Abrir menu principal

Bolhas ionosféricas ou Bolhas de plasma podem ser definidas como uma baixa densidade de plasma ionosférico que ocorre na região do equador magnético. Elas são fortemente influenciadas pela radiação magnética do equador magnético, e suas variações são dependentes do ciclo solar.

Índice

Explicação do FenômenoEditar

Durante o dia, a atmosfera eletricamente neutra da Terra (composta majoritariamente por oxigênio e nitrogênio) sofre um bombardeio de raios ultravioleta vindos do Sol, os quais através de uma ação fotoelétrica, geram íons e elétrons, a partir da altura de aproximadamente 60 km., criando, dessa forma, a ionosfera terrestre. A ionosfera, portanto, situa-se acima de aproximadamente 60 km de altura. Ela foi descoberta no início do século XX por interferir na propagação de rádio.

Durante o dia, a ionosfera é mais densa, ou seja, abarca mais elétrons e íons livres devido à presença da radiação solar. Após o pôr-do-sol, a ionosfera começa a desaparecer por recombinação entre elétrons e íons, e, na região tropical (isto é, entre os trópicos de Câncer e Capricórnio), ela sobe repentinamente de altura com uma velocidade muito grande em cuja condição forma-se a bolha.

Dizemos então que bolhas de plasma, ou bolhas ionosféricas são enormes regiões de vazio de plasma e surgem após o pôr-do-sol (elas nunca ocorrem durante o dia) e podem se estender por milhares de quilômetros ao longo das linhas de força do campo magnético terrestre (a Terra é um imenso imã e portanto tem linhas de campo magnético como ocorre com qualquer imã). A ocorrência das bolhas está aproximadamente restrita à região intertropical devido às condições físicas locais que favorecem a geração do fenômeno.

Regiões do Brasil que ocorre o fenômeno das Bolhas Ionosféricas e os Problemas gerados por elasEditar

As primeiras detecções do fenômeno das bolhas sobre o território brasileiro ocorreram em 1976, por meio de observações ópticas da ionosfera sobre a região de Cachoeira Paulista, cidade do interior do estado de São Paulo, pelos pesquisadores José Humberto Sobral e Mangalathayil Abdu, ambos do INPE. A descoberta do referido fenômeno sobre o território brasileiro aconteceu simultaneamente em outras partes do globo terrestre por pesquisadores estrangeiros.

Na região brasileira elas ocorrem mais fortemente entre outubro e março e a sua freqüência de ocorrência diminui até atingir um mínimo por volta de junho ou julho. A bolha interfere nas telecomunicações via satélite, por difração das ondas (eletromagnéticas) das telecomunicações, causando-lhes forte alteração tanto de amplitude como de polaridade, o que gera os ruídos. Um resultado típico de tal interferência é o aparecimento de pontos escuros e luminosos na tela do receptor, na recepção direta por antena parabólica caseira. Sistemas de telecomunicações de grande porte tais como os utilizados por muitas empresas de telecomunicações podem também eventualmente sofrer fortes interferências, chegando aos blackouts (interrupções totais) nas comunicações.

As bolhas ionosféricas também poderiam, ao se concentrarem em certo ponto, gerar Campos Magnéticos e Campos Elétricos, que variam de baixos a médios, o suficiente para interferir na tramitação de qualquer onda eletromagnética. A variação de intensidade, do campo magnético e elétrico, dependerá de pequenos fatores físicos e climáticos que influem decisivamente na situação. Isso tornaria, dependendo da intensidade dos campos e da freqüência que são transmitidas as ondas eletromagnéticas, muito dificultosas a comunicação via rádio e a localização por radar e GPS. Além de atrapalhar gravemente aparelho que dependem das ondas eletromagnéticas ou de impulsos eletromagnéticos para funcionarem, agirem e tomarem determinadas atitudes pré-estabelecidas para eles realizarem.

ObservaçõesEditar

- É importante ressaltar que esse fenômeno acontece aproximadamente dentro da região tropical, em cujo caso, significa que Europa, Estados Unidos e Japão, por exemplo, não são atingidos pelo fenômeno;

- E o fenômeno não acontece durante o dia devida alta condutividade iônica influenciada pela radiação solar;

- As bolhas passam a interferir mais fortemente durante a fase de máxima atividade solar que ocorre a cada 11 anos.

- Atualmente, a região do Brasil que mais sofre com os problemas das Bolhas Ionosféricas é a região que abrange a Serra do Cachimbo, no Estado de Mato Grosso. Região essa que é considerada de extrema importância para a condução de estudos e pesquisas, desse fenômeno e de outros, nas áreas de Geofísica, Aeronomia e Atmosféricas.

