Bayeux

comuna francesa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Bayeux (desambiguação).
Bayeux
  Comuna francesa França  
Catedral de Bayeux
Catedral de Bayeux
Símbolos
Brasão de armas de Bayeux
Brasão de armas
Gentílico Bajocasses ou Bayeusains
Localização
Bayeux está localizado em: França
Bayeux
Coordenadas 49° 16' 46" N 0° 42' 10" O
País  França
Região Blason region fr Normandie.svg Normandia
Departamento Blason département fr Calvados.svg Calvados
Subdivisão Bayeux
Administração
Prefeito Patrick Gomont; (2008–2014)
Características geográficas
Área total 7,11 km²
População total (2010) [1] 13 222 hab.
Densidade 1 859,6 hab./km²
Altitude máxima 67 m
Altitude mínima 32 m
Código Postal 14400
Código INSEE 14047
Website www.mairie-bayeux.fr

Bayeux é uma cidade do departamento de Calvados, na região da Normandia, França. Dá o seu nome à famosa Tapeçaria de Bayeux, que relata a conquista da Inglaterra pelos Normandos.

EtimologiaEditar

A cidade era conhecida como Augustoduro (Augustodurum) no Império Romano. Significa o durum (Palavra Céltica -duro 'porta', como no galês dor, 'porta', bretão dor, 'porta'), dedicado a Augusto, imperador romano. A palavra céltica Duron, latinizada em durum, provavelmente foi usada para traduzir a palavra latina fórum (Compare Fréjus, Fórum Júlio, dedicada a Júlio César).[2]

No Império tardio levou o nome da tribo celta que viveu aqui: o Bodiocassi, latinizado em Bajocassi, Bajocasses, e esta palavra explica os nomes dos lugares Bayeux e Bessin. Bodiocassi foi comparado com o irlandês antigo Buidechass, "com cachos loiros".[3]

HistóriaEditar

Fundada como um assentamento galo-romano no século I a.C. sob o nome Augustoduro, Bayeux é a capital do antigo território dos povo da Gália bodiócassos, cujo nome aparece nos escritos de Plínio, o Velho.

A cidade foi em grande parte destruída durante as invasões viquingues do final do século IX, mas foi reconstruída no início do século X sob o reinado de Bothon. O século XI viu a criação de cinco aldeias além dos muros à evidência a nordeste de seu crescimento durante o Ducado da Normandia. O meio-irmão de Guilherme, o Conquistador, Odo, Conde de Kent completou a catedral da cidade e foi dedicado em 1077. No entanto, a cidade começou a perder importância quando Guilherme colocou a capital em Caen. Quando o rei Henrique I da Inglaterra derrotou seu irmão Roberto Curthose para o domínio da Normandia, a cidade foi queimada para dar um exemplo para o resto do ducado. Em Ricardo Coração de Leão, Bayeux era rica o suficiente para comprar uma carta municipal. Desde o fim do reinado de Ricardo até o fim do Guerra dos Cem Anos, Bayeux foi saqueada várias vezes até que Henrique V da Inglaterra foi capturado da cidade em 1417. Após a Batalha de Formigny, Carlos VII da França recapturou a cidade e concedeu uma anistia geral para sua população em 1450. A captura de Bayeux anunciava um retorno à prosperidade como novas famílias substituíram as dizimadas pela guerra e estes construíram cerca de 60 mansões espalhadas por toda a cidade, com pedras suplantando madeiras.

A área em torno de Bayeux é chamado de Bessin, que era o bailiado da província da Normandia até a Revolução Francesa. Durante a Segunda Guerra Mundial, Bayeux foi a primeira cidade da Batalha da Normandia a ser libertada, em 06 junho de 1944.

O General Charles de Gaulle fez o primeiro de dois grandes discursos em Bayeux, em que ele deixou claro que a França tomou o partido dos aliados. Os edifícios em Bayeux foram praticamente intactos durante a Batalha da Normandia, as forças alemãs estavam totalmente envolvidas na defesa de Caen dos Aliados.

O Cemitério da Guerra de Bayeux com o seu memorial inclui o maior cemitério britânico que data da Segunda Guerra Mundial na França. Há 4.648 sepulturas, incluindo 3.935 britânicos e 466 alemães. A maioria das pessoas enterradas lá foram mortas na invasão da Normandia.

A cidade francesa de Bayeux é também o lar de um memorial a todos os jornalistas que perderam suas vidas ao relatar. O memorial foi projetado por Samuel Craquelin, que é um arquiteto francês. O memorial lista os nomes de 1.889 jornalistas mortos entre 1944 e 2007. O memorial foi criado em Bayeux por causa de sua libertação histórica em 06 de junho de 1944.[4]

Charles de Gaulle retornou a Bayeux em 16 de junho de 1946, para inaugurar um monumento na praça que hoje leva seu nome. Ele pronuncia o discurso de Bayeux, na qual apresenta as bases do que viria a ser a Constituição de 1958.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Populations légales des communes en vigueur au 1er janvier 2013». www.insee.fr (em francês). INSEE. Dezembro de 2012. Consultado em 3 de abril de 2013 
  2. Pierre-Yves Lambert, La langue gauloise, éditions errance 1994.
  3. Xavier Delamarre, Dictionnaire de la langue Gauloise, éditions errance 2003.
  4. «The French town of Bayeux and Reporters Without Borders inaugurate a journalists memorial on the eve of World Freedom Day». Reporters Without Borders. 3 de maio de 2007. Consultado em 10 de fevereiro de 2013 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bayeux