum apoio académico e em 2010 o governo lituano patrocinou a construção de um memorial em Jauniūnai.[12] A vila de Pamūšis situada a uns dez quilómetros a este de Jauniūnai no rio Mūša, também diz ser o palco bélico.[13] Saule/Saulė significam "o Sol" em letão e em lituano respetivamente.

Referências

  1. a b c LIND, John. Alexander Nevsky, Saint (ca. 1220–1263). The Encyclopedia of War, 2012.
  2. a b c «J.Vaiškūnas. Baltų vienybė». DELFI. Consultado em 28 de março de 2016 
  3. SMITH-SIVERTSEN, Hermann. The Baltic States. Central and Southeast European Politics since 1989, 2010, 447-72.
  4. a b c MOL, Johannes A. 11.11. 30, Jähnig, Verfassung und Verwaltung des Deutschen Ordens. The Medieval Review, 2011.
  5. a b «T.Baranauskas: Ar priminsime Europai apie Šiaulių mūšį?». DELFI. Consultado em 28 de março de 2016 
  6. MURRAY, Alan V. The Sword Brothers at war: observations on the military activity of the Knighthood of Christ in the conquest of Livonia and Estonia (1203-1227). Ordines Militares: Yearbook for the Study of the Military Orders, 2013, 18: 27-37.
  7. BIELINIS, Jonas. Lietuvos TSR istorijos ir kultūros paminklų sąvadas. Vyriausioji enciklopedijų redakcija, 1988.
  8. a b c Christiansen, Eric (4 de dezembro de 1997). The Northern Crusades (em inglês). [S.l.]: Penguin Adult. ISBN 9780140266535 
  9. Urban, William (2000). The Prussian Crusade (2ª edição). Chicago, Ilinois: Lithuanian Research and Studies Center. pp. 142-147
  10. a b GUDAVIČIUS, Edvardas; INSTITUTAS, Lietuvos Istorijos. Mindaugas. Zara, 1998.
  11. SUŽIEDĒLIS, Simas. Encyclopedia Lituanica. Boston:[J. Kapǒcius, 1970-1978., 1970.
  12. «Saulės mūšio memorialui pabaigti skirs milijoną litų». DELFI. Consultado em 5 de abril de 2016 
  13. Baškys, Vytautas (3 de janeiro de 2011). «ŠIAURĖS ATĖNAI». Baltų vienybės diena – Saulės mūšio atgarsis. Consultado em 5 de abril de 2016 
  Este artigo sobre batalhas (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.