Referências BibliográficasEditar

  • James Clerk Maxwell, "A Dynamical Theory of the Electromagnetic Field", Philosophical Transactions of the Royal Society of London 155, 459-512 (1865). (Este artigo acompanha uma apresentação de 8 de dezembro de 1864 à Royal Society.);
  • James Clerk Maxwell, A Treatise on Electricity e Magnetism, 3rd ed., vols. 1-2 (1891) (reprinted: Dover, New York NY, 1954; ISBN 0-486-60636-8 e ISBN 0-486-60637-6);
  • John David Jackson, Classical Electrodynamics (Wiley, New York, 1998);
  • Edward M. Purcell, Electricity e Magnetism (McGraw-Hill, New York, 1985);
  • PEREIRA, HERBERT ALEXANDRE GALDINO. Teoria do Triângulo das Bermudas.Ed.2ª – São Paulo : Versão Online, 2009.
  • Banesh Hoffman, Relativity e Its Roots (Freeman, New York, 1983);
  • Charles F. Stevens, The Six Core Theories of Modern Physics, (MIT Press, 1995) ISBN 0-262-69188-4;
  • Landau, L. D., The Classical Theory of Fields (Course of Theoretical Physics: Volume 2), (Butterworth-Heinemann: Oxford, 1987);
  • Fitzpatrick, Richard, "Lecture series: Relativity e electromagnetism". Advanced Classical Electromagnetism, PHY387K. University of Texas at Austin, Fall 1996;
  • Charles W. Misner, Kip S. Thorne, John Archibald Wheeler, Gravitation, (1970) W.H. Freeman, New York; ISBN 0-7167-0344-0. (Fornece um tratamento das equações de Maxwell em termos de formas diferenciais.);
  • CRUZ, Eduardo Cesar Alves ; CHOUERI JR., Salomão. Eletrônica Aplicada. São Paulo: Érica , 2007.
  • STUART M. WENTWORTH. Eletromagnetismo Aplicado – Abordagem Antecipada das Linhas de Transmissão. São Paulo: Bookman , 2008.
  • ROBERT A. WITTE . Electronic Test Instruments: Analog and Digital Measurements. Ed.2ª - Importado : Prentice Hall , 2002.
  • NEWTON S. SAINTIVE . Teoria de Voo – Introdução à Aerodinâmica. Ed.4ª – São Paulo : ASA, 2006.
  • JORGE M.HOMA. Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos. Ed.28ª – São Paulo : ASA, 2006.
  • FERNÁNDEZ, Manuel Plaza. Electricidad de Los Aviones. Ed.1ª – Importado : Paraninfo, 1995.
  • KENDAL, Brian. Manual De Avionica. Ed.1ª – Importado : Paraninfo, 1997.
  • RUEDA, Jesús Martínez. Sistemas Eléctricos y Electrónicos de las Aeronaves. Ed.1ª – Importado : Paraninfo, 2006.
  • STEFAN JUCEWICZ . Radar. São Paulo : ASA, 1997.
  • PEREIRA, HERBERT ALEXANDRE GALDINO. Orientação aos Aviadores do Brasil. São Paulo : Versão Online, 2010.
  • LIU, MINGLIANG. Demystifying Switched Capacitor Circuits . - Importado : Newnes (Elsevier) , 1997.
  • Bastos, João Pedro Assumpção. Eletromagnetismo para Engenharia: Estática e Quase-Estática. Santa Catarin : Editora UFSC, 2004.
  • Fiorense, Virgílio. Wireless: Introdução às Redes de Telecomunicação Móveis Celulares. Rio de Janeiro : Editora Brasport, 2005.
  • Gomes, Alcides Tadeus. Telecomunicações – Transmissão e Recepção. São Paulo: Érica, 2005.
  • KEAREY, Philip. Geofísica de Exploração. São Paulo: Oficina de Textos, 2009.
  • FERNANDES, Carlos Eduardo M. Fundamentos de Prospecção Geofísica. Rio de Janeiro: Interciência, 1984.
  • FILHO, Silverio Visacro. Descargas Atmosféricas – Uma Abordagem de Engenharia. São Paulo: ArtLiber, 2005.
  • HAYKIN, Simon; VEEN, Barry Van. Sinais e Sistemas. Rio Grande do Sul: Bookman, 2001.
  • WENTWORTH, Stuart M. Eletromagnetismo Aplicado – Abordagem Antecipada das Linhas de Transmissão. Rio Grande do Sul: Bookman, 2008.
  • SOBRAL, José Humberto Andrade. Sobre a Importância Estratégica da Ciência Espacial para o Brasil. São Paulo: Edição Online, 1999.