Berigo ou Berico (em latim: Bericus) foi um rei lendário dos godos que aparece na Gética de Jordanes.

Berigo
Rei gótico
Reinado século III
Sucessor(a) ? (próximo mencionado: Gadarico, o Grande)
Religião paganismo gótico
Cultura de Vilemberga (vermelho) em princípios do século III. Sua área é costumeiramente identificada como a Gotiscandza de Jordanes[1]

VidaEditar

Segundo o relato, liderou seu povo em três navios de Escandza (Escandinávia) para Gotiscandza (bacia do Vístula). Eles assentaram-se e então atacaram os rúgios, que viviam na costa, expulsando-os de seus domínios; depois, derrotariam seus novos vizinhos, os vândalos.[2] A arqueologia, no entanto, contradiz esse relato ao demonstrar que a transição da Cultura de Oksywie à de Vilemberga foi pacífica e sua cronologia coincide com o aparecimento de nova população de origem escandinava em áreas antes inabitadas ("terras de ninguém") entre as zonas das culturas de Oksywie e de Przeworsk.[3]

O arcebispo sueco do século XVI de Upsália, João Magno, em sua história dos suecos e godos, foi o primeiro a publicar uma canção conhecida como "Balada de Érico", sobre um antigo rei gótico chamado Érico, que mantêm algumas similaridades com Berigo. Originalmente pensou-se que a obra continha registro autêntico da tradição oral sobre o rei, mas é agora reconhecida como falsa.[4][5]

Nome e famíliaEditar

Segundo alguns autores, seu nome tem como raiz o gótico Bairika (Pequeno urso).[6] O historiador dinamarquês Arne Søby, por outro lado, propôs que Cassiodoro, que escreveu o texto que Jordanes baseou sua obra, inventou-o, com inspiração no nome Berico/Verica (em grego: Βέρικος; romaniz.: Bérikos).[7] Segundo Herwig Wolfram, talvez os dois reis mencionados após Berigo na Gética, Gadarico, o Grande e Filímero, sejam seus parentes.[8]

Referências

  1. Wolfram 1990, p. 38.
  2. Jordanes 551, IV.25-26.
  3. Kokowski 1999.
  4. Jonsson 1967, p. 676-681.
  5. «Eriksvisan» (em inglês). Consultado em 29 de março de 2015 
  6. Maenchen-Helfen 1973, p. 406.
  7. Christensen 2002, p. 303.
  8. Wolfram 1990, p. 34.

BibliografiaEditar

  • Christensen, Arne Søby (2002). Cassiodorus, Jordanes and the History of the Goths: Studies in a Migration Myth. Copenhague: Museum Tusculanum Press. ISBN 8772897104 
  • Jonsson, Bengt R. (1967). Svensk balladtradition. Estocolmo: Svenskt Visarkiv 
  • Kokowski, Andrzej (1999). Archäologie der Goten. Goten im Hrubieszow-Becken. Lublin: IdeaMedia. ISBN 83-907341-8-4 
  • Maenchen-Helfen, Otto J. (1973). The World of the Huns: Studies in Their History and Culture. Berkeley, Los Angeles e Londres: University of California Press. ISBN 9780520015968